Paraná, Paulistão e Botafogo mostram o futuro dos Estaduais

15 mil pessoas viram a virada do Londrina sobre o Atlético no Café

Muito se discute sobre o fim dos Estaduais. As questões são em cima do público, do calendário, das fórmulas cansativas. Para alguns, os Estaduais têm que acabar. 

A premissa está errada; não são os Estaduais que têm que acabar, é o modelo atual de disputa deles que tem que ser urgentemente mexido. E 2014 já deu o tom de como essa mudança deve ocorrer. A final do interior no Paraná. A chegada do Ituano à decisão em São Paulo. A eliminação do Botafogo no Rio. Coincidências que não deveriam passar disso, mas devem ser tratadas de forma diferente. 

Enquanto clubes como Flamengo, Atlético e Botafogo chegaram a levar 500 pessoas em alguns jogos, Londrina e Maringá jogaram para 30 mil pessoas nas semifinais do Paranaense. A vaga do Penapolense nas semifinais significou também a garantia da Série D e de calendário para o time de Penápolis; para o São Paulo, 21 vezes campeão paulista, não significou crise. Nem mesmo para o Corinthians, que bem ou mal ainda vive lua de mel com a torcida após uma era vitoriosa – as eliminações dos rivais amenizaram a pressão, que também foi suave para o Palmeiras. O Botafogo caiu no Carioca e ninguém se importou; para a Cabofriense, foi garantia de calendário. O Coritiba talvez tenha sido o mais pressionado pela eliminação precoce nos Estaduais, mas muito mais pelo fim de uma série vitoriosa. O conceito está mudando: para os grandes, ganhar o Estadual é legal, mas não é vital.

O Atlético iniciou o processo em 2013. Por motivos políticos e técnicos, colocou uma equipe “Sub-23” (de fato, um time com muitos jovens e outros pouco aproveitados nos profissionais) e ainda assim chegou à decisão, com direito a um 3 a 1 no time principal do Coxa no meio do caminho. Perdeu o título, mas as campanhas na Copa do Brasil e no Brasileirão apagaram a derrota. Muito se falou de como o preparo físico dos jogadores do Furacão, poupados de um longo estadual, ajudou em 2013. Para 2014, o Botafogo seguiu o caminho. Priorizou a Libertadores e nenhum Alvinegro se importou com a pior campanha de todos os tempos do Fogão no Carioca. Apesar da situação delicada na competição continental (fruto de outro tipo de desordem, esta nas finanças internas), ninguém duvida que a decisão foi acertada. O Grêmio, mais comedidamente, também deu costas ao Gauchão em muitos jogos e superou com folgas o “Grupo da Morte” na Libertadores. Ainda assim decide o título local com o Inter.

Não é novidade no futebol mundial. Poucos sabem, mas o Barcelona disputa o estadual da Catalunha, assim como o Bayern joga o estadual da Bavária. Ambos com times completamente reservas, formados por jovens que poderão ser utilizados no futuro nos times principais.

É verdade que Atlético-MG e Cruzeiro jogaram o estadual de Minas com força máxima e são os campeões da América e do Brasil. Mas também é verdade que o Mineiro é o mais enxuto de todos os Estaduais do País. Ainda assim, a final entre Galo e Raposa era prevista e, convenhamos, poderia ser antecipada. As rodadas classificatórias foram protocolares. Quem festejou mesmo em Minas foi o Boa Esporte, cada vez mais consolidado como quarta força mineira, com boas campanhas na B e em Minas Gerais. 

Os Estaduais interessam – e muito – para o interior, que tem neles a chance de fazer uma ponte para as divisões do Brasileiro. Para os grandes têm sido um atrapalho. Os torcedores dos grandes não sentem mais as derrotas, pensam muito mais nos confrontos internacionais ou mesmo interestaduais, os clássicos do Brasileirão. Enquanto isso, uma série de times fica sem calendário por 6, 7 meses, acompanhando futebol só pela televisão.

O raciocínio é simples: se um valoriza e outro despreza, que se atendam as demandas. Estaduais mais longos, como base de acesso ao Brasileirão, enquanto os grandes possam se programar para fazer frente aos desafios nacionais e internacionais. E a meritocracia vai estabelecer quais dos pequenos vão mudar de patamar ao longo dos anos. Londrina, Guarani, Juventude, Botafogo-SP, clubes que querem voltar a ter espaço e que precisam de mais atividade ao longo do ano, podem consolidar seus domínios locais sem desgastar a agenda dos clubes da Série A. Vale uma taça extra, como a Supercopa Gaúcha entre Inter e Pelotas? Vale. Uma grande festa de pré-temporada, entre o clube que venceu todos os demais do Estado contra uma força consolidada ao longo dos anos pelo domínio regional, talvez determinada pelo representante de melhor campanha no Brasileirão. Apenas uma ideia.

O fato é que para muitos torcedores dos times da elite nacional, perder o Estadual não tem mais impacto e ganhá-lo pode até ser ilusório. Com a concorrência de Real Madrid, Barcelona, Bayern e outros, os clubes grandes precisam mudar o mercado local. É fácil ligar a TV e ver os gigantes da Europa jogando. E o que impede uma criança brasileira de torcer para um destes, seguindo o mesmo raciocínio do sujeito que mora em cidades sem clubes de expressão e opta pelos grandes do Brasil, sem sequer ter pisado no estádio do seu clube do coração?

A mudança vai exigir paciência dos torcedores, que vão ter de entender que a rotina de levantar taças vai se tornar escassa. Clubes multicampeões estaduais vão ter que, por vezes, se contentar com uma vaga na Libertadores. Só um será campeão do Brasileirão por ano, com outro vencendo a Copa do Brasil.

Mas convenhamos: para o Ituano, ser campeão paulista será um feito histórico; para o Santos, bem conversado, estar na Libertadores seria mais festivo do que vencer o 21o paulista.

Federação Gaúcha usa o marketing e acerta com Recopa

Chamada para o jogo amistoso: FGF criou evento atrativo

Poderia ser só mais um amistoso de pré-temporada no Brasil, algo que vem ganhando força desde o ano passado. Mas a Federação Gaúcha de Futebol foi inteligente e transformou o jogo entre Pelotas e Internacional em um evento, com a criação da Recopa Gaúcha. Nela, o campeão da Supercopa Gaúcha – outra pedida interessante para o calendário – contra o campeão estadual. Uma partida numa segunda-feira, que poderia ser até de portões fechados, com técnicos fazendo várias experiências (o que aliás deve ser feito mesmo assim, especialmente por Abel Braga) tornou-se um evento chamativo.

Apenas o rótulo de “Recopa” e um show no estádio, além, é claro da realização na casa do clube menor, o Pelotas. A cidade terá a chance de ver o seu time contra um dos grandes do Brasil – e valendo taça. Parece bobagem, mas não é.

Federações precisam criar soluções para movimentar seus estados. As poucas boas ideias que aparecem, infelizmente, não perduram. É mais fácil organizar um evento de porte com um gigante como o Inter envolvido, mas soluções como essa podem ser adotadas mesmo sem esse atrativo. Era o caso da interessante e extinta Recopa Sul-Brasileira. Estudos provam que, sim, o brasileiro gosta de ver os grandes jogos dos grandes clubes, mas apoiam os clubes menores da cidade quando envolvidos em disputas locais (o velho cidade contra cidade) ou em jogos interessantes como essa Recopa. É o caso de um Bra-Pel, um Come-Fogo, um Clássico do Café, exemplos de jogos com bom público.

A FGF já havia inovado com as Copas Regionais do segundo semestre de 2013, quando o Estado foi dividido em quatro micro-regiões e os clubes tiveram calendário para se manterem ativos. Significou que equipes como Cerâmica e Novo Hamburgo tiveram como manter seus funcionários empregados por mais tempo. E que Grêmio e Inter puderam usar seus times de base para dar experiência aos garotos. O Inter chegou até a decisão da Supercopa, mas perdeu para o Pelotas, que venceu a região Sul-Fronteira.

Pode ser que na próxima temporada nem Inter, nem Grêmio, estejam na final. Pouco importa, se a FGF ou os clubes souberem vender seus jogos da mesma forma. Como faz o Grêmio, com a “Pré-temporada Topper Grêmio“, sessão de treinos patrocinada. E mesmo sem a dupla, que o evento seja bem planejado como esse entre Pelotas e Inter. Um bom exemplo.

Fracassocracia

Cartolas de futebol em federações estaduais não são conhecidos exatamente por sua genialidade e competência. Mas o Campeonato Pernambucano de 2013 se superou.

Não bastasse a primeira fase com nove clubes que foi na verdade um grande torneio amistoso – em especial para o Náutico, que venceu a fase que premiava o campeão com uma vaga na Copa do Brasil 2014, mas já tem a vaga pelo ranking nacional – as semifinais escancararam duas falhas grotescas, que premiam a incompetência.

Leia também:

Náutico paga pelo calendário ruim

Pela Copa, Corinthians manterá patrocínio mesmo sem receber

Atlético jogará Brasileirão nas casas do Paraná

A primeira delas é por conta de uma interpretação literal do texto do artigo da Fase Final, parágrafo 4o, 2o asterisco. Lá, ipsis literis, está: “Caso uma associação/equipe seja o 4o colocado ao termino do Campeonato (…) e essa associação/clube estiver participando de uma competição nacional de divisão superior à Série D, essa vaga passará para a associação/clube 5o. colocado e assim sucessivamente”. Por isso, caso o Ypiranga chegasse à decisão, sendo vice-campeão, veria a vaga da Série D ir para o 5o colocado, já que estaria eliminando o Sport, que está na Série B. Precisando perder os dois jogos para assegurar calendário nacional, o Ypiranga fez “bem” sua parte na primeira partida, em casa, ao perder por 1-5.

A segunda é mais corriqueira, mas nem por isso menos inusitada: caso o Náutico devolva o placar exato de 1-0 no jogo de volta com o Santa Cruz, a decisão para quem irá a final será pelo número de cartões levados por cada time e, em último caso, sorteio. Enquanto a final prevê terceiro jogo – sem contar o saldo de gols – a semi não prevê nem pênaltis ou partida extra para o desempate.

Em tempo: vice-campeão da primeira fase, o Central de Caruaru pode tentar pleitear a vaga do Náutico na Copa do Brasil, já assegurada também mesmo com um eventual terceiro lugar no campeonato. E o próprio Ypiranga pode fazê-lo, pois será no mínimo 4o colocado.

Tudo muito confuso, com clubes chiando para todos os lados. Mas há um detalhe: todos assinaram o regulamento.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Dois nomes e o fim de um tabu de 16 anos

Terminou em instantes o Paratiba #95. O duelo entre coxas e paranistas teve um Coritiba que só acordou no 2o tempo, guiado por Alex, e um Paraná aplicado, inspirado e que pôs fim a um tabu de 16 anos ao vencer o rival no Couto Pereira. A última havia sido em 28 de julho de 1996, com gol de Ricardinho e tetracampeonato paranaense.

De lá para cá, jogando no seu estádio, o Coxa não conheceu mais derrota para o Tricolor. Do jogo de hoje, com 5 gols e muita movimentação, todos vão falar. Mas o assunto aqui é a coincidência histórica. Naquele dia, como neste domingo, dois nomes estavam em campo.

Toninho era zagueiro do Coritiba vice-campeão de 1996; Alex era o meia daquele time, em seu segundo ano como profissional. Hoje, ambos brilharam, cada um a sua maneira. Mas só um saiu vencedor.

Leia também:

– Paraná Clube na Bolsa de Valores: entenda riscos e possibilidades

– A ‘Alexdependência’ tem outro nome

– Todos atrás do Coxa: guia do 2o turno do Paranaense

Toninho Cecílio, que ganhou nome composto depois de virar técnico, vinha sendo cobrado pela torcida paranista. Armou um time com marcação forte e saída rápida de jogo. Viu sua equipe abrir o placar logo cedo, passou a jogar nos erros do adversário. Conseguiu fazer 2-0 e parecia soberano. Aí apareceu o ex-colega.

Alex era menino no time do experiente Toninho de 1996. Mas já era talentoso. Tanto que já estava na mira do turbinado Palmeiras da Parmalat – o mesmo clube que revelou o técnico do Paraná para o futebol, ainda como jogador. Alex empatou o jogo e poderia até ter virado. Mas o Tricolor jogava nos erros do Coxa. E o Coxa errou mais uma vez. Estava escrito: o Paraná tinha que quebrar o jejum numa ponte entre Alex e Toninho Cecílio.

Nos anos que separaram as últimas duas vitórias paranistas no Couto, Toninho e Alex passaram pelo Palmeiras e pelo futebol do exterior; o ex-zagueiro no Japão, o capitão coxa na Turquia. Cecílio e Alex também defenderam outra equipe em comum: o Cruzeiro. Mas as coincidências param aí: entre 1996 e 2013, Alex chegou a ser capitão da Seleção Brasileira, enquanto o técnico paranista encerrou a carreira no Santo André. Como técnico, ainda constrói uma carreira, depois de tentar ser gerente de futebol; Alex já programou o fim, mas ainda não sabe se seguirá no mundo da bola.

Toninho quebrou o tabu que começou com ele e Alex, que ainda persegue outro tabu: um título com o Coxa. Em 1996, coincidência, o Paraná foi tetracampeão, título que o Coritiba pode alcançar neste ano. Será a chance de Alex desafiar o tempo e a mística do futebol, que se não entra em campo, convence quem é supersticioso.

Abaixo, o vídeo do jogo de 1996:

Todos atrás do Coxa – Guia do 2o turno do Paranaense

O Coritiba já cumpriu 50% da tarefa para conquistar o tetracampeonato estadual. Venceu o primeiro turno e, debates acalorados a parte, manteve-se invicto e garantiu-se na decisão com quatro pontos a mais que o Londrina, vice-líder. O Tubarão vai ter que deixar as queixas de lado a partir de agora: se não garantiu vaga na final, está perto de conquistar vaga na Série D e na Copa do Brasil. O Paraná foi até onde deu, brigando para ficar com o turno; os demais, foram figurantes.

Assim sendo, o que esperar do 2o turno? Haverá final?

O blog analisa o que foi, relembrando a análise anterior e o comparativo do que será daqui pra frente.

Coritiba

O Coxa confirmou o que foi afirmado na previsão do 1o turno:  “é, como há muito não se via, favorito disparado e aberto para a conquista.” O fez sem sustos, mas com cobranças. Com 8 vitórias e 3 empates, teve como trunfo a defesa – levou apenas 4 gols – e não o ataque que se desenhava poderoso, com Alex, Rafinha e Deivid. O grande momento foi o 7-0 no Rio Branco. Ainda assim, ficou atrás do Londrina neste quesito. O único, aliás, em que não é o melhor na competição.  “Passamos o primeiro turno ajustando a defesa, agora temos a obrigação de jogar mais”, reconheceu o técnico Marquinhos Santos, em entrevista à Rádio 98.

Repetir o 1o turno pode ser pouco pelas expectativas criadas, mas é o suficiente para ficar com a taça. Abre o 2o turno como favorito a antecipar a conquista sem a necessidade de final – terá 8 dos 11 jogos em Curitiba para confirmar isso.

Paraná Clube

Paraná mostrou brio e alguma técnica; pra título, foi pouco

“A condição de azarão cai bem ao Paraná, que se refaz aos poucos”, escrevi antes do primeiro turno. Mantenho: o Paraná corre por fora no Estadual. Mas já mostrou que tem potencial para mais. A foto acima causa arrepios nos tricolores: o jogo contra o J. Malucelli foi polêmico (segue rendendo) e poderia, naquele momento, ter mantido o time na briga pela 1o turno. No entanto, com 5 empates em 11 jogos, mostrou irregularidade. Como quando vencia o Arapongas em casa por 2-0 e viu a asa-negra empatar o jogo, por pouco não virando o placar.

Para o 2o turno, pouco muda: a entrada de JJ Morales deu ânimo novo ao Tricolor, que tem uma defesa interessante e um entrosamento vindo da manutenção de Toninho Cecílio. Se o técnico (que está cotado no Criciúma) ficar, dá pra sonhar. E dá pra brigar pelo acesso na Série B nacional.

Atlético:

Douglas Coutinho, uma das poucas boas novas do Atlético no PR13

O torcedor atleticano deve esquecer a conquista do campeonato estadual. O mantra da diretoria pegou em boa parte da massa: “privilegiar a pré-temporada para colher no Brasileiro em detrimento ao Estadual”, como detalhado no guia do primeiro turno. Uma pré-temporada inédita, com quatro meses sem jogos oficiais – luxo que nem o Barcelona tem, mas esse é outro papo. Para o Paranaense, seguirá o time Sub-23 que foi abaixo da crítica no primeiro turno, amargando um quinto lugar. Seja por questões políticas, seja sob a justificativa de privilegiar o Brasileirão e a Copa do Brasil (a revelia de parte dos jogadores e comissão técnica), o Atlético não quer disputar o Estadual com o time principal.

O elenco S-23, no entanto, apresentou três boas surpresas: Hernani, Douglas Coutinho e Júnior de Barros. Foram as novidades que se salvaram em um time que, já se anunciou, seguirá trabalhando em 2013 em torneios internacionais e que em 2014 deve se manter disputando o Paranaense. Caminho aberto para os rivais serem hegemônicos no Estado – aposta, por outro lado, em um dezembro nacionalmente mais feliz. É esperar pra ver.

Londrina:

Celsinho está realmente aproveitando a chance

O LEC confirmou: “depois de muito tempo, aponta como um dos postulantes ao título estadual (ou ao menos a uma boa campanha)”. Danilo, Dirceu, Germano, Celsinho e Neílson formam a espinha do principal obstáculo do Coxa na luta pelo tetra. O Londrina foi bem dentro e fora do Café. Teve o melhor ataque (25 x 23 do Coritiba) e a segunda melhor defesa. No entanto, no segundo turno, fará apenas 5 jogos em casa – isso se não pegar nenhuma suspensão pelos eventos na última rodada do turno.

O Londrina já pode dizer que o Estadual foi bom. Se não for um desastre no 2o turno, vai confirmar as vagas na Copa do Brasil e na Série B; retomou o orgulho ao levar 30 mil pessoas no jogo contra o Coritiba; e, mesmo timidamente, pode dizer que brigará pela taça, após 21 anos.

Os demais:

Na categoria “correm por fora”, indiquei 3 clubes que não cumpriram a previsão. O Operário está muito mais próximo de brigar para não cair do que pelo título ou vagas; viveu uma relação bipolar com Lio Evaristo, que pediu demissão, voltou atrás e acabou saindo no final do turno, para chegada de Paulo Turra, que deixou o Cianorte, outra decepção. O Leão ainda reagiu no fim e jogou o Rio Branco na área de rebaixamento. No segundo turno, deve melhorar, mas não brigar em cima. Assim como o Arapongas, que até anunciou que irá parar as atividades ao final do campeonato.

Entre os figurantes, o  J. Malucelli surpreendeu, mas não deveria: é um clube organizado que mantém tudo em dia e dá uma estrutura aos jogadores, ainda que simples. Deve seguir em cima. Toledo e ACP ficaram e ficarão no meio da tabela. Drama vive o Rio Branco, que levou as duas piores goleadas da competição e terá a missão de ser melhor que os rivais que encerraram do 5o (Atlético, 14 pontos) ao seu 11o lugar, com 10 pontos. O Nacional, que em 2012 foi vice da segundona local subindo com o Paraná, já pode planejar a disputa da divisão inferior. Com 1 ponto em todo o turno, precisa de um milagre para escapar – algo como ganhar o 2o turno.

Londrina x Coritiba: rivalidade e boas histórias desde 1959

Eu era pequeno ainda quando entendi a rivalidade que existe entre Londrina e Curitiba no Paraná. Em uma época de férias, nos já distantes anos 80, estava na terra do Café quando me perguntaram de onde eu vinha, na companhia de uma prima do meu pai. “Da capital”, disse, curitibaninho da gema – mas com 8 anos de criação no norte do Paraná. “De São Paulo?”, me questionaram de novo.

O episódio faz tempo e nunca diminuiu o carinho que sempre tive por Londrina e região – afinal, se nasci em Curitiba, tenho pais “pés-vermelhos”. Mas reforçou um sentimento de paranismo que será exaltado como há tempos não se vê nesse domingo, quando a Capital do Café receberá a última rodada do 1o turno do Paranaense, vestida de decisão para coxas e alvicelestes. Não vai ser a primeira entre os clubes, que desde o ano passado têm, ao menos do lado do Tubarão, ainda mais exacerbada a rivalidade.

Coxa, de Carazai, Ivo e Miltinho, venceu a primeira final contra o LEC em 1959

A primeira aconteceu em 1959. O Coritiba venceu a Série Sul e o Londrina, então de Futebol e Regatas, venceu a Série Norte. Foram dois jogos entre as duas equipes – e deu Coxa duas vezes: 3-0 em Curitiba e 2-1 em Londrina. O Coxa seria bicampeão em 1960; o troco alviceleste viria dois anos depois.

O Londrina de 1962, com Gauchinho em campo, vencedor da segunda decisão entre os clubes

Novamente Londrina e Coritiba se encontraram numa final, desta vez em 1962. Era o segundo dos 4 anos em que os clubes do interior levariam a melhor sobre os da capital (Comercial de Cornélio em 61 e Grêmio Maringá em 63-64). Gauchinho, maior artilheiro do LEC com 217 gols, comandou o time em duas vitórias por 4-2, em Londrina e Curitiba. Era a primeira taça do Tubarão.

  • Folclore

Em 1972, o Coxa vivia o segundo ano de sua maior série vitoriosa (hexacampeão) enquanto o Tubarão andava mal das pernas. Nos 4 confrontos diretos, o LEC apenas conseguiu um empate, 1-1, em casa. O Coxa aplicou dois 4-0 e um 3-1. O jornalista J. Mateus, em seu livro “Londrina Esporte Clube 4o anos”, conta que o Tubarão chamou um pai-de-santo para resolver o problema do clube, após uma das derrotas.

“Tem um espírito, de alguém que foi ligado ao clube que está complicando tudo”, disse o pai-de-santo. “É uma dívida que não foi paga. Tem que mandar ele pra outro endereço”.

A diretoria do Londrina marcou a sessão espírita. O então supervisor Murilo Zamboni acompanhou os trabalhos desde às oito da noite até a 1 da manhã.

“Pronto”, disse o pai-de-santo, “agora é só escolher pra quem mandar”. Zamboni sugeriu: “Mande pro Coritiba, que está ganhando tudo!”. O pai-de-santo concordou e começou o despacho rumo ao Alto da Glória.

O Coritiba seria campeão com 31 vitórias em 44 jogos. O Londrina, ao menos, acabaria em quarto lugar.
(adaptação do texto da página 59)

  • Retomada

Londrina e Coritiba retomaram a rivalidade no ano passado. No último grande momento do Tubarão, quem estava mal era o Coxa. Eram o início dos anos 90, o Coritiba amargava um rebaixamento não-concretizado (caiu, mas não jogou) para a Série C nacional em 1990 enquanto o Londrina chegaria ao 3o título estadual em 1992 e ainda seria vice em 93 e 94. Quem reinava era o Paraná.  De 1995 pra cá, o Coxa se reencontrou, mesmo com altos e baixos; foi a vez de o Londrina cair vertiginosamente. Em 1999, quase subiu para a Série A, eliminado pelo Gama-DF; depois, sumiu. Caiu de divisão no Brasileiro até perder a vaga fixa e passou até pela segundona paranaense.

Os encontros de 2012 foram polêmicos. Em Londrina, um empate em 1-1 e muita reclamação em cima de um lance de pênalti a favor do Tubarão não dado em Arthur, hoje no Coxa, pelo árbitro Leandro Hermes – o atacante derrubado, porém, estaria impedido. Em Curitiba, um gol olímpico (leia-se falha de Vanderlei) mal-anulado que rendeu até discussão nos diretórios acadêmicos de física (vídeo da TV Transamérica):

Na história, são 125 jogos: 59 vitórias do Coritiba, 35 do Londrina e 31 empates (incluindo os jogos antes da mudança no nome do Londrina).

Paratiba #94: um clássico como há muito não se vê

Empatados na liderança do Estadual em quase todos os critérios (o Coxa está na frente por ter tomado menos cartões amarelos), Paraná e Coritiba duelam pela 94a vez na história nesse domingo, na Vila Capanema, com um equilíbrio de ambições como há muito não se via.

Sem vencer o rival desde 21/02/2010, quando fez 1-0 em Paranaguá, o Paraná aparece como postulante ao título do primeiro turno – e eventual finalista – o que não acontece desde que foi campeão pela última vez, em 2006. A derrota em Paranaguá também foi a última do Coritiba em clássicos em Estaduais. Desde então, o clube se sagrou tricampeão paranaense, com um título invicto em 2011.

Somando-se a tudo isso, em campo estarão dois dos maiores ídolos de cada clube: Alex, pelo Coxa, e Lúcio Flávio pelo Paraná. O leve favoritismo que o Coritiba poderia ter fica aplacado pelo bom início tricolor e o mando de campo, que equilibra as situações.

Para quem é supersticioso, os vídeos abaixo apontam números desfavoráveis ao Coxa. Com Alex em campo, o Coritiba foi goleado no já distante ano de 1997, última vez em que o ídolo coxa-branca encarou o Tricolor. Alex marcou duas vezes, mas não foi o suficiente:

Lúcio Flávio também já enfrentou o Coritiba em outra época. A partida mais memorável foi em 1999, quando o Paraná, então jogando na Vila Olímpica, aplicou uma goleada histórica, com um time basicamente formado por jovens. Entre eles, o próprio Lúcio Flávio:

As goleadas acima, no entanto, não devem ser parâmetro para o jogo deste domingo, que promete ser equilibrado. Na história, são 35 vitórias do Coritiba, 31 do Paraná e 27 empates.

Com ídolos em campo e equilíbrio na tabela, o Paratiba #94 promete resgatar a rivalidade do clássico, que já foi acirrada nos anos 90, quando os times decidiram por dois anos (1995/96) seguidos o título estadual.

Dissecando o Paranaense 2013

Vai começar o Paranaense! Ok, a empolgação não é mais aquela de décadas anteriores, quando quase não se falava em calendário inchado, tampouco Messi invadia sua televisão (quem tinha, óbvio) todos os dias. Mas, como diz Fernando Pessoa, “O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia/ mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia/ Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.” Assim sendo, alguém ficará com a coroa de Rei do Paraná por uma temporada. E ninguém quer perder.

Portanto, se o Estadual é como brigar com bêbado ou não, é outro papo; o importante é que tem taça e clube de futebol serve pra isso: ganhar títulos. E o Paranaense 2013 tem um favorito e três azarões, que explico abaixo.

Coritiba

Coxa tetra em 74: feito pode ser repetido após 39 anos

O poster acima é do tetracampeonato paranaense do Coritiba – que viria a ser hexa – feito só alcançado por Britânia e Paraná Clube, além do próprio. E que pode ser repetido numa temporada em que tudo aponta para isso. O Coxa é, como há muito não se via, favorito disparado e aberto para a conquista. Terá, como naqueles tempos, um ataque forte e um meio criativo; o problema é a defesa, a começar dos volantes, ainda sem reposição à altura desde a saída de Leandro Donizete.

Há motivos para o favoritismo. O primeiro deles: Alex. Aos 35 anos, o meia voltou ao futebol brasileiro ainda em condições físicas e técnicas de levantar pela primeira vez uma taça pelo clube que o revelou. Deixou Palmeiras e Cruzeiro, por quem foi multicampeão, na espera. E vai comandar um time que entrará no Estadual com uma base formada desde o rebaixamento de 2009, com mudanças sutis entre as temporadas. Tem Emerson, Vanderlei e Rafinha, fundamentais na conquista do tri entre 2010 e 12. Manteve Deivid, atacante que achou seu espaço durante o Brasileirão do ano passado. E reforçou pontualmente, capitaneado pelo mineiro Felipe Ximenes, o mentor das equipes dos últimos anos. Conheça os reforços:

– Alex: Sim, não se esqueçam, ele não jogou ainda pelo Coritiba. Como a técnica do meia dispensa apresentações, vamos a frieza dos números das últimas três temporadas das 9 em que defendeu o Fenerbahçe: 84 jogos, 47 gols, 26 assistências, dois títulos nacionais (Copa e Campeonato).

 – Botinelli: o argentino, ex-Flamengo, tem 26 anos e deve disputar lugar com Rafinha no meio-campo alviverde. Começou chamando a atenção no San Lorenzo, pelo qual venceu o Argentino 2007, mas não repetiu as boas atuações em outros clubes. Chegou badalado ao Flamengo depois de rodar por Chile e México, tendo feito 69 jogos em dois anos, com apenas 9 gols. Deixou a Gávea abrindo mão de valores que tinha a receber para tentar encontrar na estrutura do Coritiba condições de jogo.

– Artur: ex-Paraná, Artur chega ao Coxa credenciado pela boa Série B pelo Tricolor, com 9 gols. A princípio, para compor elenco.

– Julio César: Outra opção de ataque. Fez 16 gols em dois anos pelo Figueirense, se destacando ao lado de Aloísio, que rumou ao São Paulo, deixando a equipe catarinense, que acabou rebaixada.

– Leandro Almeida: zagueiro, revelado no Atlétic0-MG, foi emprestado pelo Dínamo de Kiev após a eliminação na Copa dos Campeões. Joga pelo lado esquerdo do campo.

– Patric: outro jogador revelado pelo Galo, que disputou o Brasileirão pelo Náutico. Chega para substituir Ayrton, que foi para o Palmeiras, e disputar posição com o jovem Victor Ferraz.

Paraná Clube

O vídeo acima é do último título estadual do Tricolor, há sete anos. De lá para cá, o clube passou poucas e boas, incluindo um vexaminoso rebaixamento para a segunda divisão local. A condição de azarão cai bem ao Paraná, que se refaz aos poucos. Depois de um 2012 sofrido, a manutenção de uma base e do técnico Toninho Cecílio trazem alento. Com mais recursos que a maioria dos clubes do interior, faltava ao Paraná um pouco de organização e a credibilidade de volta. O primeiro, o clube já parece ter conseguido; o segundo, demora mais um pouco.

No fim do ano, às voltas com atrasos de salário, os jogadores mostraram brio e por pouco não atrasaram a vida do Atlético, no Derby da última rodada da Série B nacional, quando um empate eliminaria o Furacão. Ficaram com crédito com a torcida e com um gostinho de “podia mais”.  Assim, Toninho Cecílio e Alex Brasil, o gestor de futebol do clube, seguraram peças como Lúcio Flávio e Anderson e, principalmente, Wellington e Luizinho, que teriam mercado fora do Tricolor facilmente. O time, que oscilou muito na Série B, não chegou a ganhar muito em qualidade técnica, mas ficou com mais opções, tentando suprir uma das carências: a falta de peças. Mas há nomes interessantes como reforços, como Henrique, que volta do Coritiba (onde quase não foi aproveitado), e apostas na experiência. Conheça os reforços:

– Marcos: Revelado pelo Paraná em 1998, é outro que ganhou o Mundo e volta ao clube de origem. Claro, Marcos não teve – nem se pretende comparar – a projeção de Alex. Mas a volta do goleiro de 36 anos tem, para os tricolores, a mesma sensação. Depois de defender Marítimo e Sporting Braga em 9 anos em Portugal, volta mais maduro e com a missão de ser o líder da equipe paranista.

– JJ Morales: O atacante gringo agitou os bastidores da Vila. Mas, até que prove o contrário, é muito mais pelo glamour de ser estrangeiro do que pelo desempenho recente. Bom nas bolas aéreas, Morales rodou por equipes “lado B” da Argentina até ganhar uma chance no Quilmes, em 2008. O clube estava na Segunda Divisão após boas temporadas e até uma Libertadores. Morales marcou 16 gols em 25 jogos e chamou a atenção da Universidad Católica, do Chile. Disputou outra Libertadores, mas não emplacou. Rodou até parar no Atlético Venezuela, onde se contundiu em outubro de 2012. Chega ao Paraná como uma incóginta, aos 30 anos.

– Reinaldo: Aos 33 anos, Reinaldo chega ao 13o clube na carreira, que começou promissora no Flamengo e ainda teve destaque no São Paulo. Experiência não falta ao atacante, que tem tudo para ser titular do Paraná. Números de Reinaldo nas últimas três temporadas: 14 gols em 59 jogos por Bahia, Figueirense e Guangdong, da China.

– Gabriel Marques: liberado pelo Atlético, onde pouco jogou em 2012 (9 jogos e uma grave contusão no braço), o lateral de 24 anos pode ser bem aproveitado pelo Paraná se demonstrar a voluntariedade de alguns jogos no Furacão. Costuma ser mais efetivo na marcação que no apoio.

– Júnior Capixaba: chega por empréstimo, oriundo do Vitória-ES. Volante de 25 anos – deve compor elenco.

Atlético:

O jogo do vídeo acima é a inspiração do Atlético para o Paranaense 2013. Há 8 anos, quando estava prestes a decidir a Copa Libertadores contra o São Paulo, o Furacão, ainda sem vitórias no Brasileirão, teria pela frente o rival Coritiba. Não havia dúvidas: era priorizar a competição continental. O Coxa, favorito para o clássico, acabou surpreendido pelo time comandando por Evandro (hoje no Estoril, de Portugal) e repleto de jovens. Em 2013, não será apenas um jogo; ainda assim, a aposta é parecida: privilegiar a pré-temporada para colher no Brasileiro em detrimento ao Estadual.

O Atlético não oficializou se irá com um time B em todo o campeonato ou apenas em parte dele (hipótese mais provável). Mas enquanto disputa a Copa Marbella na Espanha, com os titulares do acesso em 2012, deixa um time comandado por Arthur Bernardes, técnico que foi auxiliar do jornalista Washington Rodrigues, o “Apolinho”, no Flamengo de 1995 – aquele, de Sávio, Romário e Edmundo. O Sub-23 vem treinando desde o ano passado e conta com jogadores conhecidos: Héracles, Renan Foguinho, Zezinho, Taiberson e Pablo. A grande aposta está em cima de dois jogadores: Harrison, meia que apareceu bem em 2012 e Junior de Barros, atacante que é tido como a nova jóia atleticana. Somando times A e B, foram três reforços até aqui. Conheça mais:

– Maranhão: meia de velocidade que se destacou no Bahia, Maranhão é, na prática, o único reforço atleticano até aqui. Não deve figurar no Estadual, ao menos no primeiro turno, disputando com o elenco principal a Copa Marbella, entre 02 e 14 de fevereiro. Estava no Cruz Azul, do México e deve fazer parceria com Elias no meio-campo rubro-negro principal. Tem 22 anos.

– Elivélton: volante de 20 anos que jogou duas temporadas pela Vasco, sendo pouco aproveitado.  Estava no Democrata-MG.

– Lucas Dantas: atacante de 23 anos que começou no Legião-DF (o time que homenageia a banda Legião Urbana) e, segundo o próprio, “tenho velocidade e gosto de jogar pelos lados do campo”.

Londrina:

“O Ronaldinho do Canindé”, Celsinho, é o principal reforço do Londrina, que, depois de muito tempo, aponta como um dos postulantes ao título estadual (ou ao menos a uma boa campanha). Mas não é Celsinho o responsável pela volta do status do Tubarão como equipe competitiva e sim a entrada de Sérgio Malucelli e sua empresa, a SM Sports, na gestão de futebol do clube. O acordo deu ao LEC um CT e novas perspectivas de mercado. Isso, com salários em dia e a torcida no Café, pode significar a volta do Londrina aos trilhos. Em 2012, o clube já deu sinais disso. Os reforços:

Celsinho: Celsinho tem 24 anos euma carreira mais cercada de expectativas do que de realizações. Chega ao sexto clube na carreira, mas apenas o segundo que defende no Brasil. Rodou, sem sucesso, por Lokomotiv da Rússia e Sporting, de Portugal, além de clubes menores na Europa. Surgiu bem na Lusa em 2005, com qualidade na armação de jogadas, mas pecando nos arremates. Fica a expectativa para saber se a passagem dele pelo Tuba será apenas folclórica ou um impulso para retomar a carreira.

Germano: volante, ex-Santos e Paraná, retorna ao Londrina depois de defender o Sport Recife nas últimas duas temporadas. É o toque de experiência no meio campo do Tubarão.

Correm por fora:

Operário, contando com o apoio da LA Sports e a pressão da fanática torcida no Germano Kruger, com destaque para o meia Rone Dias, ex-Paraná.

Cianorte, do técnico Paulo Turra, que comandou o time na ótima campanha em 2012.

Arapongas, que tem novamente o bom Edu Amparo no elenco e segue com planejamento de temporada, como em 2012.

Figurantes: J. Malucelli, Toledo, Nacional, ACP e Rio Branco

A primeira rodada:

Atlético x Rio Branco
Londrina x Toledo
ACP x J. Malucelli
Operário x Coritiba
Cianorte x Arapongas
Paraná x Nacional

Pesquisa Ipsos/Marplan, parte II: Futebol para elas, ricos e pobres, do vovô ao netinho

Após a divulgação dos números globais da Pesquisa Ipsos Marplan 2012 (e muita discussão no post e nas redes sociais), chegou a hora de detalhar a pesquisa; quem, entre os paranaenses, tem a maior torcida entre as mulheres? E por faixas sociais? Qual o time do povão e qual o da elite? Os jovens e os idosos, preferem que cores?

É o que o blog apresenta abaixo.

  • O Atlético é delas, o Coxa é deles
A modelo Carol Garajaú: Atlético tem maioria feminina

As mulheres são maioria entre os atleticanos e mais: proporcionalmente, o Furacão tem a terceira maior torcida feminina do Brasil, atrás apenas de Internacional e Vitória e ao lado do Corinthians e do Sport Recife no índice.

No geral, as torcidas brasileiras estão bem divididas. Foi-se o tempo em que “futebol era coisa de homem”. Segundo a Ipsos/Marplan, 46% das torcidas brasileiras são formadas por mulheres.

As atleticanas compõem 52% da torcida rubro-negra. Inter e Vitória tem 53% das suas massas torcedores compostas por mulheres.

Se o Furacão é o time delas, o Coxa é o time deles. Apenas 33% dos torcedores alviverdes são mulheres, o menor índice entre as 23 maiores torcidas do Brasil – o volume de times detalhados pela Ipsos/Marplan. É a segunda maior torcida masculina do Brasil, em números proporcionais, atrás apenas da do Santos.

Além de ambos, o Ceará, com 39% de mulheres na torcida, tem índice abaixo dos 40%, como o Coritiba. Veja os números gerais*:

*A Ipsos/Marplan não divulgou os números da torcida do Paraná; a ordem do gráfico corresponde a ordem nacional das pesquisas no Brasil, em números absolutos

  • Coritiba tem a torcida mais rica do Brasil
Torcida Coxa se fez presente em jogos na Copa da África 2010

O Coxa tem os torcedores mais ricos do futebol brasileiro, aponta a pesquisa. A elite curitibana é 14% da torcida alviverde, maior índice entre todos os 23 clubes detalhados pela pesquisa. A classe A, com renda mensal acima dos R$ 8.000, prefere o Alviverde. Não só em Curitiba: o concorrente mais próximo do Coritiba nesse índice é o Palmeiras, com 12%. O Atlético tem 8% de seus torcedores na classe A.

Nem Atlético, nem Coritiba, podem se dizer verdadeiramente “um time do povo”. Em se tratando de classes econômicas, a dupla Atletiba tem maior penetração nas classe média, entre as classes C e B (com renda mensal entre R$ 950 e R$ 4.600). Na disputa entre ambos, ligeira vantagem para o Atlético entre os mais pobres (com renda abaixo dos R$ 950), com 8% x 7% do Alviverde. Pra se ter uma ideia, nacionalmente, a verdadeira torcida do povo brasileiro é a do Ceará, com 33%. O Corinthians tem apenas 9% de torcedores nessa faixa, enquanto o Flamengo tem 15%.

Na classe média, o Atlético leva vantagem sobre o Coxa entre os situados na classe C (44 x 30) e perde na B (39 x 49), comprovando a preferência dos mais abastados pelo clube do Alto da Glória. Veja os índices nacionais:

  • Vovô é Coxa, filhos são Rubro-Negros, netos em aberto
Vovô Coxa entre Lucas e Kleberson, na faixa dos 30 (Foto: Blog do Bronca)

Como visto no primeiro post desta série, há uma flutuação nos índices percentuais das torcidas, conforme as décadas. As gerações vão se sucedendo e mexendo com os números. Segundo a Ipsos Marplan, o Coritiba tem 19% dos seus torcedores acima dos 50 anos, enquanto nessa faixa estão 14% dos atleticanos. A torcida mais “velha” do Brasil atualmente é a do Fluminense, com 41% dos torcedores acima dos 50.

O Atlético está a frente do Coxa entre a faixa considerada mais ativa, de 25 a 50 anos: 48 a 41%. Entre todos os 23 clubes do detalhamento, a média percentual de torcedores nessa faixa é a maior, 43%. Apenas Palmeiras (50%) e Bahia (49%) tem mais torcedores nessa faixa que o Atlético. Flamengo, Atlético-MG e Internacional tem o mesmo índice dos rubro-negros.

Entre jovens e crianças, o Coritiba está ligeiramente acima do Atlético, 39% a 38%. Os coxas-brancas estão mais numerosos entre 18 e 24 anos; abaixo disso, os rivais estão iguais. Em todo o Brasil, a torcida que tem o maior número de jovens em suas fileiras é o Sport Recife, com 47%; na outra ponta da tabela está o Palmeiras, que tem 25% dos seus torcedores nessa faixa etária.

  • Conclusões

Estatísticas de torcidas no futebol normalmente são mal digeridas. Enquanto os perdedores duvidam da origem das pesquisas, os vencedores preferem a galhofa ao estudo – que, de fato, deveria ser objeto de todos.

Os índices e as flutuações no mercado do futebol, apontados pela pesquisa da Ipsos, são significativos. A queda assustadora de torcedores do Paraná, o constante crescimento corintiano no mercado paranaense e também no país todo, as preferências por sexo, idade e classes sociais, tudo pode ser objeto de um trabalho mais profundo para readequação de interesses de cada clube.

Não há marketing melhor que bola na rede, dirão alguns. De fato. Mas muitas ações podem ser tomadas para que cada clube amplie sua ação no mercado, afim de faturar mais, gerar receitas e atratividade e assim, com dinheiro em caixa, buscar quem ponha a bola lá, iniciando um ciclo positivo.

Atletiba acirrado na nova Câmara dos Vereadores

A nova composição da Câmara Municipal de Curitiba acirrou um “Atletiba” interno, ao menos na soma das preferência clubísticas dos vereadores. Atlético e Coritiba estão empatados na liderança entre os 38 vereadores eleitos, que tomam posse somente em 2013. Junto à atleticanos e coxas, o número dos que não torcem para nenhum time ou preferiram não declarar* torcida antes da campanha. O Paraná aparece somente a frente do Londrina entre os clubes paranaenses citados pelos novos vereadores. Fica abaixo da soma dos que torcem para outros times não-paranaenses. Veja o gráfico acima.

São 9 atleticanos, 9 coxas, 9 que não torcem/não declararam, 6 que preferem clubes de outro estado, 4 paranistas e 1 londrinense. A lista está logo abaixo.

Muda alguma coisa em relação à Copa 2014? Talvez.

CMC: Atletiba acirrado traz alguma consequência à Copa 2014?

De fato, o time do coração não é o que mais pesa na hora de alguma decisão política pró ou contra o Mundial. Ser da base do prefeito ou seguir a determinação do partido no assunto pode ser muito mais significativo em alguma decisão do que somente a preferência esportiva. Outras costuras internas, como troca de apoios, também pesam mais.

Mas, em uma cidade que ainda não comprou a ideia de um Mundial “curitibano”, dividida nas opiniões e nas análises sobre os temas da Copa, a pressão das torcidas pelo sim ou pelo não em um voto pode pesar.

Da “bancada da bola” – candidatos com ligação diretiva nos clubes/torcidas organizadas ou passado como esportista – apenas dois se elegeram: Paulo Rink, ex-atacante do Atlético, e Aladim, ex-atacante do Coritiba. O último, há muito tempo já está na vida pública e até ultrapassou a ideia de que é apenas um vereador “da bola”.

Além disso, ainda faltará a definição do prefeito. O atleticano Ratinho Jr. vai para o segundo turno com o coxa-branca Gustavo Fruet. Ambos, no entanto, devem seguir a cartilha da Copa assinada pelo ex-prefeito Luciano Ducci, paranista.

Ainda é cedo para avaliar se pode ou não haver alguma mudança no panorama político da Copa em função da torcida na Câmara. Mas vale a curiosidade da lista, detalhada abaixo.

Atlético: Dona Lourdes, Jairo Marcelino, Beto Moraes, Professora Josete, Hélio Wirbiski, Edmar Colpani, Paulo Rink, Bruno Pessuti e Paulo Salamuni.
Coritiba: Cristiano Santos, Felipe Braga Cortes, Tito Zeglin, Jonny Stica, Pier Petruzziello, Ailton Araújo, Zé Maria, Aladim e Pedro Paulo.
Paraná: Tico Kuzma, Julieta Reis, Tiago Gevert e Jorge Bernardi.
Londrina: Professor Galdino.
Outros**: Pastor Valdemir, Mestre Pop, Sabino Pícolo, Carla Pimentel, Chicarelli e Geovane Fernandes.
Nenhum/Não declarou: Serginho do Posto, Toninho da Farmácia, Noemia Rocha, Aldemir Manfrom, Chico do Uberaba, Mauro Ignácio, Dirceu Moreira, Rogério Campos e Cacá Pereira.

*Informações obtidas no site do TSE, no Candibook da Gazeta do Povo e em pesquisas pessoais.
** Times citados:  Seleção Brasileira (2), Cruzeiro-MG, Botafogo-RJ, Santos-SP e Corinthians-SP.