2011 – A odisséia paranaense

O Jogo Aberto Paraná exibiu ontem e hoje as retrospectivas da temporada 2011 para os clubes do Sul do Estado e um resumo dos principais acontecimentos no futebol paranaense em geral.

Acompanhe, relembre alegrias e tristezas e comente!

Atlético

Coritiba

Paraná

Política/Copa/Operário e Interior

Cruzeiro 6-1 Galo: indícios de manipulação entre mineiros ganham força

N.E.: Prepare o fôlego. A reportagem a seguir precisa de atenção máxima. Sua e das autoridades. Clique nos links para ler outras referências.

A goleada histórica do Cruzeiro sobre o Atlético Mineiro (6-1) que salvou a Raposa da Série B 2012 pode ter mais atitudes de raposa do que o Brasil pode imaginar. Tal qual a fábula infantil, a amizade (ou os interesses) entre alguns dirigentes do Galo e do rival podem apresentar mais do que uma simples jornada infeliz do Alvinegro mineiro. Pior para o Atlético Paranaense, que chegou à última rodada – por incompetência própria – contando com o resultado de outros. Caiu.

É o que pensa o jornalista e literário Idelber Avelar, professor da Tulane University de Nova Orleans, EUA e “Ex-atleticano [mineiro]. Eu não tenho dúvidas da entrega. Mas é difícil provar e isso cabe ao Ministério Público. Os indícios estão aí”, disse. Avelar e Fabiano Angélico, outro jornalista, também torcedor do Atlético-MG, criaram uma petição para que o Ministério Público investigasse o jogo. Cerca de 8 mil pessoas assinaram o documento em uma semana passada do final da partida. O documento tem valor legal.

O texto da petição se ampara em 8 suposições. As principais, resumidamente, nas palavras do redator, “[o Cruzeiro] cair para a série B, o que lhe traria milhões de reais em prejuízo; o resultado da partida, 6×1 para o Cruzeiro, é anormal, (…) Atlético [MG] apresentava a melhor defesa [no 2º turno] dentre dos 20 times do Campeonato e, em contrapartida, o Cruzeiro tinha o pior ataque; o BMG, instituição financeira que patrocina ambas as equipes, denunciada pelo Ministério Público por envolvimento no chamado “Mensalão”, o que levanta dúvidas sobre a idoneidade da instituição. Além disso, a referida empresa tem interesses econômicos em jogadores do Cruzeiro, que seriam desvalorizados se a equipe fosse rebaixada; Há relatos, incluindo um postado no blog de uma conhecida jornalista esportiva, a respeito de reuniões envolvendo os dirigentes dos dois times e o presidente do BMG (…) anteriores ao jogo.”

A anormalidade citada no resultado é histórica. Nos 454 jogos entre as equipes (estatística cruzeirense), o 6-1 aparece como a maior goleada de todos os tempos, exceção feita a Atlético-MG 9-2 Palestra Itália, em 1927, quando o futebol ainda era amador. O erro do zagueiro Réver [ver vídeo acima], eleito o melhor do Brasileirão 2011 pela CBF, no terceiro gol do Cruzeiro, não condiz com a qualidade técnica do título, ainda que seja apenas um momento infeliz. A familiares, o técnico Cuca, do Atlético-MG, confidenciou na chegada a Curitiba (onde reside) de que estava “p. da cara com alguns jogadores que só pensam em dinheiro.” Cuca não atendeu aos telefonemas para falar sobre o assunto.

Apostas online: índices anormais

O resultado também mexeu com a bolsa de apostas internacional em futebol, um dos índices que levanta mais suspeição quando de escândalos de manipulação de resultados. Os sites de apostas SportingBet, Betboo e BetClic atribuíam favoritismo ao Cruzeiro. Ainda que jogasse em casa, os números do campeonato apontavam o contrário para a Raposa. Mas o valor de retorno em investimento é medido pelo volume de apostas em cada time – quem tem menos chances e menos apostadores, paga melhor. E na cotação mais alta, cada real apostado no Cruzeiro rendia R$ 1,90 enquanto que para o Galo o retorno era de R$ 4,00. Para se ter uma idéia, no clássico paranaense entre Atlético e Coritiba – com características parecidas, com o mandante em pior situação – a cotação era de R$ 2,75 para o Furacão e R$ 2,40 para o Coxa.

Avelar ainda relembra que um costume mineiro ficou em suspeição em Belo Horizonte na véspera do clássico: “Na sexta, desapareceram das imediações do Café Nice (ponto de apostas de BH) os apostadores dispostos a cravar Galo.” Pode-se questionar que o esquema de apostas que daria mais lucro a quem apostasse no Atlético-MG, como é de praxe, mas Avelar rebate: “Quem iria por dinheiro bom num resultado definido?”

Em Minas, pouco ou nada se vê na imprensa sobre o assunto, ainda que seja de consenso público a possibilidade da entrega. As comunidades de torcedores de Atlético-MG e Cruzeiro no Orkut, com participação de quase 1 milhão de pessoas ao todo, estampam fotos acusando o presidente do Galo, Alexandre Kalil, o dono do BMG, Ricardo Guimarães, o ex-presidente do Cruzeiro, Zezé Perrela e o diretor do Cruzeiro e do Atlético-MG, Eduardo Maluf, de corrupção. O BMG é o banco envolvido no escândalo do Mensalão e patrocinou as camisas de 8 times do Brasileirão/11 (América-MG, Atlético-MG, Coritiba, Cruzeiro, Flamengo, Santos, São Paulo e Vasco), além de ter acordos financeiros com outros, como o Corinthians.

Na internet, torcedores do Galo revoltados

O BMG tem um fundo de investimento que controla direitos de mais de 50 atletas no Brasil, espalhados pelos clubes das Séries A e B. Os nomes estão em sigilo contratual, mas o Portal IG apurou que pelo menos 10 jogadores com contrato no Atlético-MG são do fundo. O dono do BMG, Ricardo Guimarães, é ex-presidente do Galo. No Cruzeiro, sabe-se que o atacante Wellington Paulista está ligado ao fundo.

Apesar do caso não ganhar as capas dos jornais mineiros (ou paranaenses, terceiros interessados) em Belo Horizonte é consenso que houve um acordo. Para Carlos Silveira, jornalista e torcedor do América-MG, “aqui em BH todo mundo fala. A costura pode ser até maior, já que muita gente poderia culpar o governador Aécio Neves [cruzeirense] de culpado pela queda de dois mineiros, pela estratégia errada de fechar o Mineirão e o Independência para obras simultaneamente. Ano que vem tem eleição e isso pegaria mal.” As poucas testemunhas e denúncias do caso são vistas apenas em redes sociais, com pouca credibilidade. Mas chama a atenção a data de um dos relatos apontados por Avelar, encontrado no Orkut, anterior ao jogo. “Tem quatro testemunhas que apontam nomes e como foi feito o esquema, mas tudo in off; quem se arriscaria, sem a proteção da justiça, a falar contra Ricardo Guimarães e Aécio Neves?”, questiona Avelar, que é editor da Revista Fórum, que traz artigo com bastidores sobre tudo.

Uma das poucas jornalistas a levantar o caso foi Ludymilla Sá, ainda no dia 2 de dezembro, em seu blog no jornal Estado de Minas: “O último dos absurdos ventilado aos quatro cantos da capital mineira é que o BMG vai trocar uma derrota alvinegra para salvar o Cruzeiro do rebaixamento em troca do anúncio de Diego Tardelli.” As negociações seguem para repatriar o atacante, ora no futebol russo.

A reportagem apurou que o presidente do Atlético Paranaense, Marcos Malucelli, entrou em contato com o presidente do Mineiro, Alexandre Kalil, para oferecer incentivo financeiro aos jogadores do Galo. Kalil recusou, com a premissa de que o jogo seria de vida ou morte para o Galo também. O Atlético ofertou, com sucesso, incentivo ao Bahia para que vencesse o Ceará, o que foi aceito. O Bahia fez 2-1.

No Paraná, vários dirigentes, advogados e personagens do futebol acreditam em irregularidade, mas não em conseqüências. Na semana posterior ao fim do Brasileirão, contatos com pessoas ligadas aos clubes locais trouxeram a suspeita viva também na cabeça até de quem não tem nenhum interesse no resultado. No Coritiba, lembrou-se do episódio em 2005, quando um Cruzeiro desinteressado perdeu para o São Caetano (0-3), o que acabou rebaixando o Coxa. As declarações de Alexandre Kalil pré e pós jogo foram vistas como jogo de cena por dois interlocutores de relevância no futebol paranaense, que pediram para não serem identificados. A única manifestação aberta foi do presidente da FPF, Hélio Cury, que limitou-se a responder “Estranho, né?” quando perguntado sobre o resultado. Em entrevista a ESPN, Kalil disse que pedirá ao Ministério Público de Minas Gerais que abra inquérito e ofereceu quebra de sigilo telefônico e bancário.

O procurador geral do STJD, Paulo Schimitt, disse que aguarda a abertura de inquérito do Ministério Público mineiro para pedir informações: “Vou falar com eles na próxima semana. A prescrição para corrupção é de 20 anos”, conta, sinalizando não ter pressa. “O jogo em si não me passou nenhuma impressão anormal. Está na pauta, mas não é prioridade. Vamos aguardar o MP-MG. Como é uma manifestação local lá, vamos esperar.” Schimitt diz que as penas são várias, caso se comprove corrupção, desde anulação da partida até exclusão dos clubes e jogadores do campeonato. “Mas é muito cedo para falar em pena.”

Envolvido em disputa política até o dia 15/12, o Atlético Paranaense, a princípio, não pedirá investigação oficial. Alguns políticos paranaenses, no entanto, já se manifestaram favoráveis a investigação, como o deputado Gustavo Fruet, notório coxa-branca. Na semana posterior ao clássico, na Liga dos Campeões da Europa, o Lyon goleou o Dínamo Zagreb por 7-1 e eliminou o Ajax, que tinha sete gols de saldo a mais que o time francês e perdeu por 0-3 para o Real Madrid. No entanto, no intervalo da partida Lyon e Dínamo, o resultado apontava 1-1. A partida já está sob investigação do governo francês e terá investigação da UEFA, a pedido do Ajax.

A situação política do Atlético

Situação ou oposição? Existe como separar os lados na eleição atleticana?

Sim e não. Ontem, em um hotel de Curitiba, a chapa “Paixão pelo Furacão” oficializou candidatura a presidência do rubro-negro, para os conselhos deliberativo e gestor. Os nomes: Enio Fornea e Diogo Fadel Bráz. Fadel é atual vice-presidente do clube; entrou no cargo para ocupar a vaga deixada por Fornea, que deixou a diretoria no meio de 2011. Logo na abertura da entrevista, a chapa se colocou como opositora a situação, um paradoxo; aos poucos, assumiram outra postura e explicaram as diferenças.

Em entrevista exibida no Jogo Aberto Paraná – e colocada em tamanho maior aqui no blog – ambos comentam a relação com a atual gestão e o atual presidente, Marcos Malucelli. Além disso, Fadel falou sobre a profissionalização do futebol do clube e Fornea, sobre a Arena para a Copa e a relação com o outro candidato, Mário Celso Petraglia. Confira:

Com base nas entrevistas, tento responder a pergunta inicial do texto:

Sim, a chapa de Fornea e Fadel é situação. Não há como negar: Fadel É vice-presidente do clube e concorre a presidência; Fornea estava nessa chapa.

Mas, há oposição? Ao se analisar esse panorama político, é necessário lembrar que esse grupo está no poder com o apoio e campanha de… Mário Celso Petraglia. Todos, em algum momento, se encontraram na gestão do clube. Hoje, Petraglia se coloca como opositor, rompimento mais antigo que o de Fornea – que, de fato, não rompeu com Malucelli, como as imagens mostram. Me lembra o poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade: “João, que amava Maria, que amava José…” todos, de alguma forma, interligados.

E Malucelli nessa? O atual presidente tem rejeição de parte dos sócios, muito pela campanha neste ano. Pode ficar marcado como o presidente que derrubou o Atlético para a Série B. A ele, no entanto, é atribuído o saneamento financeiro atleticano. Também  é de Malucelli boa parte da culpa dos atrasos nas obras na Arena para a Copa, da qual sempre se mostrou contrário a ver participação atleticana. E se o time escapar da Série B, qual será o peso dele nas eleições?

Não existem santos ou anjos nessa disputa. Petraglia é centralizador. Tanto que ainda, apesar de já ter se declarado candidato há bem mais tempo que Fornea, não divulgou a composição exata da chapa CAP Gigante; Fornea e Fadel podem carregar consigo parte dos fracassos da atual gestão, mas se propõem a descentralizar comando.

É só o começo da disputa. E no meio de tudo, é bom não esquecer, tem um time tentando três vitórias para fugir da degola.

Marcos Malucelli (parte IV): “Aqui tem um presidente que mostra que não somos clube de dono”

Chega ao fim a série de entrevistas com o presidente do Atlético, Marcos Malucelli, feitas essa semana no restaurante vip da Arena (espaço que tornou-se um salão nobre do estádio, sem funcionar como restaurante).

Nessa parte final, Malucelli fala sobre Alfredo Ibiapina, o homem a quem confiou o futebol do Furacão; diz que é um presidente presente junto aos atletas e explica a opção pelos reservas na Copa Sul-Americana.

E dispara: “Sou um presidente que mostra que não somos um clube de dono”. Confira a parte final:

Se você só descobriu essa série agora, confira os outros trechos da entrevista nos links abaixo:

MM e o futebol atleticano

As cotas de TV e o C13

Petráglia, Couto Pereira e a Copa 2014

O Jogo Aberto Paraná é exibido de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba. Assista!

Marcos Malucelli exclusivo: “Falei com o Coritiba: eles colocaram o estádio a disposição” (parte III)

A série de entrevistas com o presidente do Atlético, Marcos Malucelli, chega a 3a parte –  provavelmente a mais polêmica – falando de Copa do Mundo, Couto Pereira e Mário Celso Petráglia.

No bate-papo realizado nessa semana na Arena da Baixada, Malucelli não se furtou de nenhum assunto, desde o futebol do clube (na parte I) até as cotas de TV do C13 (parte II). E também não teve papas na lingua ao falar do desafeto e da possível ida do Atlético para o Couto Pereira.

“O Vilson [Ribeiro de Andrade, vice-presidente do Coritiba] me disse que se nos acertarmos, eles nos cedem o campo sem qualquer obrigatoriedade”, afirmou, sobre o uso do artigo 7 do Regulamento Geral de Competições; “É uma promessa do idealizador desse projeto que fique pronto, acho que ele vai cumprir”, desafiou citando indiretamente Petráglia, ao falar do término da Arena para a Copa das Confederações.

Malucelli foi fundo nos temas, detalhando também as opções que o Atlético tinha que escolher entre as propostas para conclusão da Arena. Assista e comente:

O Jogo Aberto Paraná é exibido de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba. Assista!

Marcos Malucelli: “O Clube dos 13 perdeu a chance de ganhar dinheiro” – Exclusivo, parte II

Prosseguindo a série de entrevistas com o presidente do Atlético, Marcos Malucelli, chegamos a parte II, na qual o dirigente rubro-negro conta detalhes do racha do Clube dos 13. Também fala da relação com o São Paulo FC e da venda de Rhodolfo, motivo de críticas do hoje opositor Mário Celso Petráglia.

E cobrou a emissora dona dos direitos de transmissão, ao falar sobre o marketing do clube: “Espero que cumpram a promessa de transmitir mais jogos”, disparou.

Malucelli também falou do plano de sócios do Atlético. Confira no vídeo abaixo:

Para conferir a primeira parte da entrevista, clique aqui.

Amanhã, a parte III da entrevista, na qual Marcos Malucelli garante: “Já falei com o Vilson [Ribeiro de Andrade, vice-presidente do Coritiba] e não haverá problemas”, sobre o uso do Couto Pereira pelo Atlético durante as obras para a Copa 2014. Fique ligado!

Mais Atlético

Ainda ontem, o ex-presidente do Atlético, Mário Celso Petráglia, concedeu entrevista a Rádio 91Rock FM. A assessoria do empresário e candidato confirmado a presidência do clube em dezembro disponibilizou o áudio nesse link.

O Jogo Aberto Paraná é exibido de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba. Assista!

Marcos Malucelli: “O planejamento no futebol não dura três derrotas”

O Atlético passa por um momento difícil dentro e fora de campo. Dentro, amarga desde a primeira rodada a zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro; fora dele, convive com uma turbulência política desde o racha entre o ex-presidente Mário Celso Petráglia e o atual, Marcos Malucelli.

Malucelli relutou em falar com a imprensa nos últimos tempos, mas resolveu voltar a público depois da série de cobranças que vem sofrendo. Ele me recebeu no Restaurante Vip da Arena da Baixada (na verdade, o espaço se tornou um salão que recebe personalidades, nunca tendo funcionado como restaurante, e que dá vista ao campo de jogo) para um papo franco e direto, que durou quase uma hora. Da bola a Mário Petráglia, da Arena ao marketing, falamos sobre tudo.

E não se furtou de responder nenhuma pergunta.

Na primeira parte dessa entrevista, você ouvirá Malucelli falar sobre o futebol atleticano, as várias contratações, as mudanças de técnicos e preparadores físicos e as categorias de base. E a afirmação: “O planejamento no futebol não dura três derrotas”, sobre o que o Rubro-Negro vem passando desde 2007.

Confira:

Amanhã, apresentaremos mais um trecho da entrevista, falando sobre a relação com o Clube dos 13 e o São Paulo FC, os sócios do Atlético e a ambições dele como presidente, mesmo falando que deseja sair do clube: “Claro que eu tenho essa ambição, é vaidade, só não quero me perpetuar, ser dono do clube”. Acompanhe!

O Jogo Aberto Paraná é exibido de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba. Assista!

Copa 2014: Atlético escolhe construir Arena por conta – Reportagem #0

A partir desse post pretendo iniciar uma série de discussões em torno do Mundial de 2014 em Curitiba. Os temas são os mais polêmicos possíveis: a quem interessa a Copa no Brasil? A Copa é do Atlético ou da cidade de Curitiba? O Atlético jogará no Couto Pereira? O Potencial Construtivo é ou não dinheiro público? Como Coritiba e Paraná se beneficarão com o Mundial? Curitiba ainda receberá a Copa das Confederações? Dá tempo de terminar o estádio?

Como você viu, assunto não falta.

Desde o começo, como homem público e de mídia, minha postura foi pró-Copa em Curitiba. Entre o projeto do ex-deputado cassado Onaireves Moura e o estádio semi-pronto do Atlético, entendendo o avanço que o Mundial pode trazer a nossa cidade, fiquei com o segundo. O custo era menor, o tempo menor e, por consequência, os benefícios maiores. Evidentemente, as coisas não correram 100% dentro do previsto: a obra atrasou, a discussão tornou-se clubística – é inegável que o Atlético ganha com a Copa. Como se posicionar então? – e outras mazelas que um tema dessa importância oferece, mas que não deveriam ser tão impeditivas para um grande avanço.

Durante meu período na Gazeta do Povo conversei com especialistas em todas as áreas envolvidas. E a partir deste post, vou reacender o debate, procurando trazer mais luz a discussão aqui no blog e também no Jogo Aberto Paraná. Vou tentar esclarecer as dúvidas do principal interessado: o cidadão, pouco importa o time que torça. Por isso, convido você a participar comigo dessa.

A reportagem #0 é o pontapé inicial da discussão e, paradoxalmente, é também a definição que mais atrasou: a escolha de como o Atlético terminará a Arena. O vídeo abaixo foi exibido no Jogo Aberto Paraná e é, por ora, de interesse maior dos atleticanos. Mas certamente interessa a coxas, paranistas, operarianos e qualquer um que se importa em saber se o Mundial é ou não benéfico à cidade e ao Estado. A partir do #1, que procurarei postar até o final de semana, vamos levantar algumas discussões.

E quem sabe, ao final da série, termos ao menos um entendimento mais claro do evento que vai mexer com a cidade que vivemos.

Confira a reportagem #0:

Acompanhe o Jogo Aberto Paraná de segunda a sexta 12h30 na Band Curitiba!

Porquê

Agonia sem fim (foto: Franklin Freitas @franklinje)

O atleticano olha para os lados, incrédulo. Não há saída. É a pior campanha do clube na história do Brasileirão até então. E pelo mesmo período, a pior de todos os tempos, superando (será que cabe esse termo?) a do América-RN em 2007, que, a esta altura, tinha 7 pontos em 10 jogos (fechou com 17 em 38).

O Atlético vai cair.

E por quê? É a partir da análise de seus erros que o Rubro-Negro pode tentar se salvar. E não são poucos.

Esse texto foi provocado a partir de uma tuitada de Marcelo Robalinho, sócio do filho de Mário Sérgio e empresário de Alex Mineiro. Disse: “Quando o #CAP pagar o Alex Mineiro, a praga dos 3 pontos acaba”, logo após mais uma derrota, desta vez para o Vasco, de virada. E praga pega? Bruxaria pega, como você já viu aqui?

Não sei.

Mas o que pega mesmo é um planejamento completamente equivocado e uma crise de gestão nunca vista por aqui. Sim, nunca. Porque o Coritiba rebaixado em 2009 vivia uma crise de vaidades, do campo ao gabinete, com muita gente querendo aparecer mais que o outro, dando e obtendo privilégios e esquecendo o principal: o clube. Mas não tinha os recursos que o Atlético tem. O mesmo, e em maior escala, se aplica ao Paraná: mesmo o rebaixamento no Estadual não é proporcionalmente tão grave, falando-se em gestão, quanto o momento atleticano. Explica-se: o Paraná, sem dinheiro, apostou (mal) em um time barato para o Paranaense. E deu no que deu. O problema do Tricolor é de recursos. Houve erros, mas não havia como fazer muito melhor.

A mensagem do empresário me provocou algumas lembranças. Há quanto o Atlético vem queimando seus ídolos? Há quanto o clube é mal visto no mercado da bola? Há poucos dias, o blog Cruzeiro Eu Sou provocou uma discussão. Queria entender como um clube com a estrutura atleticana pode chegar a um patamar tão baixo. Um dos primeiros a responder foi um personagem central do futebol paranaense:

Alex não deve ser visto por você, leitor que é atleticano, como um coxa-branca. Estamos falando de um dos maiores craques que esse Estado já produziu, inteligente dentro e fora de campo, bem-quisto pelos colegas e imerso no mercado. Alex é referência. E o que ele fala deve ser levado em consideração.

Assim como Marquinhos Santos, hoje no Coritiba, quando me disse “O Atlético produz para vender; o Coritiba, para ser campeão”. Na época a reportagem foi mal vista. Mas mostra uma disparidade entre a gestão dos clubes, que não vem de hoje e não é eterna.

Um clube de futebol existe para fazer a alegria do torcedor. Sim, é negócio e precisa dar lucro. Mas tem que ter gestão voltada para tal fundo. A política está matando o Atlético. A Série B que se apresenta cada dia mais real é apenas o pano de fundo. Muitos já foram e voltaram – e um dos melhores exemplos está em casa mesmo, ao lado.

Enquanto o Atlético patinar entre coronéis e saladas, quem sofrerá é seu povo.

Bruxo da bola lança a sorte atleticana

Sete derrotas em nove jogos, apenas dois gols marcados e a lanterna do Brasileirão. A fase do Atlético já passou do mau desempenho em campo: “Precisa trazer um pastor pra benzer aqui”, disse o meia Madson.

Com bom humor e misticismo, o Jogo Aberto Paraná de hoje recebeu o bruxo Chik Jeitoso para ver: existe algum sapo enterrado na Baixada? A idéia é, através da crítica bem humorada e caricata, trazer alguma luz ao debate atleticano.

Chik jogou as cartas e… bem, assista o vídeo, que passou de Antônio Lopes a Mário Petráglia, com a leitura mística do Bruxo mas futebolista do Brasil:

O Jogo Aberto Paraná vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba.

Em tempo: A presença do bruxo Chik Jeitoso no programa não pretende ofender a nenhum posicionamento religioso e/ou político. Eu, particularmente, sou espírita e respeito católicos, umbandistas, evangélicos, ateus e qualquer posicionamento religioso que não ofenda a regra mais básica: “não faça ao próximo o que não gostaria que fizessem a você”. Ainda: o Jogo Aberto Paraná não tem posicionamento político na discussão eleitoral atleticana. O programa, no entanto, não abre mão de debater os temas que interessam o torcedor paranaense, sem se omitir. Respeitamos todas as correntes e achamos que, uma vez bem informados, os torcedores e sócios de cada clube devem decidir o melhor para si no foro correto: o próprio clube.