O Santa merece o Brasil

O Santa Cruz é tricampeão pernambucano de futebol. Bateu o Sport, como já havia feito ano passado. E retrasado. E nos seis jogos entre os rivais, quatro vitórias tricolores. O Santa já retomou o Pernambuco para si; falta o Brasil.

Longe dos holofotes nacionais desde 2006, quando foi o lanterna da Série A, o Santa Cruz comeu o pão que o diabo amassou. Mas parece ter reencontrado seu rumo. De fato, é até injustiça dizer que o Santinha passou tanto tempo longe da mídia. Foi carregado por seu povo em muitos desses anos de dificuldade, quando chegou a despencar para a Série D. Literalmente carregado: ignorando a divisão, o torcedor coral conseguiu a 39a média de público do Mundo, a 1a no Brasil, a frente do campeão da Libertadores, o Corinthians, por exemplo. Seus 36,9 mil torcedores por jogo foram mais fiéis que os torcedores da Roma, Juventus, Porto e todos os outros times sulamericanos – incluindo Flamengo e Boca.

Mas, em campo, o Santa não respondia.

Até que o clube começou a se reorganizar. Arrumou o Arrudão, longe ainda do ideal, mas melhor estruturado. Manteve uma linha de trabalho, que passou por Zé Teodoro e chegou a Marcelo Martelotte, com o goleiro Tiago Cardoso se tornando ídolo em Recife, com Denis Marques reencontrando seu bom futebol, com a diretoria de Sylvio Ferreira arrumando o clube. Mas falta algo.

Leia também:

Fracassocracia – o regulamento do Pernambucano

O título de Seedorf no Botafogo é mais que só um Estadual

Tetra do Coritiba “Não vale nada”

O Santa Cruz merece o Brasil. Um clube tricampeão pernambucano, Estado representativo no futebol brasileiro, não pode ficar escondido na Série C nacional. É difícil competir no mercado de hoje, com disparidade de renda, patrocínios milionários e concorrência desleal na base. Mas um clube que tem rivais em divisões acima e manda dentro de Pernambuco há três temporadas pode mais. O Santa Cruz precisa ao menos estar na Série B em 2014, entendendo o seu desafio de crescer e marcando presença, para deixar de ser só “o clube que leva mais gente aos estádios” e passar a ser um adversário que incomode os grandes do País também em campo.

  • “O Santa é lindo!”

Era 1999 e eu, ainda acadêmico de Publicidade, sequer pensava em cursar também jornalismo. Mas já gostava de futebol. E em um congresso de comunicação em Maceió, resolvi ir ao estádio assistir CRB x Santa Cruz, no Rei Pelé, pela terceira rodada da Série B daquele ano. No comando de ataque do Santa, Grafite – aquele mesmo.

Não me recordo porque cargas d’água, mas eu e alguns amigos resolvemos desafiar a regra número um de qualquer torcedor sadio em campo desconhecido: ao invés de irmos na torcida da casa, ousamos entrar nos visitantes. Aderimos a massa do Santinha.

O jogo não estava lá essas coisas. O CRB era melhor na partida e o Santa era um amontoado em campo. Não demorou até que o time da casa fizesse 1-0. O gol, de fato, parece que incendiou ainda mais a numerosa torcida coral presente ao estádio. Maceió fica a apenas 265km do Recife. A galera foi em peso. E passava raiva.

Lá pelos 30 do segundo tempo, um lance raro do Santa no ataque resultou em pênalti. Vibração intensa. É aquele momento em que as classes sociais se misturam: rico abraça pobre, branco abraça negro, não há distinção sexual ou qualquer outro tipo de preconceito. É o que faz o futebol ser o que é. “É pênalti pro Santa!!” berrou do meu lado um senhor barbudo, já desfalcado do zagueiro central e do ponta direita entre seus dentes, com um hálito não tão leve que indicava o grau de empolgação. “O Santa é lindo! O Santa é lindo!”, gritava, esperançoso pelo empate. Grafite pegou a bola.

O coração bateu mais forte. O gol é aquele momento especial. Me peguei torcendo pelo Santa Cruz. “O Santa é lindo”, insistia o amigo, já quase naquela intimidade que dispensa o “senhor” antes das frases. Em campo, Grafite colocava a bola na cal e dirigia-se até a meia lua, mãos na cintura.

Grafite foi pra bola.

Andou um, dois, três passos. Olhou para o goleiro. Armou o chute. Tropeçou. Pegou mal na bola. O goleiro defendeu sem dificuldades.

A expressão do Barba (já estavamos como velhos amigos) foi mudando lentamente, na medida do desenrolar da jogada. Da euforia à decepção. Minutos depois, o CRB faria 2-0. O Santa – e Barba – voltariam ao Recife vencidos. Mas nunca derrotados.

No fim do ano, Barba ficou mais alegre: o Santa foi vice-campeão da Série B e voltou à elite nacional.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

O campeão, a festa e as lições

Marcelo Oliveira sobreviveu às críticas e levou o caneco

Supremacia consolidada: mesmo sofrido, nos pênaltis, o Coritiba ficou com a taça do Paranaense 2012 e coroou o renascimento do clube após os episódios de 2009: tricampeão estadual depois 39 anos. Uma conquista com muitos elementos, mas que tem alguns símbolos: Vilson Ribeiro de Andrade, o capitão da reação; Felipe Ximenes, o mentor; e Marcelo Oliveira, o executor.

Os números não deixam dúvidas: o Coxa foi o melhor time do Paranaense 2012. Melhor ataque, com 55 gols, maior número de vitórias (16) e menor de derrotas (apenas 1), um aproveitamento de 80%. Foi o único a vencer clássico e sairá da temporada – a não ser que os rivais se cruzem na decisão da Copa do Brasil, o que é possível – sem perder Atletibas.

Hão de dizer que houve erros de arbitragem que ajudaram o Coritiba, como o já histórico gol anulado do Londrina em disputa direta. Fato. Mas na hora da onça beber água, o Coxa foi buscar os resultados que lhe interessaram.

O Coritiba sai do Estadual com o astral em alta e sabedor das limitações que tem. No clássico de ontem, improvisou os dois laterais (Lucas Mendes é zagueiro, embora já tenha mais currículo como lateral-esquerdo), foi pouco criativo no primeiro tempo, com saída de bola lenta e se ressentiu de mais presença no ataque. Mas tem uma boa defesa e descobriu em Éverton Ribeiro um potencial substituto para Marcos Aurélio. Quando Rafinha recuperar a condição física, a dupla poderá dar samba.

Nas comemorações, Marcelo Oliveira e o vice-presidente Ernesto Pedroso admitiram uma briga interna entre o técnico e o superintendente Felipe Ximenes. A razão seria duas opiniões diferentes sobre a montagem do elenco. É fato que Marcelo Oliveira teve que remontar a equipe, que não tem a mesma força de 2011. E foi ele quem absorveu as críticas da torcida – mas, se o clube não tivesse comando, poderia ter deixado o barco no meio. Deu a entender que segue no Coritiba. Melhor assim: mesmo com algumas críticas, Marcelo entende o projeto do Coritiba, as limitações financeiras e as ambições do clube. E não é fácil substituir: sempre que se falar em trocar o técnico, faça a você mesmo a pergunta, “e quem vem?”

Vanderlei, que havia falhado no primeiro jogo, recuperou-se defendendo a cobrança de Guerrón. Justo Guerrón, de quem os atleticanos esperavam mais e, sintomaticamente, era o mais vaiado em campo pela torcida coxa quando pegava na bola. Faz parte das ricas histórias do futebol: redenção de um, condenação de outro. Guerrón e o Atlético serão assunto mais abaixo; já Vanderlei chega ao penta-estadual (venceu com o ACP em 2007) mostrando apenas que não é infalível, mas é um bom goleiro.

Quem também sorri é Tcheco, líder da equipe em campo, encerrando a carreira em alta e em casa. Tcheco é peça impossível de se repor por tudo o que representa, mas o papel de líder caberá a alguém que o Coxa deve buscar para o Brasileiro. Quem? Não sei. Mas equipes vencedoras precisam de uma referência em campo.

Como já disse o Leo Mendes Jr., o gol do título, de Éverton Ribeiro, simboliza o que foi o campeonato coxa-branca: parecia que não ia, quando deu na trave, mas entrou. A ressaca pelo título tem que ser curada hoje: na quarta, tem Salvador no caminho, pela Copa do Brasil, contra o Vitória. O tri é digno de festa e, em um campeonato de dois times, mexe com o ego e em si mesmo é um fim, pois a razão de um clube de futebol é levantar taças. Mas o vôo tem que ser mais alto e, passada a festa, o trabalho segue. Já no domingo, tem Campeonato Brasileiro.

As lições

O Coritiba tricampeão tem muito a ensinar ao Atlético. Em 2009, mascarada pelo centenário do clube, a crise rondava o Alto da Glória. Dirigentes se aproveitando do clube para fazer política, disputa interna, muita vaidade, elenco disperso. Para festa, prometeu-se AC/DC, veio a banda 100% Paraíba, do camisa 10 Marcelinho – mais politicagem. Fanfarronices agudas, que resultaram no que todos já sabem. O rebaixamento, as punições e a quase falência do clube, admitida pelo atual presidente Vilson Ribeiro de Andrade, só foi evitada porque houve assertividade nas escolhas. Projeto de longo prazo com técnicos (se a CBF não chama Ney Franco, estaria até agora aqui; Marcelo Oliveira segue na mesma linha), contratações com perfil de identificação ao clube, demonstrações de maturidade dos dirigentes, que nunca evitaram as críticas, apenas lidam melhor com elas.

O Atlético levantou a taça pela última vez em 2009, em meio a esse panorama coxa-branca. Não fosse isso e o Coritiba poderia ser penta. E o Furacão, àquela época, já demonstrava que perdeu o rumo na administração, com a atual gestão batendo forte na anterior – que, diga-se, cometeu muitos erros.

Para voltar a crescer, o Atlético precisa se resolver internamente. A cada derrota, os atleticanos se dividem em Petraglistas e Malucellistas, como se só as duas figuras importassem. Precisa também ter um objetivo: clube de futebol existe para vencer, não ser apenas superavitário. Se os estaduais estão falidos e são desinteressantes (e de fato estão), são também a conquista mais a mão do clube. Num campeonato com dois clubes, o Atlético foi o segundo.

A atual diretoria prefere atacar à responder. Não se sabe onde o clube jogará no Brasileiro B, já que o estádio que tem e cederá à Copa da Fifa está em obras e não chegou a um acordo com os rivais; mas esse assunto não é abordado pela diretoria. Como nenhum outro: questionar a direção atleticana é quase um crime. Pode ser o plano de sócios, os critérios de contratação da gestão de futebol, o currículo dos profissionais escolhidos no cargo ou ainda o departamento de marketing e comunicação, ineficaz e com escolhas distorcidas.

Personificando o clube como se fosse apenas seu, o atual presidente não responde sobre contratações, ambições, projetos, dívidas, etc. Prefere usar os veículos oficiais para atacar quem o questiona. Sem explorar os espaços de mídia que tem, o clube levanta sobre si um sem número de boatos e o principal: não ostenta um patrocínio central na camisa, fonte de renda importantíssima.

Durante a semana, uma despropositada carta a arbitragem sob o pretexto de motivação simbolizou a gestão em comunicação do clube. Se não era ofensiva, perdeu o sentido por não ter valor prático – arbitragem já definida e para questioná-la existem outros meios – e principalmente por não valorizar a própria necessidade do clube, preferindo amparar-se no rival. Desnecessária.

Por sua vez, o Coritiba, que tem janelas e horários para entrevistas como qualquer outro clube, lida melhor com a relação com a mídia e tem, apenas na camisa, 9% de sua arrecadação.

O Atlético de hoje propõe-se a ser campeão do Mundo, mas não vence sequer o campeonato que ele mesmo despreza. Há uma falta de sintonia entre o discurso e a prática.

Evidentemente, não está tudo errado. O Estadual serve para o Atlético ver que o time é mediano. Para voltar à Série A, carece de reforços. O técnico Juan Ramón Carrasco é bom: basta ver que aproveitou a base que caiu em 2011 e alguns pratas da casa e fez um time competitivo. Mas é pouco. Rodolfo, Liguera, Ricardinho e Edigar Junio são boas surpresas. Outros, como o goleiro Vinícius, desperdiçaram oportunidades. Mesmo Guerrón, que na hora H acaba refugando – um Baloubet du Roet dos campos – tem utilidade na Série B e na Copa do Brasil. Só é preciso entender melhor a cabeça do equatoriano, que dizem os próximos, vive em mundo só seu.

Petraglia tem uma inigualável lista de serviços prestados ao próprio Atlético. Mas deveria aproveitar essa segunda, com ressaca de derrota, para refazer alguns conceitos. O exemplo está logo ao lado.

Estaduais

O campeão é o melhor time do Paraná e tem mais é que fazer festa. Mas os Estaduais estão mofando no calendário brasileiro. À exceção do Paulistão e do Carioca, amparado pela maior rede de TV do país, os demais dão prejuízo. São cinco meses perdidos, com déficit em arrecadação, pouca atratividade e pouca competitividade. O abismo que se abre entre os médios – onde estão os paranaenses –  e os gigantes nacionais só aumenta com os Estaduais.

Passou da hora de retomar os Regionais. Não é preciso ser mágico pra saber que um Grêmio x Coritiba levará mais gente ao campo ou à frente da telinha que um jogo com o Iraty. Os Estaduais devem ser uma porta de acesso aos Regionais, movimentando o calendário o ano todo. O que mataria o futebol do interior não é o fim desse tipo de competição e sim o que já acontece: um clube com a história e estrutura do Londrina parado o resto do ano. O mesmo para o Operário. Estes, se não estiverem nos Regionais, devem jogar um Estadual de ano inteiro, disputando vaga na Copa do Brasil e na Copa Sul.

Não é difícil, é só copiar o que já foi feito. Impulsionará o futebol local de várias maneiras. Mas é preciso vontade e desapego político.

Pensando bem, é difícil sim.