Eliminação da Espanha é a quinta de um campeão, a 2a no Brasil

Senegal abre o placar contra a então campeã França: adeus prematuro

O vexame da Espanha, campeã mundial em 2010, ao ser eliminada já na primeira fase (e com apenas dois dos três jogos!) não é inédito, nem mesmo nos Mundiais realizados no Brasil. O fim do ciclo campeão com fiasco na copa seguinte já foi experimentado por outras quatro seleções, incluindo a Seleção Brasileira.

A primeira seleção a não defender o título corretamente foi o Uruguai. No entanto a razão foi política: campeã em 1930, a Celeste se recusou a viajar até a Itália, que seria campeã, para defender o título. Em campo, porém, quem mais vezes deu fiasco foi a própria Itália.

Bicampeã entre 1934 e 1938, a seleção azzurra caiu na primeira fase em 1950. O regulamento era diferente, mas, no triangular inicial os italianos foram eliminados no grupo com Suécia e Paraguai. Perdeu para a Suécia (2-3) e venceu o Paraguai (2-0), mas os suecos empataram (2-2) com os paraguaios e avançaram. O Uruguai venceria a Copa e igualaria o placar geral contra os próprios italianos em 2 a 2.

Dezesseis anos depois, um campeão voltaria a dar vexame.

Eusébio ajudou a despachar o Brasil já na primeira fase na Inglaterra

O bicampeão Brasil (1958 e 62) fracassaria na tentativa do (ainda) inédito tri consecutivo em campos ingleses. Mesmo estreando bem, ao vencer a Bulgária (2-0), o time brasileiro perdeu pra Hungria (1-3) e Portugal (1-3) e voltou mais cedo pra casa. A taça seria dos donos da casa.

O século virou e a geração de Zidane, que venceu Eurocopa, Confederações e Mundial entre 1998 e 2001, fez da França a surpresa negativa no Mundial de 2002. Derrotas para Senegal (0-1) e Dinamarca (0-2) e empate com o também eliminado Uruguai (0-0) fizeram com que os franceses deixassem Japão e Coréia mais cedo. No fim, festa brasileira.

A eliminação da Espanha no Brasil em 2014 é a segunda consecutiva de um campeão em Copas. O Brasil realmente não faz bem aos atuais campeões. Isso porque em 2010 os italianos voltaram a repetir o fiasco de 1950, aqui, desta vez na África do Sul.

Após empates com Paraguai e Nova Zelândia (1-1) e derrota para a Eslovênia (2-3) a Itália tomou o rumo de casa e assistiu de longe a festa espanhola. Que durou até o apito final no Maracanã, com o adeus a geração vitoriosa de Iniesta, Casillas e Xavi.

Leia também:

Com mais técnicos, Alemanha ditará ritmo da Copa 2014

Maradona, “más grande” que Pelé

Jovem, Inglaterra pensa em 2022

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai

O que o Mundo está falando da Copa das Confederações

O evento-teste da Fifa vai começar e o Brasil vive uma onda de protestos sociais, na expectativa de uma repercussão internacional, já que todos os olhos do planeta estão voltados ao País. No entanto, não é o que se vê nas manchetes deste sábado, pré-estreia da Copa das Confederações, nos principais jornais esportivos do Mundo. Nenhuma nota ou preocupação em destaque – ao menos antes da competição começar.

Argentina

Nossos vizinhos estão fora da Copa das Confederações, mas não deixam de opinar. “Toda sorte para o Brasil” é a manchete do Olé, que brinca com o tabu de que nunca uma seleção que venceu a Copa das Confederações ficou também com o caneco do Mundial no ano seguinte. Bem, há sempre uma primeira vez.

Uruguai

Os uruguaios ainda não estão 100% voltados a Copa das Confederações. A grande preocupação do Ovación Digital está na busca por uma vaga no Mundial: com sete pontos, a Celeste garante ao menos a vaga na repescagem. Olhos em 2014.

Espanha

O Marca, principal jornal esportivo espanhol, segue a linha de se preocupar mais com o Real Madrid que com a seleção local. Tanto é que a principal manchete é com o uruguaio Luis Suárez dizendo que “valerá o mesmo” se marcar ou não no encontro entre Celeste e Fúria.

Itália

Na Gazzeta Dello Sport, a preocupação é com Mário Balotelli, que com uma contratura, pode ficar de fora da estreia contra o México.

México

Chicharito Hernandes, do Manchester United, é o destaque do Central Deportiva, caderno de esportes do El Universal, que fala da preocupação da Itália com o artilheiro.

Japão

No Japão, o destaque do Daily Sports Online é a declaração de Neymar sobre os principais jogadores japoneses, Honda e Kagawa.

Nigéria

Nada de repercussão sobre a quase-desistência da Nigéria na Copa das Confederações: página virada, a expectativa do The Guardian Nigéria é para o duelo com o Taiti: “Sonhos do Tahiti contra as Super-Águias”.

Taiti

No Le Dépéche, a manchete é: “Todas as atenções para o Taiti”. Pelo menos é essa a impressão que eles têm da primeira grande competição do país, que se rotula como “peixe-pequeno”.

Alemanha

Um dos principais países do mundo do futebol, a Alemanha dá pouco destaque para a Copa das Confederações (a quem chama de ‘mini-copa’), mas questiona: “Porque o Taiti e não nós?”, discutindo a ausência da seleção local nesta competição – e os motivos disso.

Inglaterra

Um dos mais ácidos jornais do mundo, o The Sun da Inglaterra, passa longe dos problemas sociais brasileiros ao falar da Copa. A manchete faz um apanhado do que há de melhor e, para desgosto de Carlinhos Brown, agradece a ausência de Vuvuzelas e afins no “carnaval do futebol”.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

No clássico dos italianos, quem decide é o japonês voador

Inter x Milan? Que nada! Foi em Santa Felicidade que o sangue italiano ferveu

por Ana Claudia Cichon*

O caminho rumo ao estádio Francisco Muraro, palco da partida deste sábado (6), já trazia um ar do duelo italiano. Os restaurantes típicos de Santa Felicidade – com o tradicional cardápio de frango, polenta e risoto, além de um belo vinho – serviam como aperitivo aos torcedores que aproveitaram o dia ensolarado para acompanhar mais uma rodada da Suburbana.

Trieste e Iguaçu, ou o clássico da polenta, representam uma das maiores rivalidades do futebol amador de Curitiba.  Desde a década de 1940 imigrantes italianos se reuniam nos campos para acompanharem seus conterrâneos em partidas disputadíssimas. “Já vi jogador discutindo com adversário e brigando com torcedores, mulheres de sombrinha e vestidos longos torcendo por namorados ou familiares, jogos de muitos gols, lances inusitados e outras situações que só jogos entre estes dois clubes proporcionam”, conta Leônidas Dias, um dos maiores radialistas esportivos do Paraná, que há anos dedica-se ao futebol amador do estado.

Nas arquibancadas ainda é possível ouvir algumas vozes com aquele sotaque típico, seja nas conversas informais do intervalo, nos cantos de incentivo às equipes e até mesmo no bate-papo com os presidentes e diretores dos times, mas já não se vê descendentes do país da pizza defendendo os clubes. Tanto é que o grande destaque da partida foi Hideo, o japonês voador.

Com 34 anos, Hideo Garcia ainda está voando nos gramados. A velocidade, as jogadas inesperadas e, claro, a origem oriental, lhe renderam o apelido de japonês voador. “Quem inventou isto foi o Chicora [narrador esportivo da equipe Rolando a Bola], por eu ser um jogador rápido e com boa movimentação”, explica.

Entre idas e vindas, já soma seis anos no futebol amador, sempre com muita dedicação e esforço. “Hoje para mim já é um trabalho, algo que eu realmente faço por amor”. Hideo teve passagens por alguns clubes do futebol profissional, como Paraná Clube, Locomotiva (Rússia) e CFZ, mas acabou retornando ao futebol varzeano, onde já foi eleito destaque em diversos campeonatos e vem conquistando títulos, como a Suburbana de 2011 pelo Bairro Alto e a Taça Paraná deste ano pelo Internacional de Campo de Largo. E para esta temporada espera levantar mais um caneco.

  • O jogo 
Antes do jogo, tudo em paz. Depois… (Foto e Vídeos: Ana Cichon)

Como todo clássico, a partida foi bastante disputada e o árbitro José Mendonça da Silva Jr. teve trabalho para acalmar os ânimos dentro e fora de campo. Foram entradas duras, diversos cartões amarelos e discussões com os bancos de reserva, principalmente no lance mais forte da partida – uma falta justamente no jogador Hideo, que rendeu reclamações dos dois lados.

Apesar do jogo nervoso, o primeiro tempo foi bastante morno, com poucas chances de gols. Mas já no início da segunda etapa o Iguaçu abriu o placar com Clé e passou a dominar a partida, principalmente com as jogadas do japonês voador, que se define como o equilíbrio do time. “O Juninho [treinador do Iguaçu] orienta para que todas as bolas passem por mim”, ressalta. E foi justamente em jogada de Hideo que surgiu o lance para o segundo gol da equipe alvinegra. Em cobrança de pênalti, Marlon ampliou o marcador.

Clássico italiano ferveu em Santa Felicidade (Foto e vídeos: Ana Cichon)

Atrás no placar e precisando de um bom resultado para continuar na briga para classificação para a próxima fase, o Trieste foi para cima e conseguiu descontar com Zico, em jogada pela direita. Mas foi só. O Iguaçu segue na liderança do grupo, com 10 pontos, enquanto o Trieste, após dois empates e uma derrota, está em terceiro lugar, com apenas 2 pontos.

  • Curiosidade

O trio de ferro da capital esteve bem representado no embate deste sábado. Pelo lado o Iguaçu, a dupla Atletiba: Flávio (ex-zagueiro do Coxa) e Luisinho Netto (ex-lateral direito do Furacão). Já o Trieste contou com o ex-zagueiro paranista Ageu que, fora de ritmo, saiu ainda no início do primeiro tempo.

Trieste: André, Rafael, Zico, Baloi, Ageu (Dalton), Raul, Aroldo (Dudu), Goiano, Flávio, Malzoni e Edvaldo (Edu). Técnico: Rossano

Iguaçu: Vilson (Leandro), Murilo, Flávio, Luciano, Emerson, Luisinho Netto, Hideo, Nilvano (Clé), Douglas, Marlon e Guilherme (Jé). Técnico: Juninho

  • Resultados da rodada

Trieste 1×2 Iguaçu
Novo Mundo 0x1 Bairro Alto
Combate Barreirinha 2×1 Santa Quitéria
Nova Orleans 3×3 Urano

*Ana Claudia Cichon é jornalista e acompanha o futebol amador de Curitiba