Ceni, São Paulo, Super-Homem e o comunismo

Mito. Ídolo. Super-Homem. Controla tudo. (DC Comics)

Acabo de ler a mini-série “Superman: Red Son”, ou “Filho Vermelho”, que trata a realidade alternativa, nos quadrinhos, de como seria o Mundo se o foguete de Kal-El, partindo de Krypton, tivesse caído na Ucrânia e não nos EUA. Descoberto por Stalin, o Super-Homem tornou-se um símbolo do comunismo. Mesmo a DC Comics sendo uma editora norte-americana, a trama passa longe de condenar o sistema comunista e mais longe ainda das patriotadas típicas de Hollywood. Escrita por Mark Millar, mostra a ascensão do sistema sob o comando do Super-Homem após a morte de seu “pai” político, Stálin, na mesma medida em que ruía o capitalismo – e por consequência, os EUA. O Mundo, exceção feita aos norte-americanos, adere ao comunismo e vive seu momento mais glorioso. Ninguém passa fome, as doenças têm cura, não há criminalidade e sequer chove sem que o líder Super-Homem verifique se todos saíram de casa com seus guarda-chuvas. Enquanto isso, nos EUA, um indignado Lex Luthor tenta combater, sem sucesso, a ascensão comunista. Até que ele descobre o calcanhar de Aquiles do Super-Homem.

Qual seria e o que isso tem a ver com Rogério Ceni e o São Paulo? Comando e controle.

Luthor faz com que o Super-Homem perceba que, por melhores que sejam suas intenções, ele passou a ser o grande controlador de toda a humanidade. Ninguém tem liberdade de ação ou pensamento. Todos devem pedir autorização, até para errar, ao comandante. E erros, claro, não são bem-vindos. O Super-Homem se torna o ditador que ele sempre combateu e via no comando capitalista norte-americano.

Rogério Ceni é o maior ídolo da história do São Paulo, não há dúvidas. Poucos fizeram tanto por um clube dentro de campo. Ceni é politizado e não foge dos debates. É liderança e negar tudo o que ele fez de bom pelo São Paulo é lutar contra a história. Mas tudo na vida tem um tempo. 

Ao atirar contra Ceni, o ex-técnico Ney Franco abriu feridas no clube do Morumbi e talvez não tenham dado às declarações dele a real importância. Dividiram-se os críticos entre os que não suportam ver a imagem de Ceni arranhada e os que detestam o goleiro são-paulino por tudo que ele representa. Conheço Ney Franco pessoalmente e não conheço Rogério Ceni no mesmo grau. Acompanhei o trabalho de Franco no Atlético, em 2008, e no Coritiba, de 2009 a 2010, na pior fase da história do clube. Ney Franco é bom sujeito e bom caráter. Pode até não ter agido bem ao falar bem depois de ter saído do clube, mas, afinal, não é o que todos esperávamos e sempre esperamos? Que se escancarem as “caixas-pretas” do futebol? Franco, como Luthor, pode até ser pintado como vilão aos são-paulinos, mas deve ser melhor entendido, não dividido entre os que amam e os que odeiam.

Colocar todo o peso da crise do São Paulo nos colos de Ceni é demais, mesmo pra ele. A crise envolve questões políticas, ambiente interno e até qualidade técnica dos jogadores. Ceni não é o único a falhar nem o único a ter proteção no clube. Mas é o símbolo, não só do time, mas do clube num todo. Quando Franco traz elementos de vestiário, dizendo da força do capitão do São Paulo, é preciso pensar que peso isso tem na hora em que ele, e não um atacante, decide cobrar um pênalti; na hora em que um afobado Aloísio coloca a mão na bola que entraria e traria ao menos um empate no derby com a Portuguesa; no momento em que se quer mexer em Luís Fabiano ou no próprio Ceni, mas não se faz, para evitar conflitos internos.

Nos quadrinhos, o Super-Homem sai de cena, derrotado pelo arqui-inimigo com o argumento já citado. Luthor aproveita tudo o que foi construído de bom pelo comunismo, reinstaura o capitalismo, muda-se o controle e o Mundo se sente mais livre. É o caminho para uma reação são-paulina em campo? Difícil dizer.

Mais difícil ainda é ver se alguém tem forças e coragem de se opor aos ícones do clube.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 28/03/2012

Rompidos

Não convide para o mesmo evento os presidentes do Atlético, Mário Celso Petraglia, e do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade. Os dirigentes, que trocaram elogios mútuos no início do ano, estão com relações rompidas com os sucessivos episódios envolvendo a necessidade de o Furacão ter um estádio para jogar. Nos bastidores, comenta-se que Vilson e Petraglia estavam próximos de um acerto para o empréstimo do Couto Pereira para o Brasileiro, mas o mandatário atleticano, em paralelo, tentou forçar a barra junto a CBF, com medo de levar um não de Vilson. O coxa-branca, por sua vez, sentiu-se traído e informou a Petraglia que “não quer mais conversa” com ele.

Torcida única em julgamento

A medida por um Atletiba com torcida única, tomada por iniciativa de Petraglia no clássico 349, é outro ponto de discórdia. Andrade concordou com a decisão com a prerrogativa de que o Atletiba 350 também fosse disputado dessa forma; o MP-PR, que poderia impedir a infração ao Estatuto do Torcedor foi complacente. Mas o TJD-PR, através do procurador Marcelo Contini, não. Uma petição de quatro laudas denuncia os clubes, que podem ser apenados em até R$ 100 mil. O julgamento será na quarta que vem pela 3ª comissão. Seja qual a decisão, ela não obrigará nada em relação ao clássico 350, em 22/04.

Tcheco e a gerência de futebol

O meia Tcheco, 36 anos, deverá deixar os gramados em julho, quando o Coritiba pretende realizar uma festa de despedida. A intenção da diretoria do Coxa é convidá-lo para auxiliar Felipe Ximenes na gerência de futebol. “Ele é identificado com o clube e tem perfil”, sinalizou o presidente alviverde Vilson Ribeiro de Andrade.

Parreira e Ney Franco em Curitiba

Calma: nem Juan Carrasco, nem Marcelo Oliveira estão perdendo os empregos. Os dois técnicos da Seleção (o primeiro do tetra em 94, o segundo atual auxiliar de Mano Menezes) estarão em Curitiba em 28/05 no Footecon, o congresso brasileiro dos profissionais de futebol. Será um dia com debates e oficinas para profissionais e entusiastas da área, com a visão de quem está dentro do mercado. As inscrições já estão abertas no site footecon.com.br/curitiba.

Festa do interior

O Coritiba recebe hoje o Londrina no Couto Pereira em jogo que pode encaminhar a conquista do 2º turno pelo time do norte, três pontos à frente do Coxa e cinco a mais que o Atlético nessa etapa do campeonato. Se não levar 5 ou mais gols, o Londrina deixa Curitiba com a liderança. Se vencer então, põe uma mão na vaga da final – a outra já é do Atlético. Desde 2007, quando ACP e Paraná decidiram o campeonato (vitória interiorana), as disputas ficaram apenas entre Atlético e Coritiba. Já o Londrina, três vezes campeão paranaense, não vê a taça desde 1992.

Corrida acirrada

Petraglia ou Fadel? Um dos dois comandará o Furacão

A semana pós-rebaixamento fez com que as duas chapas concorrentes à presidência do Atlético abrissem a artilharia pelo voto dos quase 8 mil sócios aptos a votar no dia 15/12, data que acabou firmada para as eleições após um dos episódios da disputa.

Petraglia e Fadel têm visitado veículos de comunicação e feito audiências com torcedores, em busca de votos. Se fosse uma eleição pública, chamaríamos de comícios. E realmente o panorama do pleito não foge muito das épicas disputas eleitorais no Estado, com troca de farpas, requerimentos, acusações e promessas.

A chapa Paixão pelo Furacão pediu a impugnação da candidatura da chapa CAP Gigante, alegando que haveria conflito ético entre o fato dos membros da chapa aos cargos de comando serem os mesmos que irão administrar a SPE da Arena – a comissão que irá gerir as obras. Na visão da “Paixão”, é errado que as contas sejam feitas e aprovadas pelo mesmo grupo que está na “Gigante”. A junta eleitoral do Atlético estudou a defesa e definiu: não há nada no estatuto do clube que impeça a candidatura com base nisso. “Pelo estatuto do clube, está tudo ok. Se houver algum conflito, não é nada que a junta eleitoral possa dizer”, explicou João Luiz Rego Barros, presidente da junta. As impugnações foram apenas em sete membros de cada chapa, por coincidência, todos por inadimplência.

Quanto ao time, mais promessas. Mário Petraglia já havia entrado em contato com Jadson, via Twitter, que sinalizou positivamente, embora o meia tenha propostas de Liverpool e São Paulo FC (clique nos links para ler as três referências). É promessa de campanha, mas se tornou proposta oficial, uma vez que houve interesse. Acontecerá? Não se sabe. Parece difícil Jadson abrir mão de dinheiro e prestígio para jogar a Série B, mas não é impossível. Petraglia também já conversou com Paulo Baier e disse que quer o meia para 2012. Baier tem contrato até o fim do ano.

Diogo Fadel também trouxe nomes para a imprensa:

A chapa do atual vice-presidente confirmou que já conversou com os três, o que torna a possibilidade oficial. Assim como caracteriza o desinteresse na permanência de Antônio Lopes, pelo menos no cargo de técnico. Dos nomes citados, Ney Franco é o mais difícil: está na CBF com contrato até 2015. Tentei contato com ele hoje, mas não consegui. PC Carpegiani passou pelo Atlético recentemente e não topou retornar nessa temporada. É bom técnico, mas teria resistência da torcida. Matosas sim parece ser o mais viável: já não seria a primeira tentativa, é um técnico identificado com o clube e em início de carreira. Em campo, Fadel também garante ter falado com o zagueiro Fabrício e o volante Marcelo Oliveira, para que fiquem no clube caso vença o pleito.

A campanha tem muito mais trocas de acusações que propriamente planos com os citados acima. Mas para ler isso, basta abrir o Twitter e o Facebook, onde os ânimos estão exaltados nas duas chapas.

O blog não entrará em pormenores e procurará falar de futebol, salvo se o caso realmente exigir.

O Jogo Aberto Paraná de quinta, 15/12, tentará trazer 8 minutos para cada candidato apresentar suas propostas. Até o presente momento, apenas o candidato Diogo Fadel está confirmado; Mário Petraglia foi procurado, mas ainda não confirmou que gravará, segundo a assessoria dele, em função da agenda. Ouviremos apenas os candidatos ao conselho gestor, com todo o respeito aos candidatos ao deliberativo Enio Fornea e Antônio Bettega. São os gestores que comandarão de fato. O programa exibirá o material que for possível ser gravado até a data e fará exposição jornalística das idéias de quem porventura não gravar – mas, evidente, sem o mesmo peso de ter o candidato falando.