O dia em que fui Ronaldo

Você já deve ter lido/ouvido/falado que no Brasil todo garoto sonha em ser jogador de futebol, certo? No meu caso, não foi diferente. Um atacante esforçado, que já completou boas peladas. Mas logo reconheceu que o negócio era mesmo estudar. Ser jogador de futebol, senhores, parece fácil, mas não é. Muitos são. Nós, crueis, só vemos os craques. Só vemos os Ronaldos. E não é fácil ser Ronaldo. Pois bem, nesta terça, eu fui, por um dia.

Esqueça as cartas; use a cabeça

O Poker já foi reconhecido como esporte da mente e já se provou ser muito mais um jogo de estratégia que de sorte. Eu diria que é um xadrez com baralho e fichas. Qualquer um, munido de 52 cartas e até mesmo um punhado de feijões, pode jogar. E se eu nunca pisarei como jogador (como narrador, já tive essa honra) num Maracanã lotado, com Ronaldo ou outros craques ao lado e contra, no feltro, isso é possível.

Leia também:

Romário ataca CBF e FPF-SP

Neymar, o monstro de René

Barcelona é campeão… estadual

Visitando a minha querida Curitiba, entre um almoço de família e um papo com os velhos amigos, fui convidado a jogar um torneio na Liga Curitibana, um dos melhores clubes de poker do Brasil. Torneio bom, interessante, com inscrição a R$ 100 e prêmio beirando os 5 mil reais pra quem superar a maratona de dois dias de disputa. Ronaldo não estava lá, mas o campeão brasileiro João Paraná sim. E outras feras da cidade. Pra quem não sabe, Curitiba é celeiro do Poker tanto quanto do MMA. No octógono, Vanderlei Silva, Anderson Silva, Maurício Shogun e outros; no feltro, Alexandre Gomes – o primeiro brasileiro campeão mundial -, Alex Gelisnki, Gustav Langner e tantos outros.

O poker coloca você, um mero interessado, frente a frente com verdadeiras cobras. Salvo quem tem vínculo familiar, qual a chance de se jogar um campeonato com os craques de outros esportes? Você subiria no octógono com Anderson Silva? O poker é mais seguro e, como se diz no meio, “você só precisa ter uma ficha e uma cadeira para jogar.”

Confesso que sou mais que um iniciante. Já li alguns livros e fiz até alguma graça, sendo 5o colocado no BSOP Curitiba Last Chance, há uns 2 anos. Nada que dê para largar o jornalismo (como se eu conseguisse…) mas serve pra ter no curriculo. E durante um bom tempo, achei que iria faturar mais essa. Estava bem, concentrado, jogando firme. Construí um stack (o volume de fichas acumuladas) de 48 mil a partir das 12 mil que comecei. Juro que me vi na final. Ronaldo deve ter passado por isso em 1998.

De boné e óculos escuros: estilo tem, só falta jogo (Foto: Felipe Costa)

Muricy Ramalho costuma dizer que “a bola pune”. O baralho, amigo, não é muito diferente. Poker é acima de tudo habilidade – quase todas as fichas que ganhei até então foram sem showdown, ou seja, sem necessidade de apresentar as cartas. Estava orgulhoso até. Confiante. Talvez em excesso. Cometi um erro de avaliação e, em um segundo, metade das fichas foram embora. Paciência, um dos segredos é não reclamar. Pouco depois, já meio recuperado, encontro um adversário em melhor situação – desta vez ele teve um pouquinho de sorte, mas dava pra ter evitado um choque maior. Por fim, já no final do dia classificatório, tive que arriscar tudo com um par de seis e, azar meu, achei um adversário com par de damas. O baralho não ajudou e de novo me vi como Ronaldo em 98.

Mas de Ronaldo – e do poker – dá pra se tirar algumas lições. A primeira é não desistir nunca. Sempre há outra mão, outro dia, outro começo. A segunda é deixar as coisas menos na mão da sorte e trabalhar dobrado. E a terceira é se divertir. Afinal, acima de tudo, é esse o espírito.

 [terratv id=”467774″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″] 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 18/01/12

Sucessão de erros

A dúvida sobre onde o Atlético irá jogar é um atestado de incompetência para a gestão do futebol paranaense. Sem exceções. A Copa 2014 é fato na Arena desde maio de 2007, quase 5 anos atrás. Deixou-se para pensar em um palco para o Atlético, que cede seu estádio ao evento da Fifa e da cidade, na última hora. Então, ao invés de os dirigentes sentarem e negociarem sobre como o Couto, que comporta o número de sócios do Atlético, poderia ser usado, buscou-se um recurso jurídico, tentando empurrar goela abaixo do Coxa a decisão. Se a intolerância pelo tema já existia do lado alviverde, aumentou. Com razão. Por outro lado, o Coritiba poderia ter tido menos resistência e, negociando um valor de R$ 100 mil/jogo (especulado nos bastidores), embolsado R$ 7 milhões em um ano e meio. É quase o valor das cotas de TV antes de 2011. Bastava que os caciques conversassem e entrassem menos na rivalidade das torcidas. Ao partir para a Vila Capanema, faltou previsão, já que o estádio ainda carece de laudos. E agora se fala em inversão de mando na primeira rodada, com o Londrina recebendo o Rubro-Negro, para só vir a Curitiba no segundo turno. Se em 5 anos não resolveu-se, haverá solução até lá?

Três lados da mesma história: Atlético

O Atlético tem suas razões ao buscar uma morada, embora seja senso público que o Furacão pinta como o vilão da história. Não é. Colabora com um evento que é da cidade e de um parceiro comercial dela, a Fifa. Não se nega os benefícios que o clube terá, mas também não se pode ignorar o ônus, desde a saída da Arena até a gestão da mesma no pós-Copa. Um estádio padrão Fifa para disputar campeonatos deficitários como o Paranaense não é barato. Buscou refúgio na FPF, mas não encontra solução. E quem vai sofrer? Os sócios: seguirão pagando e não sabem se terão como acompanhar o time. E torcedor apaixonado não vai ao Procon.

Três lados da mesma história: Coritiba

Dinheiro não é tudo e o Coritiba se sentiu ofendido com o rumo que a história tomou. Vilson Andrade não é homem de duas palavras; assumiu, anteriormente, que poderia conversar e negociar no caso, mesmo a contragosto da torcida. O Coxa poderia embolsar um alto valor, valorizar espaços publicitários e movimentar bares e lanchonetes. Mas a imposição via FPF pegou mal. Ninguém aceita esse tipo de decisão goela abaixo. Nesse mesmo Jornal Metro, Vilson disse que não cederia mais. O Coxa se sentiu ferido e buscou seus direitos – terá que seguir buscando, pois está sob liminar. Como a FPF tomou frente no caso, uma conversa com o Atlético poderia acertar tudo. Mas ficou distante. E, convenhamos, não é problema do Coritiba.

Três lados da mesma história: Paraná

O Paraná sempre se colocou a disposição. Está com o estádio parado por três meses – pior: o clube só tem competições após o mesmo período – e um dinheiro faria bem. Foi procurado, ouviu uma proposta e fez outra. Age certo. Negociar é assim: tem que ser bom para ambos. E o que vale para os acima, vale para o Tricolor.

E o futebol?
Dentro de quatro dias, a bola rola. Mas pouco se vê ou sabe dos times, dos artistas que movimentam essa paixão. O noticiário está preso à burocracia. É fácil imaginar o ano de 2012 para o Trio, salvo mudança: o reflexo do que se vê fora de campo aparece no gramado. Me cobrem em dezembro, após o Brasileirão.

*Os tópicos da coluna de hoje são uma referência a máxima de que uma história sempre tem três lados: o seu, o meu e o verdadeiro. E também ao ótimo disco Three Sides of Every Story, do Extreme. Abaixo, uma faixa dividida em três, que dá título ao disco: