“Não se corrige um erro com outro”, me ensinou meu pai

O Coritiba pode perder entre amanhã e quarta uma chance histórica de demonstrar grandeza e ser condizente com a campanha “Amo minha terra, torço pelo meu Estado”, que quer mostrar a força do povo paranaense.

Pode dar um tapa de luva naqueles que buscaram a separação e o sectarismo, ser um exemplo de convivência, desportividade e de que nossa sociedade tem saída.

Mas que, talvez por serem poucas as vozes em prol do convívio pacífico, pode ficar para trás.

Para que isso aconteça, para que não se caia na vala comum, basta que o Coxa não aceite realizar o Atletiba 350 com torcida única e abra os portões do Couto Pereira para cerca de 3 mil atleticanos, mostrando como se faz um evento com segurança e beleza desportiva.

Rivais sempre, inimigos jamais.

Dirão que “no primeiro turno foi assim e é justo que agora seja assim também”; ok, porém está errado. “Um erro não se corrige com outro”, me ensinou logo cedo meu saudoso pai.

O que foi feito goela abaixo daqueles que gostam de futebol não precisa ser repetido. Um clássico esvaziado, sem a riqueza do colorido das arquibancadas, sem a flauta entre as torcidas. Uma ode à intolerância, que pouco adiantou, pois os episódios de violência aconteceram em pontos da cidade, como sempre acontecem. Nos terminais, nos bairros mais afastados, em que a PM deve agir ostensivamente. Não no estádio, em que a maioria gosta de futebol.

Dirão ainda que a vantagem técnica de se jogar com torcida única não pode ser desperdiçada. Balela. O Atletiba 350 pode dar o returno ao Coxa e o título ao Furacão. O estádio jamais estará vazio e isso significa dizer que serão quase 30 mil coxas, 10 vezes mais do que a eventual carga atleticana. Certamente, gente disposta a pressionar o rival do primeiro ao último minuto. Combustível para os dois lados, de qualquer jeito: um para embalar, outro para calar.

Dirão também que, se o Coritiba aceitar isso, será um passo atrás, será um demonstrativo de fraqueza. Errado. Será um demonstrativo de força e de inteligencia, pois também poderá melhorar a arrecadação ao invés de deixar um espaço às moscas no estádio.

Afinal, com ou sem acordo – e é bom que você saiba disso – os ingressos destinados ao Atlético deverão ser reservados e não poderão ser comercializados mesmo que o Furacão não os peça. É a reserva técnica, já feita no primeiro jogo, para o caso de algum consumidor entrar com uma ação judicial (para você ver como o caso é enrolado).

É um momento único de se demonstrar grandeza, de escolher qual caminho seguir no nosso futebol. Em Minas Gerais os clássicos vêm sendo realizados com torcida única há algum tempo. Desportivamente, o Cruzeiro segue surrando o Atlético-MG, porque em campo tem mais time; fora dele, as torcidas continuam quebrando o pau. Ano passado, uma morte e vários feridos nos confrontos. Já na Bahia, as torcidas de Vitória e Bahia se uniram e disseram um sonora NÃO a iniciativa sectarista. Não há relatos de confrontos entre torcidas em Salvador, pasmem.

Está nas mãos do Coritiba. Sim, porque não é preciso que o Ministério Público perca tanto tempo com isso. Não é possível que nossa polícia não seja capaz de reprimir a violência nos dias de jogos. Não é admissível que você, torcedor de bem, se tranque em casa enquanto destroem a cidade, com ou sem torcida única nos jogos.

É alimentar a roda da discórdia e ver onde isso vai parar ou, como diria um cabeludo famoso por aí, “oferecer a outra face”?

*Em tempo: não sei de quem é o carro, mas estava há alguns dias no Bosque Alemão e achei muito bacana a imagem.

Perdemos

Torcida única ocupará Vila Capanema no Atletiba 349

Perdemos todos. A notícia de que o Atletiba 349 terá apenas uma torcida presente (a do Atlético, o que faz por consequência que o Atletiba 350, no Couto, só tenha coxas-brancas) é um atestado de como retrocedemos no tempo. De como nós, paranaenses, não sabemos conviver desportivamente. De como a sociedade atual caminha para um lugar ainda mais obscuro, com os bons se fechando nos muros sob a sombra da violência.

A decisão da PM em conjunto com os clubes é preguiçosa. Tem como base o mau comportamento de alguns vândalos que se aproveitam das camisas das organizadas (algo explicado em várias obras antropológicas) para agredir quem os mesmos entendem ser diferentes. Problema crônico que seria sanado com punição correta, sistema judiciário eficaz – como na Inglaterra – e banimento dos responsáveis. Quiça das organizadas, que têm lá sua função social mas colhem muito mais o bônus (como venda de camisas alusivas aos clubes sem royalties) do que pagam o ônus. Quando há confusão, “é impossível controlar o grupo.”

Só que segurança pública vai além de um ou dois grupos de marginais. Vai ao fato de que o mesmo governo que só aparece para fotos pouco faz na condução do processo Copa 2014. Mais do que isso: Curitiba hoje é considerada a 6a capital mais violenta do Brasil. Como por aqui mata-se o cachorro para se acabar com as pulgas, lá vamos nós a mais uma invenção dos cartolas: agora, somos incapazes de dividir arquibancada com outros seres humanos, apenas porque gostamos de cores diferentes.

Claro, há muito mais por trás do que só a questão segurança. Não é a primeira vez que o tema vem à tona – embora só agora ele esteja praticamente concretizado. Desde 1996, quando do Atletiba 284 (aquele 0-0 que garantiu o Coxa na decisão contra o Paraná), Mário Celso Petraglia já queria que os estádios recebessem torcida única. A idéia por trás do fato é simples: sem a obrigatoriedade de se vender entradas aos visitantes, a capacidade real do estádio está voltada aos sócios, principais colaboradores do clube. Não é ruim, mas é anti-democrática e sectarista. Mesmo na Europa, em clássicos como Barcelona x Real Madrid ou Celtic x Rangers, que envolvem questões políticas ou religiosas com histórico muito acima dos vistos nos Atletibas, há a reserva mínima aos visitantes. Afinal, é apenas futebol, não uma disputa de vida ou morte.

E diga-se que o sim de Vilson Ribeiro de Andrade também não foge à risca. Aliás, o dirigente coritibano, revolucionário no Alto da Glória, tem muito de Petraglia na maneira de atuar. Mais democrático, é verdade, mas com idéias similares. Uma delas é a proibição (na minha visão correta) das faixas de organizadas, vetando a publicidade de um concorrente mercadológico em materiais esportivos, que não paga royalties e vampiriza preços. Para o torcedor comum, uma camisa da Fanáticos ou da Império tem o mesmo valor sentimental que uma da Umbro ou Nike do clube.

Vale ressaltar que em 5 anos, desde a definição da Copa na Arena, não se buscou um acordo. Vale dizer que o Atlético agiu pessimamente em não procurar diretamente o Coritiba; que o Coxa fez ouvido mouco, pressionado pela torcida (mais intolerância) para não ceder o estádio, algo plantado sine qua non – mesmo com décadas de usufruto múltiplo da praça; que noves fora a questão Arena-Governo-Copa, a vantagem técnica de se jogar em casa valia pressão pró-Coritiba, o que se inverteu pelos resultados, e o Atlético desinteressou-se em jogar no estádio rival, pensando também na disputa, mesmo após a primeira abertura de Vilson Ribeiro.

Compreendido isso, é importante lembrar que optamos pelo caminho da separação. Bem distante dos Atletibas históricos da década de 70, como por exemplo na decisão de 1978, quando quase 180 mil pessoas, dividindo o Couto Pereira meio a meio, viram três 0-0 épicos (Manga decidiu o título nos pênaltis a favor do Alviverde). A separação é um passo perigoso pela intolerância. Sai de campo a flauta, a boa rivalidade, entra em campo o ódio. Simplesmente não sabemos conviver.

Tecnicamente, ampara-se a escolha na falta de tempo para a instalação de outras 7 câmeras de segurança na Vila, o que limita a capacidade para 9.999 expectadores – dos quais, pelo regulamento 999 deveriam ser coxas. A capacidade liberada é maior que a suportada na inauguração do primeiro estádio paranaense, a Baixada, em 1914. Lá, se enfrentavam América, Internacional, Coritiba, Britânia e tantos outros, sempre com o apoio dos seus simpatizantes.

Passados 98 anos, estamos piores como sociedade.

Debate: violência e torcidas

Em um dos especiais de final de ano, o Jogo Aberto Paraná debateu a violência no futebol. A participação das torcidas organizadas nas brigas, o controle – ou descontrole – emocional motivado pelo futebol, a ação e métodos da polícia e a compreensão do tema foram debatidos no programa, que contou com a presença do historiador Luiz Carlos Ribeiro, mestre da UFPR, e do capitão Márcio Maia, da PMPR.

Acompanhe o debate e opine mais abaixo!

Opinião:

A principal arma da democracia contra a violência é o debate de idéias. É a partir da compreensão dos nossos problemas que podemos entender necessidades e resolver as questões. Esse espaço se propõe a isso, diariamente.

Estamos vivendo uma época de debate intenso e acalorado sobre a possibilidade de mando de campo do Atlético no Couto Pereira. Em meio a muitas opiniões apaixonadas, confesso que me surpreendi com a resposta dos leitores do blog sobre o tema do post abaixo: supondo que a FPF requisite via Justiça o Couto para que o Atlético jogue, os Atletibas deveria ter torcida única? O tema, provocativo e diante de uma suposição ainda pendente na justiça, teve maioria de resposta – a meu ver – positiva.

Setenta e dois por cento dos leitores acreditam que a tolerância e a convivência são os melhores caminhos e, por isso, os clássicos não devem ter torcida única; 28% são mais temerosos e acreditam que o controle da violência seria mais fácil com apenas uma torcida no campo.

O exemplo na resposta da enquete tem que ser posto em prática. A tolerância não deve ficar só no discurso: tem que ser exercida. Assim sendo, o debate deve se manter em alto nível, sem acusações ou ofensas, para que cheguemos a um denominador comum, pacífico.

Utopia? Talvez.