Exclusivo: “Vai ser positivo, vamos nos unir”, diz chefe da delegação sobre Neymar

Vilson Andrade: "Temos força para ganhar sem Neymar"

E agora Brasil, sem Neymar? Vilson Ribeiro de Andrade chefe da delegação brasileira na Copa 2014 garante que o pior já passou. O susto e a consternação pela saída do craque da Copa podem virar energia. O presidente do Coritiba atendeu gentilmente a reportagem do Terra na noite deste sábado, logo após a definição das semifinais do Mundial. Confira o papo.

Como ficou o espírito da Seleção com saída de Neymar?

Olha, ontem a gente fez uma viagem complicada, por que saímos de Fortaleza e não tínhamos informações do que tinha acontecido. Fomos obtendo contatos indiretos. Preparamos o avião, ele veio conosco, foi uma preocupação grande. Depois de 3h de voo, chegamos aqui [Teresópolis, RJ] era perto da 1h da manha, e o ambiente foi melhorando. Ele já estava melhor, dormiu bem. Amanheceu, almoçou com os colegas, conversou com todos. Melhorou muito. O pessoal se comprometeu muito em brigar por ele. Acho que vai ser muito bom, positivo, vamos nos unir mais.

Cá entre nós, o Felipão está obviamente chateado com a perda, mas ele chega a gostar desse tipo de dificuldade, não?

Ele consegue trabalhar muito bem com isso. Trabalha muito o campo, o lado psicológico. Ele conhece o grupo e tem o grupo na mão. É um passo fundamental para o sucesso. É difícil você ver isso. O Brasil na realidade tem um grupo. O Neymar é fabuloso, fantástico… mas na dificuldade… eu vi uma frase assim “talento ganha jogo, grupo ganha campeonato”. A ausência vai ser sentida, mas quem ganha campeonato é grupo. Esse é o sentimento aqui. Todos estão sentidos, mas estão aqui porque são os melhores do país. A vida não para, e nós temos condições de ser campeões, estamos no nível de todos. A diferença é muito pequena entre os times.

E os alemães, será que gostaram da notícia, a parte o lado pessoal de ser uma lesão?

Isso é relativo. Tivemos [Coritiba] uma final contra o Palmeiras na Copa do Brasil,  que no dia o principal jogador deles, o Barcos, teve apendicite e foi operado de emergencia. Entrou o quarto centroavante deles [Betinho], que não jogava nem aqui com a gente e acabou fazendo o gol do titulo, foi decisivo. Ninguém pensava, ninguém esperava, é relativo. As vezes quem entra tem sucesso, as vezes não tem. Os alemães vão jogar no modelo deles: técnica, tática e disciplina.

E hoje, quando tudo acalmava, teve o problema com o Marcelo, que perdeu o avô…

É… mas o avô já estava doente, num processo de câncer… já tava internado, ultimamente hospitalizado, desenganado. A morte foi sentida, mas ele já estava esperando. Ele resolveu ficar, não ir pro velório. Disse que é a ultima semana e quer a cabeça aqui.

Outro episódio que deu o que falar foi a reunião do Felipão com alguns “papas” da imprensa. Como foi isso aí dentro?

Na realidade as coisas acontecem sempre… bem, tem definições pessoais que você tem que ter na vida. E você tem pessoas com quem tem liberdade, consideração, amigos mais chegados. E no fundo foi isso. Ele conversou com os amigos, com quem tem relacionamento bom, nada dirigido, muito mais nessa linha de relacionamento. E interpretaram mal, porque não participaram. Mas ele resolveu fazer um bate-papo pra trocar ideias, dentro de um processo natural. Como um café com amigos, pra conversar. Nenhum objetivo específico. As vezes você quer falar com A ou B, não com todo mundo. E o Felipão tem um lado afetivo muito grande, é muito leal, tem sentimento. É muito humano, sensível até, diferente do que parece.

Ele conversou mesmo que gostaria de ter um substituto, uma troca no grupo de jogadores?

Não. A visão é diferente. Ele quis dizer que queria ter oportunidade de ter uma substituição, porque durante a competição muda o conceito de tática, de modelo de jogo. E as vezes você tem que readaptar com outro jogador. Não que esteja insatisfeito com alguém, mas algo para mudar agora. Olha, o Van Gaal acabou dizendo que ele tinha razão, Você sente a necessidade de um jogador diferente pra um modelo tático diferente, talvez não previsto, porque a competição muda. Ele falou conceitualmente, não sobre uma pessoa. A mesma coisa agora, porque que não se pode substituir um jogador lesionado, como Neymar e Di Maria? A Fifa não permite. Mas é conceitual.

Sobre a postura do Thiago Silva nos pênaltis contra o Chile: eu entendo a emoção depois do jogo, mas antes ficou uma coisa meio “capitão-do-navio-italiano”…

Você tem que respeitar o momento das pessoas. Tem quem não gosta de olhar. É uma decisão pessoal. Tem quem baixa a cabeça, quem vira… é uma reação humana. Não tem protocolo pra obedecer naquela hora. A vida não pode ser assim, “você é capitão, você tem que estar lá e levar o primeiro tiro”. Naquele momento ele reagiu assim. A gente respeita.

Mas o Paulinho assumiu outra postura.

Mas veja, essa são atitudes que as pessoas assumem no momento. A liderança vem no momento inesperado, em que de repente alguém tem uma reação inadequada e o Paulinho assumiu, O Victor, por exemplo, passou o crucifixo para o Julio e disse, “com esse aqui eu peguei aqueles pênaltis no Atlético Mineiro”. Todos se ajudam.

Aquilo acabou passando um recibo de que a pressão estava muito alta. Ainda está?

O problema não é esse. Era sair antes da semifinal, porque seria uma vergonha, a gente tem essa preocupação toda. Não que tenha diminuído agora, mas é uma situação diferente. Agora são as quatro melhores do Mundo. Na realidade é isso, se saísse… bem, havia uma expectativa muito grande. O pessoal bateu no Parreira pq ele falou que é favorito. Ele não podia dizer que não era! Como não é, se é cinco vezes campeão e joga em casa!? Tem que falar. Mas havia uma pressão pra não passar vergonha. Agora já entra num nível de competição que em 2 partidas pode ser campeão do Mundo.

E quem vai ser o novo Amarildo?

Olha… não sei. Amanhã vou saber. Amanhã ele vai fazer treinamento. Tem possibilidades, tem o William, talvez outro modelo… o normal é entrar o Willian, ele tá bem, a pancada não foi nada. Volta o Luis Gustavo né, pela direita tem o Fernandinho, o Oscar, talvez Willian, Hulk e Fred, talvez seja isso. Mas vamos ver.

Está gostando da Copa?

Está surpreendentemente acima de todas as expectativas. Principalmente pela imprensa internacional, que colocou muitas dificuldades e agora é uma das melhores dos últimos 30 anos. Em campo, tudo muito igual, olha a Holanda com Costa Rica, pênaltis. Brasil teve jogo difícil, Argentina fez 1 a 0 e ficou segurando. A própria Alemanha, ganhou de 1 a 0 só, muito equilibrado. Estádios cheios, os aeroportos estão sem problemas, o jeitinho brasileiro resolveu. De uma forma geral, a Copa é um sucesso e é bom para o Brasil.

Qual seria a final do sonhos?

Brasil x Argentina, e ganhar deles. É que nem Atletiba, mas eu não quero ser vice não. Seria legal. Pra mim seria uma honra ser campeão. Fechar com chave de ouro minha passagem no futebol, só 4 anos e meio desde que peguei o Coritiba quebrado. Meu sonho era dar um título maior ao Coritiba, mas dei a minha contribuição. Mas se der seria muito bom pro povo. Impressionante ver as crianças e jovens, e os jogadores são meninos. A gente ve o carinho a seleção foi adotada por cada brasileiro.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 30/05/2012

O rompante de Vilson

Mexeu com a comunidade esportiva a forte entrevista do presidente do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade, após a derrota (2-3) para o Botafogo no último final de semana. Vilson qualificou torcedores como “imbecis” e fez questão de ressaltar que quem manda no Coxa é ele. Pausa. Vilson é um ser humano e como qualquer outro é sujeito a rompantes emocionais. Apesar de generalizar na declaração, o dirigente qualificou de imbecis não à todos os coxas-brancas, mas sim aos que ofendiam a esposa de Jonas (que não jogou nada mesmo), presente nas cadeiras e que saiu em defesa do marido. Seguimos. Não é natural de Vilson Andrade essa postura, de fazer questão de lembrar quem manda no Coritiba. O rompante emocional é justificável, desde que não seja tendência. Governa-se de duas maneiras: ou pelo amor, ou pela dor. Até aqui, Vilson foi paz e amor. O outro caminho existe, mas não creio que seja tomado – muito embora nunca se viu crise no Coxa com ele no comando.

O estádio, história sem fim

À pedido do Paraná Clube, a CBF remarcou o jogo da próxima terça, 05/06, entre Atlético e Ipatinga, da Vila Capanema para o Germano Kruger, em Ponta Grossa. A partida de depois de amanhã, do Atlético contra o Barueri, segue na Vila. O jogo entre Atlético x Goiás, também marcado para a Vila para um sábado, 16/06, agora está indefinido na tabela da CBF. Vamos por partes: o Paraná tem razão em chiar. Jogou ontem na Vila, joga amanhã pela Série Prata contra o Serrano, verá o Atlético jogar contra o Barueri  na sexta e caso a CBF marcasse o jogo contra o Ipatinga pra Vila, o gramado teria que agüentar ainda jogos nos dias 05, 07 e 09 de junho. Não agüenta. E nisso não estou contando nem a imposição absurda por falta de habilidade atleticana na negociação, nem o orgulho besta que permite que o Tricolor rasgue dinheiro.

Autofagia

Fato é que o jogo contra o Goiás, dentro de 19 dias, ainda pode ser na Vila. Quiçá no Couto, em Paranaguá ou em Ponta Grossa. Ninguém sabe. A CBF, creio, irá pensar e pesar caso a caso, uma vez que os clubes de Curitiba, cada qual com seu quinhão de razão, não chegaram a um consenso. É o retrato típico da cidade em que vivemos: pra que construir, se é mais fácil atrapalhar? “A Copa na cidade não presta”, “Aquele ator é curitibano? Desconfiava” ou “Nosso trânsito é um lixo.” Escolha sua linha de raciocínio e admita: o curitibano não sabe progredir em conjunto. Se em cinco anos não houve consenso, não seria durante o campeonato que o Atlético – cuja postura presidencial mais repele que agrega – iria conseguir ser visto como parceiro de um evento benéfico para a cidade. Ah!, Curitiba, tão linda e tão retrógrada.

Copa do Brasil

Preferia que o Coxa jogasse a primeira das semifinais em casa. Mas o que vale é não se assustar com o Morumbi, daqui há 17 dias. Muito menos com o irregular São Paulo.

Yes, nós temos projeto

OU: COMO O CORITIBA CHEGOU A MAIS UMA SEMIFINAL DE COPA DO BRASIL

Projeto. Palavrinha mágica – e batida – no futebol nos dias de hoje. Todo mundo tem projeto. Até o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanches, que destratou o sistema Barcelona de futebol mas, convenhamos, de Ronaldo pra cá colocou o Timão em outro patamar. É projeto pra cá, projeto pra lá. Venceu, o projeto está no caminho certo; perdeu, “calma, que o projeto é longo.”

Mas o que é projeto? E o que explica o Coritiba, orçamento 1/4 do que recebem São Paulo e Flamengo (por exemplo) chegar pelo segundo ano seguido à semifinal da Copa do Brasil – a quinta na sua história? É o mesmo sistema que vinha sendo criticado no Paranaense?

Projeto no futebol não pode se basear no resultado, mas tem que ter o resultado por finalidade, capicce? Ferran Soriano, ex-diretor do Barcelona, ensina em seu livro “A bola não entra por acaso”, que quando John Terry partiu para a cobrança do pênalti decisivo contra o Manchester United em 2008, escorregou e perdeu a chance de ganhar a Champions League, que o futebol é feito de escolhas e acasos. As escolhas corretas reduzem os acasos. Talvez Terry, capitão e formado no Chelsea, não fosse o mais indicado a bater o pênalti mais importante da história do clube naquele ano. Estava emocionalmente muito envolvido. O tempo passou e o projeto do Chelsea, que na verdade é um aporte pesado de dinheiro, acabou vingando em 2012. Mas, me cobrem no futuro, o Barcelona, que caiu para o mesmo Chelsea nesse ano, mas tem um projeto de identidade e longo prazo, vai seguir sendo o melhor; o Chelsea, envelhecido, terá que gastar mais para ter um time campeão novamente.

Ok, e o Coxa? Bem, não é uma coincidência o Coritiba chegar pelo segundo ano seguido à semifinal da Copa do Brasil. Se pegou uma chave “fácil”, ótimo; o Botafogo, com maior investimento, esteve na mesma chave e caiu. Se será campeão, é outra história: entre os quatro que devem chegar (escrevo antes de Grêmio x Bahia e aposto nos gaúchos) é o que tem menor poder financeiro e está levemente abaixo do São Paulo tecnicamente. Mas ali no campo, tudo é possível.

O Coxa, vale relembrar, ressurgiu das cinzas em 2010, com a entrada de Vilson Ribeiro de Andrade na vice-presidência. Esteve às portas da falência, viveu uma queda traumática para a Série B no ano do centenário do clube e apenas quatro anos depois de já ter caído. Em 2005, quando caiu pela primeira vez nessa sequência, tinha no comando um presidente com personalidade forte, que partiu para o atrito com a torcida diversas vezes. Era comandado meio a esmo: Giovani Gionédis fazia o que ele achava correto, apostando na velha guarda para a montagem do time. Caiu e voltou, dois anos depois, com um time montado só com a base. Mas não era um projeto: já com Jair Cirino no comando, caiu de novo em 2009 quando as vaidades foram maiores que o clube. Todos queriam tirar uma casquinha, fazer campanha. Uma estrela desagregadora no elenco, algumas panelinhas, comando dividido e fraco… deu no que deu.

Na época, Felipe Ximenes já era diretor do clube. Mas estava com o trabalho suprimido pela chegada de João Carlos Vialle, histórico coxa-branca, diretor de futebol à moda antiga. Ximenes me revelou que pediu para ir embora duas vezes. Cirino o impediu. Quando o clube foi rebaixado e poucos restavam para querer assumir, Ximenes atendeu novo pedido de Cirino, que por si próprio já atendera a um desejo de Andrade: ficar para resgatar a própria imagem. Nos bastidores, Cirino é muito bem-quisto por todos. Mantido no cargo, voltou à elite com um título estadual e o bi da B de cabo a rabo, com direito a 28 jogos fora de Curitiba.

Àquela época, o Coxa já construía o que se vê hoje. Todo jogador contratado é levado a conhecer a história do clube. Andrade e Ximenes se reúnem com atleta e empresário e querem conhecer o perfil profissional do jogador. É bom jogador? É boa pessoa? É agregador? Tem caráter? Quer vencer na vida? Essa linha pesa na impressão que ambos têm do jogador antes de bater o martelo. Previamente, são escolhidos pelo padrão técnico e tático. Andrade era da arquibancada nos anos 70, de supremacia coxa. Um time técnico, com meio campo forte e ataque rápido. Hoje, escolhe jogadores com características que atendam o Coxa que o torcedor quer ver em campo, com um estilo de jogo.

O técnico tem de ser uma pessoa que dirija o elenco, mas seja acima de tudo bom funcionário. Entenda que o clube precisa negociar e não fique pedindo reforços. E entenda como o time deve jogar. Ney Franco primeiro, Marcelo Oliveira agora. Pessoas tranquilas, competentes, e que deram um padrão de jogo ao time. Que sim, perdeu peças – e ainda não repôs a altura algumas – mas segue numa batida firme. Marcos Aurélio foi liberado ao Inter porque o clube via em Everton Ribeiro um jogador com características parecidas. Demorou, mas ele vem rendendo. O goleiro Edson Bastos só foi liberado agora porque já está com uma idade em que precisa jogar para ganhar melhor – está perto de parar. E porque Victor Brasil se apresenta como um bom banco.

Salários em dia, gestão de marketing correndo em paralelo, com Doth Leite, completam o projeto alviverde. Esteve perto de ir à Libertadores por duas vezes em 2011; perdeu uma em casa e outra em um clássico. Sem rompantes emocionais, seguiu o rumo.

Nem tudo é perfeito; existem erros, escolhas questionáveis, parcerias, posturas diversas. Mas, em linhas gerais, o Coxa tem um norte e continua na mesma batida. Raramente se envolve em polêmicas, os dirigentes não vetam entrevistas ou se escondem de certos temas. Quando questionados, apresentam suas versões. E, o mais importante, o time têm mantido a hegemonia local e chega de novo à uma reta decisiva nacional.

Projeto, de fato, é isso.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 23/05/2012

O estádio, parte 178
A CBF indicou a Vila Capanema para três jogos do Atlético na Série B. Acertou no atacado, errou no varejo. Não há solução fácil para a questão, pendente – acredite! – desde 2007, quando a Arena confirmou-se sede da Copa-14. O acerto da CBF: o Atlético é parceiro da entidade, da Fifa e do Estado na realização do evento. Sim, se propôs a isso e terá benesses inegáveis. Tem ainda ônus que tem pago sozinho, como se fosse dono do evento (não é, embora a classe política omissa faça questão de referendar isso). O Atlético precisa jogar em algum estádio e em Curitiba. A política é o que pega.

No varejo…
O erro é a escolha do local. A Vila está com o gramado ruim e abrigará 10 jogos em 25 dias, incluindo uma data conflitante em dois jogos do Paraná, em 09/06: encontros com o Guaratinguetá e o Grêmio Metropolitano – palmas à FPF, que não antecipou a B local. Com as chuvas na cidade não haverá gramado que resista. A obrigatoriedade, movida pela falta de diálogo, também é motivo de revolta. Com base entre outras coisas no gramado, o Coritiba ganhou ação no TJD-PR para não alugar compulsoriamente o Couto Pereira que, de fato, era o melhor local para abrigar o Atlético.

Desejo, necessidade, vontade
O Paraná promete ir à justiça para valer sua visão. O Atlético é concorrente direto na Série B e lhe dar abrigo é lhe dar força. No Estadual, o Coxa fez isso. A intenção da CBF ao escolher a Vila, induzida pela FPF, foi clara: preferiu rusga com o Tricolor que com o Coxa. E irá sempre proteger seu parceiro na Copa, não tenha dúvidas. Talvez o Paraná não tenha a mesma força política do Alviverde, mas a novela está longe de acabar. Em um mundo ideal, Coxa e Atlético se acertariam, fariam promoções nos planos de sócios; o Coritiba ganharia valorização nos espaços publicitários do Couto, movimentando a praça mais que apenas uma vez por semana. Bom para os donos de lanchonetes do estádio. Rivais em campo, parceiros fora dele, com inteligência. Certo?

Manual prático de política
Errado. A falta de diálogo é o principal problema. Até essa semana, o público só soube uma versão da história. Mário Petraglia, presidente do Atlético, só se manifestou recentemente, em carta – sem contestações. Há quem assuma como verdade absoluta. Há muita verdade, mas, sem troca de idéias, é mono. Atitudes truculentas e impositivas distanciaram qualquer acordo. A rivalidade besta também: o Atlético jogou N vezes inteira no Couto; o São Paulo FC é tricampeão do Mundo alugando o Morumbi aos rivais. Mas se Petraglia, com seu estilo, não consegue nem agregar sua própria gente, iria conseguir fazê-lo com coxas e paranistas?

Em campo
Copa do Brasil: Coxa passa pelo Vitória, mas 0-0 fora não é tão bom como se supõe. Não pode tomar gols hoje. Precisa jogar mais que em Porto Alegre. Atlético em São Paulo é zebra, só vitória ou empate com mais de três gols. Zebras acontecem, mas eu não apostaria, embora será ótimo ver ambos nas semifinais.

O campeão, a festa e as lições

Marcelo Oliveira sobreviveu às críticas e levou o caneco

Supremacia consolidada: mesmo sofrido, nos pênaltis, o Coritiba ficou com a taça do Paranaense 2012 e coroou o renascimento do clube após os episódios de 2009: tricampeão estadual depois 39 anos. Uma conquista com muitos elementos, mas que tem alguns símbolos: Vilson Ribeiro de Andrade, o capitão da reação; Felipe Ximenes, o mentor; e Marcelo Oliveira, o executor.

Os números não deixam dúvidas: o Coxa foi o melhor time do Paranaense 2012. Melhor ataque, com 55 gols, maior número de vitórias (16) e menor de derrotas (apenas 1), um aproveitamento de 80%. Foi o único a vencer clássico e sairá da temporada – a não ser que os rivais se cruzem na decisão da Copa do Brasil, o que é possível – sem perder Atletibas.

Hão de dizer que houve erros de arbitragem que ajudaram o Coritiba, como o já histórico gol anulado do Londrina em disputa direta. Fato. Mas na hora da onça beber água, o Coxa foi buscar os resultados que lhe interessaram.

O Coritiba sai do Estadual com o astral em alta e sabedor das limitações que tem. No clássico de ontem, improvisou os dois laterais (Lucas Mendes é zagueiro, embora já tenha mais currículo como lateral-esquerdo), foi pouco criativo no primeiro tempo, com saída de bola lenta e se ressentiu de mais presença no ataque. Mas tem uma boa defesa e descobriu em Éverton Ribeiro um potencial substituto para Marcos Aurélio. Quando Rafinha recuperar a condição física, a dupla poderá dar samba.

Nas comemorações, Marcelo Oliveira e o vice-presidente Ernesto Pedroso admitiram uma briga interna entre o técnico e o superintendente Felipe Ximenes. A razão seria duas opiniões diferentes sobre a montagem do elenco. É fato que Marcelo Oliveira teve que remontar a equipe, que não tem a mesma força de 2011. E foi ele quem absorveu as críticas da torcida – mas, se o clube não tivesse comando, poderia ter deixado o barco no meio. Deu a entender que segue no Coritiba. Melhor assim: mesmo com algumas críticas, Marcelo entende o projeto do Coritiba, as limitações financeiras e as ambições do clube. E não é fácil substituir: sempre que se falar em trocar o técnico, faça a você mesmo a pergunta, “e quem vem?”

Vanderlei, que havia falhado no primeiro jogo, recuperou-se defendendo a cobrança de Guerrón. Justo Guerrón, de quem os atleticanos esperavam mais e, sintomaticamente, era o mais vaiado em campo pela torcida coxa quando pegava na bola. Faz parte das ricas histórias do futebol: redenção de um, condenação de outro. Guerrón e o Atlético serão assunto mais abaixo; já Vanderlei chega ao penta-estadual (venceu com o ACP em 2007) mostrando apenas que não é infalível, mas é um bom goleiro.

Quem também sorri é Tcheco, líder da equipe em campo, encerrando a carreira em alta e em casa. Tcheco é peça impossível de se repor por tudo o que representa, mas o papel de líder caberá a alguém que o Coxa deve buscar para o Brasileiro. Quem? Não sei. Mas equipes vencedoras precisam de uma referência em campo.

Como já disse o Leo Mendes Jr., o gol do título, de Éverton Ribeiro, simboliza o que foi o campeonato coxa-branca: parecia que não ia, quando deu na trave, mas entrou. A ressaca pelo título tem que ser curada hoje: na quarta, tem Salvador no caminho, pela Copa do Brasil, contra o Vitória. O tri é digno de festa e, em um campeonato de dois times, mexe com o ego e em si mesmo é um fim, pois a razão de um clube de futebol é levantar taças. Mas o vôo tem que ser mais alto e, passada a festa, o trabalho segue. Já no domingo, tem Campeonato Brasileiro.

As lições

O Coritiba tricampeão tem muito a ensinar ao Atlético. Em 2009, mascarada pelo centenário do clube, a crise rondava o Alto da Glória. Dirigentes se aproveitando do clube para fazer política, disputa interna, muita vaidade, elenco disperso. Para festa, prometeu-se AC/DC, veio a banda 100% Paraíba, do camisa 10 Marcelinho – mais politicagem. Fanfarronices agudas, que resultaram no que todos já sabem. O rebaixamento, as punições e a quase falência do clube, admitida pelo atual presidente Vilson Ribeiro de Andrade, só foi evitada porque houve assertividade nas escolhas. Projeto de longo prazo com técnicos (se a CBF não chama Ney Franco, estaria até agora aqui; Marcelo Oliveira segue na mesma linha), contratações com perfil de identificação ao clube, demonstrações de maturidade dos dirigentes, que nunca evitaram as críticas, apenas lidam melhor com elas.

O Atlético levantou a taça pela última vez em 2009, em meio a esse panorama coxa-branca. Não fosse isso e o Coritiba poderia ser penta. E o Furacão, àquela época, já demonstrava que perdeu o rumo na administração, com a atual gestão batendo forte na anterior – que, diga-se, cometeu muitos erros.

Para voltar a crescer, o Atlético precisa se resolver internamente. A cada derrota, os atleticanos se dividem em Petraglistas e Malucellistas, como se só as duas figuras importassem. Precisa também ter um objetivo: clube de futebol existe para vencer, não ser apenas superavitário. Se os estaduais estão falidos e são desinteressantes (e de fato estão), são também a conquista mais a mão do clube. Num campeonato com dois clubes, o Atlético foi o segundo.

A atual diretoria prefere atacar à responder. Não se sabe onde o clube jogará no Brasileiro B, já que o estádio que tem e cederá à Copa da Fifa está em obras e não chegou a um acordo com os rivais; mas esse assunto não é abordado pela diretoria. Como nenhum outro: questionar a direção atleticana é quase um crime. Pode ser o plano de sócios, os critérios de contratação da gestão de futebol, o currículo dos profissionais escolhidos no cargo ou ainda o departamento de marketing e comunicação, ineficaz e com escolhas distorcidas.

Personificando o clube como se fosse apenas seu, o atual presidente não responde sobre contratações, ambições, projetos, dívidas, etc. Prefere usar os veículos oficiais para atacar quem o questiona. Sem explorar os espaços de mídia que tem, o clube levanta sobre si um sem número de boatos e o principal: não ostenta um patrocínio central na camisa, fonte de renda importantíssima.

Durante a semana, uma despropositada carta a arbitragem sob o pretexto de motivação simbolizou a gestão em comunicação do clube. Se não era ofensiva, perdeu o sentido por não ter valor prático – arbitragem já definida e para questioná-la existem outros meios – e principalmente por não valorizar a própria necessidade do clube, preferindo amparar-se no rival. Desnecessária.

Por sua vez, o Coritiba, que tem janelas e horários para entrevistas como qualquer outro clube, lida melhor com a relação com a mídia e tem, apenas na camisa, 9% de sua arrecadação.

O Atlético de hoje propõe-se a ser campeão do Mundo, mas não vence sequer o campeonato que ele mesmo despreza. Há uma falta de sintonia entre o discurso e a prática.

Evidentemente, não está tudo errado. O Estadual serve para o Atlético ver que o time é mediano. Para voltar à Série A, carece de reforços. O técnico Juan Ramón Carrasco é bom: basta ver que aproveitou a base que caiu em 2011 e alguns pratas da casa e fez um time competitivo. Mas é pouco. Rodolfo, Liguera, Ricardinho e Edigar Junio são boas surpresas. Outros, como o goleiro Vinícius, desperdiçaram oportunidades. Mesmo Guerrón, que na hora H acaba refugando – um Baloubet du Roet dos campos – tem utilidade na Série B e na Copa do Brasil. Só é preciso entender melhor a cabeça do equatoriano, que dizem os próximos, vive em mundo só seu.

Petraglia tem uma inigualável lista de serviços prestados ao próprio Atlético. Mas deveria aproveitar essa segunda, com ressaca de derrota, para refazer alguns conceitos. O exemplo está logo ao lado.

Estaduais

O campeão é o melhor time do Paraná e tem mais é que fazer festa. Mas os Estaduais estão mofando no calendário brasileiro. À exceção do Paulistão e do Carioca, amparado pela maior rede de TV do país, os demais dão prejuízo. São cinco meses perdidos, com déficit em arrecadação, pouca atratividade e pouca competitividade. O abismo que se abre entre os médios – onde estão os paranaenses –  e os gigantes nacionais só aumenta com os Estaduais.

Passou da hora de retomar os Regionais. Não é preciso ser mágico pra saber que um Grêmio x Coritiba levará mais gente ao campo ou à frente da telinha que um jogo com o Iraty. Os Estaduais devem ser uma porta de acesso aos Regionais, movimentando o calendário o ano todo. O que mataria o futebol do interior não é o fim desse tipo de competição e sim o que já acontece: um clube com a história e estrutura do Londrina parado o resto do ano. O mesmo para o Operário. Estes, se não estiverem nos Regionais, devem jogar um Estadual de ano inteiro, disputando vaga na Copa do Brasil e na Copa Sul.

Não é difícil, é só copiar o que já foi feito. Impulsionará o futebol local de várias maneiras. Mas é preciso vontade e desapego político.

Pensando bem, é difícil sim.

“Não se corrige um erro com outro”, me ensinou meu pai

O Coritiba pode perder entre amanhã e quarta uma chance histórica de demonstrar grandeza e ser condizente com a campanha “Amo minha terra, torço pelo meu Estado”, que quer mostrar a força do povo paranaense.

Pode dar um tapa de luva naqueles que buscaram a separação e o sectarismo, ser um exemplo de convivência, desportividade e de que nossa sociedade tem saída.

Mas que, talvez por serem poucas as vozes em prol do convívio pacífico, pode ficar para trás.

Para que isso aconteça, para que não se caia na vala comum, basta que o Coxa não aceite realizar o Atletiba 350 com torcida única e abra os portões do Couto Pereira para cerca de 3 mil atleticanos, mostrando como se faz um evento com segurança e beleza desportiva.

Rivais sempre, inimigos jamais.

Dirão que “no primeiro turno foi assim e é justo que agora seja assim também”; ok, porém está errado. “Um erro não se corrige com outro”, me ensinou logo cedo meu saudoso pai.

O que foi feito goela abaixo daqueles que gostam de futebol não precisa ser repetido. Um clássico esvaziado, sem a riqueza do colorido das arquibancadas, sem a flauta entre as torcidas. Uma ode à intolerância, que pouco adiantou, pois os episódios de violência aconteceram em pontos da cidade, como sempre acontecem. Nos terminais, nos bairros mais afastados, em que a PM deve agir ostensivamente. Não no estádio, em que a maioria gosta de futebol.

Dirão ainda que a vantagem técnica de se jogar com torcida única não pode ser desperdiçada. Balela. O Atletiba 350 pode dar o returno ao Coxa e o título ao Furacão. O estádio jamais estará vazio e isso significa dizer que serão quase 30 mil coxas, 10 vezes mais do que a eventual carga atleticana. Certamente, gente disposta a pressionar o rival do primeiro ao último minuto. Combustível para os dois lados, de qualquer jeito: um para embalar, outro para calar.

Dirão também que, se o Coritiba aceitar isso, será um passo atrás, será um demonstrativo de fraqueza. Errado. Será um demonstrativo de força e de inteligencia, pois também poderá melhorar a arrecadação ao invés de deixar um espaço às moscas no estádio.

Afinal, com ou sem acordo – e é bom que você saiba disso – os ingressos destinados ao Atlético deverão ser reservados e não poderão ser comercializados mesmo que o Furacão não os peça. É a reserva técnica, já feita no primeiro jogo, para o caso de algum consumidor entrar com uma ação judicial (para você ver como o caso é enrolado).

É um momento único de se demonstrar grandeza, de escolher qual caminho seguir no nosso futebol. Em Minas Gerais os clássicos vêm sendo realizados com torcida única há algum tempo. Desportivamente, o Cruzeiro segue surrando o Atlético-MG, porque em campo tem mais time; fora dele, as torcidas continuam quebrando o pau. Ano passado, uma morte e vários feridos nos confrontos. Já na Bahia, as torcidas de Vitória e Bahia se uniram e disseram um sonora NÃO a iniciativa sectarista. Não há relatos de confrontos entre torcidas em Salvador, pasmem.

Está nas mãos do Coritiba. Sim, porque não é preciso que o Ministério Público perca tanto tempo com isso. Não é possível que nossa polícia não seja capaz de reprimir a violência nos dias de jogos. Não é admissível que você, torcedor de bem, se tranque em casa enquanto destroem a cidade, com ou sem torcida única nos jogos.

É alimentar a roda da discórdia e ver onde isso vai parar ou, como diria um cabeludo famoso por aí, “oferecer a outra face”?

*Em tempo: não sei de quem é o carro, mas estava há alguns dias no Bosque Alemão e achei muito bacana a imagem.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 28/03/2012

Rompidos

Não convide para o mesmo evento os presidentes do Atlético, Mário Celso Petraglia, e do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade. Os dirigentes, que trocaram elogios mútuos no início do ano, estão com relações rompidas com os sucessivos episódios envolvendo a necessidade de o Furacão ter um estádio para jogar. Nos bastidores, comenta-se que Vilson e Petraglia estavam próximos de um acerto para o empréstimo do Couto Pereira para o Brasileiro, mas o mandatário atleticano, em paralelo, tentou forçar a barra junto a CBF, com medo de levar um não de Vilson. O coxa-branca, por sua vez, sentiu-se traído e informou a Petraglia que “não quer mais conversa” com ele.

Torcida única em julgamento

A medida por um Atletiba com torcida única, tomada por iniciativa de Petraglia no clássico 349, é outro ponto de discórdia. Andrade concordou com a decisão com a prerrogativa de que o Atletiba 350 também fosse disputado dessa forma; o MP-PR, que poderia impedir a infração ao Estatuto do Torcedor foi complacente. Mas o TJD-PR, através do procurador Marcelo Contini, não. Uma petição de quatro laudas denuncia os clubes, que podem ser apenados em até R$ 100 mil. O julgamento será na quarta que vem pela 3ª comissão. Seja qual a decisão, ela não obrigará nada em relação ao clássico 350, em 22/04.

Tcheco e a gerência de futebol

O meia Tcheco, 36 anos, deverá deixar os gramados em julho, quando o Coritiba pretende realizar uma festa de despedida. A intenção da diretoria do Coxa é convidá-lo para auxiliar Felipe Ximenes na gerência de futebol. “Ele é identificado com o clube e tem perfil”, sinalizou o presidente alviverde Vilson Ribeiro de Andrade.

Parreira e Ney Franco em Curitiba

Calma: nem Juan Carrasco, nem Marcelo Oliveira estão perdendo os empregos. Os dois técnicos da Seleção (o primeiro do tetra em 94, o segundo atual auxiliar de Mano Menezes) estarão em Curitiba em 28/05 no Footecon, o congresso brasileiro dos profissionais de futebol. Será um dia com debates e oficinas para profissionais e entusiastas da área, com a visão de quem está dentro do mercado. As inscrições já estão abertas no site footecon.com.br/curitiba.

Festa do interior

O Coritiba recebe hoje o Londrina no Couto Pereira em jogo que pode encaminhar a conquista do 2º turno pelo time do norte, três pontos à frente do Coxa e cinco a mais que o Atlético nessa etapa do campeonato. Se não levar 5 ou mais gols, o Londrina deixa Curitiba com a liderança. Se vencer então, põe uma mão na vaga da final – a outra já é do Atlético. Desde 2007, quando ACP e Paraná decidiram o campeonato (vitória interiorana), as disputas ficaram apenas entre Atlético e Coritiba. Já o Londrina, três vezes campeão paranaense, não vê a taça desde 1992.