A Alexdependência tem outro nome

“Alexdependência” é o termo da moda para se falar do Coritiba. O time do criticado Marquinhos Santos tem tido dificuldades no Estadual para convencer a torcida – ainda assim, ganhou o primeiro turno com alguma folga e segue invicto. Como o futebol não perdoa, os dois empates na saída do returno já bastaram para as várias cobranças. É bem verdade também que esperava-se mais do Coxa no Atletiba #353 e que o time ganhou algumas partidas sem jogar bem: J. Malucelli e Toledo, além dos empates com ACP e Operário – três dos jogos no Couto Pereira.

De uma maneira ou de outra, só nas cinco partidas citadas acima, Alex foi decisivo. É uma ilha de bom futebol no mar de inconstância alviverde. Daí o surgimento do termo. Mas, com alguns reforços que chegaram ao clube – como o próprio Alex, Deivid, Arthur, Julio César, Botinelli e outros – o time não deveria estar jogando mais? Não.

A “Alexdependência” atende pelo conhecido nome de desentrosamento. Ou, num panorama mais global, reformulação. Para confirmar a teoria, pesquisei os times-base do Coxa nos últimos quatro anos. A base iniciada em 2009 rendeu um título nacional da Série B, três estaduais e dois vice-campeonatos da Copa do Brasil. Os dados apontam os jogadores mais frequentes na equipe em momentos decisivos. Alguns não completaram a temporada citada pelo clube. O time de 2013 é o que esteve em campo contra o Cianorte (2-0) no dia 17 de março. Confira:

Ano após ano, o Coxa manteve uma base com poucas mudanças em relação à última temporada. O estilo de jogo de Ney Franco foi mantido por Marcelo Oliveira, que aos poucos foi dando sua cara ao time; as peças que saíam, com exceções pontuais, procuravam ser repostas dentro de uma característica. Com Marquinhos Santos, já no Brasileirão 2012, o projeto seguiu. Mas voltando bem no tempo, percebe-se que apenas quatro jogadores da espinha dorsal entrosada e vitoriosa estão na equipe.

Leia também:
15 minutos com Rafael Cammarota
Paraná Clube na Bolsa de Valores: entenda os riscos e as possibilidades
Londrina x Coritiba: rivalidade e boas histórias desde 1959

Sim, existem outros que permanecem e já atuaram como titulares em algum momento – caso de Gil – ou estão apenas machucados – caso de Emerson; mas a tabela acima, mostrando as mudanças graduais batem com a teoria: o Coxa ainda é um time em formação. No entanto, carrega nas costas alguns problemas: a desconfiança criada por setores sobre o trabalho de Marquinhos Santos, jovem na profissão; a chegada de Alex, que criou na cabeça dos torcedores a ideia de se ver um futebol mágico; as conquistas recentes e a ausência de um grande antagonista no Estadual, o que em tese deixam as coisas  mais fáceis; e, por fim, o pouco tempo de existência deste novo time, que atua junto apenas desde 31 de janeiro, quando os principais jogadores entraram em campo. Menos de dois meses, portanto.

Não é preciso girar muito no País para ver que outros clubes também tem a sua dependência: Neymar e o Santos, Bernard e o Atlético-MG ou a mais sentida entre os times da Libertadores: Lucas e o São Paulo, que ainda não aprendeu a viver sem ele. Prova de que é normal apostar e depender do craque. Mas, no momento, o que existe no Coritiba é uma reformulação e desentrosamento – que pode até não vir, mas é cedo para dizer qualquer coisa.

E o Coxa com isso?

O Atletiba 353 terminou 2-1 para o Coritiba, mantendo um tabu de 5 anos no Couto Pereira e colocando o Coxa na rota de colisão do Londrina (por essa a FPF não esperava), cujo encontro será justamente na última rodada do primeiro turno. Enquanto o Atlético discute se o Estadual vale ou não, se o time Sub-23 é bom ou não, o Coxa terá um adversário difícil no primeiro duelo na busca pelo tetra.

Não vou falar do jogo que não vi, mas não vou me prender só ao resultado. A verdade é que o Coritiba se deixou levar um pouco pelas opções atleticanas, pro bem e pro mal. Explico: tanto faz o time que entraria em campo pelo rival; era Atletiba, valia a liderança do campeonato. Por isso, nem a frustração da (exagerada) expectativa por goleada é correta, nem deve-se deixar de entender o que faltou para tanto. Afinal, vem aí um Brasileirão e, salvo se o controle de jogo da equipe estiver extremamente afiado, a queda de desempenho nas segundas etapas dos jogos deve ser melhor avaliada.

Não foi o primeiro jogo em que o Coxa reduz a marcha no segundo tempo – e afirmo isso pelos relatos das rádios que ouvi, me permitindo ser corrigido pelo amigo leitor. O Paratiba foi outra prova. Contra o Toledo, no entanto, o time foi avassalador na primeira etapa e caiu de ritmo no segundo tempo, permitindo-se até tomar um gol – o que também aconteceu no clássico. É controle total de jogo ou descompasso? Por ora, vamos entender que seja o primeiro. Afinal, também deve se pensar se uma goleada no clássico seria realmente benéfica ao Coritiba. Em 2011, contra o Palmeiras, não foi; depois, pra que despertar um rival em desleixo no Estadual?

Sendo mais crítico, vamos assumir que seja. O teste contra um Atlético desfigurado, três pontos acima da zona de rebaixamento e com saldo negativo, foi abaixo da média. Em dois minutos, aproveitando-se da inexperiência do rival, o time abriu 2-0. Depois, Deivid se envolveu em confusão e foi expulso novamente (já havia sido contra o Toledo). Acabou tomando o gol muito mais pelo brio dos meninos atleticanos do que por uma real ameaça, pelos relatos. Mesmo assim, com 10 contra 10, o jogo foi mais equilibrado. Agora, enfrentará um ataque forte e um time mais maduro, com torcida grande contra. O Londrina de Germano e Celsinho, com o Café lotado, não é de se matar com a unha.

O Coritiba de Marquinhos Santos tem sido pragamático. Há uma expectativa de se ver mais do que tem sido apresentado, mas enquanto o time estiver vencendo, não há muito espaço para questionamentos. Mas e se o fio virar? Impressionar é necessário ou não? Se os resultados faltarem a reflexão sobre o nível técnico para o Brasileiro vai aparecer. E aí o Coritiba pode se deixar levar novamente pelas decisões que os rivais tomaram para o Estadual.

Abrindo o Jogo – coluna no Jornal Metro Curitiba de 14/03/2012

Muda o que?

A saída de Ricardo Teixeira da presidência da CBF não deve mudar em muita coisa o futebol brasileiro. Afinal, o sistema continua o mesmo. Até a diretoria segue intocada, agora sob a tutela de José Maria Marin. Resta saber se ele também vai acumular, como fazia Teixeira, a coordenação do COL (Comitê Organizacional Local) da Copa 2014 – o que é pouco provável. Ronaldo é forte candidato a tal. E resta também saber se Teixeira saiu estrategicamente ou está mesmo com dificuldades de saúde.

E por aqui?

“Vai ficar melhor a relação. Ele [Teixeira] já não recebia mais ninguém”, disse Hélio Cury, presidente da FPF, que esteve no Rio e em São Paulo nos últimos dias. Cury foi ver a cerimônia que apresentou a renúncia de Teixeira (sem a presença do mesmo) e também articular com os presidentes da Federação Paulista e Gaúcha, entre outras, eleições antecipadas – estão marcadas para 2015. Mas mudou de idéia. “É melhor não mexer nisso agora, as coisas estão andando, falta pouco para a Copa”, contou.

Resultado duvidoso

“O atraso na decisão tem efeitos comprometidos e o sistema de sucessão é preocupante. A estrutura está arquitetada para não mudar. E tivemos quase 10 anos de impunidade. É importante o governo influir na indicação do coordenador do comitê da Copa, afinal, a maior parte é com dinheiro público.” As frases fazem parte do discurso do senador paranaense Álvaro Dias, um dos principais opositores de Teixeira na CBF. Dias comandou a CPI do Futebol entre 2000 e 2001, com acusações de recebimento de propina, evasão de divisas e lavagem de dinheiro contra Teixeira. Mas apenas após uma série de reportagens da BBC de Londres, com eco na imprensa e no governo brasileiro, Teixeira começou a se sentir pressionado.

Coritiba: mudança na base

O Coritiba perderá o técnico Marquinhos Santos, das categorias de base, para a Seleção Brasileira. Só falta assinar a rescisão, o que deve acontecer até o final de semana. A saída de Marquinhos Santos é um pedido da CBF, que quer dedicação exclusiva à categoria sub-15; no Coxa, Santos dirigiu as equipes sub-20 nos últimos três anos. Quem deve assumir a vaga em definitivo é Zé Carlos, que dirigiu a equipe sub-18 na última Copa São Paulo, chegando nas semifinais.

Paraná: mudança na base

O Paraná Clube, irritado com a gestão da empresa BASE (Bom Atleta Sociedade Empresarial) nas categorias de base do clube, deu grande passo para voltar a ter autonomia financeira: rompeu ontem o contrato que tinha com a empresa. A BASE ficava com 50% dos valores das revelações paranistas e em contrapartida ajudou a construir o CT Ninho da Gralha e teria de remunerar os funcionários do local. No último final de semana, os funcionários entraram em greve reclamando de salários atrasados. O presidente Rubens Bohlen assinou a rescisão do contrato e o clube reassumirá as categorias integralmente.