História elimina a Alemanha e põe Brasil e Argentina em rota de colisão

Argélia jamais perdeu para a Alemanha (Foto: AFP)

Estão chegando as oitavas de final e se muita gente se escora no retrospecto para dar favoritismo ao Brasil contra o Chile, a Alemanha que se cuide: é no jogo contra a Argélia que reside a maior chance de zebra desta fase, ao menos nas estatísticas.

Se formos levantar os confrontos passados entre os 16 oitavos-finalistas da Copa 2014, teremos Brasil, Argentina e Bélgica pintando como favoritos, França e Alemanha a perigo e equilíbrio no resto. É verdade que a história não entra em campo, mas quem gosta e acompanha futebol sabe que a tal “asa negra” existe. Não é incomum ver um time superior ao outro acabar perdendo na camisa ou na força estranha que submete uma freguesia à uma equipe.

Por isso, olho aberto em Alemanha x Argélia. O supertime alemão está mais do que ameaçado. Até hoje, em dois jogos, duas vitórias argelinas. A mais memorável delas foi na Copa de 1982, na Espanha. Os futuros vice-campeões mundiais perderam para a colônia francesa ainda na primeira fase, 2 a 1.

França e Nigéria também pinta como possível zebra. Em apenas um confronto na história, um amistoso, deu Nigéria: 1 a 0. O futebol sem compromisso dos nigerianos pode ajudar o time de Benzema, mas a chance da equipe africana marcar mais de um gol, existe. Que o diga a Argentina. Quem também deve abrir o olho é a Holanda. Em seis jogos contra o México, leva ligeira vantagem, 3 vitórias contra 2 dos mexicanos. Mas na Copa de 1998, na França, deu empate. Um belo 2 a 2 depois de a Oranje abrir 2 a 0. Além de tudo isso ainda há outro tabu. Nunca uma seleção européia venceu um Mundial na América do Sul. 

Os sul-americanos, com quase 100% de aproveitamento em classificações (faltou o Equador), tem a história ao seu lado, mas também acabarão se eliminando. O Brasil, como já é sabido, encontrou o Chile em três copas, com três goleadas: 4 a 1 em 1998 e 3 a 0 em 2010 na África do Sul, ambas nas oitavas, mais um 4 a 2 na semifinal em 1962, na casa chilena. Quem passar pega Colombia ou Uruguai, que fazem duelo equilibrado, com vantagem uruguaia. São 18 vitórias celestes contra 11 dos Cafeteros, com outros 9 empates. Em 1962, na primeira fase, deu Uruguai, 2 a 1.

A Argentina, então, deu sorte. Nunca perdeu para a Suíça, com seis confrontos entre os times. Em 1966, na Inglaterra, 2 a 0 na primeira fase. Ainda tem outras 3 vitórias e 2 empates, tendo marcado 14 gols e sofrido apenas 3 gols. Outra favoritíssima é a Bélgica. Em 5 jogos contra os EUA, 4 vitórias, sempre em amistosos. Mas a única derrota aconteceu na Copa de 1930, a primeira, no Uruguai: 3 a 0 para o time do Tio Sam. Se depender de jogos oficiais…

Costa Rica e Grécia jamais se enfrentaram. A história passará a ser escrita nessa série de oitavas. Para quem acredita em tabus, um prato cheio.

Leia também:

Pobre Cristiano Ronaldo

“Publicidade de ocasião” faz o inusitado da Copa

‘Elite branca’ detona a Copa nos EUA

Eliminação da Espanha é a 5a de um campeão, a 2a no Brasil

Com mais técnicos, Alemanha ditará ritmo da Copa 2014

Maradona, “más grande” que Pelé

Jovem, Inglaterra pensa em 2022

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai

Por que os brasileiros torceram contra a Espanha

Isabella é uma das minhas grandes amigas – uma das mulheres mais bonitas que conheço. Aquela beleza bem brasileira: pela morena, cabelos cacheados, corpo cheio de curvas. Foi minha caloura na faculdade e, depois de um tempo, resolveu tentar a sorte em Madri. Já se vão alguns bons anos. Lá, conheceu Albert, um andaluz (se apresenta assim mais que espanhol) torcedor do Bétis, gente fina. Desse amor nasceu Théo, recentemente. Albert sabe que os brasileiros não são “monos” – ou macacos.

Juan é pai de um grande amigo, Daniel – e outros dois filhos, Carla e André – frutos de um relacionamento com Íria, uma brasileira. Juan deixou Madri ainda criança, fugindo da Guerra Civil Espanhola. Refugiou-se em Curitiba. Torcedor do Atlético de Madri, tem bandeiras espanholas pela casa e se emocionou quando, em uma das minhas andanças pelo Mundo, ganhou de presente um singelo chaveirinho dos Colchoneros. Juan tem coração espanhol, mas mais tempo de Brasil que de Espanha na vida. E sabe que os brasileiros não são macacos.

Leia também:

Hulk contra o Mundo

Conheça o Taiti, menos inofensivo do que parece

Contagem refressiva para o legado

Generalizar é errado. Foi o que dois ou três fizeram via Twitter, sentados confortavelmente em suas poltronas na Espanha, para ofender os brasileiros. Uma leitura que denota, de fato, que a educação espanhola vai de mal a pior, pois esboça uma visão de gente de certo poderio financeiro. Pessoas que nutrem preconceito pelo que não conhecem – e desconhecem muito, pois um dos ilustres desconhecidos sequer sabe que por aqui se fala português, lingua irmã e vizinha dos espanhóis. Mas isso não é geral: em todo planeta temos os bons e os maus. Não seria diferente por lá. A agressão – que ganhou repercussão exagerada no Brasil – tentava explicar “porque os brasileiros estavam torcendo contra a Espanha”. “Inveja”, “medo” e outras explicações tão vazias quanto o congresso em véspera de feriado.

Manchete do Ás: Brasil com medo da Espanha?

Muito disso partiu, vejam só, dos colegas de imprensa de lá. Imprensa que acusa a imprensa brasileira de plantar notícias para desestabilizar a Fúria – ou La Roja, como dizem por lá. Será? Será que as notícias das confusões nos hotéis em Recife e Fortaleza são invencionices baratas para mexer com o ambiente espanhol? Se sim, vale dizer: partiram de lá mesmo:

Manchete do Mundo Deportivo: primeiro jornal a noticiar a confusão

Foi no “Mundo Deportivo”, de Barcelona, que saiu a informação do “roubo” de mil euros. A assessoria de imprensa do hotel emitiu nota logo em seguida, negando o fato. A Espanha não prestou queixa na delegacia, abrindo mão do direito de investigação. Talvez as contas feitas apontaram que mil euros, cerca de 1% do salário da imensa maioria dos jogadores, não compensava o desgaste de confrontar o hotel e, quem sabe, revelar o que houve naquele dia. Em Fortaleza, prevendo confusão igual, o outro hotel que abrigou a Fúria logo proibiu a entrada de qualquer visitante que não estivesse autorizado. Informação apurada pela equipe do Terra Brasil, que sabe que esse assunto tem impacto na imagem do País no exterior, o que justifica a pauta. Caso abafado novamente. Menos pela imprensa espanhola, que confronta a brasileira, querendo dar aula de jornalismo.

Não tem muita moral para isso. Talvez estejam medindo os colegas brasileiros pela única régua que tem. Os jornais espanhóis são extremamente partidários. Jogam junto – como Felipão gostaria de ver aqui: o Marca é Real Madrid, o Mundo Deportivo é Barcelona. É da cultura deles, separatista e bairrista. Temos coisas parecidas aqui, mas não com a mesma intensidade. Curiosamente, enquanto os espanhóis cobram a imprensa brasileira por ser partidarista, Felipão cobra por não ser. Vá entender.

E porque, afinal, os brasileiros torceram contra a Espanha? Primeiro que isso é uma meia-verdade: 9 entre 10 brasileiros queriam o confronto com a Fúria. O Brasil precisa ser testado. Não disputa eliminatórias, o que o derrubou no ranking da Fifa. Sobre a Itália, foram dois confrontos recentes. Era melhor pegar um adversário diferente. O que aconteceu no Castelão foi o mais básico do futebol: o público abraçou o “mais fraco”. A Itália, segunda maior campeã mundial, levou 4-0 da Espanha na Euro, não tinha Balotelli, estava jogando no limite. E quase passou. Itália que, diga-se, é uma das grandes rivais do Brasil: duas finais de Copa, eliminação em 1982 e uma larga história de confrontos.

A Espanha não. A Fúria merece todo o respeito pelo time que tem, mas é um “novo rico” no futebol mundial. Acabou com sua imagem de fracassos apenas em 2008. De lá pra cá vem impressionando, mas também não enfrentou o Brasil nestes anos todos. Desde 1999 os times não jogam entre si – o Brasil não era penta e a Espanha sequer tinha ganho seu único mundial. Aliás, aí vem uma nova distorção no que se lê na Espanha: o Brasil, pentacampeão do Mundo, berço de talentos que vivem enebriando os espanhóis, de Evaristo a Neymar, teria medo de enfrentar a Fúria em casa? Acho improvável.

Sequer a comparação com o Maracanazzo do Uruguai cabe. O grande trauma brasileiro naquele ano foi tomar a virada após comemorar no vestiário, o que qualquer livro de história conta – é só estudar. Foi uma queda do salto. Mas foi também o impulso para que o Brasil passasse a levar a sério, como em 1958, 62, 70, 94 e 2002. Perder a decisão no domingo não mudará nada para o Brasil. Todos sabem que o time está em formação.

Mas, e a Espanha? Se perder, após a acachapante derrota do Barcelona para o Bayern de Munique, terá sua escola de futebol colocada em xeque. Perderá para um time em formação. Perderá um título que não tem. E terá que explicar muita coisa que está em aberto. A Espanha sim, tem o que perder no domingo. Dia em que, com todas as letras, o Brasil torcerá sim contra a Espanha: com a camisa mais vitoriosa do futebol ao lado dos brasileiros.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Por una cabeza: o favoritismo Coxa no Atletiba 347

Pela primeira vez em 2011 – há quem diga que em três anos – o Atletiba apresenta um quadro extremamente parelho em relação às equipes que vão* a campo hoje. Com base nas escalações apuradas ao longo da semana, fiz um levantamento com 11 colegas de imprensa para saber qual seria a seleção do Atletiba, ou seja: qual time tem vantagem sobre o outro em cada posição. E, ‘por una cabeza’ (como o tango de Carlos Gardel), deu Coritiba.

Na opinião de repórteres e comentaristas de vários veículos da cidade, o Coxa teria 6 jogadores contra 5 do Atlético em um suposto clássico Atletiba. E também leva o treinador ao combinado. Vamos conferir a análise da seleção (a lista de votantes e votos está no fim do post), com base nas equipes abaixo:

Couto Pereira 18h

Coritiba:

Edson Bastos; Gil, Jéci, Emerson e Lucas Mendes; Demerson, Léo Gago, Tcheco e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill. Téc.: Marcelo Oliveira

Atlético:

Renan Rocha; Edílson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kléberson, Cléber Santana e Marcinho; Madson e Edgar Junio. Téc.: Renato Gaúcho

*Considerou-se que Willian, possível surpresa de Marcelo Oliveira no Coxa, está fora do jogo, com Demerson jogando improvisado.

Goleiro

Bastos: unânime

Não houve divergências: entre Edson Bastos e Renan Rocha, os votantes ficaram com a experiência do camisa 1 do Coritiba. Mesmo questionado por parte da imprensa e da torcida alviverde, Bastos segue em alta, em especial na comparação com o rival.

Foram 11 indicações para Edson Bastos, incluindo a do ex-goleiro Gérson, comentarista da 91Rock e do Jogo Aberto Paraná da Band. Com 31 anos, 4 deles no Coritiba, o paranaense de Foz de Iguaçu já passou por grandes e maus momentos no Alviverde.

Se um grande time começa com um grande goleiro, o Coxa larga na frente do Furacão na preferência dos votantes com seu camisa 1 escolhido para a seleção do clássico – antes do jogo.

Lateral-direito

Por 10 votos a 1 – exceção feito ao editor da Band Curitiba, Marco Rafael Pires, que preferiu o improvisado volante Gil – Edilson foi o escolhido para ocupar a lateral-direita do Atletiba 347. É por ali, justamente por outra improvisação (Lucas Mendes), que passa um dos atalhos de uma possível vitória atleticana.

Vantagem de Edílson é ser da posição

Edilson, 25 anos, paranaense de Nova Esperança, vai disputar seu primeiro Atletiba.

Chegou ao Furacão por empréstimo do Grêmio, a pedido do técnico Renato Gaúcho e logo ocupou a vaga que era de Wagner Diniz, mas mesmo assim, alterna bons e maus momentos, não sendo um jogador regular. Vem sendo substituído constantemente pelo antigo titular da posição.

Edílson é melhor na marcação que no apoio, mas costuma fazer bons cruzamentos. Também é bom em cobranças de falta.

Dupla de zaga

Emerson e Fabrício são considerados mais seguros

Ainda que atuem pelo mesmo lado do campo, Emerson e Fabrício foram os escolhidos pelos 11 votantes para formar a dupla de zaga do clássico 347.

Com 9 votos, Emerson é presença em quase todas as seleções do clássico. Vindo do Avaí no início do ano, ajeitou a defesa do Coritiba e chama a atenção pelas atuações sempre seguras. Costuma marcar seus golzinhos em jogadas de bolas paradas pelo Coxa. Tem 28 anos e é natural de Taguatinga-DF.

Já Fabrício obteve 5 votos, contra 4 de Jéci e Manoel, com quem forma dupla no Atlético. Muito da reação atleticana no Brasileiro é atribuída a ele, já que o Furacão tinha sérios problemas defensivos antes dele chegar, por empréstimo. Já defendeu o Paraná e estava no Cruzeiro, mas seus direitos são do Hoffenheim-ALE. Tem 21 anos e é natural do Rio de Janeiro.

Lateral-Esquerdo

Paulinho: peça fundamental

Se quiser vencer o Coritiba e quebrar um tabu de 10 jogos, três anos, o Atlético precisará como nunca de Paulinho. Com Gil improvisado na direita, o Coxa ganha em marcação, mas fatalmente acabará atraindo o lateral-esquerdo atleticano para seu campo de ataque (para o Alviverde, a solução pode ser Rafinha).

No entanto, Paulinho ainda não convenceu os atleticanos de que pode ser esse homem decisivo. Nem totalmente os votantes, que por 8 votos a 3, o preferiram a Lucas Mendes – zagueio improvisado na esquerda.

Sem ser unanimidade, Paulinho vai disputar seu terceiro Atletiba. Chegou ao Rubro-Negro em 2010, para o Brasileiro. Nasceu em Guaranésia-MG e tem 26 anos.

Volantes

Deivid e Gago, os cães de guarda

Formado na base do Atlético, Deivid é a grata surpresa do elenco 2011 do Furacão. É implácável na marcação e sabe sair pro jogo, justamente por ser simples: toca rápido a bola para os meias atleticanos, ao invés de inventar grandes lançamentos.

Caiu nas graças dos rubro-negros ao parar, entre outros, Neymar, Ganso, Lucas (SPFC) e Ronaldinho Gaúcho. Hoje terá a missão de parar Rafinha.

Teve 11 dos 11 votos possíveis, mas competiu contra Demerson; o quadro poderia ser um pouco diferente caso a competição fosse contra Willian, que pode aparecer na função (que é de outro grande marcador, Leandro Donizete). Ainda assim, particularmente, eu manteria meu voto em Deivid, que nasceu em Londrina e tem 22 anos.

Léo Gago abocanhou de ninguém menos que o pentacampeão mundial Kléberson a outra vaga entre os volantes. Gago, que esteve cotado para a Seleção no início do ano, não passou por uma boa fase recentemente, mas ainda assim é um dos principais jogadores do Coxa.

É rápido na marcação e melhor na saída de jogo. Também tem como arma as cobranças de falta. Superou Kléberson por 7 a 3 nos votos (Nadja Mauad, da RPCTV, escalou Tcheco como 2o volante).

Gago já defendeu o Paraná e chegou ao Alviverde vindo do Avaí, em 2010, para auxiliar na caminhada do Bi da Série B. Tem 28 anos e nasceu em Campinas.

Meias

Sem dúvida, a disputa mais apertada e que mostra que o cérebro do Atletiba 347 está em bons pés.

Cléber Santana se reencontrou no Atlético

Por 7 x 5, Cléber Santana superou Tcheco na preferência dos votantes para formar a meia-cancha da seleção.

Decisivo nos últimos jogos atleticanos e com um domínio de bola e noção de espaço invejáveis, Santana certamente será o principal articulador do Atlético no clássico (trabalho para Demerson ou Willian); Cléber Santana andava cabisbaixo com o ex-técnico Adilson Batista, mas se reencontrou com Renato Gaúcho e demonstra o ótimo futebol que o levou do Sport Recife ao Atlético de Madrid.

Nasceu em Olinda-PE e tem 30 anos. Vai para o seu primeiro Atletiba.

Seu “companheiro’ de meia cancha é, na verdade, o principal “inimigo”em campo.

Rafinha: por ele passará o desempenho alviverde

Rafael da Silva Francisco, 28 anos, natural de Guarulhos-SP, chegou ao Coritiba por empréstimo, junto ao São Paulo FC, em 2010, depois de uma passagem pelo Paraná.

Foi decisivo na Série B ano passado, especialmente depois de domar seu gênio intempestivo. Aos poucos, com toques rápidos e tabelas com muita movimentação, tornou-se o principal homem da meia-cancha coritibana.

Firmou contrato com o Coxa após romper na justiça com o Tricolor paulista. Já disputou quatro Atletibas e venceu 3, com um empate. Mas ainda não marcou gols – o que prometeu tentar fazer nesse de logo mais.

Ataque

Ataque: arma alviverde, incógnita rubro-negra

Eis o ponto de desequilíbrio do Atletiba 347, na opinião dos votantes: o ataque.

Bill e Marcos Aurélio foram escolhidosem detrimento da dupla atleticana, Edigar Junio e Madson.

Ex-atleticano, Marcos Aurélio superou Madson por 7 votos a 3 (Nadja Mauad escolheu Marcinho no ataque) e vai para mais um Atletiba alviverde, já que já atuou no Furacão. Ele disfarça mágoa do ex-clube, mas sempre alfineta. É rápido e bom nos arremates. Dará trabalho a Manoel e Fabrício. No último encontro entre ambos pelo Brasileiro, marcou o gol da vitória alviverde por 3-2 no último minuto, em 2009. Eu narrei aquele jogo pela 91Rock e os gols estão aqui, no ótimo serviço do Futebol Paranaense.net. Aurélio tem 27 anos e nasceu em Cuiabá-MT.

A dupla dele, no jogo e na seleção, é com o outrora contestado Bill, mineiro de São Lourenço, 27 anos, que venceu o jovem Edigar junio por 9 votos a 2. Bill vem se tornando um carrasco do Atlético e só nesse ano marcou 3 gols no Furacão. É o típico centroavante de área, tido como grosso pela torcida, protagonizando lances esquisitos, mas muito perigoso e eficiente quando recebe a bola na área.

Técnico

As peças acima ganharão contorno e vida em campo graças aos comandos de dois homens: Marcelo Oliveira e Renato Gaúcho. E por 7 a 4, o técnico coxa-branca venceu o atleticano na preferência dos votantes.

Oliveira superou Gaúcho na votação

Mineiro de Belo Horizonte, Oliveira tem 56 anos e nessa temporada conduziu o Coxa ao título paranaense e a decisão da Copa do Brasil (perdeu para o Vasco). Faz o estilo oposto ao de Renato Gaúcho fora de campo: é discreto e fala pouco, muito embora o treinador atleticano está mostrando uma faceta muito tranquila em Curitiba.

Os votos

Napoleão de Almeida
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Cléber Santana e Marcinho; Marcos Aurélio e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

Gerson Dall’Stella – 91Rock, Band Curitiba
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Tcheco e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

Nadja Mauad – RPCTV
Edson Bastos; Edilson, Manoel, Emerson e Paulinho; Deivid, Tcheco, Cleber Santana e Rafinha; Marcinho e Bill. Técnico Marcelo Oliveira

Caio Derosso – Jornal do Estado
Edson Bastos; Edílson, Jéci, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Cléber Santana, Marcinho; Marcos Aurélio e Bill Técnico Renato Gaúcho

Rodrigo Feres – Paraná Online
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Manoel e Paulinho; Deivid, Kléberson, Cléber Santana e Marcinho, Madson e Bill Técnico Renato Gaúcho

Marco Pires – Band Curitiba
Edson Bastos; Gil, Jeci, Manoel e Lucas Mendes, Deivid, Kleberson, Cleber Santana e Rafinha; Marcos Aurelio e Bill Técnico: Renato Gaucho

Renan Ceschin – Band Curitiba
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Lucas Mendes; Deivid, Léo Gago, Cléber Santana e Rafinha; Madson e Edigar Junio Técnico: Renato Gaúcho

Gustavo Marques – CBN Curitiba, PFC
Edson Bastos; Edílson, Jéci, Emerson, Paulinho; Deivid, Léo Gago, Tcheco e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill Téc.: Marcelo Oliveira

Nicolas França – Gazeta do Povo
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Tcheco e Rafinha, Marcos Aurélio e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

Kako Mazanek – Rádio Transamérica
Edson Bastos; Edílson, Manoel, Emerson e Lucas Mendes; Deivid, Léo Gago, Tcheco e Rafinha, Madson e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

Silvio Rauth Filho – Jornal do Estado
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Cléber Santana e Marcinho; Marcos Aurélio e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

Seleção
Edson Bastos; Edílson, Fabrício, Emerson e Paulinho; Deivid, Léo Gago, Cléber Santana e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill. Técnico: Marcelo Oliveira

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!