Cornetadas das torcidas na rede ganham site divertido

As redes sociais permitiram uma integração maior entre os clubes, jogadores e seus torcedores. Mas quando a fase não é boa, sobra pra todo mundo. Quem nunca cornetou um técnico, um jogador, uma decisão? Pela internet, a cornetagem cresceu e agora chega diretamente ao alvo. De olho nisso, um jornalista de São Paulo resolveu compilar as melhores cornetadas em um site.

 
 

Rafael Techima criou o “Olha o Carinho da Torcida”, uma reunião das principais cornetadas das torcidas nas FanPages e perfis oficiais dos clibes. “A ideia surgiu depois de reparar que muita gente respondia de forma raivosa ou irônica os posts dos clubes e dos atletas nas redes sociais. Dessa forma, pensei em organizar o que há de melhor nessa “nobre arte”. Me divirto muito pesquisando os comentários ou replys!”, conta Rafael, que é são-paulino e não poupa – como visto acima – ninguém.

 
 

Rafael procura as postagens em todos os principais clubes do Brasil e já conta com ajuda. “Não monitoro um clube específico, dou uma passada em todos os principais. Claro que quando algum deles perde ou não está em uma boa fase, o trabalho é muito facilitado. Há a possibilidade do torcedor encaminhar sua sugestão pelo próprio tumblr ou por este e-mail mesmo.”

O sucesso já fez com que mais de 1000 pessoas entrassem, apenas na primeira semana, na FanPage do blog. E esse não é o primeiro “trabalho” dele na linha da cornetagem.

 
 

Rafael já dava as suas próprias cornetadas nos colegas de imprensa com o “Taison ou Messi?” (referência à essa coluna do gaúcho Wianey Carlet), que divulga barrigadas da imprensa esportiva – clique aqui para conhecer

Jogadores e clubes que se cuidem: as cornetadas virtuais estão afiadas!

 
 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Um museu do futebol na Vila Madalena

Pausa na Olimpíada para aproveitar uma pequena folga em Sampa. Estive no Bar São Cristóvão, na Vila Madalena, um museu do futebol informal, montado pelo proprietário – que não estava na casa, pena – um goiano muito provavelmente fanático pelo Atlético-GO, dado a quantidade de artefatos do Dragão no bar (mas com alguma coisa do Goiás também).

A entrada do bar, quase sem um centímetro de parede branca

O bar reúne na parede fotos, artefatos, camisas, revistas, faixas, cachecóis e qualquer coisa que remeta a futebol. Todos os funcionários trabalham com a camisa do São Cristóvão FR do Rio, o clube que revelou Ronaldo.

Um bem gelado, servido pela camisa 6 do São Cristóvão

Entre fotos do Pelé, artefatos de times dos mais diversos cantos do Mundo (por ser São Paulo, imagine a quantidade de coisas sobre o Corinthians…) de forma democrática, encontrei, claro, coisas do futebol paranaense. Apesar de muito procurar, não vi nada do Londrina ou do Operário. Mas a capital está representada.

Supercampeão Paranaense 1988, faixa original do Atlético

O primeiro título de Nelsinho Baptista e Adilson Batista (então um promissor zagueiro) veio sobre o extinto Pinheiros, em 1988, após uma série dramática que incluiu a perda de um pênalti no último minuto do segundo jogo, por parte do artilheiro Carlinhos Sabiá. No 3o jogo, em desvantagem (perdera o 1o por 0-1) o Furacão superou um dos pais do Paraná e ficou com a taça. A faixa de campeão está emoldurada em uma das paredes do São Cristóvão.

"Ahá-uhu! O mini-estádio é nosso!"

Entre alguns outros artefatos, o Coritiba está representado pelo Couto Pereira nas paredes do São Cristóvão. O mini-estádio, presente do extinto jornal Primeira Hora da RPC no início dos 2000’s, está lá, emulando o maior estádio paranaense. Um pouco amarelado pelo tempo, o mini-estádio (que na promoção do jornal vinha em partes para montagem e atendia às três torcidas curitibanas) tem até o detalhe do escudo do Coritiba atrás do gol da Perpétuo Socorro.

Tricolor, pertinho do Rei

Num cantinho – mas não menos importante – está representado o Paraná Clube, com um escudo de tecido tal qual os das primeiras camisas, emoldurado, próximo a uma foto histórica dos maiores times brasileiros nos 60’s: Santos, de Pelé e Pepe, e Botafogo, de Didi e Nilton Santos.

Linha retrô de camisas, fabricação do bar

O bar, além de quitutes, acepipes e  drinks refrescantes, também tem uma linha de camisas retrô de alguns clubes brasileiros. Olaria e São Cristóvão são intrusos no seleto grupo do eixo (que exclui a Portuguesa) RJ-SP-MG-RS. A camisa da Seleção também está disponível. Futebol paranaense? Ficou pra uma outra. Quem sabe se eu voltar e conseguir encontrar o dono para sugerir.

De todo modo, não é o bairrismo que deve atrapalhar sua visita neste museu informal do futebol, quando estiver de passagem em São Paulo.

Um estranho no ninho

Estádio Alfonso Carrasquel: já entrei em muitos, mas esse era inédito

Puerto La Cruz, Venezuela – Mal me recuperava da vermelhidão praiana em minha pele e deparei-me com o jornal de Puerto La Cruz anunciando que era dia de baseball na cidade. Já estive em diversos estádios mundo afora. Jamais perco a chance de comprar uma camiseta ou ver um jogo se estou numa cidade desconhecida. Nessa, sem contar os brasileiros, já ficaram pra trás La Bombonera, Monumental de Nuñez e Avellaneda, do Racing, La Olla e Defensores del Chaco, em Assunção, Camp Nou, Vicente Calderón, Santiago Bernabéu, Estádio da Luz e o novo Emirates, do Arsenal, na Europa, entre outros. Já encarei até Huracán 1-2 Colón em BsAs e fora futebol, estive no Staples Center, do LA Lakers. Mas todos conhecidos e principalmente: de esportes conhecidos.

Mas baseball nunca foi comigo. Entre nós, acho um porre. Vou além: até pela profissão, procuro entender de TODOS os esportes. Mas confesso que não sei lhufas de baseball. Então, em nome de uma boa história, encarei a buseta (sim, o pequeno ônibus que nos levava) e parti para o jogo. Valia o espetáculo. E ao chegar lá percebi não se tratar de qualquer jogo.

As filas para as entradas eram enormes. O Caribes de Anzóategui recebia o Leones de Caracas. É mais ou menos como se o Leones fosse o Corinthians visitando o Avaí, com o bônus de que o Avaí, no caso, é o atual campeão venezuelano de baseball. Aí você imagina. Mas o primeiro ponto positivo é que havia muitas crianças e torcedores uniformizados dos dois times conviviam pacificamente entre si, mesmo com todas as características de paixão possíveis presentes. Até bateria de torcida organizada. O segundo ponto é o preço: compramos (arrastei a esposa, sem muito choro) entradas ao lado do campo por módicos BF$ 80, algo como R$ 20 no câmbio extra-oficial. E ao entrarmos, apesar da simplicidade do estádio, o encontro com o velho padrão: a loja oficial do Caribes e um corredor com o Hall da Fama do clube.

A franquia é nova, mas o clube tem 24 anos. A história está aqui e esse é o site oficial. Marinheiro de primeira viagem, compramos ingressos para a torcida da casa, como mandam os bons costumes. Mas entramos na torcida do Caracas, por engano. Sem problemas: além de não estarmos uniformizados, o pessoal é extremamente bem educado e nos indicou os locais certos. No caminho, uma surpresa: acreditem, tomamos cerveja no estádio.

"Ditadura" Chavista: aqui, se pode tomar uma cervejinha e ver seu time

É, amigo, a Venezuela, do “ditador” Chavéz, permite a venda de cerveja nos estádios. No mesmo em que entrei por engano na torcida adversária e fui conduzido educadamente ao posto certo. Sim, o mesmo em que crianças e famílias convivem, mesmo com provocações ao rival, em paz. Acredita?

Rápida nota: o texto não quer entrar no mérito se Chavéz é ou não um bom governante. Conversando com taxistas – termômetro das cidades – vi que tem gente contra e gente a favor. Como Lula no Brasil. E todos disseram, a sua maneira, que as eleições são mesmo democráticas. Uns reclamam que Chavéz usa a máquina para se perpetuar, outros alegam que ele tem feito muito pelo povo mais pobre. E segue o baile.

Fato é que sentamos pertinho do campo. E – juro – tentei muito entender o jogo. Até porque o lugar era muito privilegiado.

Um tropeço e você cai no campo

Entendi os dois home runs que o Caribes impôs ao Caracas e levou a galera ao delírio. Teve ainda polêmica da arbitragem, muita reclamação e algo pitoresco: as duas torcidas comemorando um lance duvidoso por minutos. Depois, o juiz deu a favor do Caracas, o que gerou revolta no pessoal da casa. Mas nada que passasse de um hijo de puta aqui ou ali.

Ok, eu prometi não falar de política, mas não tem muito como: a velha fórmula eleitoral funciona. Tarek Willian Saab, que reformou o estádio e viu o time da cidade ser campeão na sua gestão, não perderia a chance de se promover em ano pré-eleitoral:

Pão e circo

Ao olhar as propagandas, percebi como o jogo estava arrastado. Ou, pelo menos, como eu já não entendia uma jogada sequer. Quem seria o rebatedor? Esse arremessador é bom mesmo?

Enfim, logo descobri o melhor em campo.

Ambulante da cerveja, o destaque da noite

Ele atende pelo nome de Muchacho (como todos os garçons por aqui) e passou a nos trazer cerveja gelada frequentemente. O jogo melhorou, eu passei a enxergar melhor, fiquei mais magro e minha mulher ainda mais parecida com a última Miss Venezuela. Quase aprendemos algumas músicas da torcida da casa, mas a verdade é que o pessoal do Caracas era mais animado. E não precisavam de animador de sistema de som para isso.

Quando vi, já estávamos há 2h no campo e o placar marcava 3-2 para o Caribes, que precisava da vitória para não ficar na dependência de outros para ir aos play-offs. E tinham se passado apenas 6 turnos de 9 possíveis. Num cálculo rápido, decidi não ficar mais uma hora no campo e fomos embora antes da corrente toda. E mantive a fama de pé-quente: depois de sair, o Caracas virou o jogo para 5-3.

Bem, paciência. Valeu a experiência.

...y salud para la tribu!

 

 

Por um jogo perfeito

Campanha na Venezuela: aqui, como no Brasil

Caracas, Venezuela – De férias no país vizinho, percebo que as coisas não são tão diferentes, apesar do futebol aqui ser um primo distante e o familiar mesmo ser o baseball (ou beisebol, como queiram). No fundo, esporte e paixão clubística é que nem mãe: só muda o endereço.

Uma cervejaria venezuelana promove campanha para melhorar o ambiente nos estádios. A violência é problema crescente em Caracas e o reflexo, é claro, também aparece no esporte. Por isso, cartazes na cidade pedem “Um jogo perfeito”, com mensagens como a acima: “Mais gritos de apoio e menos insultos” ou as debaixo:

"Mais copos na lixeira e menos no campo de jogo"
"Mais amigos e menos rivais"

Rápidas e precisas

Comprometimento

Faltando oito jogos para o final do Brasileiro, só um milagre salva o Atlético. E o milagre tem nome: comprometimento. Um dos maiores erros da Gestão Marcos Malucelli no futebol foi sempre alardear que o atual mandatário não ficaria no cargo no ano que vem. E se o presidente deixará o clube, não serão os jogadores emprestados que botarão suas valiosas pernas em disputas ríspidas para manter o rubro-negro na elite. Além de que as declarações de Malucelli por vezes inibia ambições. “O último que sair, apague a luz” é um ditado que poderá definir o ano atleticano.

Comprometimento II

Ao que parece, um passo interessante nesse sentido já foi dado: contra o Botafogo, dos 11 jogadores que começaram a partida, nove tem vínculo com o clube além do Brasileirão/11. Não deu muito resultado, mas são jogadores como Renan Rocha, Deivid, Manoel, Morro García, Marcinho e Paulo Baier (e outros que não jogaram, como Guerrón) que podem evitar que o clube – e eles próprios – joguem a Série B em 2012.

Guerrón: nos pés dele o futuro do Atlético... e de si próprio (Foto: @heulerandrey)

Passado que ensina

Em 1998 o Atlético fazia um péssimo campeonato. Faltando 11 jogos para o fim, o time estava seriamente ameaçado de rebaixamento. A equipe tinha o volante Paulo Miranda (que também passou por Coxa e Paraná) que contou a história: “Um dia, após uma derrota, o Petraglia entrou no vestiário e disse: ‘vocês que são do clube, tirem o cavalo da chuva: ano que vem todo mundo jogará a Série B comigo; e vocês que estão emprestados, já estou negociando para que fiquem aqui. Seus clubes não vão os querer de volta’.” O susto valeu: o time venceu seis jogos seguidos e quase se classificou para a segunda fase – o campeonato não era por pontos corridos.

Polêmica

Direto do Alto da Glória: o volante do Coritiba Léo Gago, em entrevista ao site Globo Esporte.com, meteu o dedo na ferida do Atlético, quando perguntado se o Coxa ainda tinha chances de Libertadores: “Podemos conseguir a classificação. (…) Na última rodada, temos o clássico contra o Atlético. Eles estarão praticamente rebaixados ou até mesmo rebaixados.” Gago projetava cinco vitórias em casa e esse triunfo fora. Mas o time enroscou no Bahia logo na largada.

Roupa nova

Se o empate com o Bahia foi sonolento, valeu ao menos para o Coxa apresentar sua camisa III, comemorativa em alusão a entrada no Guinness Book como “equipe mais vitoriosa em sequência de jogos no Mundo”. Com a cor azul-petróleo – quase um verde – a camisa faz menção às 24 datas dos jogos que o Coritiba venceu em sequência e que o credenciou a tal titulação. Belíssima.

No detalhe, as datas dos jogos do recorde

Pinheirão

Sem perigo de ser rebaixado e muito longe da Libertadores, o Coritiba volta seus olhos para o futuro. Nesta quinta (20), pela segunda vez, o Pinheirão vai a leilão. O valor inicial é de R$ 33 milhões, 50% do valor inicial do primeiro leilão. A FPF segue tentando evitar o leilão. Há uma intenção da OAS em comprar o estádio e, em seguida, chegar a um acordo com o Coxa para construir um novo centro esportivo lá. O presidente da FPF, Hélio Cury, não quis comentar o assunto: “Temos 72h para resolver isso. Até quarta eu terei uma posição”, disse, de maneira ríspida. Cury não confirmou se negocia em paralelo a venda do terreno, que está obrigado pela justiça a ir a leilão. Há uma semana, o deputado Reinhold Stephanes Jr. garantiu que o Pinheirão já foi negociado. O Coxa, por sua vez, aguarda a definição do negócio para entrar diretamente (ou oficialmente) nele.

No twitter


O diretor de futebol do Paraná, Paulo César Silva, que está afastado do contato com a imprensa, está no Twitter. Com o nick @PC_PRC, Paulo César volta a mídia via rede social, depois de se afastar dos holofotes por desgaste com a má fase do Tricolor, após uma discussão com o articulista da Rádio Banda B, Sérgio Bello, ao vivo pelos microfones da emissora. PC tem respondido aos torcedores e não entrou em nenhuma polêmica ainda. Quem criou o perfil foi a filha dele. O departamento de comunicação do Paraná não gostou muito da idéia, mas, mesmo assim, prevaleceu a vontade do diretor.

Cara Fifa…

…escrevo-lhe na condição de cliente Vip do seu produto. Aquilo que insistimos em chamar de futebol, mesmo depois de tantas tentativas de desmoralização. Não pretendo tomar muito seu tempo, nem relembrar esquemas espinhosos, como aquela goleada misteriosa da Argentina sobre o Peru em 78, em pleno regime militar no país vizinho, ou as denúncias de compras de votos para as copas da Rússia e do Catar. Não, vamos deixar isso para trás. A beleza do jogo me manteve atento – sou daqueles que assiste até Catanduvense x Flamengo de Guarulhos, se a Rede Vida passar.

Minha reclamação é outra.

"Deixa de bobagem. Já virou sacanagem", diz o poeta contemporâneo (foto: Geraldo Bubniak)

Querida Fifa, você sabe: mesmo com tudo o que eu escrevi acima, o gol é o grande momento do futebol. Ali extravasamos nossas emoções, abraçamos a quem nunca vimos, gritamos feito loucos e nos sentimos um pouco vingados das mazelas do dia-a-dia.

O gol é sagrado. A comemoração é o orgasmo do torcedor.

Pelé e o soco no ar, as coreografias dos islandeses (esses são geniais!), o dedo fazendo não de Ronaldo ou até mesmo as mais simples, muitas vezes as melhores, com os nossos heróis se abraçando e vibrando como guerreiros valentes. Gol é isso! Pode ser a careta do Lela ou a pirueta do Rhodolfo, pouco importa: o gol deve ser um momento único.

E é por isso que te escrevo, Fifa. É possível que você não esteja vendo, até porque esse lance de Copa do Mundo aqui no Brasil deve estar te deixando louca. Quase nada pronto, muito esquema financeiro (sei que dessa parte você cuidará bem, com moralização) e muito oba-oba. Mas tem um pessoal acabando com esse grande momento que é o gol.

Acredite, Fifa: atualmente, 11 entre 10 jogadores brasileiros comemoram os gols imitando um boçal joão bobo. É!, isso mesmo, sabe aquele boneco que você empurra e ele volta, inflado de ar e sem nada na cabeça? Aquele, cuja maior paródia é ser um fantoche controlado  que pode ser empurrado, chutado, agredido e mesmo assim volta ao lugar? O joão bobo? Então, esse mesmo. E eles tem achado o máximo!

Mas nós, torcedores, já estamos de saco cheio.

A gente sabe que tem coisa que é moda e pega. Ainda mais no Brasil, país com sérios problemas de educação e maiores ainda de estima. Lembra do complexo de vira-lata né? Então, ele existe até hoje, já que vivemos abaixando a cabeça para qualquer um que nos impõe uma idéia estúpida.

Mas acho que é hora de você intervir, Fifa. Lembra quando você proibiu manifestações religosas ou aquelas camisetas xaropes com mensagens tipo “Titia, domingo vou na macarronada”? Pra não falar nos merchandisings nas camisas, que agora ganharam algumas comemorações. Aqui no Paraná, atleticanos e coxas já viram jogadores comemorar para um tal de “capitão”. Devem ter recebido uma baita bolada, ou ao menos algumas garrafas de rum, apesar de já ganharem bem para valorizar a imagem do clube.

Acho que é o caso de você agir de novo, Fifa. Tá chato demais essa história do João Sonrisal (acho que o nome é esse porque dá asia ver os caras feito bobos) e pode piorar. Veja você que o único que foi contra, o Rivaldo (aquele cracasso da Seleção, Palmeiras, Corinthians e Barcelona, hoje no São Paulo, campeão do mundo em 2002, lembra?), foi achincalhado como chato da vez. Logo ele, um cara que mostrou personalidade. Só pode ser porque não foi joão bobo dos caras.

Fifa, eu lhe peço: faça alguma coisa. Já estamos acostumados a ser bobos nesse mundo do futebol (e quem disse que não tem?), mas jogar isso na nossa cara é desaforo demais.

As mazelas do marketing

Chegou até o meu e-mail hoje a foto abaixo, que já circula na internet em diversos fóruns. Achei curioso e, como colecionador, interessado em saber quem tem a peça. E resolvi postar para discutir rapidamente um tema: as mazelas do marketing esportivo.

Camisa comemorativa da Copa do Brasil: agora, artigo raro

Evidentemente que as camisas tinham de ser produzidas com antecedência; não seria na quinta-feira pós título nacional, inédito e recuperando um orgulho de 26 anos, que a Lotto iria confeccionar um lote que com certeza teria grande vendagem.

As imagens vazaram e eu achei extremamente curioso – eis o porquê do post.

Mas existe algo mais. Quando da decisão, na primeira partida em São Januário, muito se falou e fez porque ambulantes vendiam faixas de campeão na frente do estádio carioca, pró-Vasco. Um sensacionalismo barato que fui contra, não abordei no Jogo Aberto, embora tenha visto algo por aí. Lógico que no jogo de volta também havia o mesmo artigo pró-Coritiba. E a mesma atitude foi tomada: destaque zero.

Há quem ache que ajuda o clube a vencer criando um factóide desses. Bobagem.

Além de jornalista, sou publicitário e sei que uma peça dessas tem que ser planejada antes. E pela vivência no futebol, que ela só chega ao vestiário no momento da decisão, como fator motivador aos jogadores que, oras!, precisam de mais motivação que o simples fato de tentar o título da Copa do Brasil?

Futebol é paixão e negócio – em cima da própria paixão. Discutir agora se devia ou não ser feito, se é motivador ou não, é a pior das bobagens possíveis. Há que se compreender a lógica da indústria. E parar que querer transformar essas ações, positivas e rentáveis aos clubes, em factóides na esperança de se tornar o herói de uma conquista. Como se a bola na rede fosse menos importante.

P.S.: Noves fora o que todos já sabemos, você gostou da camisa? Eu, sim.