Exclusivo: “Vai ser positivo, vamos nos unir”, diz chefe da delegação sobre Neymar

Vilson Andrade: "Temos força para ganhar sem Neymar"

E agora Brasil, sem Neymar? Vilson Ribeiro de Andrade chefe da delegação brasileira na Copa 2014 garante que o pior já passou. O susto e a consternação pela saída do craque da Copa podem virar energia. O presidente do Coritiba atendeu gentilmente a reportagem do Terra na noite deste sábado, logo após a definição das semifinais do Mundial. Confira o papo.

Como ficou o espírito da Seleção com saída de Neymar?

Olha, ontem a gente fez uma viagem complicada, por que saímos de Fortaleza e não tínhamos informações do que tinha acontecido. Fomos obtendo contatos indiretos. Preparamos o avião, ele veio conosco, foi uma preocupação grande. Depois de 3h de voo, chegamos aqui [Teresópolis, RJ] era perto da 1h da manha, e o ambiente foi melhorando. Ele já estava melhor, dormiu bem. Amanheceu, almoçou com os colegas, conversou com todos. Melhorou muito. O pessoal se comprometeu muito em brigar por ele. Acho que vai ser muito bom, positivo, vamos nos unir mais.

Cá entre nós, o Felipão está obviamente chateado com a perda, mas ele chega a gostar desse tipo de dificuldade, não?

Ele consegue trabalhar muito bem com isso. Trabalha muito o campo, o lado psicológico. Ele conhece o grupo e tem o grupo na mão. É um passo fundamental para o sucesso. É difícil você ver isso. O Brasil na realidade tem um grupo. O Neymar é fabuloso, fantástico… mas na dificuldade… eu vi uma frase assim “talento ganha jogo, grupo ganha campeonato”. A ausência vai ser sentida, mas quem ganha campeonato é grupo. Esse é o sentimento aqui. Todos estão sentidos, mas estão aqui porque são os melhores do país. A vida não para, e nós temos condições de ser campeões, estamos no nível de todos. A diferença é muito pequena entre os times.

E os alemães, será que gostaram da notícia, a parte o lado pessoal de ser uma lesão?

Isso é relativo. Tivemos [Coritiba] uma final contra o Palmeiras na Copa do Brasil,  que no dia o principal jogador deles, o Barcos, teve apendicite e foi operado de emergencia. Entrou o quarto centroavante deles [Betinho], que não jogava nem aqui com a gente e acabou fazendo o gol do titulo, foi decisivo. Ninguém pensava, ninguém esperava, é relativo. As vezes quem entra tem sucesso, as vezes não tem. Os alemães vão jogar no modelo deles: técnica, tática e disciplina.

E hoje, quando tudo acalmava, teve o problema com o Marcelo, que perdeu o avô…

É… mas o avô já estava doente, num processo de câncer… já tava internado, ultimamente hospitalizado, desenganado. A morte foi sentida, mas ele já estava esperando. Ele resolveu ficar, não ir pro velório. Disse que é a ultima semana e quer a cabeça aqui.

Outro episódio que deu o que falar foi a reunião do Felipão com alguns “papas” da imprensa. Como foi isso aí dentro?

Na realidade as coisas acontecem sempre… bem, tem definições pessoais que você tem que ter na vida. E você tem pessoas com quem tem liberdade, consideração, amigos mais chegados. E no fundo foi isso. Ele conversou com os amigos, com quem tem relacionamento bom, nada dirigido, muito mais nessa linha de relacionamento. E interpretaram mal, porque não participaram. Mas ele resolveu fazer um bate-papo pra trocar ideias, dentro de um processo natural. Como um café com amigos, pra conversar. Nenhum objetivo específico. As vezes você quer falar com A ou B, não com todo mundo. E o Felipão tem um lado afetivo muito grande, é muito leal, tem sentimento. É muito humano, sensível até, diferente do que parece.

Ele conversou mesmo que gostaria de ter um substituto, uma troca no grupo de jogadores?

Não. A visão é diferente. Ele quis dizer que queria ter oportunidade de ter uma substituição, porque durante a competição muda o conceito de tática, de modelo de jogo. E as vezes você tem que readaptar com outro jogador. Não que esteja insatisfeito com alguém, mas algo para mudar agora. Olha, o Van Gaal acabou dizendo que ele tinha razão, Você sente a necessidade de um jogador diferente pra um modelo tático diferente, talvez não previsto, porque a competição muda. Ele falou conceitualmente, não sobre uma pessoa. A mesma coisa agora, porque que não se pode substituir um jogador lesionado, como Neymar e Di Maria? A Fifa não permite. Mas é conceitual.

Sobre a postura do Thiago Silva nos pênaltis contra o Chile: eu entendo a emoção depois do jogo, mas antes ficou uma coisa meio “capitão-do-navio-italiano”…

Você tem que respeitar o momento das pessoas. Tem quem não gosta de olhar. É uma decisão pessoal. Tem quem baixa a cabeça, quem vira… é uma reação humana. Não tem protocolo pra obedecer naquela hora. A vida não pode ser assim, “você é capitão, você tem que estar lá e levar o primeiro tiro”. Naquele momento ele reagiu assim. A gente respeita.

Mas o Paulinho assumiu outra postura.

Mas veja, essa são atitudes que as pessoas assumem no momento. A liderança vem no momento inesperado, em que de repente alguém tem uma reação inadequada e o Paulinho assumiu, O Victor, por exemplo, passou o crucifixo para o Julio e disse, “com esse aqui eu peguei aqueles pênaltis no Atlético Mineiro”. Todos se ajudam.

Aquilo acabou passando um recibo de que a pressão estava muito alta. Ainda está?

O problema não é esse. Era sair antes da semifinal, porque seria uma vergonha, a gente tem essa preocupação toda. Não que tenha diminuído agora, mas é uma situação diferente. Agora são as quatro melhores do Mundo. Na realidade é isso, se saísse… bem, havia uma expectativa muito grande. O pessoal bateu no Parreira pq ele falou que é favorito. Ele não podia dizer que não era! Como não é, se é cinco vezes campeão e joga em casa!? Tem que falar. Mas havia uma pressão pra não passar vergonha. Agora já entra num nível de competição que em 2 partidas pode ser campeão do Mundo.

E quem vai ser o novo Amarildo?

Olha… não sei. Amanhã vou saber. Amanhã ele vai fazer treinamento. Tem possibilidades, tem o William, talvez outro modelo… o normal é entrar o Willian, ele tá bem, a pancada não foi nada. Volta o Luis Gustavo né, pela direita tem o Fernandinho, o Oscar, talvez Willian, Hulk e Fred, talvez seja isso. Mas vamos ver.

Está gostando da Copa?

Está surpreendentemente acima de todas as expectativas. Principalmente pela imprensa internacional, que colocou muitas dificuldades e agora é uma das melhores dos últimos 30 anos. Em campo, tudo muito igual, olha a Holanda com Costa Rica, pênaltis. Brasil teve jogo difícil, Argentina fez 1 a 0 e ficou segurando. A própria Alemanha, ganhou de 1 a 0 só, muito equilibrado. Estádios cheios, os aeroportos estão sem problemas, o jeitinho brasileiro resolveu. De uma forma geral, a Copa é um sucesso e é bom para o Brasil.

Qual seria a final do sonhos?

Brasil x Argentina, e ganhar deles. É que nem Atletiba, mas eu não quero ser vice não. Seria legal. Pra mim seria uma honra ser campeão. Fechar com chave de ouro minha passagem no futebol, só 4 anos e meio desde que peguei o Coritiba quebrado. Meu sonho era dar um título maior ao Coritiba, mas dei a minha contribuição. Mas se der seria muito bom pro povo. Impressionante ver as crianças e jovens, e os jogadores são meninos. A gente ve o carinho a seleção foi adotada por cada brasileiro.

O Brasil é maior que Neymar

Procure Neymar na foto acima. Há vida sem ele

Rei morto, rei posto.

Ainda choramos (nós, os que gostamos do bom futebol) a perda de Neymar. Assim como Falcão Garcia, Ribery ou Ibrahímovic, tornou-se um craque fora da Copa. Pior, com ela em andamento. Mas Neymar já é passado. Está fora.

O Brasil, não. O Brasil está dentro das semifinais e vai fazer aquele que só não é o maior clássico das Copas porque o destino quis que só se encontrassem uma vez antes da próxima terça. A Alemanha é a seleção que mais chegou à finais, ao lado do Brasil. É a que mais jogou partidas, enquanto que o Brasil é o que mais disputou copas. E já venceu cinco, contra três dos rivais. Das cinco, Neymar não estava presente em nenhuma. A última foi contra a Alemanha, no único encontro entre ambos.

Sim, há – ou havia – a “Neymardependência”. E quem não depende de seu craque? Sem Messi a Argentina teria tropeçado no Irã, talvez não tivesse passado pela Suiça. Sem Robben a Holanda não teria passado pelo México. É assim em todo lugar, o craque é decisivo. Mas o futebol é feito de equipe, onze contra onze.

O Brasil tem bons jogadores. Tem a melhor defesa do Mundo, mesmo sem Thiago Silva, amarelado infantilmente. Terá possivelmente Dante (não invente, Felipão), que treina diariamente com Schweinsteiger, Muller, Gotze e outros mais no Bayern de Munique. Terá Luiz Gustavo, que levou o Wolfsburg à Liga Europa após ser preterido por Guardiola no mesmo Bayern. Terá Fernandinho, campeão inglês pelo City, Paulinho, campeão da Libertadores no Corinthians, Oscar e Hulk, destaques de Chelsea e Zenit nas últimas edições da Champions League. Está longe de ter um time fraco.

Felipão, obviamente, não está feliz com a grave lesão de Neymar. Mas em seu íntimo sabe que conseguiu o trunfo que precisava. É um técnico que precisava de um vilão desde o começo da Copa, como fez com a Espanha no ano passado. Tentou a arbitragem, não deu; tentou a imprensa, não deu. Ao perder o ídolo, poderá usar isso como trunfo. Ao contrário do que pensamos (pensamos?) os outros 22 jogadores não são ratos. Contra a Colômbia, Neymar esteve sumido e o time deu a resposta após o momento de fragilidade emocional. São homens de brio e sabem se virar sem Neymar. E vão mostrar isso.

O Brasil joga em casa. Os simpáticos alemães, que nos desculpem, passarão a condição de inimigos desde já. A ausência de Neymar colocou o Brasil contra a parede. E o povo irá reagir. Se falta uma canção, sobrarão vaias em Belo Horizonte a cada passe alemão. A cada condução de bola de Khedira, vaias. A cada passe de Ozil, vaias. Uma emoção que os europeus não estão acostumados. O clima de Libertadores, que Felipão conhece bem, é hostil demais para a civilizada Champions League. Jogar em casa é isso. Os brasileiros falam a lingua do povo, comem arroz com feijão, têm a família ao lado, gostam do clima, do ar, da bandeira e do hino. Os alemães são simpáticos convidados, agora serão convidados a se retirar.

O Brasil é maior que Neymar, não tenha dúvidas. O menino ainda terá carreira longa, poderá ser campeão sendo o protagonista futuramente. Mas essa Seleção que ai está tem outros trunfos para vencer a Alemanha e quem vier pela frente. É verdade que sem o craque este pode ser um time comum.

Mas, afinal, qual time é comum sendo Brasil?

Leia também:

O choro não é livre

História elimina a Alemanha e põe Brasil e Argentina em rota de colisão

Pobre Cristiano Ronaldo

“Publicidade de ocasião” faz o inusitado da Copa

‘Elite branca’ detona a Copa nos EUA

Eliminação da Espanha é a 5a de um campeão, a 2a no Brasil

Com mais técnicos, Alemanha ditará ritmo da Copa 2014

Maradona, “más grande” que Pelé

Jovem, Inglaterra pensa em 2022

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai

 

O choro não é livre

Julio Cesar chora antes dos pênaltis: alta pressão (Imagem: reprodução)

As imagens de Julio Cesar chorando antes da decisão por pênaltis contra o Chile, nas oitavas de final, e as de Neymar deitado no campo, saindo amparado por Felipão após a vitória, deixaram muito claro o tamanho da pressão que esse grupo de jogadores está carregando, se é que alguém ainda não havia percebido. E, infelizmente para os brasileiros, ficou a impressão de que esse grupo não conseguirá suportá-la até o final.

O choro, caro leitor, não é livre para esses 23 homens e a comissão técnica. O esporte de alto rendimento em geral pode ser resumido pela excelência da execução dos movimentos treinados. O ser humano não é uma máquina. Os atletas da Seleção têm, ao menos em média, um alto grau de capacidade técnica. Tem-se discutido muito o aspecto tático do time de Scolari, mas ontem o Mundo viu que a Seleção Brasileira carece mesmo é de reforço emocional.

Julio Cesar foi fantástico nos pênaltis. Pegou dois e – pode olhar no ângulo de trás do gol da última cobrança – induziu Jara a forçar o chute, o que resultou no tiro na trave. Mas, convenhamos, era apenas a partida de oitavas de final. O Chile foi um grande adversário, mas está longe de ser o mais perigoso ou qualificado no caminho do título. E o emocional da Seleção deu sinais de fraqueza na decisão. 

Dirão, “Mas o Brasil venceu, você mesmo disse que Julio foi fantástico!” É um fato. Como é fato de que o Brasil sentiu demais a lesão de Neymar, sumido no segundo tempo, e que terminou o jogo com a coxa inchada. Fosse qualquer outro jogador e Felipão teria substituido. Mas não Neymar. Se o técnico da Seleção tirasse o craque da partida, o Mineirão iria murchar, com a sensação da derrota iminente. Felipão acertou ao mantê-lo, mesmo jogando com um a menos, numa decisão parecida com a de Zagallo na final de 1998. Mas errou ao não tirar Oscar, ao não assumir o risco 100%. Deixou a substituição na manga para sacar Neymar apenas se este estivesse a beira da morte. Não confessará publicamente, claro, mas a própria coletiva prometendo mais agressividade deu a deixa: Felipão se sentiu acuado.

Essa é uma Seleção que chora demais. Chora porque é jovem e já tem uma responsabilidade do tamanho do Planeta nos ombros. Chora porque o Brasil já perdeu uma Copa em casa e todos sabem o que foi da vida de Barbosa e os demais após 1950. Chora porque sente que talvez não esteja a altura do desafio. Chora porque até mesmo o torcedor está acuado, falta vibração, e isso chega ao gramado. Mas, repito, o choro não é livre.

A CBF já deve ter percebido isso. Ainda há tempo para reverter esse quadro. O Brasil não é a Alemanha, que em 2006 aplaudiu uma derrota na semifinal em casa pois reconheceu ali o esforço. É cultural do brasileiro dizer que o vice ou uma boa campanha não valem nada. Mas é preciso pensar no que vem por aí e ajudar a diminuir a pressão. Se perder, perdeu. Neymar seguirá sendo o nome para os próximos anos. A geração ofensiva não é boa, mas a defensiva é. Julio Cesar não poderá ser condenado, como adora-se fazer por aqui, por conta do desempenho esportivo. É curioso imaginar que o brasileiro vê em Rubens Barrichello um fracassado, mas exalta Schumacher como um gênio, descartando o fato de que Rubinho era o segundo melhor do Mundo no período, como se isso nada valesse. É importante mudar essa cultura, como legado para o país.

Internamente, muita conversa e cabeça no lugar. Chorar tudo que precisar no ambiente interno. Suportar a pressão. Mirar o título. Não mostrar fraqueza e puxar a corrente de dentro pra fora. É possível e esse grupo tem potencial.

Não pode é deixar tudo ruir por medo do erro, do fracasso. Quem viu Brasil x Chile sabe que um time mais tarimbado, uma Alemanha, Holanda ou Argentina, teria enquadrado a Seleção sem dó. O susto só valeu se houver resposta imediata na atitude dos 23 homens do Hexa.

Leia também:

História elimina a Alemanha e põe Brasil e Argentina em rota de colisão

Pobre Cristiano Ronaldo

“Publicidade de ocasião” faz o inusitado da Copa

‘Elite branca’ detona a Copa nos EUA

Eliminação da Espanha é a 5a de um campeão, a 2a no Brasil

Com mais técnicos, Alemanha ditará ritmo da Copa 2014

Maradona, “más grande” que Pelé

Jovem, Inglaterra pensa em 2022

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai

O monstro de René

Ele ainda era pequeno, meninão. Piá, como dizem de onde eu vim. Mas dele já vinham todas as receitas do Santos, todas as esperanças da torcida. Não só do Santos, mas também da Seleção Brasileira. Queriam que Dunga o levasse em 2010. Queriam um pedaço dele. Todos, homens e mulheres. Queriam tudo de Neymar e, para isso, davam muito a ele: badalação, carinho – ora confundido com bajulação e dinheiro. Ele tinha apenas 17 anos, mas muitos já dependiam dele. E René Simões tinha razão.

“Estamos criando um monstro”, disse René, reprovando uma série de atitudes de Neymar, em especial após uma atuação do Peixe contra o Atlético-GO, quando o atacante respondeu grosseiramente o então técnico Dorival Júnior, que viria a ser demitido depois. Neymar era mais valioso para o Santos que o técnico. René tinha razão. E graças a esse alerta há três anos, o futebol ganhará um grande ídolo mundial.

Leia também:

Abrindo o Jogo da Série A: Guia do Brasileirão

Guia do acesso: Abrindo o Jogo da Série B

Alex para presidente

Neymar seguiu firme no Peixe, sem Dorival, mas teve as rédeas puxadas pelo pai e pela diretoria santista, mesmo tendo demitido o técnico. Nunca antes um jogador de futebol representou tanto para um clube – talvez só Pelé – como Neymar para o Santos de hoje, graças à habilidade na gestão da carreira do menino. O pai, também Neymar, realmente fez papel de pai o tempo todo. Mesmo os poucos deslizes dali em diante, como a chegada não programada de um netinho, foram muito bem contornados. Neymar afastou-se rápido da imagem arrogante que estava criando e passou a ser referência também fora de campo: educado, com bom media-training, ícone de uma geração.

O Santos, por sua vez, deixou claro como proceder. Tinha uma jóia e precisava dela, sabendo explorar o potencial do menino. Arrebanhou novos torcedores – aposte em um forte crescimento da torcida do Peixe nas próximas pesquisas e não se arrependerá –  valorizou sua marca, faturou em patrocínio e, claro, ganhou títulos. Há quem dirá que até mesmo Lucas fez o São Paulo FC faturar mais; engano. O Santos recebeu de várias fontes muitos outros valores enquanto teve Neymar. Recebeu benefícios que não se medem tão facilmente, como a manutenção de um ídolo. E ganhou muito em campo.

Que torcedor não gostaria que seu time segurasse o craque para ganhar uma Copa do Brasil? Um tricampeonato estadual? Uma Libertadores da América? Neymar deixará o dinheiro e alguns troféus. E sai deixando uma imagem muito positiva. 

Ele não virou o “monstro” que poderia – e muitos distorceram o aviso de René. Mas deixará o Brasil para virar Monstro em outra conotação. Será preparado para ser o próximo melhor do Mundo pelo melhor clube para isso. O Barcelona, “mais que um clube”, não jogará Neymar aos leões, esperando resultados tão já. Fará com ele e Messi o que fez com Messi e Ronaldinho: uma transição gradual, passando o trono e mantendo o padrão de excelência em futebol que faz com que o Barcelona seja o Barcelona.

Neymar hoje contraria a máxima de que toda unanimidade é burra, porque se mostra pronto para tal. René Simões tem sua parcelinha positiva de contribuição no sucesso presente e futuro deste monstro da bola e da mídia.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Abrindo o Jogo da Série A – Guia 2013

Leia também o Guia da Série B 2013 clicando aqui.

É sábado, 26 de maio. Lá por setembro, você mal lembrará que foi campeão ou que perdeu o estadual, estará completamente mergulhado na Série A do Brasileiro. Depois de cinco meses de espera, vai começar o principal campeonato do Brasil. E nesse ano com uma paradinha para a Copa das Confederações. É o último Brasileirão pré-Copa, o 11º da era dos pontos corridos. Cada vez mais os clubes já sabem o que podem e o que não podem. E algumas realidades ainda vão mudar depois da Copa.

Num exercício de futurologia, o blog dá a cara a tapa e se propõe a prever o que cada time pode fazer no Brasileirão. Não é chute – bem, talvez um pouquinho – mas sim uma leitura com base em tudo o que foi apresentado até aqui. Dividi os clubes em quatro categorias: candidatos ao título, Libertadores, Sulamericana* (também chamada de zona neutra) e rebaixamento. Vamos lá?

*Os critérios da classificação para a Sulamericana mudaram, mas, por convenção, deixei a “área” com esse nome. Se preferir, chame de “limbo”.

Título: Corinthians, Fluminense, Atlético Mineiro e Botafogo.

Corinthians:

O Corinthians é ainda o melhor time do Brasil. É o mais entrosado, com o melhor elenco (mesmo que perca Paulinho), o que pode fazer contratações de peso a qualquer momento, incluindo desfalcar adversários. Campeão Paulista, o Timão entrará no Brasileiro sendo o alvo, mesmo depois de ter caído na Libertadores. E certamente irá querer provar isso.

Destaque: Tite, o comandante
Ponto forte: Elenco e entrosamento
Ponto fraco: ataque e guerra de vaidades – até aqui, bem controlada
No Brasileirão: Cinco títulos (último em 2011)
Em 2012: 6º colocado

Veja o goleiro Cássio falando dos favoritos para o Brasileirão:

 [terratv id=”471281″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Fluminense:

Tudo que vale para o Corinthians vale para o Flu, mas em um pequenino nível abaixo. É o atual campeão brasileiro, segue na Libertadores (ao menos enquanto escrevo esse texto, antes dos jogos contra o Olímpia-PAR) e tem entrosamento, comandado ainda por Abel Braga. Lhe falta elenco e estrutura, em relação ao Timão. Corinthians e Flu, aliás, era a disputa mais esperada do BR-12, mas por outras prioridades, não ocorreu. Esse ano vai?

Destaque: Fred, o artilheiro
Ponto forte: Elenco e entrosamento
Ponto fraco: defesa e concentração
No Brasileirão: Três títulos (último em 2012)
Em 2012: 1º colocado

Atlético Mineiro:

Bernard deve ir ao Borussia Dortmund e isso certamente será um desfalque pesado. Mas o bicampeão mineiro entra no Brasileirão com uma alta expectativa e seu mais novo aliado: o Estádio Independência, pertencente ao América-MG, que, reformado, tem sido um caldeirão para o Galo. Ronaldinho alegre e motivado conta com a melhor dupla de volantes do Brasil, um bom ataque e um bom goleiro para brilhar.

Destaque: Ronaldinho, o gênio
Ponto forte: velocidade e mando de campo
Ponto fraco: concentração e atitude longe de MG
No Brasileirão: Um título (último em 1971)
Em 2012: 2º colocado

Botafogo:

Para muitos, será surpresa o campeão carioca entre os postulantes ao título; para quem viu os jogos do Fogão de Seedorf, nem tanto. O Botafogo é um time bem armado por Osvaldo de Oliveira, que marca muito e sai em velocidade. Tem uma grande liderança em campo, você sabe quem. Resta saber se terá fôlego financeiro e deixará a pecha de amarelão, carregada em épocas anteriores, ao longo de 38 rodadas.

Destaque: Seedorf, o maestro
Ponto forte: velocidade e marcação
Ponto fraco: mando de campo e elenco
No Brasileirão: Um título (último em 1995)
Em 2012: 7º colocado

Ouça Seedorf falando sobre o desempenho do Botafogo no ano até aqui:

 [terratv id=”468956″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Libertadores: Grêmio, São Paulo e Internacional.

Grêmio:

Seja com Renato Gaúcho – especulado no Sul – seja com a manutenção de Vanderlei Luxemburgo, o Grêmio chegará forte para esse Brasileirão. O elenco, montado para a Libertadores, terá que dar a resposta no Nacional. Se Luxa ficar, terá que vencer a resistência de boa parte da torcida e da imprensa, que é extremamente crítica com o treinador.

Destaque: Zé Roberto, o incansável
Ponto forte: potencial de ataque
Ponto fraco: defesa e falta de identidade com a Arena Grêmio
No Brasileirão: Dois títulos (último em 1996)
Em 2012: 3º colocado

Ouça Barcos em apoio a Luxemburgo para seguir no Campeonato Brasileiro:

 [terratv id=”471060″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

São Paulo:

O Tricolor Paulista tem muito em comum com o Gaúcho: um elenco bom, mas que não deu resposta, mesmo sendo forte e um técnico questionado no banco. Ney Franco terá a missão de achar um jeito de colocar Jadson e Ganso juntos, além de domar o gênio de Luís Fabiano. Se conseguir, o São Paulo pode chegar à Libertadores. Senão, é daqui pra baixo.

Destaque: Jadson, o assistente
Ponto forte: meio de campo e estrutura
Ponto fraco: disciplina e estima
No Brasileirão: Seis títulos (último em 2008)
Em 2012: 4º colocado

Ouça Ney Franco falando em reciclar o São Paulo para o Brasileirão:

 [terratv id=”469461″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Internacional:

O Inter fecha o time dos que podem até sonhar com o título e chegar a Libertadores sem grandes surpresas. Deve perder Leandro Damião, mas manterá D’Alessandro, Forlan e o técnico Dunga, que com o tricampeonato gaúcho, levantou a primeira taça em clubes. Além de tudo isso, pode trazer Robinho e Júlio Baptista. Só que terá que jogar em Caxias do Sul, longe do Beira-Rio, em reforma para a Copa.

Destaque: D’Alessandro, o hermano
Ponto forte: ataque e marcação
Ponto fraco: defesa e instabilidade
No Brasileirão: Três títulos (último em 1979)
Em 2012: 10º colocado

Sulamericana*: Cruzeiro, Coritiba, Flamengo, Atlético Paranaense, Criciúma, Vitória, Goiás e Ponte Preta.

Cruzeiro:

A Raposa abre a lista dos que devem ficar no meio da tabela, mas tem boas possibilidades de chegar mais acima. Montou uma equipe rápida, como jovens valores (como Éverton Ribeiro) e jogadores experientes (Borges, Diego Souza, Dagoberto). A jóia da coroa foi tirar Dedé do Vasco, um ano antes da Copa, quando o zagueiro tem que jogar tudo e mais um pouco para ser lembrado. Conta com Marcelo Oliveira no banco, um bom técnico, mas tímido na postura em campo. Pela primeira vez em muitos anos, inverte papéis com o Galo, ficando à sombra do rival.

Destaque: Dedé, o xerifão
Ponto forte: velocidade
Ponto fraco: falta ousadia e pode ter problemas de disciplina
No Brasileirão: Um título (último em 2003)
Em 2012: 9º colocado

Coritiba:

O Coxa vem cercando um título nacional há algum tempo, mas nas duas chances recentes que teve, bateu na trave – na Copa do Brasil. Por isso, para o Brasileirão, apostou na volta do ídolo Alex, na manutenção de Deivid, Rafinha e o ótimo goleiro Vanderlei e na chegada de Botinelli, que se machucou e não atuou na conquista do tetra estadual, em que o time foi muito irregular. O Coxa tem uma arma no mando de campo, mas também pode pagar pela juventude do técnico Marquinhos Santos (34 anos).

Destaque: Alex, o ídolo
Ponto forte: mando de campo e meio de campo
Ponto fraco: laterais e volantes
No Brasileirão: Um título (último em 1985)
Em 2012: 13º colocado

Flamengo:

O Flamengo foi um fiasco no Carioca, mas apostou no técnico Jorginho para remontar o time para o Brasileirão. O ex-auxiliar de Dunga recebeu jogadores que tem bom nível, mas sempre ficaram no “quase”: Carlos Eduardo, Elias, Renato Abreu, Léo Moura, Marcelo Moreno. Com o clube mais preocupado em arrumar a casa, com a nova diretoria, o Fla não corre riscos, mas será surpresa se chegar mais além.

Destaque: Rafinha, o prata da casa
Ponto forte: experiência
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: Seis títulos* (último em 2009)
Em 2012: 2º colocado
*contando a Copa União de 1987

Veja a análise de Léo Moura sobre a ausência do Flamengo nas finais do Carioca:

 [terratv id=”469183″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Atlético Paranaense:

O Atlético pode ser a grande surpresa deste Brasileirão, tudo por conta de uma estratégia inédita: uma (exagerada) pré-temporada de praticamente 5 meses. O Furacão ignorou solenemente o Estadual, jogando com um elenco só de garotos com menos de 23 anos (ainda assim, foi finalista) enquanto disputou um torneio na Europa e amistosos. Manteve a base do acesso na Série B-12, revelou jogadores interessantes e trouxe até um ex-Barcelona: Frán Mérida, que também passou pelo Arsenal. Mas ainda é Paulo Baier quem manda no time, que não tem o caldeirão da Baixada, em reforma para a Copa.

Destaque: João Paulo, o motorzinho
Ponto forte: velocidade e entrosamento
Ponto fraco: elenco mediano e falta de mando de campo
No Brasileirão: Um título (último em 2001)
Em 2012: 3º colocado na Série B

Ouça o diretor de futebol do Atlético, João Alfredo, falando sobre o Brasileirão:

 [terratv id=”471005″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Criciúma:

O campeão catarinense não fará feio na sua volta à Série A. O Tigre conta com a base que subiu em 2012, mas perdeu o atacante Zé Carlos, o Zé do Gol. Conta com jogadores conhecidos no elenco: os atacantes Marcel e Tartá, o zagueiro Thiago Heleno e o meia Daniel Carvalho. No banco o técnico Vadão, que deve armar os ferrolhos de sempre.

Destaque: Tartá, o ousado
Ponto forte: estrutura e mando de campo
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: 14º em 2003
Em 2012: 2º colocado na Série B

Vitória:

O Leão entra animado no Brasileirão, muito por conta das duas goleadas históricas no rival Bahia que renderam a conquista do Estadual. Mas é pouco: o rubro-negro precisa se reforçar para dar ao bom técnico Caio Jr. condições de sonhar mais. O ambiente político também não deve ajudar o Vitória, que nos bastidores vê a guerra entre o atual presidente, Alexi Portela Jr., e Paulo Carneiro, que quer voltar ao clube.

Destaque: Dinei, o matador
Ponto forte: marcação
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: vice-campeão em 1993
Em 2012: 4º colocado na Série B

Goiás:

A base que ganhou o bicampeonato da Série B e a manutenção do técnico Enderson Moreira são os trunfos do Goiás para impedir um “bate-e-volta” para a Série B. O clube, um dos mais bem estruturados do Brasil, vai brigar contra a queda, mas tem potencial para safar-se com facilidade do risco e garantir-se na Sulamericana 2014. As “eternas promessas” Dudu Cearense e Renan Oliveira comandam o meio campo.

Destaque: Harley, o eterno
Ponto forte: entrosamento
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: Terceiro lugar em 2005
Em 2012: 1º colocado na Série B

Ponte Preta:

A Ponte comemora o título de melhor do interior paulista (mesmo sem sê-lo, pois o Mogi Mirim foi semifinalista) que, de certa forma, atesta o bom momento do clube. Para o Brasileirão, a aposta na Macaca é humilde: chegar à Sulamericana. A vantagem do clube é a sequencia de trabalho, desde a época de Gilson Kleina, hoje no Palmeiras.

Destaque: Alemão, o gingado
Ponto forte: entrosamento
Ponto fraco: poderio financeiro para reforçar/manter peças
No Brasileirão: Terceira em 1981
Em 2012: 14ª colocada

Rebaixamento: Santos, Vasco, Náutico, Portuguesa e Bahia.

Santos:

Se enquanto você lê este texto Neymar ainda for jogador do Peixe, ignore as chances de risco e coloque o Santos entre Cruzeiro e Coritiba. Neymar é mais que meio time, que ainda não viu Montillo decolar e conta com a má-fase pessoal de Muricy Ramalho, que passou por problemas de saúde e não conseguiu dar padrão ao Peixe 2013. Caso Neymar realmente tenha deixado o clube, se você for santista, prepare-se: o ano será longo. O elenco envelhecido e os reforços que não emplacaram são os principais rivais do time do litoral paulista. O risco realmente existe.

Destaque: Neymar, o desejado
Ponto forte: Neymar, o craque
Ponto fraco: o resto do elenco, com raras exceções (Arouca, Miralles e – talvez – Montillo)
No Brasileirão: Dois títulos (último em 2004)
Em 2012: 8º colocado

Ouça Muricy Ramalho falando sobre a possível perda de Neymar:

 [terratv id=”470685″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Vasco:

A nau de Paulo Autuori está ameaçada de afundar. O Vasco vive um momento duríssimo, após um Cariocão frustrante, com problemas financeiros e jogadores que deixaram o clube. A aposta foi feita, dentro dos padrões do clube, em um elenco modesto e na manutenção de três nomes: Bernardo, Carlos Alberto e Eder Luis. A esperança vascaína está neles e na camisa.

Destaque: Bernardo, o rebelde
Ponto forte: camisa
Ponto fraco: elenco mediano, dificuldades financeiras e possibilidades de indisciplina
No Brasileirão: Quatro títulos (último em 2000)
Em 2012: 5º colocado

Náutico:

O Timbu é mais um candidato ao rebaixamento, após um estadual ruim, em que foi obrigado a disputar desde o começo enquanto os rivais jogavam a Copa do Nordeste – culpa do próprio clube, que não se classificou para o Regional. Perdeu tempo, dinheiro e parâmetro, saindo derrotado dos clássicos com Santa Cruz e Sport. O técnico Silas vai ainda pegar um time que não contará (a princípio) com o caldeirão dos Aflitos, já que o clube passará a jogar na Arena Pernambuco.

Destaque: Rodrigo Souto, o destaque
Ponto forte: único time pernambucano na Série A
Ponto fraco: elenco fraco e adaptação ao novo estádio
No Brasileirão: Sexto em 1984
Em 2012: 12º colocado

Portuguesa:

A Lusa chega a Série A depois de conquistar a Série B… do Paulista. O time, em 2012, conseguiu a proeza de se manter na elite nacional e cair no estadual. Assim sendo, perdeu em atratividade, competitividade e, claro, dinheiro para a disputa do Brasileirão. O elenco é formado por jogadores que conseguiram o título da Série A2 e buscam um lugar ao Sol – o que pode ser um trunfo, afinal.

Destaque: Souza, o polêmico
Ponto forte: vontade
Ponto fraco: elenco desconhecido e falta de parâmetro de competição
No Brasileirão: vice-campeã em 1996
Em 2012: 16º colocado

Bahia:

A previsão para o Bahia é a mais negra possível neste início de Brasileirão. A estreia na nova casa não poderia ser pior e a Fonte Nova custou dois técnicos em menos de dois meses ao Tricolor, que vive crise política, econômica e moral, com o rompimento com a torcida. O elenco é recheado de jogadores rodados, como Titi, Souza, Fahel, Toró e outros mais. A curiosidade é contar com o americano Freddy Adu, que foi tratado como “novo Pelé” quando jovem, e chegou na troca por Kléberson com o Philadelphia Unión.

Destaque: Obina, o Eto’o
Ponto forte: sua torcida
Ponto fraco: elenco fraco, clube rachado, ambiente instável
No Brasileirão: Um título (último em 1988)
Em 2012: 15º colocado

Veja o presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho, falando sobre a crise no clube:

 [terratv id=”470993″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Os gols mais bonitos de 2011

Neymar venceu a eleição para o gol mais bonito de 2011, coisa que eu concordo. Ele superou Rooney e Messi na eleição da Fifa. Os gols você vê abaixo:

E no âmbito local?

O Jogo Aberto Paraná elegeu internamente os gols mais bonitos de 2011 e separou num Top 10 pra você conferir abaixo:

E você, concorda com as listas? Comente abaixo!

2o. Turno do Brasileiro: em que acreditar – e por que

Por que e em que acreditar nesse segundo turno do Brasileirão?

Vai começar o segundo turno do Brasileirão. É apenas simbólico. Na verdade, tudo continua como antes, apenas com a tabela com menos jogos pela frente. Mas o que é a vida senão uma sequência de interpretações simbólicas, como quando pulamos sete ondas e vestimos branco no ano novo? Poderia ser apenas mais um ciclo de 24h, mas não é. E se for para usar como impulso, porque não?

Sendo assim, farei uma análise técnica, apesar do momento ser puramente sentimental, do que esperar das equipes no segundo turno no Brasileirão 2011. A começar pela dupla da terrinha na Série A:

Atlético

1o. Turno: 17º lugar, 18 pts, 31.6%

Resumo: Viveu o pior início de Brasileiro de todos os tempos, conseguindo a primeira vitória somente na 11ª rodada, ao superar o Botafogo em casa (2-1). Foi o terceiro jogo de Renato Gaúcho no comando do Furacão; com ele, em 30 pontos, a equipe fez 17 – 56,6% de aproveitamento, o mesmo do Palmeiras, sexto colocado, o que fez o time se agarrar na esperança de repetir o feito do Grêmio/10 do mesmo Renato: da ZR para a Libertadores.

Renato: com ele, o Atlético mudou (foto: Joka Madruga)

Pior momento: A derrota para o Fluminense (1-3), na 7ª rodada, com erros do então goleiro Márcio e do zagueiro Rafael Santos. A equipe completava a sexta derrota em sete jogos e o único ponto fora conseguido em casa, no empate com o Flamengo (1-1).

Melhor momento: A vitória sobre o Santos (3-2), em confronto então direto, já que o Peixe de Neymar amargava a ZR. Era o início da reação que chegou a tirar o Furacão da ZR por uma rodada – o que pode voltar a acontecer se vencer o xará mineiro nesta quarta.

No que acreditar: Nas mudanças que já aconteceram e nas que podem vir, como a chegada de algum centroavante (pedido insistente do técnico) ou o retorno e decolagem dos gringos Morro Garcia, Nieto e/ou Guerrón. Para entender o que já mudou, vamos ver as diferenças entre o time da estréia e o provável time do início do 2º turno:

1ª rodada: Atlético-MG 3-0 Atlético

Renan Rocha; Rômulo (Wendel), Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Deivid, Cléber Santana (Adaílton), Paulo Roberto e Marcelo Oliveira; Paulo Baier (Madson) e Guerrón.
Técnico: Adilson Batista

Em negrito estão os jogadores que deixaram o time titular do Atlético de lá para cá; alguns sequer são opções do novo treinador, Renato Gaúcho. Do banco ao ponta, nada menos que seis mudanças em relação ao provável time:

20ª rodada: Atlético x Atlético-MG

Renan Rocha; Wagner Diniz, Gustavo, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kleberson, Cléber Santana, Marcinho e Madson; Edigar Junio.
Técnico: Renato Gaúcho

Do time acima, além da recuperação do futebol de Cléber Santana e da entrada de Fabrício, destaca-se o crescimento de Deivid e a chegada de Marcinho, ao lado de Renato, símbolo da recuperação atleticana.Vale dizer que a escalação acima está sem dois titulares: o zagueiro Manoel e o lateral-direito Edilson. Aposta ainda nas recuperações físicas de Paulo Baier e Paulo Roberto e nas recuperações técnicas de Madson e do trio de ataque internacional.

Com o que se preocupar: Não tem atacantes. Como futebol tem por base o número de gols marcados, é alerta vermelho nesse item. Também depende da estabilidade emocional do técnico Renato Gaúcho e da permanência do mesmo até o final do ano, já que o “projeto” passa totalmente por ele. Se acontecer o mesmo que em 2010, quando Carpegiani trocou o clube pelo São Paulo FC, pode dar problema.

Projeção: Escapa do rebaixamento, mas não aspira nada mais que a Copa Sul-Americana. Para tanto, precisa de cerca de 26 pontos em 57, 45,6% – menos que o índice atual de Renato.

Coritiba

1o. Turno: 9º lugar, 26 pts, 45.6%

Resumo: Começou o campeonato dividindo atenções com a Copa do Brasil, da qual foi finalista. Com o passar dos jogos, deu a impressão de ter sentido a perda do título da copa e de não estar 100% no Brasileiro. Faz uma campanha regular – ótima para um clube que esteve à beira da falência em 2009-10 – mas aquém do que a equipe demonstrou ter poder para fazer e abaixo da exigência da torcida, que ficou com um gosto de “quero mais” ainda em 2011.

Pior momento: Pode ser considerado o jogo contra o São Paulo FC em casa (3-4), quando chegou a estar perdendo por 0-4 e atuando com um homem a menos. Ainda assim, o Coxa não teve um momento ruim: acabou diminuindo suas pretensões em pequenos tropeços, como na estréia com o Atlético-GO (0-1) ou empates em casa com Inter (1-1) e Palmeiras (1-1).

Melhor momento: A vitória sobre o Santos (3-2) na Vila Belmiro, épica. Virou uma partida contra um adversário em recuperação, com Neymar e Borges no ataque, superando uma arbitragem confusa, que errou em demasia, em especial em um lance claro de pênalti em Leonardo. Ali, provou que as cobranças da torcida por melhores resultados tem fundamento.

No que acreditar: Na qualidade do elenco, que em 2011 já demonstrou que pode mais do que vem fazendo, em jogos como o 6-0 no Palmeiras pela Copa do Brasil e nas goleadas nos Atletibas, 4-2 e 3-0. A perda preciosa de pontos contra adversários diretos em casa e resultados ruins contra times em situação inferior na tabela desanimaram, mas sabe-se que o time tem potencial. Em relação a estréia no campeonato, pouco mudou, o que fortalece o conjunto:

1ª rodada: Coritiba 0-1 Atlético-GO

Edson Bastos; Jonas (Willian), Cleiton, Emerson e Lucas Mendes (Geraldo); Leandro Donizete, Léo Gago, Rafinha e Davi; Anderson Aquino (Éverton Costa) e Bill.
Técnico: Marcelo Oliveira.

Em negrito, os jogadores que não vêm sendo muito utilizados – Cleiton, por exemplo, foi emprestado e se machucou. Levando-se em conta os desfalques de Tcheco e Jéci por suspensão, o Coxa estréia no returno assim:

20ª rodada: Atlético-GO x Coritiba

Edson Bastos; Jonas, Pereira, Emerson e Lucas Mendes; Leandro Donizete, Léo Gago, Willian e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill.
Técnico: Marcelo Oliveira.

Na rápida comparação, o time é praticamente o mesmo da estréia e quem não estava, pode ser considerado reforço. Pereira é segurança na zaga, apesar de ter dificuldade em jogadas mano a mano; Willian ganhou o respeito da torcida e o titular, Tcheco, dá ritmo a meia-cancha mais do que Davi fez enquanto teve chances; e Marcos Aurélio é mais atacante que Anderson Aquino.

O otimismo com o Coritiba é justificável se os próprios jogadores reencontrarem o nível de atuações que vinham tendo no Estadual, na Copa do Brasil e em algumas rodadas do Brasileiro.

Coxa comemora: segredo está no elenco

 

Com o que se preocupar: Com a fase de Edson Bastos. A muralha alviverde vive período conturbado, cobrada pela torcida. Pode sentir e goleiro, como diz a música, não pode falhar. Também tem carências no ataque, ressentindo-se de um matador; Bill oscila bons e maus jogos, o que explica também a oscilação do time.

Projeção: Classifica-se ao torneio consolação, a Copa Sul-Americana. Para fazer mais, precisará somar 33 a 34 pontos em 57, 59,6% de aproveitamento – é o índice que tem hoje o Botafogo, detentor da vaga que o Coxa aspira.

E os demais?

América-MG (20º/13pts): Dificilmente escapa do rebaixamento. Será decisivo em jogos contra rebaixáveis e aspirantes ao título: quem perder pontos para o Coelho, estará em maus lençóis.

Atlético-GO (12º/25pts): Brigará para não cair no final do campeonato, mas é um dos que menos corre riscos. Ficará com vaga na Sulamericana.

Atlético-MG (19º/15pts): Vive situação dramática, mas tem elenco, torcida e camisa. Vai até o fim brigando para não cair. A sequência de derrotas com Cuca (o coxa-branca sabe) pode ser fatal.

Avaí (18º/17pts): Já demonstrou que não vai se entregar com facilidade, em jogos contra Figueirense e São Paulo. Mas é outro que briga para não cair com dificuldades.

Bahia (16º/20pts): Não está fácil ser um dos primeiros do alfabeto: também brigará para não cair. Está em decadência e perdeu Jobson por problemas extracampo. Amargou anos nas divisões inferiores e, apesar da gigantesca e apaixonada torcida, terá dificuldades quando precisar de fôlego.

Bahia: só com muita fé do povão

 

Botafogo (5º/34pts): Vai chegar a Libertadores. Tem elenco e um bom técnico, Caio Júnior. Desta vez a frase “tem coisas que só acontecem com o Botafogo” não irá emplacar.

Ceará (13º/25pts): Enganou bem, mas vai acabar brigando para não cair. Tem um time envelhecido e instável.

Corinthians (1º/37pts): É líder e vai até o final brigando pelo título com Flamengo e São Paulo. E se acostume, porque com os novos valores das cotas de TV, será assim até o fim. Meu palpite? Não fica com a taça.

Cruzeiro (7º/ 27pts): Está abaixo do que pode render. Depende demais de Montillo em dias inspirados. Mas pode engrenar e ser o principal adversário do Botafogo na briga pela Libertadores.

Cruzeiro e a Montillodependência

 

Figueirense (10º/26pts): Sabe aquela equipe que fica o campeonato inteiro no meio da tabela e quando menos percebe, está ameaçada de rebaixamento? Então, é o Figueira.

Flamengo (2º/36pts): Está em segundo, mas pela campanha no ano, o técnico que tem (Luxemburgo) e os craques Thiago Neves, Ronaldinho, mesmo dependendo de Deivid ou Jael, é o favorito para o título. Poderá ser Hexa em 2011.

Ronaldinho tem feito a diferença no Fla

 

Fluminense (11º/25pts): O atual campeão brasileiro não cai, não vai disputar título, não vai para a Libertadores… 2012 tá aí.

Grêmio (15º/21pts): Viverá um final de ano dramático. Vai até o fim brigando para não cair. Ao lado de Atlético e Atlético-MG, é daqueles que tem de onde tirar recursos quando o cinto apertar de vez.

Internacional (8º/27pts): Sonha com a Libertadores e tem elenco e estrutura para tanto. Terá que correr para pegar Cruzeiro e/ou Botafogo. É o que menos tem chances dos três.

Palmeiras (6º/32pts): Só Felipão salva. Assistir o Palmeiras jogar é um desafio a compreensão do porquê o Alviverde paulista está entre os postulantes à Libertadores. Construindo estádio, não terá fôlego para a briga. Sulamericana à vista.

Santos (14º/22pts): Fará uma campanha de recuperação no 2º turno e chegará entre 12º e 8º lugar antes de ir medir forças com o Barcelona e outros menos famosos no Mundial de Clubes.

São Paulo (3º/35pts): Acabará sendo o principal obstáculo do Flamengo ao Hexa. E pode ser Hepta, coroando de vez a era Rogério Ceni. Tem força, elenco e vai brigar até o fim.

Vasco (4º/35pts): Com a missão do ano cumprida, já achava difícil que o Vasco tivesse pernas para ir até o fim sonhando com a dupla coroa nacional; sem Ricardo Gomes, vai depender muito de como a equipe e a diretoria reagirão ao que acontecer com o treinador.

Concorda? Discorda? Opine abaixo!

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!