Adriano no Atlético Paranaense: tacada ou loucura?

Washington se recuperou no Furacão: exemplos parecidos, mas diferentes

Como Arnold Schwarzenegger em “O Exterminador do Futuro”, Adriano se levantou mais uma vez das cinzas para ser destaque nos noticiários esportivos de todo o Planeta. Na Itália, onde rodou por Inter e Roma; em Portugal, na França e claro, por todo o Brasil. O acordo entre Adriano e o Furacão mexeu com as redações em todos os cantos, espantadas com uma nova chance ao Imperador  – cuja melhor leitura pode ser feita na matéria do Guilherme Moreira. O Atlético, como de praxe, ainda não se manifestou oficialmente. Seus diretores não falam sobre o assunto.

Trazer alguém de maneira surpreendente não é uma novidade na vida do Atlético. O Furacão tem por hábito inovar em suas contratações, muitas vezes cotadas como jogadas de mídia. Foi assim com o árabe emiratense Abdulla Al Kamali, uma espécie de Zizao da Baixada, que tentava abrir o mercado árabe ao clube. Foi assim com o ídolo alemão e então técnico Lothar Matthäus, de passagem relâmpago. Havia sido nos anos 70 com Djalma Santos, já em fim de carreira. O mesmo com Eder Aleixo, nos anos 90. Exemplos não faltam.

Eder Aleixo foi mais a tentar vida nova no Furacão

O caso de Adriano é diferente de todos acima, exceção, claro ao efeito midiático. Se assemelha mais ao de Washington, o mais bem sucedido de todos. O “Coração Valente” chegou ao Caju diabético, com um problema cardíaco e desenganado, numa época terrível, com as mortes do camaronês Marc Vivian Foe e do húngaro Miklos Feher em campo. Ninguém apostaria um centavo na volta de Washington ao futebol. Ele havia chegado até à Seleção Brasileira ainda na Ponte Preta, mas via seus sonhos abreviados. Sem contrato, o Furacão o abraçou. Bancou sua recuperação e ganhou o maior artilheiro da história do Brasileirão e um vice-campeonado, em 2004. Washington seguiu sua vida até se aposentar, com saúde.

Adriano tem um problema social. Uma doença que é tratada de maneira jocosa, como se fosse um problema proposital. Não posso avaliar – nem devo ou quero – à distância se é desvio de conduta ou dependência química. A segunda opção é comum no Brasil. Tratada como “sem-vergonhice”. Já levou muitos, incluindo o ídolo Garrincha. Seja como for, o Atlético arrisca novamente. Pouco, diga-se: abre as portas de seu CT e oferece estrutura e tranquilidade para a recuperação de um atleta de apenas 31 anos. Contrato? Só após um período de testes de três meses (com Natal, Ano Novo e Carnaval no meio) com Adriano respondendo positivamente.

Curitiba e suas belas mulheres contrastam com uma cidade que não tem vida noturna às segundas – mas ferve aos sábados, véspera da maioria dos jogos. Força de vontade é um requisito. A timidez do curitibano possivelmente evitará grandes badalações ao Imperador. Ao jantar em um local na Avenida Batel, as pessoas o olharão e comentarão entre si, mas dificilmente se aproximarão. O vizinho levará meses para convidá-lo para um churrasco – tempo em que ele pode até já ter deixado a cidade. A praia mais próxima requer 100 km de viagem e passa a esfriar em março. Adriano encontrará no Atlético um escudo contra a imprensa (nós, esses malditos); um escudo tão forte que até põe em xeque a ideia de que o clube quer ganhar com ele em retorno de mídia. 

Se ele emplacar, terá uma torcida numerosa e fanática ao seu lado, disposta a consumir tudo que se referir ao novo ídolo. Pode até disputar uma Libertadores e, como o amigo Ronaldinho no xará mineiro, reencontrar os caminhos das glórias. Não receberá os altos salários dos tempos anteriores, mas receberá em dia. E pode até pintar na Copa, por que não? Com Fred machucado e nenhum outro 9 de confiança, um Adriano motivado e em dia seria capaz de convencer Felipão.

Se der errado, ele volta para o Rio e o clube segue sua vida. Será mais uma vez alvo de diversas análises sobre “por que Adriano jogou fora sua carreira” e renderá tantas outras pautas à imprensa. Nesse caso a ampulheta vai diminuindo sua areia na parte de cima e serão poucos os que ainda apostarão nele.

Para Adriano, loucura era não dar essa tacada.

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s