A Alexdependência tem outro nome

“Alexdependência” é o termo da moda para se falar do Coritiba. O time do criticado Marquinhos Santos tem tido dificuldades no Estadual para convencer a torcida – ainda assim, ganhou o primeiro turno com alguma folga e segue invicto. Como o futebol não perdoa, os dois empates na saída do returno já bastaram para as várias cobranças. É bem verdade também que esperava-se mais do Coxa no Atletiba #353 e que o time ganhou algumas partidas sem jogar bem: J. Malucelli e Toledo, além dos empates com ACP e Operário – três dos jogos no Couto Pereira.

De uma maneira ou de outra, só nas cinco partidas citadas acima, Alex foi decisivo. É uma ilha de bom futebol no mar de inconstância alviverde. Daí o surgimento do termo. Mas, com alguns reforços que chegaram ao clube – como o próprio Alex, Deivid, Arthur, Julio César, Botinelli e outros – o time não deveria estar jogando mais? Não.

A “Alexdependência” atende pelo conhecido nome de desentrosamento. Ou, num panorama mais global, reformulação. Para confirmar a teoria, pesquisei os times-base do Coxa nos últimos quatro anos. A base iniciada em 2009 rendeu um título nacional da Série B, três estaduais e dois vice-campeonatos da Copa do Brasil. Os dados apontam os jogadores mais frequentes na equipe em momentos decisivos. Alguns não completaram a temporada citada pelo clube. O time de 2013 é o que esteve em campo contra o Cianorte (2-0) no dia 17 de março. Confira:

Ano após ano, o Coxa manteve uma base com poucas mudanças em relação à última temporada. O estilo de jogo de Ney Franco foi mantido por Marcelo Oliveira, que aos poucos foi dando sua cara ao time; as peças que saíam, com exceções pontuais, procuravam ser repostas dentro de uma característica. Com Marquinhos Santos, já no Brasileirão 2012, o projeto seguiu. Mas voltando bem no tempo, percebe-se que apenas quatro jogadores da espinha dorsal entrosada e vitoriosa estão na equipe.

Leia também:
15 minutos com Rafael Cammarota
Paraná Clube na Bolsa de Valores: entenda os riscos e as possibilidades
Londrina x Coritiba: rivalidade e boas histórias desde 1959

Sim, existem outros que permanecem e já atuaram como titulares em algum momento – caso de Gil – ou estão apenas machucados – caso de Emerson; mas a tabela acima, mostrando as mudanças graduais batem com a teoria: o Coxa ainda é um time em formação. No entanto, carrega nas costas alguns problemas: a desconfiança criada por setores sobre o trabalho de Marquinhos Santos, jovem na profissão; a chegada de Alex, que criou na cabeça dos torcedores a ideia de se ver um futebol mágico; as conquistas recentes e a ausência de um grande antagonista no Estadual, o que em tese deixam as coisas  mais fáceis; e, por fim, o pouco tempo de existência deste novo time, que atua junto apenas desde 31 de janeiro, quando os principais jogadores entraram em campo. Menos de dois meses, portanto.

Não é preciso girar muito no País para ver que outros clubes também tem a sua dependência: Neymar e o Santos, Bernard e o Atlético-MG ou a mais sentida entre os times da Libertadores: Lucas e o São Paulo, que ainda não aprendeu a viver sem ele. Prova de que é normal apostar e depender do craque. Mas, no momento, o que existe no Coritiba é uma reformulação e desentrosamento – que pode até não vir, mas é cedo para dizer qualquer coisa.

Um comentário sobre “A Alexdependência tem outro nome

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s