Romário acusa CBF e Federação Paulista de favorecer dopagem

O deputado federal e ex-jogador da Seleção Romário usou as redes sociais para fazer uma denúncia contra o departamento anti-doping da Federação Paulista de Futebol que, com a conivência da CBF, estaria se utilizando de um laboratório não verificado pela organização mundial anti-dopagem (WADA, em sigla em inglês) para fazer os exames e, segundo ele, ter maior maleabilidade para aferir quem usa e quem não usa substâncias ilegais.

Leia também:

Abrindo o Jogo da Série A – Guia do Brasileirão

Felipão tem razão em não levar Ronaldinho

“Não vale nada”

O “Baixinho”, que abriu guerra declarada contra José Maria Marin, presidente da CBF, postou a notícia por volta das oito da noite desta terça em duas redes sociais: Twitter e Facebook.

Confira, abaixo, o texto na íntegra:

Galera, boa noite

Hoje tive acesso a uma informação sobre um problema que muito preocupa o nosso esporte em geral e o futebol em particular: DOPING. Não só porque o uso de substâncias proibidas torna a disputa desleal, mas porque é um prejuízo a longo prazo para a saúde do atleta que se vale desse triste recurso.



Obtive a informação de que a CBF está validando exames de controle antidoping em laboratório que não é credenciado pela Agência Mundial Antidoping, a conhecida WADA, em inglês. Na América do Sul, apenas um laboratório é credenciado pela WADA, o Ladetc, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi o Ladetec, inclusive, que realizou, com exemplar profissionalismo, todos os exames dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007.

Agora, de forma inerte, a CBF está aceitando que a Federação Paulista de Futebol realize os exames dos jogadores que disputam o Campeonato Paulista no Laboratório da Universidade de São Paulo. Esse desrespeito nos leva a suspeitar dos resultados apurados naquele laboratório, que podem contribuir para esconder resultados positivos que, assim, não seriam do conhecimento da FIFA e da própria WADA e, se descobertos, poderiam ser desconsiderados, justamente por não serem de um laboratório credenciado.

Não seria por esse motivo que não temos observado notícias sobre casos de doping registrados no Campeonato Paulista? Não é estranho? Eu acho, muito estranho e perigoso.

O resultado de se realizar exame antidoping em laboratório não credenciado pode levar a situações como a vivida pelo volante Rodrigo Souto. A Corte Arbitral do Esporte divulgou o laudo do julgamento realizado em 13 de janeiro, na cidade do México, considerando “nulo” o processo da Conmebol que punia Rodrigo Souto com dois anos de suspensão.

Conforme notícia divulgada pelo jornal O Estado de S.Paulo, a WADA acolheu a prova de que o laboratório uruguaio que realizou a análise da urina do atleta não é credenciado pela WADA e que o réu não teve direito à ampla defesa.

Rodrigo Souto foi flagrado dopado na vitória do San José por 2 x 1, em Oruro,na Bolívia, em março de 2008, pela fase de grupos da Copa Libertadores. O exame detectou a presença de traços de cocaína na urina do meio-campista.

Observem o prejuízo sofrido pelo atleta e seu clube, o Santos, que se privou dele durante o primeiro turno do Brasileirão de 2008. Em seguida. A FIFA o liberou após o recurso dos advogados.
Pois são situações assim que jogadores e clubes paulistas estão na iminência de enfrentar ao confiaram os exames a um laboratório não credenciado pelo órgão máximo de controle do doping mundial, a WADA.

A CBF não pode ser relapsa a ponto de ignorar a responsabilidade dos laboratórios credenciados. Um país que vai receber a Copa do Mundo deve dar exemplo de respeito às normas internacionais do esporte. Mas não é isso que o Senhor José Maria Marin demonstra ao fechar os olhos para a ação irregular da Federação Paulista de Futebol que, por sinal, tem no seu comando o vice-presidente da CBF, Marco Polo del Nero. Náo é outra coincidência estranha, muito estranha? Eu acho.”

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Zico e Romário selam a paz entre lembranças e risos

Romário, Zico e as assessoras de imprensa: paz entre os craques

Zico era o maior ídolo do futebol brasileiro quando Romário dava seus primeiros passos no futebol. O primeiro é Deus no Flamengo; o segundo, já marcava época no Vasco quando o Galinho rumava para o Japão. A Seleção reservou histórias diferentes para os dois. Zico é aquele que a Copa perdeu – azar dela, dizem. Romário é aquele que ganhou a Copa. E ganharia outra, talvez, não fosse o corte que muitos atribuíram a Zico em 1998. Ali, o ponto de ruptura entre os donos do futebol brasileiro entre 80 e 90.

O corte foi parar na porta do banheiro de um antigo empreendimento de Romário, o Café do Gol. E na justiça. Os ídolos passaram anos rompidos. Até essa sexta-feira.

Romário aceitou um convite feito ainda no ano passado pelo Galinho, para que o Baixinho estivesse no programa de Zico no canal de TV Esporte Interativo. Nada passou batido no papo. Do corte de 1998 à política da CBF e a atuação como deputado; da Seleção de Felipão às polêmicas com Pelé. Zico e Romário falaram, riram e selaram a paz – até mesmo com uma declaração direta do Baixinho ao Rei do Futebol.

Leia também:

O futebol brasileiro tem mais que 12 grandes

Pela Copa, Corinthians manterá patrocínio mesmo sem receber

Repensando o futebol brasileiro

A inauguração do Maracanã, que conseguiu a proeza de excluir dois de seus maiores ícones, esteve no papo. Ao chegar na emissora para gravar, o deputado foi recebido com festa pelo apresentador. Nada de tensão: ambos ja haviam se falado muito por telefone. A imprensa, quem diria, sempre criticada pelos jogadores como fazedora de polêmicas, foi peça fundamental. Romário disse que não perdoava Zico pelo corte de 98, até assistir ao programa de Galvão Bueno no SporTV, Bem Amigos, com o Galinho negando a autoria. Foi o que bastou para a reaproximação.

Zico e Romário falaram de política, da CBF e seus futuros diretores, e de Pelé. Como bom meio-campo armador, Zico tentou intermediar um papo – e até uma pelada! – entre o Baixinho e o Rei. A resposta de Romário? Seria sacanagem do blogueiro contar. Melhor esperar o programa, ainda sem data pra ir ao ar. 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

O dia em que Washington e Lincoln caíram em Brasília

Política e Futebol. Com religião, fecham o tripé das discussões mais acaloradas no Brasil. Não a toa, pais homenageiam santos e anjos, Gabriel, Rafael, Pedro. Uns mais ousados, vão de Jesus nos filhos. Outros preferem a bola: Ronaldo, Rivellino, Romário. Mas há quem prefira a política.

Foi na estreia de Romarinho – esse, legítimo, filho do deputado Peixe – pelo Brasiliense. O jogo não foi lá essas coisas. O “Peixinho” entrou no intervalo, com o time dele já perdendo para o Brasília, por 1 a 0.  Seria a substituição mais relevante do jogo, certo? Que nada.

Washington sobe, Lincoln entra, mas Brasília é quem sai por cima

Na Capital Federal, a democracia deu as caras mais uma vez, no mais popular dos esportes. Aos 29 minutos da segunda etapa, aos olhos de alguns parlamentares e assessores que certamente faziam parte dos 1117 pagantes, como o deputado Romário, Washington deu lugar a Abraão Lincoln no Brasiliense.

Nem Barack Obama esperaria por essa.  Num país que consome EUA no almoço, no café e no jantar, o futebol, esporte dos simples, prestou uma homenagem à Casa Branca com dois de seus comandantes mais importantes: o primeiro e o décimo sexto. Washington, 34 anos, é aquele mesmo, do Palmeiras, do Ceará; Abraão Lincoln tem 30 anos, rodou pelo Japão antes de suceder Washington no comando de ataque.

Mas Brasília resistiu à incursão americana trajada com o amarelo do Jacaré. Melhor: ainda fez 2 a 0, ignorando Romário, Romarinho e os presidentes. O carrasco? Um tal Luquinhas – nome de anjo, adaptado pela mania brasileira de reduzir tudo. Aqui é Terra Brasílis, meu chapa! Raul queria vender tudo ao estrangeiro, mas não será preciso. E Abraão Lincoln vai ter que esperar o Oscar – ou a próxima rodada do Candangão 2012 – pra vencer alguma coisa.

Videocast #006 – Coxa na Copa do Brasil, reforços no Atlético e a nova gata do Romário!

Videocast #006 no ar!

Em pauta, a semifinal da Copa do Brasil entre Coxa e São Paulo, a necessidade do Atlético reforçar, um pedido: entrega logo a taça da Série Prata, Euro 2012 e a nova gata do Romário: Márcia Magalhães, assessora do Baixinho, gente da terra, gente nossa!

Confira e comente!