Que beleza de camisa! #22: Operário 100 anos

“Um viva para o pessoal de Ponta Grossa!”

Cem anos não são cem dias, já diria o senso comum. E o centenário do Operário não poderia passar em branco no Que Beleza de Camisa! (agora em edições esporádicas). A musa do extinto Jogo Aberto Paraná novamente abrilhanta a tela do seu computador, agora com a camisa alvinegra: @kellypedrita põe a camisa do Fantasma, para alegria da moçada! “Sempre fui fã do Operário e do pessoal de Ponta Grossa”, me disse Pedrita, com um sorriso maroto.

Que beleza de camisa! #22 Operário Ferroviário Esporte Clube

Quem é? Clube do interior do Paraná, fundado em 01/05/1912.

Já ganhou o que? ~Campeão Paranaense da Série Prata em 1969; Campeão Paranaense Zona Sul em 1961.

Grande ídolo: “A Segunda Divisão molda caráter”, costuma dizer um amigo. No caso do Operário, formou uma geração. O grande time da história do Operário não levantou taça, mas garantiu que o clube não caísse no esquecimento de uma torcida que hoje ajuda o clube a tentar dias melhores. Foi em 1990 que o time abaixo chegou ao 5o lugar da Série B – perdeu a vaga na elite nacional para o Atlético, dentro de um dos grupos classificatórios na semifinal, mesmo sem perder para o campeão Sport Recife, nem para o vice, Atlético:

O time de 1990 representa mais que apenas uma figura para a torcida operariana. É o símbolo de que o clube pode sim estar entre os grandes do Brasil. Relembremos a campanha:

1ª Fase:

Operário 3-0 Juventus-SP
Operário 1-1 Catuense-BA
Central-PE 0-0 Operário
Americano-RJ 1-0 Operário
Operário 3-1 Itaperuna-RJ
Juventus 2-0 Operário
Itaperuna 1-1 Operário
Operário 2-0 Central
Operário 5-1 Americano
Catuense 1-1 Operário

2ª Fase:

Itaperuna 0-1 Operário
Operário 1-0 Remo
Operário 2-1 Sport Recife
Remo 3-1 Operário
Sport Recife 1-1 Operário
Operário 0-0 Itaperuna

3ª Fase:

Operário 1-0 Catuense
Operário 0-0 Criciúma
Atlético 0-0 Operário
Criciúma 5-1 Operário
Catuense 3-1 Operário
Operário 2-1 Atlético

Operário 5º lugar: 26 pts / 22j / 9v / 8e / 5d / 27gp / 22gc / 5sg

Apelido: Fantasma.

Como anda? Foi mal no primeiro turno do Paranaense 2012 e até reagiu no segundo, mas não o suficiente para ficar com uma das vagas na Série D nacional, que disputou ano passado. Na Copa do Brasil deste ano, fez a primeira participação, mas parou na primeira fase, ao perder para o Juventude-RS por 1-4 em casa. Agora terá que se planejar para o próximo ano, já que não tem calendário daqui até janeiro/13, quando recomeça o Paranaense.

Curiosidades: Foi o 3o colocado em média de público presente aos estádios em 2010 e 2011, a frente do Paraná Clube; Sem contar as duas partidas da final do Paranaense 2012, entre Atlético e Coritiba, tem o artilheiro do campeonato atual, Baiano, com 13 gols (Bruno Mineiro, do Atlético, tem 11 e pode fazer dois jogos ainda).


Que beleza de camisa! #21 – Especial Atletiba #350

"Ai meu Deus... que jogão! Quem será que ganha??"

Pra matar as saudades da linda Kelly Pedrita, um “Que Beleza de Camisa!” especial sobre a 350a edição do clássico mais tradicional do futebol paranaense. E ninguém pode reclamar: a eterna musa do (ex) Jogo Aberto Paraná vestiu as duas camisas, para deleite das duas torcidas.

São 349 jogos e muita história até aqui. Para essa partida no Couto, alguns números (com ordem pelo mandante do clássico):

Último jogo (349): Atlético 0-0 Coritiba, em 22/02/2012, na Vila Capanema
Último jogo no Couto Pereira: Atletiba 347 – Coritiba 1-1 Atlético, em 27/08/2011

No Couto Pereira: 192 jogos – 84v Coritiba – 59 empates – 49v Atlético

Coritiba

Última vitória: Atletiba 346 – Atlético 0-3 Coritiba, em 24/04/2011, na Arena
Última vitória no Couto Pereira: Atletiba 345: Coritiba 4-2 Atlético, em 20/02/2011

Atlético

Última vitória: Atletiba 348 – Atlético 1-0 Coritiba, em 04/12/2011, na Arena
Última vitória no Couto Pereira: Atletiba 334 – Coritiba 0-2 Atlético, em 20/01/2008

As camisas:

Esse foi o uniforme número 3 do Coxa em 2006, ano em que o clube esteve na Série B, liderou por várias rodadas, mas despencou na reta final e não conseguiu o acesso. Foi usado poucas vezes ao longo do ano, que teve apenas um Atletiba: o 332, na Arena, válido pela Copa 100 anos e vencido pelo Atlético por 4-1. O Coritiba não usou essa camisa nesse jogo; o uniforme foi usado ocasionalmente na Série B nacional e aposentado na temporada seguinte. Mesmo assim, considero uma das camisas mais bonitas do clube, numa leitura diferente com dois tons de verde e discretas luminosidades brancas.

Esse foi o uniforme titular do Atlético em 2010, quando o Furacão quase voltou à Copa Libertadores – acabou o Brasileirão a uma posição da classificação. Foi usado por toda a temporada e em parte de 2011. Em 2010, foram dois Atletibas: o 343, 1-1 na Arena, e o 344, vencido pelo Coritiba no Couto Pereira, 2-0. Acho essa a camisa mais bonita da história recente do Atlético, por ser simples e clara, resgatando a gola, e com as listras em destaque e cores firmes.

Ambas camisas fazem parte do meu acervo pessoal (como a maioria da série de posts Que Beleza de Camisa!).

Que beleza de camisa! #17: Bolívar

Strongest? Forte mesmo é essa...

“Que beleza de camisa!” no ar nessa quarta-feira, com um diazinho de atraso, em função da altitude (lol): hoje vamos a La Paz, na Bolívia, conhecer um pouco mais do Bolívar, cuja camisa é envergada pela colaboradora @kellypedrita (se você é menina e quer colaborar também, leia a nota no pé do texto), apresentadora do Jogo Aberto Paraná.

Que beleza de camisa! #17 Club Bolívar

Quem é? Grande clube boliviano, fundado em 12/04/1925.

Já ganhou o que? 29x Campeão Boliviano.

Grande ídolo: El Diablo, ou Marco Antonio Etcheverry Vargas, hoje com 41 anos, é o grande ídolo do Bolívar. Foi no clube de La Paz, depois de um início no Destroyers de Santa Cruz de La Sierra, que ele ganhou destaque ao conquistar o Bolivianão de 1991, temporada em que anotou 17 dos 21 gols que marcou pelo clube. Parece pouco – e é – mas diante do pouco expressivo futebol boliviano, Etcheverry optou por abraçar oportunidades internacionais: Albacete (ESP), Colo-Colo (CHI), América de Cali (COL), DC United (EUA) e os equatorianos Barcelona e Emelec. Em 2004, retornou ao Bolívar para encerrar a carreira, no ano em que a equipe ficou com o vice-campeonato da Copa Sul-Americana, na melhor campanha do clube em competições internacionais. Mas o grande momento da carreira de El Diablo foi na Copa 1994, quando defendeu a Bolívia de volta ao Mundial após 44 anos. Nas eliminatórias, marcou um dos gols que impôs ao Brasil a primeira derrota da Seleção na história da fase seletiva, em jogo no Hernando Siles, estádio do Bolívar:


Apelidos: La Academia.

Como anda? É o atual campeão boliviano (2011) mas não está classificado para a Copa Libertadores de 2012, pois o torneio foi considerado de adequação. Lidera também o novo formato do campeonato boliviano, adequado ao calendário europeu, com temporada única entre dois anos (2011/2012). Tem 40 pontos, contra 38 do Real Potosí, vice-líder, há 10 rodadas do fim.

Curiosidades: O nome Bolívar é em homenagem ao centenário de fundação da República da Bolívia e também uma forma de protesto com os vários clubes bolivianos com nomes em inglês, como o seu principal rival, The Strongest. É o clube boliviano que mais participou da Copa Libertadotes: 22 vezes. Leva ampla vantagem sobre o rival no Clásico Paceño: 106 vitórias contra 55 do rival, em 238 jogos. Seu maior trunfo é jogar a 3.650m acima do nível do mar. Com oxigênio rarefeito, literalmente sufoca os adversários.

O Bolívar e o futebol paranaense: Na Copa Libertadores de 2002, então como campeão brasileiro, o Atlético foi até La Paz tentar a revanche contra o Bolívar, que havia vencido por 2-1 na Arena, na estréia atleticana na competição. E ia conseguindo, aplicando um baile no time da casa: depois de sair atrás, virou, ainda no primeiro tempo, o placar para 5-1. E o que se viu a seguir foi inacreditável:

Ao chegar em Curitiba, o goleiro Flávio (hoje no América-MG) conversou comigo no CT do Caju e confidenciou: “Se tivessem mais 5 minutos, tomaríamos a virada. Eu não não enxergava nada direito, não conseguia nem repor a bola no tiro de meta.” Os atleticanos sentiram os efeitos da altitude e acabaram entrando para a história em um jogo de 10 gols.

Atenção meninas: o blog oferece oportunidade não-remunerada de você posar para o quadro Que beleza de camisa! Se você tem interesse em ser modelo, como a Kelly Pedrita, é uma boa vitrine. Entre em contato pelos comentários deixando e-mail para retorno e participe do quadro semanal!

Que beleza de camisa! #14: Roma

Ela não é Nero, mas põe fogo na cidade.

Fim de noite, mas ainda é terça e dia do “que beleza de camisa!”. Essa semana, a homenagem vai para o futebol da terra da Bota: a Roma (por vezes chamada de “O” Roma), que empresta a beleza do uniforme para @kellypedrita. Ou seria o contrário…?

Que beleza de camisa! #14 Associazione Sportiva Roma SpA

Quem é? Clube grande da Itália, fundado em 22/07/1927.

Já ganhou o que? Campeão do Torneio das Cidades com Feiras (competição que originou a Champions League) em 1960/61; 3x campeão italiano: 1941/42, 1982/83 e 2000/01; 9x campeão da Coppa Itália.

Grande ídolo: Inúmeros jogadores de garbo já defenderam a Roma, como os brasileiros Paulo Roberto Falcão, Toninho Cerezzo e Aldair (este, recebeu a homenagem de ver a Roma aposentar a camisa número 6 quando deixou o clube). O espanhol Pep Guardiola, o alemão Rudi Voller e o italiano Fábio Capello, enquanto jogador, também fazem parte dessa lista. Mas ninguém é maior para os romanistas que Francesco Totti, nascido na própria capital italiano. Totti chegou a AS Roma aos 13 anos, ainda na base. Após 22 anos de clube, vestiu a camisa por 610 vezes (recordista), sendo que jogou 474 jogos pela Serie A do Calcio (recordista nacional) e, com 262 gols, é o maior artilheiro da história da Roma, 207 deles na Serie A (mais um recorde). Não bastasse isso foi com Totti que a Roma quebrou um jejum de 17 anos sem vencer o Italianão, em 2000. Pensa que é só? Pois Totti é um tifosi (fanático, verbete vem da febre Tifo) confesso da Roma desde criança e com um jeitão meio caipira, é carismático e cai no gosto de quase todo italiano fã de futebol. E ainda teve a cara de pau de inventar essa cobrança de pênalti:

Acha pouco? Que tal se o atacante do seu time fizesse um gol assim em cima do maior rival, num jogo que acabaria 5-1 a favor?

Apelidos: Lobo ou Giallorossi (vermelho e amarelo, como rubro-negro ou alviverde).

Como anda? Foi 6o. colocado no último italiano, mas vem de uma década (quase) vitoriosa, com 1 italiano, 2 Coppas Itália e alguns vices em ambas. No entanto, após a morte de seu presidente Franco Sensi em 2008, o clube passou a viver grave crise financeira e foi colocado a venda, obrigando-se a renegociar patrocínios e rendas para não ficar de fora da Serie A. Foi eliminada precocemente da Euro League 2011-12, ao perder para o Slovan Bratislava na primeira fase dos play-offs (0-1 e 1-1).

Curiosidades: É o segundo time, ao lado da Juventus, que mais disputou a Serie A Italiana: 79 vezes, uma a menos que a Inter; está desde 1952 na primeira divisão – neste ano, havia disputado a Serie B e voltou como campeã. Joga no mitológico Estádio Olímpico de Roma, capital italiana, que sobreviveu a duas guerras e sediou os Jogos Olímpicos de 1960, ficando dentro de um complexo esportivo. A Roma é, na verdade, um tricolor: marrom, vermelho e amarelo, as cores da cidade. E a Loba que o simboliza é em função da origem da cidade, dentro do mito dos irmãos Rômulo e Remo, criados por uma loba.

O Roma e o futebol paranaense: O Roma nunca enfrentou nenhum time paranaense, mas nem por isso deixa de ter relações com a terrinha. Em 6 de dezembro de 200o, após ter vencido a Copa SP de juniores por Barueri, o empresário João Wilson Antonini transferiu seu clube para Apucarana. E então o futebol paranaense ganhou uma Roma: o Roma Esporte Apucarana, da Roma Incorporadora, cujo nome, ao contrário do que se pensa, não homenageia a AS Roma e sim outra Roma: Romalina Antonini, mãe do empresário fundador do clube.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Que beleza de camisa! #12: Colón

"Soy Colón... soy Colón... soy Colón de Santa Fé..."

Com um dia de atraso em função da gravação de um programa especial para a Band, chegou o Que beleza de camisa! dessa semana. A homenagem (e a camisa também) é iniciativa do leitor do blog* Guilherme Linhares, que além de sugerir o Club Atlético Colón, da Argentina, teve a oportunidade conhecer de perto a magnífica @carolboadebola e acompanhar a gravação do Jogo Aberto Paraná dentro dos nossos estúdios. Que mamata! Mas vamos ao que interessa: quem é o Colón?

Que beleza de camisa! #12 Club Atlético Colón

Quem é? Clube médio do futebol argentino, fundado em 05/05/1905.

Já ganhou o que? Campeão da Segunda Divisão da Argentina (atual Primera B Nacional) em 1965; 16x campeão da Liga Santafesina (espécie de Estadual na Argentina, disputado em paralelo com o Nacional)

Grande ídolo: Para os mais velhos, o grande ídolo é Orlando “el negro” Medina, principal jogador do time campeão do único título nacional do Colón, a 2a. Divisão de 1965.

Apelidos: Sabalero (algo como “pescadores”, pois é referente ao peixe Sabalo) ou Los Negros (era considerado pejorativo, como o era o apelido “coxa-branca”, em virtude de racismo).

Como anda? Está na elite argentina há 16 anos, tendo subido em 1995 como vice-campeão da 2a. divisão. Foi vice-campeão da primeira divisão em 1997, 3o. em 2000 e o último grande resultado foi em 2009, quando chegou em 4o. lugar. Vive a expectativa de fazer novamente o clássico de Santa Fé na elite argentina, contra o Unión, que voltou para a primeira divisão nacional após 3 anos de série b.

Curiosidades: Foi fundado como Colón Foot-Ball Club, mas mudou o nome para Club Atlético Colón em 1920. Orgulha-se de ter 25 mil sócios e alguns feitos contra grandes times do mundo, como aplicar 8-1 no Boca Juniors em um amistoso e de ter vencido, também em amistosos, o Santos de Pelé (2-1), o Peñarol campeão do Mundo em 1967 (3-2) e até a Seleção Argentina, por 2-0, sempre jogando em Santa Fé. Por isso seu estádio, o Brigadier Estanislao López (38 mil pessoas) é conhecido como Cemitério dos Elefantes.

O Colón e o futebol paranaense: O Colón não desfilou seu vistoso futebol contra nenhum time paranaense até entáo. Mas foi vestindo a camisa de Los Negros que o atacante Federico Nieto chamou a atenção do Atlético. Nieto marcou três gols no seu ex-clube, o Huracán, que estão registrados abaixo:

*Quer fazer como o Guilherme e ajudar no quadro Que beleza de camisa!? Escreva nos comentários ou no Twitter sugerindo times e camisetas para Kelly Pedrita e Carol Boa de Bola vestirem. Se a sua idéia for aprovada, você conhecerá as meninas e os bastidores do programa!

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

 

Que beleza de camisa! #11: Dínamo Zagreb

Carol se admirou: "O Dínamo teve peito de passar pelo fim da Iugoslávia!"

O clube homenageado na semana pelo Que beleza de camisa! vem da Croácia, conhecida no Mundo do futebol como “o Brasil da Europa”. É o Dínamo Zagreb, clube que sobreviveu a duas transições políticas na complicada área da antiga Iugoslávia. “Me admirei com a história de luta desse clube. Eles têm peito!”, me contou a modelo que homenageia o Dínamo, @carolboadebola, após ler a história que você vai ler abaixo.

Que beleza de camisa!

#11 GNK Dínamo Zagreb

Quem é? Um dos grandes do futebol croata, fundado em 9 de junho de 1945.

Já ganhou o que? Campeão Europeu da Taça das Cidades com Feira* (1967), 13x Campeão Croata e 4x Campeão Iugoslavo, entre outros.
*Atual Liga Europa

Grande ídolo: Dessa vez, não foi possível identificar o grande ídolo do clube, mas na categoria de ídolos recentes está um brasileiro: Eduardo da Silva, naturalizado croata, e que destacou-se no Dínamo na Liga dos Campeões e no título croata de 2007, quando marcou três gols na vitória do Dínamo sobre seu maior rival, o Hajduk Split, por 3-0, se tornando o único jogador da história do derby eterno a conseguir esse feito. Na mesma temporada, fez 34 gols em 32 jogos da Liga local, alguns dos quais retratados nessa entrevista abaixo:

Apelidos: Plavi (os azuis).

Como anda? É o atual hexacampeão croata e maior campeão de todos os tempos, com 7 conquistas a mais que o principal concorrente, Hajduk Split (6x campeão). Passou por três etapas eliminatórias na Champions League (3-0 e 0-0 no Baku, do Azerbaijão, 1-0 e 2-1 no Helsinki, da Finlândia e 4-1 e 0-2 com o Malmo, da Suécia) e, no sorteio, caiu no nada mole Grupo D, com Real Madrid, Lyon e Ajax.

Curiosidades: É fruto da fusão de três clubes: HASK, Gradanski (algo como “da comunidade”) e Concordia, que acabaram sendo extintos pelo governo comunista da Iugoslávia após a II Guerra Mundial. Com o fim da Iugoslávia, em 1990, passou a se chamar HASK Gradanski e em 1993, ainda por força política, passou a se chamar Croácia Zagreb. Em 2000, mudou novamente o nome, para Dínamo Zagreb. Usa as cores e parte da bandeira do país no escudo. É o único clube croata a ter um título europeu.

O Dínamo Zagreb e o futebol paranaense: Nenhum clube paranaense jamais enfrentou o Dínamo Zagreb, mas o capitão da equipe que vai encarar Lyon, Ajax e o Real Madrid na Liga dos Campeões é formado no CT do Caju: o meia Sammir. Com 24 anos, Sammir nunca jogou no Atlético profissionalmente e deixou o clube rumo à Croácia em 2007. Por lá, já marcou 42 gols em 188 partidas com a camisa do Dínamo até agosto de 2011. Alguns deles estão aqui:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Que beleza de camisa! #10: Barcelona

Essa bate um bolão!

Começou ontem, com uma semana de atraso por conta de uma greve, o Campeonato Espanhol. E o atual campeão, FC Barcelona, estreou surrando o forte Villarreal por 5-0. Só me restou pedir a @kellypedrita que vestisse a camisa do maior clube do Mundo na atualidade… ficou bom?

Que beleza de camisa!

#10 Futbol Club Barcelona

Quem é? Um dos grandes do futebol mundial, fundado em 29 de novembro de 1899.

Já ganhou o que? 1x Campeão Mundial (2009), 4x Campeão da Liga dos Campeões (1992, 06, 09 e 11) e 21x Campeão Espanhol, entre outros.

Grande ídolo: Muitos grandes nomes do futebol mundial passaram pelo Barcelona: os brasileiros Evaristo, Rivaldo, Romário, Ronaldo e Ronaldinho; os argentinos Maradona e Messi; o português Luis Figo. Mas nenhum nome é mais importante para o Barça que o do holandês Johann Crujiff. Foi com o principal artífice da Laranja Mecânica vice-campeã das Copas de 74 e 78, com quem o Barcelona voltou a vencer o Campeonato Espanhol após 14 anos, período em que o futebol da Espanha foi dominado pelo Real Madrid – boa parte durante o Governo Franco. Na mesma época, o Barcelona se tornou “més que un club” (mais que um clube), um símbolo do povo da Catalunha. Crujiff simbolizou essa mudança e mais tarde, como técnico, criou a escola barcelonista de futebol total. O que vemos hoje, com Guardiola e Messi, surgiu com conceitos de Crujiff, como retrata entrevista da Revista ESPN.

São lances como esse, de Rivaldo, em 2001:

Apelidos: Blaugrana, Barça (positivos), Culés (pejorativo).

Como anda? É o atual da Liga dos Campeões e tricampeão espanhol; disputará, contra o Santos e mais 5 clubes o Mundial deste ano. É considerado o melhor time do Mundo.

Curiosidades: É considerado um símbolo de orgulho regionalista da Catalunha, região espanhola que nunca aceitou o reino da Espanha como país. Atua não só no futebol, mas também no basquete, handebol e até hóquei. Além do período franquista, o Barça teve problemas com o governo espanhol já em 1925, quando torcedores vaiaram a execução do hino espanhol. Na ocasião, o ditador Primo de Rivera fechou o clube por seis meses, até que o fundador, o suíço Hans Joan Gamper, foi obrigado a renunciar. Gamper, aliás, escolheu as cores do Barça com base no pequeno Basel, da Suíça. Não a toa, a maior rivalidade do Barcelona não é com o vizinho de cidade Espanyol e sim com o Real Madrid. Na história*, são 215 jogos, com 84 vitórias do Barça, 45 empates e 86 triunfos madrilenhos.

O Barcelona e o futebol paranaense: Ainda não tivemos o privilégio de ver um clube paranaense enfrentar o FC Barcelona. Mas no elenco titular atual do Barça está um curitibano: o lateral-esquerdo Adriano, formado no Coritiba. E um dos gols mais importantes da história do clube foi marcado por outro paranaense, Juliano Belletti, na decisão da Champions League de 2006:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Que beleza de camisa! #8: Londrina

"Ôoooo... o Tubarão voltôoo, o Tubarão voltôooo-ô!"

Terça-feira e o blog mantém a tradição: é dia de Que beleza de camisa! E o clube homenageado de hoje não poderia ser outro que não o Londrina, potência do norte do Paraná, que no último domingo recuperou em campo seu espaço entre os maiores clubes do Estado. Como estamos falando do Tubarão, dose dupla de beldades nas fotos: a @carolboadebola usa o modelo de 2009, último usado na elite, e a @kellypedrita usa o modelo de 2001, ano em que o Tubarão aplicou a maior goleada da Série B: 7-0 na Desportiva-ES.

Que beleza de camisa!

#8 Londrina Esporte Clube

Quem é? Um dos grandes do futebol paranaense, fundado em 05 de abril de 1956.

Já ganhou o que? Campeão Brasileiro da Série B (198o), 3x Campeão Paranaense (1962, 1981 e 1992) e 3x Campeão do Norte Paranaense (1957, 59 e 62).

Grande ídolo: Indiscutívelmente, o maior ídolo do Londrina em todos os tempos é o atacante Carlos Alberto Garcia, que defendeu o Tubarão na década de 70 e meados de 80, quando voltou ao Tubarão, após rápidas passagens por Vasco e Grêmio Maringá, e conquistou o Paranaense de 1981. O grande momento de Garcia com a camisa alviceleste foi em 1977, na campanha do 3o. lugar no Brasileiro daquele ano – a melhor entre os paranaenses até então. O time superou Corinthians-SP, Flamengo, Santos e Vasco e só parou no Atlético-MG de Reinaldo, que seria vice-campeão invicto. Nos anos 2000, Garcia foi presidente do LEC.

Apelidos: Tubarão, LEC.

Como anda? Acaba de retornar a elite do futebol paranaense, após dois anos disputando a Série Prata. É dirigido por Sérgio Malucelli, irmão do presidente do Atlético, Marcos Malucelli, primo do ex-presidente do Coritiba, Joel Malucelli, e ex-gestor do Iraty. Disputará em 15 dias o título da Série Prata, ou contra Toledo, ou contra o eterno rival, Grêmio Maringá. A promessa, no entanto, é a disputa do título estadual da elite, ganho pela última vez há 18 anos, segundo matéria do site LECMania. No link abaixo, você vê o gol que deu o acesso ao Londrina, na vitória contra o Nacional:

Curiosidades: Foi fundado a partir da criação do Nacional Atlético Clube, de Rolândia, cidade vizinha (curiosamente, o mesmo time com quem disputou o acesso este ano). A idéia dos irmãos Andrade (Luciano e Luiz) e de um grupo de 12 pessoas resultou no Londrina Futebol Clube, que logo se tornaria Londrina Futebol e Regatas; em 1969 juntou-se ao outro time da cidade, o Paraná Esporte Clube, anexando-o e adotando o nome Londrina Esporte Clube. Mas a melhor história está fora das quatro linhas, descrita no livro “Londrina Esporte Clube: 40 anos”, de J. Mateus, e reescrita por mim abaixo:

Em 1957, Londrina e Mandaguari disputaram o 1o. campeonato do norte, que disputava um campeonato diferente do Paranaense da chave sul – eram dois os campeões estaduais até 1959, quando os dois campeões passaram a se enfrentar. O jogo, em Mandaguari, foi disputado em um estádio acanhado, onde se cabia uma equipe de rádio. Houve um sorteio entre as rádios Londrina e Paiquerê – e deu Londrina, que mandou o narrador Augusto Reis para a cidade próxima de Maringá.

A Rádio Paiquerê, no entanto, tinha maior audiência e não iria ficar fora dessa. Decidiu-se que o narrador Willy Gonser iria “dublar” a narração, ou seja: ouviria o que Reis narraria e então repetiria no seu microfone.

O Londrina precisava da vitória para ser campeão. E vencia por 1 a 0 quando, aos 44 do segundo tempo, o juiz apitou pênalti para o Mandaguari. Os corações em Londrina palpitaram: era Felix Lescaño, craque do time rival, quem iria para a cobrança.

Willy Gonser escutava atentamente a descrição do momento feita por Augusto Reis. Mas uma tempestade em Londrina mudou os planos do narrador. A energia elétrica da região onde estava sediada a Rádio Londrina caiu – e todos os ouvintes passaram a ouvir a Paiquerê. Gonzer enrolou, descreveu confusão no gramado, fez o que pôde para ver se a luz da rádio concorrente voltava. Mas não tinha jeito. E já tinham se passado alguns minutos. Gonser decidiu “bater” o pênalti. E o fez:

– Correu pra bola Felix… bateu… GOOOOOOOOL… do Mandaguari…

Tristeza em Londrina.

O jogo acabou ali e o LEC era vice-campeão. Mas…

Eu e Willy Gonser, antes de Coritiba x Atlético-MG em 09 no Couto Pereira

…Lescaño, sem seguir a recomendação de Gonser, bateu para fora. O Londrina garantiu a vitória por 1-0 e ficou com o título do primeiro campeonato do Norte! Na madrugada, ao chegar de ônibus, a delegação alviceleste, embriagada de alegria, se decepcionou: nenhuma alma estava ali para comemorar o título. Ao contrário: muitos só acreditaram na conquista ao ver a taça!

Gonzer se mudou para BH e se tornou um dos maiores narradores esportivos do País.

O Londrina e o futebol paranaense: Time de grande tradição, três vezes campeão estadual, terceiro colocado entre os paranaenses no ranking da loteria “Timemania”, em que se aposta no clube do coração, coube ao Londrina o primeiro destaque do Estado no Brasileirão, desde que ele é assim conhecido (1971). Foi em 1977, quando chegou as semifinais após vencer o Vasco em São Januário, no jogo que é recorde de público do estádio (40.209 pessoas). Os gols estão nesse vídeo:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Que beleza de camisa! #7: Manchester United

"Go Red Devils!"

Terça-feira você já sabe: é dia de Que beleza de camisa! aqui no blog. E hoje o clube homenageado pela gatíssima @carolboadebola é o poderoso Manchester United, atual campeão inglês e vice da Champions League. Os Devils começam a caminhada pelo bicampeonato inglês no próximo domingo, contra o West Bromwich.

Que beleza de camisa!

#7 Manchester United Football Club

Quem é? Um dos gigantes do futebol mundial, fundado em 1878 (como Newton Heath L&YR Football Club).

Já ganhou o que? 2x Campeão Mundial (1999/2008), 3x Campeão da Champions League (1968/99/2008) e 19x Campeão Inglês.

Grande ídolo: Não faltam ídolos ao Manchester United, como Éric Cantona, Cristiano Ronaldo, Rooney ou Roy Keane. Mas o maior de todos é sir Bobby Charlton, condecorado até pela Rainha como cavaleiro inglês. Participou da memorável equipe de 1958, que chegou às semifinais da Champions League (então chamada de Copa dos Campeões da Europa) e que foi vítima de um acidente aéreo que matou oito jogadores. Charlton sobreviveu ao acidente em Munique para ganhar duas vezes o campeonato inglês e a Champions de 1968, que consolidou a reconstrução do clube. Foi eleito o melhor jogador do Mundo no mesmo ano em que ganhou a Copa pela Seleção Inglesa, 1966.

Apelido: Red Devils (diabos vermelhos), Man. Utd ou MUFC (positivos) e Man U. (pejorativo, usado pelos rivais na época do acidente de Munique).

Como anda? Com o título da temporada 2010/11, assumiu o posto de maior campeão inglês, com 19 títulos contra 18 do Liverpool. Também chegou a decisão da Champions League, mas ficou com o vice ao perder para o Barcelona de Messi. Disputa com o mesmo Barcelona, o Real Madrid, o Milan e o Chelsea o posto de “clube mais rico do Mundo”.

Curiosidades: Foi fundado por operários como Newton Heath L&YR FC e usava as cores verde e dourado; fez fusão com o Ardwick AFC para disputar sua primeira liga inglesa, em 1892. Ao entrar em processo de falência, foi comprado por John Henry Davies, que mudou o nome e as cores da equipe. Dominou o futebol inglês nos anos 60, mas caiu em decadência até 1986, quando contratou o técnico Alex Ferguson, que ocupa o cargo há 25 anos, tendo vencido 23 campeonatos (Liga, Copa, Champions e Mundial, entre outros). Já foi rebaixado para a Série B inglesa, em 1974, ao perder para o maior rival, Manchester City, por 0-1. Também é grande a rivalidade com o Liverpool e o Arsenal, de Londres.

O Manchester United e o futebol paranaense: Campeão Brasileiro pelo Atlético em 2001 e Mundial pela Seleção na Copa de 2002, o paranaense Kléberson foi o primeiro brasileiro a ser comprado pelo Manchester United, em 2003. Chegou com status de substituto do argentino Sebástian Verón e trouxe consigo, a tiracolo, uma aposta vinda de Portugal: o jovem atacante Cristiano Ronaldo. Kléberson acabou tendo menos destaque que o Ronaldo luso, mas ainda assim faturou a Copa e a Supercopa da Inglaterra em 2003/04. Além de ter deixado dois golzinhos, um dos quais você vê abaixo:

 

Que beleza de camisa! #6: Saint-Etienne

Mais cette fille la plus belle!

O Que beleza de camisa! dessa semana aproveita o duelo alviverde entre Coritiba e Palmeirase apresenta um terceiro Verdão, da distante França: o Saint-Etienne. Quem enverga a bela camisa é a não menos bela Kelly Pedrita, colega de Jogo Aberto Paraná. (clique aqui para seguir ela no Twitter!).

Que beleza de camisa!

#6 Association Sportive de Saint-Étienne Loire

Quem é? Grande clube francês, fundado em 1919*.

Já ganhou o que? 10x Campeão Francês, 6x Campeão da Copa da França (79/90/2002) e 3x Campeão  da Série B francesa.

Grande ídolo: Michel Platini, maior craque francês antes da Era Zidane, campeão nacional em 1981, antes de se transferir para a Juventus-ITA para fazer história. Hoje é o presidente da UEFA (confederação européia de futebol) e deve ser o adversário de Ricardo Teixeira nas próximas eleições Fifa.

Apelido: L’ASSE (algo como “O Saint-Etienne, tal qual o Atlético usa CAP).

Como anda? É o maior campeão francês (10 títulos contra 9 do Olympiquè de Marseille), mas anda mal das pernas. Escapou do rebaixamento nas últimas rodadas nos dois últimos torneios, acabando em 17o lugar (caem 3 de 20). Completou nessa temporada 30 anos de jejum – desde Platini, em 1981.

Curiosidades: Ninguém sabe precisar a data real de fundação do Saint-Etienne. Ele começou em 1919, como uma associação de amigos funcionários das lojas Casino; em 1920 passou a se chamar Clube Esportivo de Amigos ( l’Amical Sporting Club, em francês) e só em 1933, ao se profissionalizar, passou a se chamar Saint-Etienne, nome da cidade que representa.

O Saint-Etienne e o futebol paranaense: Em 1969, em excursão a Europa, o Coritiba enfrentou e venceu o Saint-Etienne em Vichy, na França. O resultado valeu a taça Pierre Colon (e você lê mais sobre esse jogo e muitos mais aqui, no excelente site História do Coritiba). Atlético e Paraná nunca enfrentaram L’ASSE, mas um craque campeão brasileiro pelo Furacão e revelado no Tricolor vestiu a camisa do clube francês e marcou esse golaço (but, em francês), eleito o mais bonito da temporada 06/07, narrado com extrema emoção pelo locutor francês: