Abrindo o Jogo da Série A – Guia 2013

Leia também o Guia da Série B 2013 clicando aqui.

É sábado, 26 de maio. Lá por setembro, você mal lembrará que foi campeão ou que perdeu o estadual, estará completamente mergulhado na Série A do Brasileiro. Depois de cinco meses de espera, vai começar o principal campeonato do Brasil. E nesse ano com uma paradinha para a Copa das Confederações. É o último Brasileirão pré-Copa, o 11º da era dos pontos corridos. Cada vez mais os clubes já sabem o que podem e o que não podem. E algumas realidades ainda vão mudar depois da Copa.

Num exercício de futurologia, o blog dá a cara a tapa e se propõe a prever o que cada time pode fazer no Brasileirão. Não é chute – bem, talvez um pouquinho – mas sim uma leitura com base em tudo o que foi apresentado até aqui. Dividi os clubes em quatro categorias: candidatos ao título, Libertadores, Sulamericana* (também chamada de zona neutra) e rebaixamento. Vamos lá?

*Os critérios da classificação para a Sulamericana mudaram, mas, por convenção, deixei a “área” com esse nome. Se preferir, chame de “limbo”.

Título: Corinthians, Fluminense, Atlético Mineiro e Botafogo.

Corinthians:

O Corinthians é ainda o melhor time do Brasil. É o mais entrosado, com o melhor elenco (mesmo que perca Paulinho), o que pode fazer contratações de peso a qualquer momento, incluindo desfalcar adversários. Campeão Paulista, o Timão entrará no Brasileiro sendo o alvo, mesmo depois de ter caído na Libertadores. E certamente irá querer provar isso.

Destaque: Tite, o comandante
Ponto forte: Elenco e entrosamento
Ponto fraco: ataque e guerra de vaidades – até aqui, bem controlada
No Brasileirão: Cinco títulos (último em 2011)
Em 2012: 6º colocado

Veja o goleiro Cássio falando dos favoritos para o Brasileirão:

 [terratv id=”471281″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Fluminense:

Tudo que vale para o Corinthians vale para o Flu, mas em um pequenino nível abaixo. É o atual campeão brasileiro, segue na Libertadores (ao menos enquanto escrevo esse texto, antes dos jogos contra o Olímpia-PAR) e tem entrosamento, comandado ainda por Abel Braga. Lhe falta elenco e estrutura, em relação ao Timão. Corinthians e Flu, aliás, era a disputa mais esperada do BR-12, mas por outras prioridades, não ocorreu. Esse ano vai?

Destaque: Fred, o artilheiro
Ponto forte: Elenco e entrosamento
Ponto fraco: defesa e concentração
No Brasileirão: Três títulos (último em 2012)
Em 2012: 1º colocado

Atlético Mineiro:

Bernard deve ir ao Borussia Dortmund e isso certamente será um desfalque pesado. Mas o bicampeão mineiro entra no Brasileirão com uma alta expectativa e seu mais novo aliado: o Estádio Independência, pertencente ao América-MG, que, reformado, tem sido um caldeirão para o Galo. Ronaldinho alegre e motivado conta com a melhor dupla de volantes do Brasil, um bom ataque e um bom goleiro para brilhar.

Destaque: Ronaldinho, o gênio
Ponto forte: velocidade e mando de campo
Ponto fraco: concentração e atitude longe de MG
No Brasileirão: Um título (último em 1971)
Em 2012: 2º colocado

Botafogo:

Para muitos, será surpresa o campeão carioca entre os postulantes ao título; para quem viu os jogos do Fogão de Seedorf, nem tanto. O Botafogo é um time bem armado por Osvaldo de Oliveira, que marca muito e sai em velocidade. Tem uma grande liderança em campo, você sabe quem. Resta saber se terá fôlego financeiro e deixará a pecha de amarelão, carregada em épocas anteriores, ao longo de 38 rodadas.

Destaque: Seedorf, o maestro
Ponto forte: velocidade e marcação
Ponto fraco: mando de campo e elenco
No Brasileirão: Um título (último em 1995)
Em 2012: 7º colocado

Ouça Seedorf falando sobre o desempenho do Botafogo no ano até aqui:

 [terratv id=”468956″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Libertadores: Grêmio, São Paulo e Internacional.

Grêmio:

Seja com Renato Gaúcho – especulado no Sul – seja com a manutenção de Vanderlei Luxemburgo, o Grêmio chegará forte para esse Brasileirão. O elenco, montado para a Libertadores, terá que dar a resposta no Nacional. Se Luxa ficar, terá que vencer a resistência de boa parte da torcida e da imprensa, que é extremamente crítica com o treinador.

Destaque: Zé Roberto, o incansável
Ponto forte: potencial de ataque
Ponto fraco: defesa e falta de identidade com a Arena Grêmio
No Brasileirão: Dois títulos (último em 1996)
Em 2012: 3º colocado

Ouça Barcos em apoio a Luxemburgo para seguir no Campeonato Brasileiro:

 [terratv id=”471060″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

São Paulo:

O Tricolor Paulista tem muito em comum com o Gaúcho: um elenco bom, mas que não deu resposta, mesmo sendo forte e um técnico questionado no banco. Ney Franco terá a missão de achar um jeito de colocar Jadson e Ganso juntos, além de domar o gênio de Luís Fabiano. Se conseguir, o São Paulo pode chegar à Libertadores. Senão, é daqui pra baixo.

Destaque: Jadson, o assistente
Ponto forte: meio de campo e estrutura
Ponto fraco: disciplina e estima
No Brasileirão: Seis títulos (último em 2008)
Em 2012: 4º colocado

Ouça Ney Franco falando em reciclar o São Paulo para o Brasileirão:

 [terratv id=”469461″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Internacional:

O Inter fecha o time dos que podem até sonhar com o título e chegar a Libertadores sem grandes surpresas. Deve perder Leandro Damião, mas manterá D’Alessandro, Forlan e o técnico Dunga, que com o tricampeonato gaúcho, levantou a primeira taça em clubes. Além de tudo isso, pode trazer Robinho e Júlio Baptista. Só que terá que jogar em Caxias do Sul, longe do Beira-Rio, em reforma para a Copa.

Destaque: D’Alessandro, o hermano
Ponto forte: ataque e marcação
Ponto fraco: defesa e instabilidade
No Brasileirão: Três títulos (último em 1979)
Em 2012: 10º colocado

Sulamericana*: Cruzeiro, Coritiba, Flamengo, Atlético Paranaense, Criciúma, Vitória, Goiás e Ponte Preta.

Cruzeiro:

A Raposa abre a lista dos que devem ficar no meio da tabela, mas tem boas possibilidades de chegar mais acima. Montou uma equipe rápida, como jovens valores (como Éverton Ribeiro) e jogadores experientes (Borges, Diego Souza, Dagoberto). A jóia da coroa foi tirar Dedé do Vasco, um ano antes da Copa, quando o zagueiro tem que jogar tudo e mais um pouco para ser lembrado. Conta com Marcelo Oliveira no banco, um bom técnico, mas tímido na postura em campo. Pela primeira vez em muitos anos, inverte papéis com o Galo, ficando à sombra do rival.

Destaque: Dedé, o xerifão
Ponto forte: velocidade
Ponto fraco: falta ousadia e pode ter problemas de disciplina
No Brasileirão: Um título (último em 2003)
Em 2012: 9º colocado

Coritiba:

O Coxa vem cercando um título nacional há algum tempo, mas nas duas chances recentes que teve, bateu na trave – na Copa do Brasil. Por isso, para o Brasileirão, apostou na volta do ídolo Alex, na manutenção de Deivid, Rafinha e o ótimo goleiro Vanderlei e na chegada de Botinelli, que se machucou e não atuou na conquista do tetra estadual, em que o time foi muito irregular. O Coxa tem uma arma no mando de campo, mas também pode pagar pela juventude do técnico Marquinhos Santos (34 anos).

Destaque: Alex, o ídolo
Ponto forte: mando de campo e meio de campo
Ponto fraco: laterais e volantes
No Brasileirão: Um título (último em 1985)
Em 2012: 13º colocado

Flamengo:

O Flamengo foi um fiasco no Carioca, mas apostou no técnico Jorginho para remontar o time para o Brasileirão. O ex-auxiliar de Dunga recebeu jogadores que tem bom nível, mas sempre ficaram no “quase”: Carlos Eduardo, Elias, Renato Abreu, Léo Moura, Marcelo Moreno. Com o clube mais preocupado em arrumar a casa, com a nova diretoria, o Fla não corre riscos, mas será surpresa se chegar mais além.

Destaque: Rafinha, o prata da casa
Ponto forte: experiência
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: Seis títulos* (último em 2009)
Em 2012: 2º colocado
*contando a Copa União de 1987

Veja a análise de Léo Moura sobre a ausência do Flamengo nas finais do Carioca:

 [terratv id=”469183″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Atlético Paranaense:

O Atlético pode ser a grande surpresa deste Brasileirão, tudo por conta de uma estratégia inédita: uma (exagerada) pré-temporada de praticamente 5 meses. O Furacão ignorou solenemente o Estadual, jogando com um elenco só de garotos com menos de 23 anos (ainda assim, foi finalista) enquanto disputou um torneio na Europa e amistosos. Manteve a base do acesso na Série B-12, revelou jogadores interessantes e trouxe até um ex-Barcelona: Frán Mérida, que também passou pelo Arsenal. Mas ainda é Paulo Baier quem manda no time, que não tem o caldeirão da Baixada, em reforma para a Copa.

Destaque: João Paulo, o motorzinho
Ponto forte: velocidade e entrosamento
Ponto fraco: elenco mediano e falta de mando de campo
No Brasileirão: Um título (último em 2001)
Em 2012: 3º colocado na Série B

Ouça o diretor de futebol do Atlético, João Alfredo, falando sobre o Brasileirão:

 [terratv id=”471005″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Criciúma:

O campeão catarinense não fará feio na sua volta à Série A. O Tigre conta com a base que subiu em 2012, mas perdeu o atacante Zé Carlos, o Zé do Gol. Conta com jogadores conhecidos no elenco: os atacantes Marcel e Tartá, o zagueiro Thiago Heleno e o meia Daniel Carvalho. No banco o técnico Vadão, que deve armar os ferrolhos de sempre.

Destaque: Tartá, o ousado
Ponto forte: estrutura e mando de campo
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: 14º em 2003
Em 2012: 2º colocado na Série B

Vitória:

O Leão entra animado no Brasileirão, muito por conta das duas goleadas históricas no rival Bahia que renderam a conquista do Estadual. Mas é pouco: o rubro-negro precisa se reforçar para dar ao bom técnico Caio Jr. condições de sonhar mais. O ambiente político também não deve ajudar o Vitória, que nos bastidores vê a guerra entre o atual presidente, Alexi Portela Jr., e Paulo Carneiro, que quer voltar ao clube.

Destaque: Dinei, o matador
Ponto forte: marcação
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: vice-campeão em 1993
Em 2012: 4º colocado na Série B

Goiás:

A base que ganhou o bicampeonato da Série B e a manutenção do técnico Enderson Moreira são os trunfos do Goiás para impedir um “bate-e-volta” para a Série B. O clube, um dos mais bem estruturados do Brasil, vai brigar contra a queda, mas tem potencial para safar-se com facilidade do risco e garantir-se na Sulamericana 2014. As “eternas promessas” Dudu Cearense e Renan Oliveira comandam o meio campo.

Destaque: Harley, o eterno
Ponto forte: entrosamento
Ponto fraco: elenco mediano
No Brasileirão: Terceiro lugar em 2005
Em 2012: 1º colocado na Série B

Ponte Preta:

A Ponte comemora o título de melhor do interior paulista (mesmo sem sê-lo, pois o Mogi Mirim foi semifinalista) que, de certa forma, atesta o bom momento do clube. Para o Brasileirão, a aposta na Macaca é humilde: chegar à Sulamericana. A vantagem do clube é a sequencia de trabalho, desde a época de Gilson Kleina, hoje no Palmeiras.

Destaque: Alemão, o gingado
Ponto forte: entrosamento
Ponto fraco: poderio financeiro para reforçar/manter peças
No Brasileirão: Terceira em 1981
Em 2012: 14ª colocada

Rebaixamento: Santos, Vasco, Náutico, Portuguesa e Bahia.

Santos:

Se enquanto você lê este texto Neymar ainda for jogador do Peixe, ignore as chances de risco e coloque o Santos entre Cruzeiro e Coritiba. Neymar é mais que meio time, que ainda não viu Montillo decolar e conta com a má-fase pessoal de Muricy Ramalho, que passou por problemas de saúde e não conseguiu dar padrão ao Peixe 2013. Caso Neymar realmente tenha deixado o clube, se você for santista, prepare-se: o ano será longo. O elenco envelhecido e os reforços que não emplacaram são os principais rivais do time do litoral paulista. O risco realmente existe.

Destaque: Neymar, o desejado
Ponto forte: Neymar, o craque
Ponto fraco: o resto do elenco, com raras exceções (Arouca, Miralles e – talvez – Montillo)
No Brasileirão: Dois títulos (último em 2004)
Em 2012: 8º colocado

Ouça Muricy Ramalho falando sobre a possível perda de Neymar:

 [terratv id=”470685″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

Vasco:

A nau de Paulo Autuori está ameaçada de afundar. O Vasco vive um momento duríssimo, após um Cariocão frustrante, com problemas financeiros e jogadores que deixaram o clube. A aposta foi feita, dentro dos padrões do clube, em um elenco modesto e na manutenção de três nomes: Bernardo, Carlos Alberto e Eder Luis. A esperança vascaína está neles e na camisa.

Destaque: Bernardo, o rebelde
Ponto forte: camisa
Ponto fraco: elenco mediano, dificuldades financeiras e possibilidades de indisciplina
No Brasileirão: Quatro títulos (último em 2000)
Em 2012: 5º colocado

Náutico:

O Timbu é mais um candidato ao rebaixamento, após um estadual ruim, em que foi obrigado a disputar desde o começo enquanto os rivais jogavam a Copa do Nordeste – culpa do próprio clube, que não se classificou para o Regional. Perdeu tempo, dinheiro e parâmetro, saindo derrotado dos clássicos com Santa Cruz e Sport. O técnico Silas vai ainda pegar um time que não contará (a princípio) com o caldeirão dos Aflitos, já que o clube passará a jogar na Arena Pernambuco.

Destaque: Rodrigo Souto, o destaque
Ponto forte: único time pernambucano na Série A
Ponto fraco: elenco fraco e adaptação ao novo estádio
No Brasileirão: Sexto em 1984
Em 2012: 12º colocado

Portuguesa:

A Lusa chega a Série A depois de conquistar a Série B… do Paulista. O time, em 2012, conseguiu a proeza de se manter na elite nacional e cair no estadual. Assim sendo, perdeu em atratividade, competitividade e, claro, dinheiro para a disputa do Brasileirão. O elenco é formado por jogadores que conseguiram o título da Série A2 e buscam um lugar ao Sol – o que pode ser um trunfo, afinal.

Destaque: Souza, o polêmico
Ponto forte: vontade
Ponto fraco: elenco desconhecido e falta de parâmetro de competição
No Brasileirão: vice-campeã em 1996
Em 2012: 16º colocado

Bahia:

A previsão para o Bahia é a mais negra possível neste início de Brasileirão. A estreia na nova casa não poderia ser pior e a Fonte Nova custou dois técnicos em menos de dois meses ao Tricolor, que vive crise política, econômica e moral, com o rompimento com a torcida. O elenco é recheado de jogadores rodados, como Titi, Souza, Fahel, Toró e outros mais. A curiosidade é contar com o americano Freddy Adu, que foi tratado como “novo Pelé” quando jovem, e chegou na troca por Kléberson com o Philadelphia Unión.

Destaque: Obina, o Eto’o
Ponto forte: sua torcida
Ponto fraco: elenco fraco, clube rachado, ambiente instável
No Brasileirão: Um título (último em 1988)
Em 2012: 15º colocado

Veja o presidente do Bahia, Marcelo Guimarães Filho, falando sobre a crise no clube:

 [terratv id=”470993″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″]

 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Anúncios

“O Sub-23 não acabou”, garante diretor do Inter

Equipe Sub-23 foi anexada à principal, mas diretoria nega fim da ideia

O Inter não vai extinguir o time Sub-23, motivo de críticas à diretoria do clube desde sua criação, ao contrário do que se imaginou com a divulgação, há poucos dias, da integração da equipe que iniciou o Gauchão. Pelo menos é o que garante o diretor de futebol colorado, Luís César Souto de Moura, em entrevista por telefone. O dirigente irá atender o Terra TV nesta sexta (26/04), às 11h da manhã, ao vivo. Os internautas poderão acompanhar a entrevista e fazer perguntas.

Nesta semana, Dunga acompanhou um coletivo entre reservas e o Sub-23. A ideia foi selecionar alguns jogadores que possam ser úteis ao elenco principal. Apesar de contrariar todos os indícios, o diretor foi enfático: “Não acabou.”

Leia também:

Grandes “traíras” do futebol brasileiro

Fracassocracia: o regulamento que premia a derrota

Pela Copa, Corinthians manterá patrocínio mesmo sem receber

Moura contou que o projeto já teve um momento de oscilação desde sua criação em 2004, com o então presidente Fernando carvalho. “O projeto era ter um grupo de jogadore pra teste, que se pudesse ter jogadores do principal quando voltando de lesão e dar ritmo. Na época o técnico não abraçou”, diz, sem confirmar ser o treinador na época era Muricy Ramalho, Joel Santana ou Lori Sandri. “Mas o Inter continuou com o projeto, chamamos de Inter B.”  Na prática, Dunga vai ficar com todos do grupo, incluindo uma comissão técnica maior.

Para Moura, a mudança mesmo é outra. “Nós decidimos fazer um corte: jogador com 20 anos não é mais base, é profissional. E fizemos o corte por faixa etária.” Assim sendo, ele explica, “O Sub-23 tem um grupo pequeno de jogadores, mais ou menos uns dez. Onze já estavam abaixo de 20 anos e o restante já integrado aos reservas. Então, integramos todos.”

Outro problema para o Sub-23 colorado é a falta de calendário. O Inter descarta usar o time novamente em uma competição inteira. “Nós já fizemos uma vez, em 2007, depois de ganhar o Mundial. A experiëncia não foi legal. A equipe não foi bem no Gaucho e lá pelas tantas era o Internacional que estava no campeonato, não o S23. No ano seguinte tentamos de novo, fomos jogar a Copa Dubai e acabou deixando o Sub-23, mas enfim, as alternativas não foram boas. Retomamos o projeto original que é de reforçar o profissional.” Trocando em miúdos, o Sub-23 será como um estágio. E aí vem a grande crítica ao projeto.

Há quem diga que o Sub-23 nada mais é que uma vitrine para empresários valorizarem jogadores com a camisa do Inter. Moura contesta apontando uma vantagem: “Isso acontece sempre [as críticas], em todos os clubes. Com o Inter é um pouco diferente porque temos um padrão. Por jogador lá requer que o cara dê pelo menos 50% dos direitos. Então é uma forma também do clube captar jogadores de forma barata.”

 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Grandes “traíras” do futebol brasileiro

Nessa semana três “traíras” sacudiram o futebol mundial. Van Persie, guardou três no jogo decisivo do Manchester United contra o Aston Villa, levantando a taça do Inglês pela primeira vez, na primeira temporada do holandês nos Red Devils depois de sete anos no Arsenal. E Mario Götze não tirou o pé e ajudou Lewandowski a brilhar contra o Real Madrid, um dia depois do anúncio da transferência dos dois para o grande rival do Borussia Dortmund, o Bayern de Munique – que pode ser adversário na decisão da Champions.

E no Brasil? Quantos “traíras” já brilharam no rival? O Blog preparou uma seleção de 11 grandes viras-casacas no futebol brasileiro.

Leia também:

Repensando o futebol brasileiro

Torcida do Galo levanta bandeira pró-LGBT

Atlético jogará Brasileirão nas casas do Paraná

Goleiro: Rafael Cammarota

Rafael e seu bigode texano

O primeiro “traíra” escalado é Rafael Cammarota. Bicampeão paranaense pelo Atlético em 1982/83, no memorável time de Assis e Washington, o goleiro disputava posição com Roberto Costa no Furacão. Fez parte da campanha semifinalista do Brasileirão em 1983, quando podia ter sido campeão brasileiro com o Rubro-Negro. Não foi e virou a casaca para conquistar o maior feito do Coritiba, rival atleticano: o título brasileiro de 1985. Rafael fez história no Coxa, sendo decisivo em vários jogos, em especial na semifinal com o Atlético-MG. Voltaria ao Atlético para ser campeão paranaense – na reserva – em 1990.

Lateral-direito: Nelinho

"Traíra", mas querido pelas duas grandes torcidas mineiras

O lateral que conseguiu chutar a bola pra fora do Mineirão, tamanha a força do chute, também tem no currículo a troca de camisas entre rivais. Carioca, Nelinho chegou ao Cruzeiro nos anos 70 e esteve no memorável time celeste campeão da Copa Libertadores de 1976. Entre uma Copa do Mundo e outra pela Seleção, passou a defender o Galo, pelo qual levantou seis canecos mineiros – todos contra o Cruzeiro.

Zagueiros: Mauro Galvão e Edinho Baiano

Gaúcho normalmente é Inter ou Grêmio; Mauro Galvão foi os dois

Revelado pelo Inter, foi campeão brasileiro invicto com apenas 18 anos em 1979, além de ganhar um tetracampeonato gaúcho. Chamou a atenção o suficiente para defender a Seleção Brasileira nas Olimpíadas de 1984 e Copa 1986. Natural de Porto Alegre, resolveu tentar a vida no Rio de Janeiro, onde defendeu Bangu, Botafogo e Vasco. Rodou também pela Suíça até virar a casaca: em 1996, voltou ao Rio Grande, agora para defender o Grêmio. O rival do time que o revelou é também – segundo atribuem – o time de infância de Galvão, que conseguiu ser campeão brasileiro e da Copa do Brasil pelo Tricolor.

Edinho Baiano: "poligâmico" e multicampeão

Edinho Baiano não chegou à Seleção, mas fez parte do supertime do Palmeiras-Parmalat nos anos 90. Deixou a capital paulista para encontrar seu grande amor: o Paraná. Não o Paraná Clube somente, mas todos os times de Curitiba. Edinho Foi tetracampeão paranaense pelo Tricolor, quando fez a primeira troca: deixou o Paraná e foi para a Baixada. Pelo Furacão, foi campeão estadual em 1998, acabando com um jejum de 8 anos. Foi para o Japão, faturar alguns dólares, mas a saudade dos paranaenses apertou e voltou para o Coritiba, em 2002, por quem foi campeão paranaense no ano seguinte. Pra não desagradar ninguém, ainda defendeu o Londrina – mas não levantou taça pelo Tubarão.

Lateral-esquerdo: Roberto Carlos

Um santista bem palmeirense que gosta do Corinthians

Dizem que o time de infância dele era o Santos. Mas depois de aparecer bem no União São João, o lateral Roberto Carlos (lembre-se do sotaque da bela italiana do comercial nos anos 90…) foi ser palmeirense. Viveu tempos áureos no clube, com um bicampeonato brasileiro e outro paulista. Rodou o Mundo, entre Internazionale, Real Madrid e Fenerbahçe e voltou para fazer parte da retomada corintiana. O projeto de internacionalização Timão, com ele e Ronaldo, fez alguns palmeirenses torcerem o nariz, enquanto era bem recebido no Corinthians. No final, após a eliminação na Libertadores 2011, acabou deixando o clube depois de supostas ameaças de torcedores.

Volante: Tinga

"Tinga, teu povo te ama!" - mas qual deles?

Apelidado Tinga por ser do Bairro Restinga, em Porto Alegre, Paulo Cesar Fonseca do Nascimento já ouviu até cantarem samba-enredo para ele nos estádios gaúchos. Mas é mais um na lista dos “traíras”. Começou no Grêmio em 1997 e conquistou duas Copas do Brasil (97/01) até deixar o Brasil para defender o Sporting de Portugal. Ao voltar, deixou o Tricolor de lado e foi ser Colorado – muitos dizem que é seu clube de infância – ganhando o título da Libertadores 2006 pelo Inter. Poderia ter ganho também um Brasileirão, mas parou num erro do árbitro Márcio Rezende de Freitas, que não deu um pênalti claríssimo em cima dele em um jogo decisivo com o Corinthians.

Meias: Paulo Henrique Ganso e Carlinhos Bala

Ganso é Paulo e São Paulo, mas têm outros santos na parada

PH Ganso era o grande amigo de Neymar. Juntos, aprontavam nos gramados do Brasil numa lua-de-mel que parecia não ter fim. Foram campeões da Libertadores 2011, Copa do Brasil 2010, Tri Paulista… quem poderia imaginar que esse triangulo amoroso iria acabar em rivalidade? Pois Ganso se machucou e passou apenas a ver o antigo parceiro brilhar. Se continuaram amigos fora de campo, dentro dele, Ganso optou por sair da sombra de Neymar e foi para o São Paulo. No primeiro encontro, ganhou moedas e aumentou sua coleção de palavrões. Mas, passado um tempo, já até tem título pelo Tricolor: a Copa Sul-Americana 2012.

Um Don Juan da bola

Carlinhos Bala começou (e terminou) sua odisséia pelos três grandes de Pernambuco no Santa Cruz, em 1999. Embora ainda esteja em atividade, o Don Juan do Recife futebolístico não deve voltar a vestir nenhuma das três camisas que usou, beijou e deixou boas lembranças e muitas polêmicas. Quatro vezes campeão pernambucano (2 pelo Santa, 2 pelo Sport), rodou pelo Recife todo entre algumas saídas. A de maior destaque, no Cruzeiro em 2006. Anote bem a trajetória de Bala no Recife: começou no Santa, foi emprestado ao Náutico, voltou ao Santa, saiu de Recife, voltou para o Sport, foi para o Náutico em seguida, saiu de Recife, voltou ao Sport, deixou a cidade novamente e voltou para o Santa Cruz. Ufa!

Atacantes: Reinaldo, Tuta e Emerson Sheik

"Foi só um lance... não teve amor...", dizem depois do flagrante

Haverá quem considere injustiça colocar o Rei Reinaldo na lista dos “traíras”. Mas serão os mesmos que jamais vestiram a camisa do Cruzeiro, como a foto acima mostra. Reinaldo é quase Deus no Galo, sendo o maior artilheiro da história do clube, com 255 gols (contando só o profissional). Foi sete vezes campeão mineiro e duas vezes vice-brasileiro. Saiu do Galo para rápidas passagens por Palmeiras e Rio Negro. Até que retornou à Minas… defender o Cruzeiro. Foram apenas dois jogos e nenhum gol – já estava machucado seriamente, o que abreviou a carreira dele aos 31 anos. Reinaldo estava sem clube e contou em entrevista no ano passado que “foi uma honra e um desafio”, lamentando apenas não estar em melhores condições na época. 

Tuta alegrou e calou atleticanos e coxas-brancas

Tuta defendeu 22 clubes em sua carreira com 18 títulos, mas foi em Curitiba que virou referência e até propaganda. Campeão paranaense em 1998 contra o Coritiba, encerrando um jejum do Atlético desde 1990, com direito a artilharia do campeonato, Tuta caiu nas graças dos atleticanos e foi para o Venezia, da Itália. Lá, viveu uma história incomum, ao fazer um gol em uma partida contra o Bari, quando foi repreendido pelos próprios colegas, que possivelmente tinham outros interesses. Girou por Vitória, Flamengo, Palmeiras e Coréia até voltar à Curitiba. Foi campeão paranaense novamente, desta vez em papéis inversos: pelo Coxa contra o Furacão. Num jogo de superação, o Coritiba segurou o poderoso Atlético de Jadson, Washington e Dagoberto com um 3-3, com dois gols dele. Na comemoração, fez o gesto acima, que ganhou outdoors na cidade em campanha de marketing do Coxa.

Sheik pode até amar o Fla, mas curtiu legal com o Flu

Emerson Sheik é Flamengo declarado, mas isso não o impediu de pular a cerca e ganhar o Brasileirão pelo Fluminense. Campeão Brasileiro pelo Rubro-Negro em 2009, ficou pouco tempo no clube de infância, por questões financeiras. Depois de uma rápida volta ao Catar (a origem do apelido), em 2010 passou a defender o Fluminense. Foi dele o gol do título brasileiro e a lua-de-mel com os tricolores era infindável. Mas acabou na Libertadores 2011, quando foi flagrado cantando uma música da torcida do Fla no ônibus do Flu, a caminho do jogo com o Argentinos Jrs. Dispensado, foi acolhido no Corinthians – que preferiu nem saber do passado dele no São Paulo, onde começou a carreira…

Faltou alguém? Indique nos comentários abaixo!

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

O que aprender com os gaúchos (ou: como usar bem a rivalidade)

Leia com atenção a carta acima.

Leu? Leia mais uma vez. É uma lição de grandeza da comunidade gaúcha, que mexe com cultura, desenvolvimento, crescimento e, principalmente, rivalidade inteligente.

Não existiria Batman sem Coringa, Davi sem Golias, Barcelona sem Real Madrid. Assim como não há Grêmio sem Inter ou, para os paranaenses, Atlético sem Coritiba. O antagonismo e a rivalidade são chaves para o crescimento, desde que bem usados.

A carta publicada pelo Internacional nos principais jornais gaúchos é mais do que uma provocação. É o reconhecimento das afirmações acima, mostrando porque a “Velha Firma” gaúcha é tão mais forte que as demais no Brasil, a ponto de, quase como um país a parte, fazer o futebol do Rio Grande do Sul ser a segunda força nacional em conquistas – a frente do Rio, atrás apenas de São Paulo.

Hoje – e já não tão recente assim – Curitiba é maior que Porto Alegre. Mas não consegue ser maior num aspecto fundamental: cabeça. Não consegue a unidade que o Rio Grande do Sul tem como Estado, tampouco ser a referência que Porto Alegre é para o Brasil. É a mentalidade cosmopolita gaúcha, empreendedora e desprendida. Jamais no Rio Grande cogitou-se ficar sem a Copa, por exemplo; Grêmio e Inter, cada um por um caminho, prepararam alternativas. O Inter venceu a disputa, mas o Grêmio está lá, preparado para a primeira oportunidade que surgir.

Sim, lá há rivalidade tanto quanto no Paraná, a ponto do Inter não poder usar nem a nova Arena, nem o Olímpico, e ter de mandar seus jogos no estádio do Caxias (de uma cidade, aliás, que faz bem o papel de terceira força, como o Juventude campeão nacional e o Caxias com representatividade estadual – em tempo: cidade menor que Londrina). Mas não há o pensamento de minar o trabalho do outro e sim de aproveitar a onda. Rebaixado em 2004, o Grêmio viu o Inter chegar às maiores conquistas do clube em 2006, ano em que o Tricolor dos Pampas retornava à Série A; os gremistas não deixaram barato: chegaram à decisão da Libertadores em 2007, perdendo para o Boca Jrs. Por pouco, um troco não dado no ano seguinte, vindo das cinzas. Isso, caro leitor, é rivalidade.

Logo, nos comentários aqui embaixo, vão surgir dezenas de razões de todas as partes para os porquês de os paranaenses não conseguirem ter o mesmo grau de desenvolvimento. Vai se criticar a Copa, se desrespeitar o direito de posse, até mesmo vão pedir, pasmem, a Copa em Florianópolis. Poucos até agora entenderam que, para Curitiba, a disputa pelo Mundial não era um Atletiba e sim contra outras cidades do Brasil, que lamentam até agora a perda do pacote de investimentos do Governo Federal para suas cidades.

Sim, concordo que não era prioridade para o Brasil a vinda de eventos como a Copa e as Olimpíadas, com tanto a se fazer em educação, saúde, etc. Mas foi essa a decisão do Governo, que está lá eleito e reeleito, mudando o chefe de estado, por 12 anos, referendado pelo povo. E então só restava para as cidades aproveitar o momento e brigar pelo seu espaço. Curitiba, até agora, não tem um espaço público sequer valorizando a Copa 2014. Triste.

O looping prosseguirá até que alguém siga o mandamento cristão de oferecer a outra face. Mudar a chave, pensar em progresso. Assumir um pequeno prejuízo para pensar num passo além no futuro. União fora de campo, para que a rivalidade dentro dele não pare de crescer, mas brigando em cima, não em baixo.

É possível?

  • Nem tudo está perdido

Arena das Dunas, Arena Corinthians, Arena Palestra, Arena Porto-alegrense. O conceito de Arena, difundido na Europa para que os clubes possam vender os nomes dos estádios, foi trazido ao Brasil pelo Atlético em 1999. Hoje, é tendência. Méritos da comunidade paranaense, pioneira na ideia.

…e não é que Mário Celso Petraglia é gaúcho de nascimento?

Prazo de validade

Existe uma corrente no Coritiba que defende a saída de Felipe Ximenes do departamento de futebol do clube. Parte da torcida apoia e aquele ciclo de críticas é iniciado. Convenhamos, o Coxa brigou para não cair no Brasileirão, muito embora o que ficará para a história é o 13o lugar: nem lá, nem cá. Para alguns, o ciclo de Ximenes no Coritiba acabou. É hora de mudar.

Quando se propõe a saída de um profissional no futebol, a pergunta que sempre me vem a cabeça é: e quem assume? A partir dessa reflexão, é possível entender se as críticas são gratuítas ou se há uma necessidade real de mudança. Afinal, todos querem o melhor para si – no Coxa não é diferente –  e se o profissional em questão já não é o top no mercado, nada mais sugestivo que mudar, certo?

Ou não. Primeiro que no caso de Felipe Ximenes, isso não se aplica. Basta olhar um pouco além das divisas paranaenses para entender que quando clubes como Internacional e Flamengo o procuram, tops que são, certamente querem o que há de melhor. Ximenes é atualizado e sempre convidado a estar em palestras, circulos de discussões sobre gestão no futebol, etc. Ao lado de Rodrigo Caetano, é o principal nome brasileiro no segmento até então.

E isso porque, por mais que o coxa-branca não queira reconhecer, pegou um time do segundo escalão nacional e conseguiu resultados que poucos do primeiro escalão conseguiram, com menos dinheiro do que 12 outros clubes recebem, por um motivo ou outro. Deixou para trás São Paulo, Grêmio e Internacional, por exemplo, parando em duas decisões de Copa do Brasil contra Vasco e Palmeiras, que tiveram seus méritos na conquista, mas contaram com atuações ruins dos árbitros nos jogos das finais. Não fosse isso, talvez pudesse ter coroado a remontagem de um clube após os episódios de 2009 com ao menos um título nacional. Se é pouco, superou o maior rival em três estaduais e ainda levantou uma Série B no processo. Tudo isso com muito menos verba que alguns privilegiados, como Botafogo e Atlético-MG.

Atribuir um prazo de validade para Felipe Ximenes no Coritiba é um contra-senso. É não reconhecer as limitações do clube – o que nem de longe significa pensar pequeno. Com a verba que tem, Ximenes montou bons times. Se não atendeu a todos os anseios da torcida, é bom lembrar que outros com mais força também não o fizeram. Só um vence.

O fim do ano foi melancólico sim. Muito mais pela surpresa de quase se ver envolvido no risco de queda mais uma vez, acentuado com um resultado desastroso em SP contra o Corinthians (1-5). Uma noite ruim contra uma equipe que vai decidir o Mundial de Clubes, com a maior verba da TV e o maior patrocínio de camisa do País. Pensando bem, talvez haja um exagero na avaliação da desagradável goleada.

O Coritiba, com dívidas trabalhistas e no INSS, tem feito o possível para manter-se competitivo. Ximenes é o articulista principal desse desafio. Qualquer entrevista com Alex, ídolo que retornou, e se perceberá a importância da direção de futebol, respaldada pelo clube. Não se sabe se o time de 2013 será vitorioso. Mas percebe-se uma movimentação. O trabalho a longo prazo, cantado pela diretoria em 2009, está apenas na metade. Essa compreensão é importante, baseada nos fatos acima.

De todo modo, a opinião é livre. Só que é preciso coerencia. Criticos dizerem que o prazo de validade esgotou-se apenas pelo tempo é o mesmo que assumir que é impossível ficar no mesmo emprego por mais de 5 anos. Teremos pedidos de demissões em massa em Curitiba? Creio que não.

Gols: resumo da rodada européia de 08 a 11/11

Muitos – e belos – gols nos jogos da Liga Europa e do Campeonato Português, que o Terra transmitiu no último final de semana. Clique nas imagens para ver como foram os jogos:

08/11 – Liga Europa: Napoli 4-2 Dnipro

Um grande jogo no estádio San Paolo, em Nápoles. O então invicto e 100% Dnipro chegou a virar o jogo contra os italianos, mas não contavam com um dia tão inspirado de Cavani, que marcou 4 gols e garantiu a vitória napolitana.

08/11 – Liga Europa: Partizan 1-3 Internazionale

Em Belgrado, na Sérvia, a Inter usou um mistão e bateu o Partizan por 3-1. O placar, no entanto, não mostra o que foi o jogo: o time da casa não teve melhor sorte porque parou no goleiro interista Handanovic.

09/11 – Campeonato Português: Gil Vicente 1-0 Paços de Ferreira

Pelo Campeonato Português, Gil Vicente e Paços de Ferreira abriram a 9a rodada em duelo no meio da tabela. Melhor para os visitantes, invictos fora de casa há seis meses, e que se projetaram como aspirantes a uma vaga na Liga Europa 2013/14.

10/11 – Campeonato Português: Porto 2-1 Académica

Porto e Benfica continuam a briga pelo título rodada a rodada. Para o Dragão, o desafio foi contra a Académica de Coimbra, jogando em casa. Com golaço do colombiano James Rodriguez e falha do brasileiro Helton, ex-Vasco, o jogo foi movimentado e terminou sendo mais complicado do que se esperava para o time da casa.


Gols: resumo da rodada européia de 19 a 21/10

O Terra está transmitindo nove campeonatos europeus. Clique nas imagens para ver os gols de algumas partidas do último final de semana:

Campeonato Ucraniano

20/10 – Zorya 3-2 Dnipro

Pelo Campeonato Ucraniano, o Zorya recebeu o Dnipro de Giuliano (ex-Paraná e Inter), que tentava reduzir a distância de 12 pontos para o líder Shakhtar Donetsk. Acabou surpreendido, com direito a gol brasileiro para o Zorya.

Campeonato Belga

20/10 – Leuven 4-1 Club Brugge

Pelo Campeonato Belga, o Club Brugge liderava invicto a competição, mas, com um jogo a menos que o Anderlecht, se viu pressionado pelo rival que tinha chegado aos mesmos 22 pontos. Parecia fácil para o tradicional time de Bruges, mas o Leuven, fundado em 2002, acabou com a farra e impôs sonora goleada.

Campeonato Alemão

21/10 – Hamburgo 0-1 Stuttgart

Em Hamburgo, o time da casa podia chegar na quarta posição, dentro do grupo de classificação para a Liga Europa. Mas encarava um Stuttgart ameaçado pela zona de rebaixamento. Num grande jogo, melhor para os visitantes.