Qual o segredo do futebol de Minas?

GALOXCRUZEIRO2

Uma Libertadores, um Brasileirão (em breve talvez dois) e uma final de Copa do Brasil no período de dois anos e o Brasil inteiro se pergunta: qual o segredo do futebol mineiro, atual dono dos melhores resultados no País?

Atlético-MG e Cruzeiro não são exatamente modelos de sucesso administrativo. De acordo com o balanço de 2013, último publicado, ambos somam 638 milhões em dívidas – 438 do Galo com 200 da Raposa. O Alvinegro é o quarto time mais endividado do País, enquanto que os Celestes ocupam a 11a colocação no ranking negativo. A dívida cruzeirense é facilmente administrável quando olhamos as receitas de 2013, quando o clube arrecadou 188 milhões, entre patrocínios, prêmios, vendas de jogadores, televisão e bilheteria, entre outros. Já os atleticanos de Minas Gerais não têm a mesma tranquilidade que o rival. As receitas em 2013 foram de 228 milhões, praticamente metade do que foi gasto. Ainda assim, com uma desproporção entre receitas e despesas, com patrocínios menores que os de Rio e São Paulo, como os mineiros dominam pelo segundo ano seguido o futebol nacional?

A resposta é: investimento no futebol em si.

Se a gestão administrativa deixa a desejar no balanço financeiro, Cruzeiro e Atlético-MG seguem o rumo daquilo que se propõem desde que foram criados. Ao invés de superávit, títulos. Uma receita adotada pelo primeiro Real Madrid Galático de Florentino Perez, com Zidane, Ronaldo e Beckham, em menor proporção. Então decadente, o Madrid optou por gastar mais e fazer a roda girar em outro sentido. Com craques e títulos, aumentou sua arrecadação e voltou a ser referência no cenário mundial. Não sem antes vender um patrimônio gigante, a antiga Ciudad Deportiva, o CT que rendeu 480 milhões de Euros à equipe espanhola.

Em Minas não é muito diferente quanto ao patrimônio. Cruzeiro e Atlético-MG não precisaram gastar um centavo sequer para modernizar os dois principais estádios de Belo Horizonte. O Mineirão e o Independência ganharam cara nova com parcerias público-privadas, como a Minas Arena. Diferente de adversários como Corinthians, Inter e Atlético Paranaense, os mineiros não têm dívidas recentes com infraestrutura. Enquanto o trio citado tem que dividir suas receitas com as obras, Galo e Raposa tiveram que buscar apenas melhores acordos com os arrendatários das arenas – o América Mineiro é o gestor do Independência, que pertence à Prefeitura de BH. Antes, porém, a dupla mineira já havia construído seus CTs, Cidade do Galo e Toca da Raposa, ambos considerados dois dos 4 mais bem estruturados do País. O Cruzeiro se dá ao luxo de ter um CT apenas para a base, a Toca I, com os profissionais treinando na moderna Toca II.

O salto foi dado após o susto que a dupla sofreu em 2011. Atlético-MG e Cruzeiro acabaram nas 15a e 16a posições respectivamente, as duas logo acima da zona de rebaixamento. O jogo que livrou a Raposa do rebaixamento foi justamente o clássico mineiro, previsto então para a última rodada. Com uma acachapante goleada dor 6 a 1, o Cruzeiro se livrou da queda junto com o Galo, que havia escapado um pouco antes. A partida, porém, foi colocada sob suspeita por muita gente em Minas Gerais, chegando até a ser formulada uma denúncia no Ministério Público Mineiro, arquivada posteriormente. Ambos tinham o mesmo fundo gestor, o Banco BMG, contando com 12 jogadores nas duas equipes. A recuperação atleticana, que ocorreu antes, foi caracterizada por uma defesa intransponível no segundo turno, que acabou sofrendo a maior goleada do campeonato naquele jogo. Após o final do ano o BMG se retirou do mercado de investimento direto no futebol e a CBF acabou com os clássicos na última rodada do Brasileirão.

Longe da Série B, Galo e Raposa investiram pesado nos elencos. O Atlético-MG saltou de R$ 30 para R$ 180 milhões de investimento em futebol de 2012 para 2013. A vinda de Ronaldinho foi o principal deles. O craque ex-Barcelona deixou o Flamengo em baixa e rendeu para o clube a histórica Libertadores de 2013, após o vice-campeonato brasileiro em 2012. A imprudência foi recompensada pela taça e pelo pequeno aumento da dívida, de apenas 6% entre as temporadas. Alexandre Kalil, presidente do Galo, é um dos principais artífices dos clubes em prol de um programa de refinanciamento – talvez anistia – das dívidas dos clubes junto ao governo. O clube sofreu para receber os R$ 37 milhões da venda de Bernard para o Shahktar Donetsk da Ucrãnia. Só o fez quando deixou R$ 25 milhões nos cofres da União e diminuiu a dívida. O elenco do Galo perdeu Ronaldinho, mas manteve ídolos como o goleiro Victor e o atacante Diego Tardelli.

O Cruzeiro começou a recuperação mais timidamente que o rival, mas para 2014, após o título do Brasileirão, abriu de vez os cofres. A montagem do elenco que pode ser coroado com o bicampeonato brasileiro e a Copa do Brasil começou com 70 milhões em 2012 para 160 milhões nesta temporada, chegando a mais de 80% das receitas do clube. Os Celestes foram buscar gente como o zagueiro Manoel e os meias Marlone e Marquinhos, revelações de Atlético-PR, Vasco e Vitória. Se dão ao luxo de manter Julio Baptista e Dagoberto no banco, jogadores que seriam titulares na maioria dos demais clubes da Série A. E, principalmente, acreditaram no trabalho do técnico Marcelo Oliveira, já há duas temporadas completas à frente da Raposa.

O BMG segue estampando as camisas da dupla, mas os R$ 12 milhões por ano pagos a cada um são menos que a metade dos R$ 31 milhões que o Corinthians recebe da Caixa e menos ainda que os R$ 60 milhões investidos pela Unimed na parceria com o Fluminense. Mesmo com a receita inferior, mas dedicando quase todo o fluxo ao futebol e contando com escolhas acertadas e um pouco de sorte – afinal o futebol é um jogo e São Victor está aí para confirmar aos atleticanos a tese – Galo e Cruzeiro vão dominando o cenário nacional na contramão da austeridade financeira pregada pelos especialistas. Se o poço tem fundo ainda não se sabe, mas o torcedor e o museu dos clubes não estão reclamando da constante chegada de taças à Belo Horizonte.

Anúncios

Cruzeiro 6-1 Galo: indícios de manipulação entre mineiros ganham força

N.E.: Prepare o fôlego. A reportagem a seguir precisa de atenção máxima. Sua e das autoridades. Clique nos links para ler outras referências.

A goleada histórica do Cruzeiro sobre o Atlético Mineiro (6-1) que salvou a Raposa da Série B 2012 pode ter mais atitudes de raposa do que o Brasil pode imaginar. Tal qual a fábula infantil, a amizade (ou os interesses) entre alguns dirigentes do Galo e do rival podem apresentar mais do que uma simples jornada infeliz do Alvinegro mineiro. Pior para o Atlético Paranaense, que chegou à última rodada – por incompetência própria – contando com o resultado de outros. Caiu.

É o que pensa o jornalista e literário Idelber Avelar, professor da Tulane University de Nova Orleans, EUA e “Ex-atleticano [mineiro]. Eu não tenho dúvidas da entrega. Mas é difícil provar e isso cabe ao Ministério Público. Os indícios estão aí”, disse. Avelar e Fabiano Angélico, outro jornalista, também torcedor do Atlético-MG, criaram uma petição para que o Ministério Público investigasse o jogo. Cerca de 8 mil pessoas assinaram o documento em uma semana passada do final da partida. O documento tem valor legal.

O texto da petição se ampara em 8 suposições. As principais, resumidamente, nas palavras do redator, “[o Cruzeiro] cair para a série B, o que lhe traria milhões de reais em prejuízo; o resultado da partida, 6×1 para o Cruzeiro, é anormal, (…) Atlético [MG] apresentava a melhor defesa [no 2º turno] dentre dos 20 times do Campeonato e, em contrapartida, o Cruzeiro tinha o pior ataque; o BMG, instituição financeira que patrocina ambas as equipes, denunciada pelo Ministério Público por envolvimento no chamado “Mensalão”, o que levanta dúvidas sobre a idoneidade da instituição. Além disso, a referida empresa tem interesses econômicos em jogadores do Cruzeiro, que seriam desvalorizados se a equipe fosse rebaixada; Há relatos, incluindo um postado no blog de uma conhecida jornalista esportiva, a respeito de reuniões envolvendo os dirigentes dos dois times e o presidente do BMG (…) anteriores ao jogo.”

A anormalidade citada no resultado é histórica. Nos 454 jogos entre as equipes (estatística cruzeirense), o 6-1 aparece como a maior goleada de todos os tempos, exceção feita a Atlético-MG 9-2 Palestra Itália, em 1927, quando o futebol ainda era amador. O erro do zagueiro Réver [ver vídeo acima], eleito o melhor do Brasileirão 2011 pela CBF, no terceiro gol do Cruzeiro, não condiz com a qualidade técnica do título, ainda que seja apenas um momento infeliz. A familiares, o técnico Cuca, do Atlético-MG, confidenciou na chegada a Curitiba (onde reside) de que estava “p. da cara com alguns jogadores que só pensam em dinheiro.” Cuca não atendeu aos telefonemas para falar sobre o assunto.

Apostas online: índices anormais

O resultado também mexeu com a bolsa de apostas internacional em futebol, um dos índices que levanta mais suspeição quando de escândalos de manipulação de resultados. Os sites de apostas SportingBet, Betboo e BetClic atribuíam favoritismo ao Cruzeiro. Ainda que jogasse em casa, os números do campeonato apontavam o contrário para a Raposa. Mas o valor de retorno em investimento é medido pelo volume de apostas em cada time – quem tem menos chances e menos apostadores, paga melhor. E na cotação mais alta, cada real apostado no Cruzeiro rendia R$ 1,90 enquanto que para o Galo o retorno era de R$ 4,00. Para se ter uma idéia, no clássico paranaense entre Atlético e Coritiba – com características parecidas, com o mandante em pior situação – a cotação era de R$ 2,75 para o Furacão e R$ 2,40 para o Coxa.

Avelar ainda relembra que um costume mineiro ficou em suspeição em Belo Horizonte na véspera do clássico: “Na sexta, desapareceram das imediações do Café Nice (ponto de apostas de BH) os apostadores dispostos a cravar Galo.” Pode-se questionar que o esquema de apostas que daria mais lucro a quem apostasse no Atlético-MG, como é de praxe, mas Avelar rebate: “Quem iria por dinheiro bom num resultado definido?”

Em Minas, pouco ou nada se vê na imprensa sobre o assunto, ainda que seja de consenso público a possibilidade da entrega. As comunidades de torcedores de Atlético-MG e Cruzeiro no Orkut, com participação de quase 1 milhão de pessoas ao todo, estampam fotos acusando o presidente do Galo, Alexandre Kalil, o dono do BMG, Ricardo Guimarães, o ex-presidente do Cruzeiro, Zezé Perrela e o diretor do Cruzeiro e do Atlético-MG, Eduardo Maluf, de corrupção. O BMG é o banco envolvido no escândalo do Mensalão e patrocinou as camisas de 8 times do Brasileirão/11 (América-MG, Atlético-MG, Coritiba, Cruzeiro, Flamengo, Santos, São Paulo e Vasco), além de ter acordos financeiros com outros, como o Corinthians.

Na internet, torcedores do Galo revoltados

O BMG tem um fundo de investimento que controla direitos de mais de 50 atletas no Brasil, espalhados pelos clubes das Séries A e B. Os nomes estão em sigilo contratual, mas o Portal IG apurou que pelo menos 10 jogadores com contrato no Atlético-MG são do fundo. O dono do BMG, Ricardo Guimarães, é ex-presidente do Galo. No Cruzeiro, sabe-se que o atacante Wellington Paulista está ligado ao fundo.

Apesar do caso não ganhar as capas dos jornais mineiros (ou paranaenses, terceiros interessados) em Belo Horizonte é consenso que houve um acordo. Para Carlos Silveira, jornalista e torcedor do América-MG, “aqui em BH todo mundo fala. A costura pode ser até maior, já que muita gente poderia culpar o governador Aécio Neves [cruzeirense] de culpado pela queda de dois mineiros, pela estratégia errada de fechar o Mineirão e o Independência para obras simultaneamente. Ano que vem tem eleição e isso pegaria mal.” As poucas testemunhas e denúncias do caso são vistas apenas em redes sociais, com pouca credibilidade. Mas chama a atenção a data de um dos relatos apontados por Avelar, encontrado no Orkut, anterior ao jogo. “Tem quatro testemunhas que apontam nomes e como foi feito o esquema, mas tudo in off; quem se arriscaria, sem a proteção da justiça, a falar contra Ricardo Guimarães e Aécio Neves?”, questiona Avelar, que é editor da Revista Fórum, que traz artigo com bastidores sobre tudo.

Uma das poucas jornalistas a levantar o caso foi Ludymilla Sá, ainda no dia 2 de dezembro, em seu blog no jornal Estado de Minas: “O último dos absurdos ventilado aos quatro cantos da capital mineira é que o BMG vai trocar uma derrota alvinegra para salvar o Cruzeiro do rebaixamento em troca do anúncio de Diego Tardelli.” As negociações seguem para repatriar o atacante, ora no futebol russo.

A reportagem apurou que o presidente do Atlético Paranaense, Marcos Malucelli, entrou em contato com o presidente do Mineiro, Alexandre Kalil, para oferecer incentivo financeiro aos jogadores do Galo. Kalil recusou, com a premissa de que o jogo seria de vida ou morte para o Galo também. O Atlético ofertou, com sucesso, incentivo ao Bahia para que vencesse o Ceará, o que foi aceito. O Bahia fez 2-1.

No Paraná, vários dirigentes, advogados e personagens do futebol acreditam em irregularidade, mas não em conseqüências. Na semana posterior ao fim do Brasileirão, contatos com pessoas ligadas aos clubes locais trouxeram a suspeita viva também na cabeça até de quem não tem nenhum interesse no resultado. No Coritiba, lembrou-se do episódio em 2005, quando um Cruzeiro desinteressado perdeu para o São Caetano (0-3), o que acabou rebaixando o Coxa. As declarações de Alexandre Kalil pré e pós jogo foram vistas como jogo de cena por dois interlocutores de relevância no futebol paranaense, que pediram para não serem identificados. A única manifestação aberta foi do presidente da FPF, Hélio Cury, que limitou-se a responder “Estranho, né?” quando perguntado sobre o resultado. Em entrevista a ESPN, Kalil disse que pedirá ao Ministério Público de Minas Gerais que abra inquérito e ofereceu quebra de sigilo telefônico e bancário.

O procurador geral do STJD, Paulo Schimitt, disse que aguarda a abertura de inquérito do Ministério Público mineiro para pedir informações: “Vou falar com eles na próxima semana. A prescrição para corrupção é de 20 anos”, conta, sinalizando não ter pressa. “O jogo em si não me passou nenhuma impressão anormal. Está na pauta, mas não é prioridade. Vamos aguardar o MP-MG. Como é uma manifestação local lá, vamos esperar.” Schimitt diz que as penas são várias, caso se comprove corrupção, desde anulação da partida até exclusão dos clubes e jogadores do campeonato. “Mas é muito cedo para falar em pena.”

Envolvido em disputa política até o dia 15/12, o Atlético Paranaense, a princípio, não pedirá investigação oficial. Alguns políticos paranaenses, no entanto, já se manifestaram favoráveis a investigação, como o deputado Gustavo Fruet, notório coxa-branca. Na semana posterior ao clássico, na Liga dos Campeões da Europa, o Lyon goleou o Dínamo Zagreb por 7-1 e eliminou o Ajax, que tinha sete gols de saldo a mais que o time francês e perdeu por 0-3 para o Real Madrid. No entanto, no intervalo da partida Lyon e Dínamo, o resultado apontava 1-1. A partida já está sob investigação do governo francês e terá investigação da UEFA, a pedido do Ajax.