Federação Gaúcha usa o marketing e acerta com Recopa

Chamada para o jogo amistoso: FGF criou evento atrativo

Poderia ser só mais um amistoso de pré-temporada no Brasil, algo que vem ganhando força desde o ano passado. Mas a Federação Gaúcha de Futebol foi inteligente e transformou o jogo entre Pelotas e Internacional em um evento, com a criação da Recopa Gaúcha. Nela, o campeão da Supercopa Gaúcha – outra pedida interessante para o calendário – contra o campeão estadual. Uma partida numa segunda-feira, que poderia ser até de portões fechados, com técnicos fazendo várias experiências (o que aliás deve ser feito mesmo assim, especialmente por Abel Braga) tornou-se um evento chamativo.

Apenas o rótulo de “Recopa” e um show no estádio, além, é claro da realização na casa do clube menor, o Pelotas. A cidade terá a chance de ver o seu time contra um dos grandes do Brasil – e valendo taça. Parece bobagem, mas não é.

Federações precisam criar soluções para movimentar seus estados. As poucas boas ideias que aparecem, infelizmente, não perduram. É mais fácil organizar um evento de porte com um gigante como o Inter envolvido, mas soluções como essa podem ser adotadas mesmo sem esse atrativo. Era o caso da interessante e extinta Recopa Sul-Brasileira. Estudos provam que, sim, o brasileiro gosta de ver os grandes jogos dos grandes clubes, mas apoiam os clubes menores da cidade quando envolvidos em disputas locais (o velho cidade contra cidade) ou em jogos interessantes como essa Recopa. É o caso de um Bra-Pel, um Come-Fogo, um Clássico do Café, exemplos de jogos com bom público.

A FGF já havia inovado com as Copas Regionais do segundo semestre de 2013, quando o Estado foi dividido em quatro micro-regiões e os clubes tiveram calendário para se manterem ativos. Significou que equipes como Cerâmica e Novo Hamburgo tiveram como manter seus funcionários empregados por mais tempo. E que Grêmio e Inter puderam usar seus times de base para dar experiência aos garotos. O Inter chegou até a decisão da Supercopa, mas perdeu para o Pelotas, que venceu a região Sul-Fronteira.

Pode ser que na próxima temporada nem Inter, nem Grêmio, estejam na final. Pouco importa, se a FGF ou os clubes souberem vender seus jogos da mesma forma. Como faz o Grêmio, com a “Pré-temporada Topper Grêmio“, sessão de treinos patrocinada. E mesmo sem a dupla, que o evento seja bem planejado como esse entre Pelotas e Inter. Um bom exemplo.

Anúncios

Atlético coloca teoria em prática na Copa do Brasil

Uniforme de passeio foi o mais usado pelo Atlético até agora em 2013 (foto: AI CAP)

 

Já temos 93 dias no ano e, nesta quarta (03/04), pela primeira vez em 2013, o elenco principal do Atlético fará um jogo oficial. Será pela Copa do Brasil, em Pelotas, contra o tradicional Brasil. Duelo rubro-negro na Baixada gaúcha, o estádio Bento Freitas, que pode ser liquidado sem a necessidade do jogo em Curitiba. A Copa do Brasil prevê que o clube melhor ranqueado, caso vença por dois ou mais gols, avance diretamente a próxima fase.

Se acontecer, o Atlético terá um descanso ainda maior até pegar Ji-Paraná ou América-RN. Os jogos da 2a fase estão previstos em 1, 8, 15 ou 22 de maio. Na hipótese mais curta, mais 28 dias sem atividade – o Brasileirão só começa em 26 de maio. Se contar o período da Copa das Confederações, o Furacão titular poderá ter nada menos do que 151 dos 365 dias do ano sem jogar partidas oficiais, exceção óbvia da suposta partida única em Pelotas.

Há quem diga atualmente que o time Sub-23 do Atlético bateria o titular em uma disputa direta. Difícil afirmar, mas é fácil de entender a suposição: mesmo claudicante, o Sub-23 acabou embalando no 2o turno do Estadual e já revelou bons nomes. Enquanto isso, após deixar uma boa impressão na Marbella Cup, na Espanha, os titulares andaram fazendo feio em jogos-treino contra Goiás, Cruzeiro e Atlético-GO, alguns atuando até com reservas. O próprio técnico Ricardo Drubscky reclamou aos quatro cantos, sem sucesso, de que queria ter mais ritmo de jogo. Não deu.

Leia também:

Drubscky disse o que todos sabiam
Quebra de paradigma
Na Alemanha, rádio compra direitos exclusivos de transmissão de jogos

A opção política do Atlético em colocar um time B no Paranaense tem também um cunho esportivo. Os números exagerados assustam. Mas a ideia de se descansar o principal elenco por parte da temporada inchada no Brasil é boa. O principal modelo de futebol no Mundo hoje, o Barcelona, fica até 85 dias sem atividades oficiais. Talvez o Atlético pudesse ter usado o time principal em algumas partidas no Paranaense para pegar ritmo e não sentir tanto a estreia em Pelotas.

Ainda assim, com transmissão para todo o País, o Atlético colocará sua teoria em prática nessa quarta. A Copa do Brasil é a menina dos olhos da diretoria, que prometeu títulos na campanha eleitoral. O rival Coritiba bateu na trave em dois anos consecutivos, o que acirrou a disputa interna. Mas a CBF aumentou a competição, deixando-a mais difícil, com a entrada dos clubes que estão na Libertadores a partir da metade da competição. Entretanto, se tem um elenco tecnicamente inferior a muitos clubes e ainda se ressente de ritmo de jogo, um pecado não poderá ser reclamado pelo Atlético: o cansaço físico. 

Enquanto o Sub-23 já incomoda no Estadual, até mesmo com chances de chegar à decisão, os principais jogadores vão ter que começar a estrada de 2013. Ao deixar o time mais fraco responsável pela chance mais direta de conquista de título na temporada, o Atlético assumiu um risco de por uma ideia em prática. Ao final do duelo contra o Brasil, pela primeira vez se poderá avaliar objetivamente se o projeto tem futuro ou não.

  • Brasil

O Brasil de Pelotas também começou a temporada há pouco tempo. Apenas em 24/03 é que o time fez a primeira partida oficial, um 3-0 em cima do Farroupilha, rival citadino, pela 2a divisão gaúcha. Na última rodada bateu o Santo Ângelo por 1-0 e lidera o Grupo 2 com duas vitórias em dois jogos – teve um adiado.

Dono de uma das torcidas mais fanáticas do Rio Grande do Sul, o Brasil foi 3o lugar no Brasileiro 1985, vencido pelo Coritiba, que derrotou o Bangu-RJ na final – este, classificado ao eliminar a equipe gaúcha nas semis.

Na história, em jogos pelo Campeonato Brasileiro, Atlético e Brasil duelaram 4 vezes. O Furacão nunca venceu o Xavante: 3 empates e 1 derrota. Um dos empates foi no Brasileirão 1984, com direito a pênalti perdido pelo Atlético e Luiz Felipe Scolari como técnico do Brasil. Assista: