Camisa 2 do Coritiba vaza na internet; clube não confirma, mas não nega

Algumas imagens da camisa número 2 do Coritiba vazaram na internet. Tudo é parte de uma estratégia da Nike para divulgar a camisa nova, cercada de expectativa, após o mal-fadado lançamento do uniforme 3, todo preto, que não agradou a torcida. Essa segue o tradicional modelo 2, a “jogadeira”, marcada pelo título brasileiro de 1985. As imagens chegaram até o blog que, é claro, “caiu” na armadilha do viral – não sem antes conferir a veracidade. A camisa acima não foi confirmada pela diretoria do clube como a oficial entre as imagens que circulam na web. Há um contrato que impede a confirmação oficial. Mas o mistério não passa do final de semana, quando ela estará em campo contra o Santos. Uma fonte confidenciou ao blog que o modelo acima é “o mais próximo” da real. Você gostou?

Update:

Acima, imagem que recebi de um leitor do blog, com a camisa nova já a venda, com um modelo muito próximo ao divulgado aqui, exceção já observada para a gola, que segue o padrão dos outros dois uniformes feitos pela Nike.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 06/06/2012

Sentido litoral

Dois dos próximos jogos com mando do Atlético na Série B do Brasileiro serão no Estádio Fernando Charbub Farah, o Gigante do Itiberê, em Paranaguá. No entanto, o clube ainda tenta manter as demais partidas na Vila Capanema, contando com o apoio da CBF. As partidas contra Goiás e Ipatinga são as únicas 100% confirmadas para o estádio no litoral (98 km), com capacidade para cerca de 12 mil pessoas. Hoje, o clube divulga ter 14.434 sócios, que terão de percorrer a distância citada para ver o time. A média de público, entretanto, não tem ultrapassado as cinco mil pessoas. Uma das cartadas do Atlético para se manter em Curitiba, além da parceria na Copa, é o fato do volume de jogos do Paraná na Vila começar a diminuir, com o fim da Série Prata. A CBF tem marcado os locais dos jogos apenas dias antes dos mesmos.

Com que roupa?

Apesar de já estar há seis meses patrocinado pela Nike, o Coritiba ainda disponibiliza para seus jogadores, em treinamentos, material esportivo da antiga fornecedora, a Lotto. Segundo o clube, ainda faltam algumas peças, como o próprio material de treinamento. A justificativa da nova fornecedora é de que os materiais dessa linha são importados – por isso o atraso. Outra queixa, em especial da torcida, é a ausência da camisa 2 na linha de uniformes do Coxa. O modelo já foi aprovado pela diretoria e é predominantemente verde, para contraste com o número 1, lembrando a famosa “jogadeira”, com listras brancas. Deve ser lançada ainda no Campeonato Brasileiro, antes do aniversário de 103 anos do clube.

Desempenho

Escrevo antes do fim do jogo de ontem, entre Goiás e Paraná. O Tricolor costuma se dar bem no Serra Dourada, mas uma derrota lá é algo normal. Porém, já começa a pesar outra análise: a de que ao enfrentar times mais preparados que os da Série Prata estadual, o Paraná não tem conseguido resultados. Perdeu duas para o Palmeiras, perdeu para o América-MG, empatou com os paulistas Bragantino e Guarani (este, em casa) e como melhores resultados na temporada até aqui, dois empates com o Ceará, que valeram vaga nas oitavas da Copa do Brasil. Pode ser que o resultado que esteja nesse jornal traga novidades, mas começo a pensar que o elenco montado não é competitivo o suficiente para essa Série B. E não falo de acesso.

Arbitragem e reciclagem

Criticada ao longo de todo o Campeonato Paranaense, a arbitragem local continua desprestigiada com o início do Brasileirão. Apenas Evandro Roman e Héber Lopes estarão em campo nos 20 jogos das 3ª e 4ª rodadas. Cada um apitando um jogo. Os de sempre, sem renovação. A pensar.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 08/02/2012

Atletiba 349 no Eco-Estádio e com torcida única?

Só a Polícia pode impedir a realização do clássico 349 no Eco-Estádio, caso entenda não haver segurança. Com a recusa do Coritiba em emprestar o Couto Pereira, o que está respaldado pela justiça, o Atlético irá mandar seus jogos no Janguito Malucelli. E a FPF não tem como arbitrar sobre o tema. “Não posso obrigar a jogar em outro lugar. O Atlético indicou lá e se a polícia liberar vai ser lá”, disse Amilton Stival, vice-presidente da Federação, que ainda confirmou que pode, em contrapartida, solicitar que o jogo tenha torcida única. A 15 dias do primeiro clássico do ano, a decisão deve passar por uma avaliação do que acontecerá hoje à tarde no jogo entre Atlético e Toledo. Mas é a PMPR, junto com a Rodoviária, quem realmente tem poder de veto sobre a realização do clássico no estádio que tem capacidade para 3.976 torcedores. 

E as conseqüências?

Assim sendo, evidentemente a PMPR e a PRF garantiriam a segurança dos torcedores, que passam a ter outras questões. A primeira: o jogo de volta, no Couto Pereira, também teria torcida única? Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do Coritiba, já sinalizou que caso essa decisão seja tomada, irá requerer o mesmo para o segundo turno – quando 37.182 pessoas poderão ver o jogo. Um número dez vezes maior. Além do diminuto número de sócios atleticanos que poderão fazer valer seu direito ao acesso no primeiro jogo, há a preocupação com a circulação no entorno do estádio e também na chegada dos times. Realmente desaconselhável. Solução? Difícil. Outra opção seria Paranaguá e aí há o risco de confronto de torcidas na estada. Vale lembrar que o Atletiba 349 acontece dia 22/02, quarta de cinzas.

All Blacks

A camisa III do Coritiba, lançada ontem, será o segundo uniforme do clube por um bom tempo. A idéia é apostar na proposta monocromática para fixar no mercado. A camisa estreará no jogo de hoje à noite, contra o Londrina. Tudo aconteceu rapidamente: o Tubarão avisou o Coxa que jogará com uniforme claro, predominante branco, e o Coritiba apressou-se em organizar um lançamento. A camisa, criada em conjunto pela Nike e pela Netshoes (que também patrocina o Atlético) remete ao tempo em que o Alviverde era chamado de Alvinegro, pelo conjunto “camisa-branca-com-detalhes-verdes-e-calções negros. Foi depois dos anos 70 que o Coxa passou a ser conhecido como alviverde”, relembra o historiador Heriberto Ivan Machado.

Comunidade latina

Com a oficialização de Martín Liguera no Atlético, o Furacão passa a ter quatro estrangeiros no elenco (Nieto, Guerrón e Morro García completam a lista). Se o elenco pode ter quantos estrangeiros o clube entender, vale uma ressalva: a CBF só permite que até três assinem a súmula de um mesmo jogo.

Exclusivo: veja uma das novas camisas do Coritiba

Amanhã, a Nike lança a nova linha de uniformes do Coritiba.

O modelo abaixo foi confirmado por mim com uma pessoa ligada ao Coritiba e ao projeto e será a camisa 3: monocromática, com formato polo. Confira:

Update: Muitos leitores têm dado falta do patrocínio principal, da BMG. Ele estará na camisa a ser apresentada, apesar de não constar no modelo acima. Outras fotos já circulam pela internet, como essas postadas no blog Minhas Camisas e reproduzidas abaixo. Ainda vale ressaltar que esse é o uniforme 3 e é preto e branco (monocromático) e não azul, como pode parecer. E, claro, a diretoria só vai se manifestar amanhã, mas a fonte que confirmou o modelo é de inteira confiança.

Mais fotos:

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 01/02/2012

Governo encampa potencial construtivo pela Arena 2014
O Governo do Paraná, através do FDE (Fundo de Desenvolvimento do Estado) vai bancar o financiamento de R$ 90 milhões (mais correções previstas em lei) na obra da Arena, o que corresponde aos 2/3 estatais na parceria com o Atlético pelo estádio da Copa 2014. A operação passa pelos títulos de potencial construtivo, concedidos pela prefeitura em cima da área da Arena. Os títulos podem ser negociados no mercado pelo clube e revertidos em nova modalidade de zoneamento urbano em construções.  O que o Governo está fazendo, no entanto, é receber os títulos como garantia do pagamento do financiamento estatal. “É um recebível do Atlético, como uma duplicata. O FDE é agente financeiro, vai vender os títulos para o clube”, exemplificou Luís de Carvalho, gestor da Copa na Prefeitura de Curitiba. Carvalho defende que o Estado ainda ganhará dinheiro com a operação. “A prefeitura de Curitiba vendeu 45 milhões ano passado”, disse, enquanto entrava em uma reunião no Rio de Janeiro, ao lado de representantes do Gov. Estadual e da CAP S/A, com a Fifa, para demonstrar o andamento das negociações. Além disso, hoje haverá reunião com os 16 moradores do entorno da Arena para a desapropriação das áreas, cujo decreto já foi assinado na prefeitura. Haverá ressarcimento, mas o Estado não conta com recusas: “Ainda não chegou ao momento de dizer não ou sim. Quem disser não vai ter que discutir na justiça. Já é fato. Está tudo bem encaminhado”, encerrou.

Roupa nova, mas não pra já
Na sexta-feira o torcedor do Coritiba irá conhecer a nova camisa do time para a temporada 2012. A expectativa é grande, já que a troca de material esportivo mexeu com os ânimos: sai a italiana Lotto entra a americana Nike. No entanto, o Coxa ainda não sabe se poderá estrear as camisas já no jogo de sábado, contra o Arapongas, no Couto Pereira. O clube ainda não recebeu a remessa inicial e além disso pretende organizar uma festa local para o anúncio da parceria. O lançamento de sexta será no Rio de Janeiro.

Campanha nas ruas
Hoje o marketing do Coritiba começa uma campanha institucional, aproveitando o mote “O Mais Vitorioso do Mundo”, slogan criado a partir do recorde de vitórias consecutivas registrado no Guinness Book. A campanha extrapola a marca coxa-branca e pretende valorizar as coisas do Paraná, trabalhando a mensagem “torça também para um time do seu estado” – com a sugestão de que seja pelo Coxa. A campanha será direcionada a Curitiba e Região Metropolitana, mas também será itinerante, acompanhando as viagens do Coritiba no Paranaense.

Caráter: passe adiante
O atacante equatoriano Joffre Guerrón chegou ao Atlético como a então contratação mais cara do futebol paranaense: US$ 1,8 mil em 2010. Destaque na LDU que venceu o Fluminense na Libertadores de 2008, nunca justificou o custo, mas demonstrou que não está preocupado com o clube com o qual colaborou a derrubar para a Série B, em entrevista ao Portal FutbolEcuador.com: “Estão pedindo alto e os clubes recuam. Fico mal porque houve possibilidades. O São Paulo me queria. Disse ao técnico [JR Carrasco] que quero sair, não tenho cabeça para ficar. Meus objetivos são outros, não quero ficar parado”, disse em tom de desabafo, esquecendo de fazer a conta entre o quanto custou e o quanto rendeu ao clube paranaense.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 21/12/2011

Just do it – but do it right*

O Coritiba e a Nike pediram um estudo de mercado para definir onde a empresa abrirá as duas lojas – além da que estará no Couto Pereira – com produtos do Coxa na nova parceria em material esportivo. A idéia é mapear a cidade para saber em que locais o Alviverde tem mais aceitação. O estudo foi encomendado à Paraná Pesquisas, que fez algo similar em 2008. Na época, o Coxa tinha maioria do torcida em bairros nas regiões 1 e 4 (denominadas pelo estudo), abragendo bairros como Ahú, Cabral, Juvevê, Abranches e Santa Cândida, por exemplo. (*O slogan da Nike, que diz algo como “apenas faça”; a coluna complementa dizendo: “mas faça certo”).

Há três anos…

A pesquisa em questão apresentou o Coritiba como o segundo time em preferência na Região Metropolitana de Curitiba, atrás do Atlético: 19,1% x 14,7%. Entre a dupla e o Paraná Clube, aparecia ainda o Corinthians – isso só contando RMC e capital. O Coritiba não confirmou se tornará o estudo público, com novos números.

Orçamento verde

R$ 72 milhões: o orçamento coxa-branca para 2012. O valor é previsto para a próxima temporada e pela primeira vez em muitos anos, entre verbas de TV, sócios e patrocínios, entre outros, o Coxa prevê superávit ao final da temporada. “Temos o 14º orçamento do Brasil”, diz Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do clube. O 13º?  “É de um clube da cidade, me parece”, contou, sem falar o nome do rival Atlético. Os 12 acima da dupla são os grandes do eixo RJ-SP-MG-RS; o Atlético não revelou previsão para a temporada, em meio a turbulência política.

Tiro certeiro

“Temos uma bala só. Não podemos errar”, disse Mário Celso Petraglia, pelo Twitter, sobre a contratação de um gestor de futebol para o clube. O nome da vez deixou o Vasco na noite da eleição de Petraglia e pode ser a grande tacada do já histórico dirigente em sua volta ao poder: é Rodrigo Caetano, 42 anos, que tirou o clube carioca da Série B há duas temporadas e ganhou a Copa do Brasil deste ano. Caetano pediu demissão e anunciou estar em férias até janeiro. Tem proposta do Fluminense, além do Furacão.

Efeito cascata?

A saída de Caetano pode refletir no Coxa: o Vasco já procurou o gestor alviverde, Felipe Ximenes, que está de férias. Além de Ximenes, os cariocas cogitam um ex-coxa-branca, que fez história no São Paulo FC: Marco Aurélio Cunha, hoje vereador em SP.

Carreto da linguiça

Giancarlo (em definitivo), Wellington e Serginho trocaram o Paraná pelo Bragantino para a disputa do Paulistão, uma vez que o Tricolor ainda briga para ter calendário de janeiro a maio (fora a Copa do Brasil) e a Série Prata local é menos atrativa que a elite paulista. Além da chance de enfrentar Corinthians e São Paulo (e não Cincão ou AGEX), o trio provará a iguaria de Bragança Paulista: sanduíches de lingüiça.

Rápidas e precisas

Nike e Coritiba

O Coxa não confirmará antes de 01/01/2012 a parceria com a Nike, nova fornecedora de material esportivo do clube; mas já está tudo acertado. Nessa semana, dois diretores do Coritiba estiveram em São Paulo aprovando o modelo da camisa. Pela descrição que ouvi, “está bela e simples”. Sigo tentando imagens da mesma.

Há uma multa pesada com a Lotto caso o Coritiba se manifeste oficialmente sobre o assunto. Então tudo que se ouvirá oficialmente até o prazo previsto é: “estamos em negociação”. Mas tenho de fonte segura que quem vestirá o Coritiba em 2012 é a Nike.

Em tempo: a Umbro, patrocinadora do Atlético, também é do grupo Nike. Mas, por ora, não há movimento no sentido de deixar a dupla com a mesma marca na camisa.

Morro García

Com doping positivo para cocaína, o atacante mais caro da história do futebol paranaense está suspenso por dois anos de qualquer competição uruguaia. No Brasil, ele pode atuar normalmente – a não ser que a Fifa resolva intervir. Fato é que o Atlético está livre de qualquer responsabilidade sobre o caso – por ora. Afinal, ele pode estar em algum teste feito no país também. O clube ainda não foi informado de nada.

Mesmo assim, o Atlético estuda algumas hipóteses sobre como proceder. Entre elas está até uma possível devolução do jogador ao Nacional. Isso depende da possibilidade jurídica e, claro, seria uma dura negociação. A mecânica explicada na época da contratação de García pelo então diretor Alfredo Ibiapina reza que o contrato ainda é do Nacional e que o Atlético paga prestações por El Morro.

O artifício impede que ele faça algo como o que fez Ariel; se fosse vendido por bom desempenho no Brasileirão, o Atlético teria prioridade no recebimento. Nesse caso, ainda não se sabe como o clube agirá.

Premiação

O Atlético acertou uma premiação por vitórias seguidas ao grupo de jogadores na reta final do Brasileirão. Três resultados positivos em sequência podem render até 150 mil reais ao grupo de jogadores, a ser partilhado.

Bafômetro

Trinta e seis latinhas de cerveja são coisa para qualquer fígado, imagine então o do pequenino Madson. O Atlético nega, mas no CT do Caju corre a informação de que o botequeiro solidário a Madson era o lateral-direito Edilson, que não atuou contra o Vasco por estar “com dores no joelho”.

Bill

O Coritiba não ficará com Bill para 2012. A informação nem causa tanto impacto assim, já que o Coxa já garantiu o retorno de Marcel ao time. Mas o artilheiro do time no Brasileiro será devolvido ao Corinthians, segundo um conselheiro, “porque aproveita mais o potencial que tem na noite em Curitiba”.

Copa das Confederações e Fan Fest

Ganha corpo a participação de Curitiba na Copa das Confederações 2013; Porto Alegre está fora da competição, bem como o Rio de Janeiro. A Fifa oficializará as cidades-sede e as datas até o final do ano. As sedes precisam ser necessariamente as mesmas da Copa 2014, pois se trata de uma competição teste. Belém, confirmada na Copa América 2015 há poucos dias, está fora, por exemplo.

Já no dia 31 deste mês a Fifa virá a Curitiba inspecionar e aprovar os três locais das Fan Fests que se realizam durante o Mundial. Jardim Botânico, Parque Barigui e Pedreira Paulo Leminski são os locais escolhidos.

Plano de sócios

Na próxima semana, o Coxa lançará um novo plano de sócios, contemplando uma modalidade a R$ 9,90 para quem não pode ir ao estádio, mas quer ajudar o clube. A diretoria deve confirmar detalhes até segunda-feira.