Maradona, “más grande” que Pelé

Zidane e Maradona: iguais, porém diferentes, sem serem Pelé

Sejamos honestos: olhando a história da Argentina, é impossível negar o que cantam milhares de hermanos nas ruas do Rio de Janeiro nesse dia de estreia da seleção vizinha na Copa 2014. Maradona é mesmo “más grande” que Pelé. Ao menos pra eles. E ao menos em espanhol.

Alguém, em algum momento, resolveu traduzir que “más grande” é melhor. Não, amigo leitor, não é. É maior. Para os argentinos, Maradona foi, é, e sempre será, maior que Pelé. Talvez até para nós brasileiros, se formos pensar bem no que isso quer dizer. Mas nunca foi dito pelos argentinos que Maradona é MELHOR que Pelé. Isso, os números não deixam.

Poderíamos até comparar ambos em genialidade nos lances. Seria um páreo bacana, mas o Rei venceria. Títulos, gols, arrecadação em mídia, dá Pelé de longe. É possível até comparar Messi com Maradona e Pelé nesse aspecto, afinal. Todos atrás. Não, o ponto não é e nunca foi esse.

Maradona é maior que Pelé pelo que representa aos argentinos. 

Era 2007 e eu andava por Buenos Aires. O primeiro “susto” de quem não conhece o povo argentino é ver que eles respeitam e gostam do futebol brasileiro. O melhor termômetro de qualquer cidade é um taxista. Eles correm a cidade, convivendo com o mais sortido tipo de pessoas. E um deles, torcedor do Arsenal de Sarandí, me convenceu sem erros que Maradona era maior que Pelé. Nunca melhor.

Disse-me na ocasião o taxista (cujo nome não me lembro, mas não era Diego) que Pelé era incomparável. Mas que Maradona representava la gente. O povo, no caso. Que saiu das favelas para vingar a Argentina em 1986. E aí é que entra o que vale pra eles: La Mano de Dios.

Alguns chamarão de heresia, mas para eles, Deus agiu no corpo de Maradona naquela vitória por 2-1 sobre a Inglaterra. Fazia apenas 4 anos desde que os ingleses massacraram as tropas argentinas na Batalha das Malvinas – Falklands, para os britanicos. A disputa pelo território ainda magoa os sul-americanos, mesmo que num recente plebiscito, os habitantes da ilha prefiram a Inglaterra. Mas, pouco importa. Era o orgulho argentino em jogo. Famílias que perderam filhos, um país subjulgado militarmente em uma disputa que eles consideravam correta, tentando mostrar ao Mundo que eram melhores que seus rivais.

E foram.

Maradona foi o símbolo daquela conquista. Primeiro, com o gol espetacular – chamado de gol do século – driblando meio time inglês desde o meio campo. Depois, com a incorreta mão, atropelando moral e ética, em cima de quem havia atropelado com bala os desejos argentinos. Aquela vitória, coroada depois com o título, fez de Maradona maior que Pelé. Maior até que Deus, ainda que por 90 minutos.

É essa a diferença entre “más grande” e “mejor”. Franceses talvez comparassem Zidane ou Platini a Pelé; espanhóis no futuro lembrarão de Iniesta. Nenhum deles, nem Beckenbauer, Rivaldo, Ghiggia, Paolo Rossi, Romário, Matthaus ou qualquer outro, mesmo Pelé e Garrincha, significaram mais para um povo campeão o que Maradona para aquela Argentina. Talvez Jesse Owens.

Por isso Maradona é “más grande” que Pelé, como cantarão alto os alvicelestes no palco número 1 do futebol neste domingo. E Pelé, mesmo sendo muito para o Brasil, não é igual, admitamos. Embora seja muito melhor, com números incontestáveis, conquistas históricas, feitos memoráveis. É o Rei, o número 1. Diferente, afinal. 

Agora, pra tirar a dúvida sobre quem é “más grande”, clique aqui.

Leia também:

Jovem, Inglaterra pensa em 2022

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai

Que beleza de camisa! #19: Napoli

Mamma mia!

Depois de uma folga de uma semana, o Que beleza de camisa! está de volta! A homenagem nesse feriado de 15 de novembro vai para o Napoli, de Careccone e Alemone, como diria o inigualável @silvioluiz. A não menos inigualável @kellypedrita novamente empresta sua beleza ao blog, vestindo a camisa azzurri.

Que beleza de camisa! #19 Società Sportiva Calcio Napoli

Quem é? Clube médio italiano, fundado em 01/08/1926.

Já ganhou o que? Campeão da Copa Uefa 1988-89; 2x Campeão Italiano (86-87 e 89-90); 3x Campeão da Coppa Italia.

Grande ídolo: Diego Armando Maradona, o segundo maior jogador de futebol de todos os tempos, chegou ao Napoli depois de defender, sem muito brilho, o Barcelona. O argentino conduziu o clube a uma época de ouro, com um título continental e dois nacionais. Não a toa, a camisa usada pela Kelly Pedrita nesse post foi comprada em Buenos Aires em uma das milhares de lojas de artigos esportivos que ainda vendem materiais de Dieguito. Napoli e Maradona – e a devoção dos argentinos por ele, se confundiram por sete anos (1984-1991), nos quais fez 115 gols e 259 jogos. Deixou o Napoli para uma rápida volta à Espanha, para o Sevilla. Mas essa é outra história. Dieguito fez história ao lado de dois brasileiros: o volante Alemão e o atacante Careca, ex-Guarani e São Paulo. No vídeo abaixo, eles fazem picadinho do Milan de Gullit e Van Basten:

Apelidos: Azzurri.

Como anda? Chegou a liderar o atual campeonato italiano, mas caiu para o oitavo lugar após 10 rodadas; na temporada 2010-11, terminou em terceiro e, por isso, disputa a atual Champions League. Está no Grupo A e, após 4 jogos, disputa uma vaga na próxima fase diretamente com o Manchester City, em jogo no dia 22 deste mês, em Nápoles. O Bayern de Munique está praticamente garantido na chave, com 10 pontos, contra 7 do City e 5 do Napoli. Seu principal jogador é o argentino Ezequiel Lavezzi.

Curiosidades: O Napoli faliu em 2004, por chegar a uma situação financeira insustentável, após três anos na Série B. O clube fechou as portas, mas um movimento organizado pelo cineasta Aurélio De Laurentiis, que não queria deixar Nápoles sem clube de futebol, fundou o Napoli Soccer, uma empresa que tocaria o patrimônio falido do Napoli. O clube reiniciou sua trajetória na Série C nacional no mesmo ano. Nos dois anos seguintes, foi campeão da Série C e vice da B, retornando à elite. Em 2006, recuperou o nome original, Società Sportiva Calcio Napoli. O clube aposentou a camisa 10 de Maradona em 2000; pouco antes, em 1997, Beto, ex-Flamengo (sim, é aquele) usou-a. Estima-se que o Napoli tenha a 4a maior torcida da Itália, atrás de Juventus, Inter e Milan.

O Napoli e o futebol paranaense: Em 1968 o Napoli, então vice-campeão italiano (o Milan ficou com o scudetto) visitou Curitiba para um amistoso com o Coxa. O jogo aconteceu no estádio Belfort Duarte (o nome do Couto Pereira antes da reforma) e, segundo o site História do Coritiba relata, “no final do jogo, o técnico coritibano substituiu Neiva por Wálter. Quando Neiva saiu do gramado, Kosilek fez o gol que seria da vitória. Os jogadores italianos alegaram que Neiva ainda estava em campo, o árbitro Wander Moreira entrou na catimba italiana e invalidou o gol coxa-branca”.

Atenção meninas: o blog oferece oportunidade não-remunerada de você posar para o quadro Que beleza de camisa! Se você tem interesse em ser modelo, como a Kelly Pedrita, é uma boa vitrine. Entre em contato pelos comentários deixando e-mail para retorno e participe do quadro semanal!