Cinco clubes para ficar de olho nos próximos campeonatos

O Brasil viverá um novo momento no futebol após a Copa do Mundo. As novas arenas prometem dar ao torcedor mais conforto e segurança, enquanto que os clubes poderão arrecadar mais, seja com bilheteria, sócios, espetáculos ou mesmo o “naming rights”. Você certamente já ouviu/leu muito sobre como o futebol brasileiro poderá mudar. Como Corinthians, Atlético e Inter lucrarão com seus estádios próprios, como o Mineirão e o novo Independência mudarão a vida de Galo e Cruzeiro, ou o Maracanã para o trio carioca que tem contrato com a administradora – a exceção é o Vasco; o que pode mudar para Bahia, Vitória e Náutico, já tradicionais no Nordeste, ou mesmo para ABC e América-RN.

Mas outros clubes também estão se mexendo, nem sempre com o impulso da Copa. Clubes menores que estão buscando seu lugar ao sol neste novo momento do futebol nacional. 

O blog escolheu cinco deles para fazer uma aposta. São clubes que em breve vão ocupar o noticiário nacional com alguma campanha de sucesso, uma boa revelação e até, por que não, algum título de expressão.

#5 – Joinville

Arena Joinville, um dos trunfos do JEC

O JEC é um dos mais tradicionais times de Santa Catarina, estado que vem mostrando grande evolução no cenário brasileiro da bola. Compõe o grupo dos quatro grandes locais, que em 2014 foi furado pela Chapecoense. Ao lado de Criciúma, Avaí e Figueirense, o Joinville é um dos grandes campeões locais. Finalista do Catarinense 2014 ao lado do Figueira, o JEC vem há muito construindo um futuro promissor. Apoiado pela prefeitura local, dona da Arena Joinville (segunda a ser construída nesse formato no Brasil, depois da Arena da Baixada), o Joinville conta com um quadro associativo de 10 mil pessoas, fiéis pagantes que têm levado o Tricolor a boas campanhas. O clube recentemente inaugurou uma nova área em seu CT, modernizando os campos de treinamento. Foi sexto colocado nas últimas duas séries B, batendo o acesso na trave. Atualmente o Joinville tem bebido muito da água do futebol paranaense, com as campanhas recentes tendo como destaque jogadores emprestados da dupla Atletiba – Joinville fica a 132 km de Curitiba. Como em todos os clubes que têm apoio estatal, a política pode ser um entrave. Mas é bem possível que em breve você veja o JEC com algum destaque nacional.

#4 – Metropolitano-SC

Promoção local exalta o Metropolitano, em referência ao Galo

Fundado em 2002 já no perfil-clube empresa, o Metropolitano de Blumenau é outro barriga-verde que promete estourar em breve. O clube já desbancou Avaí e Chapecoense para entrar no quadrangular do Estadual 2014. O segredo foi fazer o simples: salários em dia e aposta em jovens. A base é, aliás, a verdadeira aposta do Metropolitano, que conseguiu se inserir na Lei de Incentivo ao Esporte para buscar dinheiro em patrocinadores através de renúncia fiscal. O Metrô irá disputar a Série D deste ano. 

#3 – Londrina

Alojamentos do CT do Londrina: parceira que vai consolidando-se

Junte a organização de um grupo empresarial (nem sempre bem visto no futebol) com a camisa tradicional de um clube em uma grande cidade do interior do Brasil e pronto: você chegará ao atual Londrina. Campeão Brasileiro da Série B em 1980, terceiro colocado no Brasileirão de 77 e três vezes campeão paranaense – busca o quarto título na decisão em 2014 – o LEC já pode dizer que voltou aos trilhos. O grupo SM Sports, do empresário Sérgio Malucelli (amigo de Wanderley Luxemburgo e irmão do ex-presidente do Atlético, Marcos Malucelli), abraçou o Londrina em 2011, depois de anos tocando o futebol do Iraty, outro clube paranaense. Pegou o Tubarão na segunda divisão local e conquistou o acesso. Nos anos seguintes, um quinto e um terceiro lugares no Estadual – o último, quando fez mais pontuação no geral que Coritiba e Atlético, os finalistas campeões dos turnos. Em 2013 quase garantiu o acesso à Série C do Brasileiro, perdendo para o Juventude por 1 a 3 em Caxias, após ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0, tendo sofrido o gol da eliminação no último minuto. Na primeira partida da decisão do Paranaense 2014, levou quase 28 mil pessoas ao Estádio do Café. A torcida do LEC é mesmo muito participativa, sendo inclusive mais presente que a do Paraná Clube, historicamente a terceira força do Estado, na “Timemania”. Com uma mescla de revelações e jogadores ganhando uma segunda oportunidade na vida (como Celsinho, ex-Portuguesa), o Tubarão é uma aposta segura para o futuro.

#2 – Red Bull-SP

Futuro e passado: Red Bull tem o que o Bugre perdeu

Mais um clube-empresa que promete. Quando a Série A2 do Paulista começou, todos imaginavam que um clube de Campinas iria subir de divisão. O que poucos diziam é que este não seria o tradicional Guarani, mas sim o Red Bull Brasil, clube gerido pela empresa que toca outros quatro times pelo mundo, além da equipe de Fórmula 1 e de eventos mil na área de esportes. Fundado em 2008, o Red Bull conquistou rapidamente o acesso da segunda divisão paulista (B, 4a na escala) até a Série A2, a verdadeira segunda divisão de SP. Estacionou na competição, falhando na hora H para o acesso, especialmente em 2013. Mas finalmente conseguiu subir na atual temporada, sendo que ainda pode ser campeã, na disputa por pontos com o Capivariano. Além do apoio da multinacional de bebidas, os segredos do Red Bull são (vejam só!) salários em dia e aposta na base. O clube mantém as categorias S-20, S-17 e S-15 como parte fundamental do projeto. Ainda não tem torcida própria forte e vem usando o Brinco de Ouro como estádio. O Red Bull ainda pretende ter uma maior integração com seus pares de Nova Iorque, Salzburg, Leipzig e Gana, clubes que fazem parte de um projeto mundial da empresa. Por ora, o RBNY e o RB Salzburg conseguiram maior destaque, com boas campanhas na MLS, no Austríaco e na Liga Europa. Será que o filho brasileiro é o próximo na lista?

#1 – Cuiabá

Arena Pantanal pode ser o impulso que o Cuiabá precisa

Bicampeão matogrossense e presente na Série C do Brasileiro para 2014, o Cuiabá é mais um clube-empresa que pode aparecer bem no cenário nacional em breve. Fundado em 2001 a partir das escolinhas de futebol do atacante Gaúcho, ex-Flamengo, o clube que carrega o nome da capital do Mato Grosso aguarda a inauguração da Arena Pantanal para vôos mais altos. Em seus 13 anos de existência, 5 títulos estaduais e o acesso da Série D para a C. Em 2013 ficou a apenas três pontos do grupo que brigaria pelo acesso para a Série B. O sucesso talvez fosse prematuro ao Cuiabá, que pretende ocupar o lugar do tradicional Mixto no coração dos cuiabanos. Mesmo com tudo isso, vale dizer, coube ao Mixto a honra de inaugurar a Arena. Mas e o futuro, reserva o que a ambos? Pelo que mostrou recentemente, não será surpresa ver o Cuiabá em uma das duas divisões de elite do Brasil brevemente.

Better man

A Vila Capanema recebeu na noite de quarta (9) a banda americana Pearl Jam; recebeu também a notícia de que Rubens Bohlen será o novo presidente do Paraná. É a vitória da chapa da situação, em uma eleição que teve menos de mil votantes, num universo de quatro mil possíveis.

A chapa vencedora já está no poder. De fato, a olho nu, vem desde Aurival Corrêa na mesma toada. É também a direção que deu fiasco no estadual/11; mas é a que reorganizou setores do clube, como o marketing, por exemplo. E dará poderes reais a Luis Carlos Casagrande – propriedade viva do clube –  e Paulo César Silva, no comando do futebol.

Andando pela Vila, durante o show do Pearl Jam, já sabedor do resultado das eleições, encontrei PC Silva. Ele estava sentado nas sociais, sozinho, anônimo. Parecia reflexivo. Olhava o palco e o show degustando uma cerveja – o que eu também fazia. Não esperava encontrar ninguém.

Então, me aproximei. Conversa rápida: ambos estávamos ali por outra razão. Eu, para ver uma das bandas que ajudou-me a formar o caráter; ele, para aliviar a pressão de uma eleição, no lugar que já é e será sua casa por mais um tempo. “Ganharam é? Parabéns.”, disse.

– Não sei se é uma vitória. É um baita de um desafio, isso sim.

A resposta, pés no chão, me fez lembrar algumas coisas. Paulão perdeu um neto esse ano. Golpe duro para qualquer um. Viu seu trabalho não dar os frutos esperados. Afinal, ninguém entra nessa pra perder. Mas, é claro, não quis deixar o clube. Sabe o preço. Desejei sucesso e disse que o papel da imprensa é seguir vigilante nas coisas que interessam ao público. Ganhei um abraço e segui para o show. Paulão seguirá na Vila mais do que eu.

Os erros da má gestão paranista estão aí, ninguém pode tapá-los. Mas tampouco podem negar que a realidade do clube é menor do que dimensionamos. Um exemplo? Menos de mil votantes na eleição. Outro? Média de público de 3926 torcedores, a 42a. do país em 4 divisões. Isso não diminui equívocos, mas deixa claro que a distância entre a paixão do torcedor e a realidade são grandes. Se há que se cobrar resultados de alguém por aqui, é de Atlético e Coritiba. O Paraná apequenou-se. Voltar, é papel que cabe a mais de uma pessoa. Cabe também à torcida.

Aí volto ao Pearl Jam e um dos seus hits – não ipisis literis – Better Man.

Bohlen, Paulão, Casinha, Romani e muitos outros erraram. E seguirão errando. É humano. Isso não é alvará para tal; falta visão profissional, capacidade de gestão e liderança, enxergar oportunidades.

Mas o Paraná “Can’t find a Better Man”:

Então, boa sorte aos que seguem.

Coritiba 102 anos – Especial Jogo Aberto Paraná

A festa do centenário veio dois anos depois. Essa é a impressão que fiquei após passar a tarde com o vice-presidente do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade, na véspera do aniversário de 102 anos do clube.

Véspera também do anúncio que ele fez em primeira mão na Band*, de que o Guiness Book reconheceu o Coxa como clube que mais venceu jogos consecutivos no Mundo; e, mais importante, do lançamento do novo CT, um dos inúmeros projetos da gestão de Vilson Andrade, que fez carreira de sucesso como CEO do HSBC na América Latina. Agora, empresta esses conhecimentos ao Coritiba.

Na entrevista a seguir, você acompanha mais de meia hora de papo sobre todos os temas que interessam a torcida coxa-branca, desde o novo CT, os projetos para a saída para o Pinheirão e a vinda da Nike como fornecedora (pra bom entendedor, a entrevista ajuda a perceber o que pode acontecer nos dois casos) e o futuro alviverde. Com Vilson como possível presidente.

Acompanhe e participe nos comentários!


*O Jogo Aberto Paraná vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

 

Os planos de Petraglia

Não importa seu time ou seu posicionamento político, se caso você for atleticano: é impossível ser indiferente a Mário Celso Petraglia quando o assunto é futebol paranaense. Polêmico, empreendedor e por vezes considerado antipático, Petráglia não costuma se esconder quando provocado. E sempre parece ter uma resposta na ponta da língua para qualquer questionamento.

Idolatrado por uns, odiado por outros, o ex-presidente do Atlético é, até agora, o único candidato a presidência do clube no final do ano. E esteve nos estúdios da Band Curitiba para gravar o programa “Entrevista Coletiva”, apresentado pelo diretor de jornalismo da casa, Fabrício Binder, e que contou ainda com os jornalistas Zé Beto e Henrique Giglio, o comentarista Caxias e este que vos escreve. Sabatinado, Petraglia respondeu vários temas, que irão ao ar no domingo 18/09, em duas edições; 7h30 AM e 0h30 AM na madrugada de domingo para segunda.

Entre os assuntos, Petraglia anunciou o início das obras na Arena, para a Copa, para o mês de outubro, além de dizer que o clube não sai de lá antes de 2012:

Ele evitou falar do Pinheirão e do suposto projeto do Coritiba para o local, mas assegurou que nada tira a Copa e também a Copa das Confederações da Arena.

Algo que não estará no programa (que era para ser um, mas se tornou dois, tamanha quantidade de temas) será a engenharia financeira para que o clube arranje os R$ 60 milhões que lhe cabem para a construção do estádio – Petraglia orça o projeto em R$ 180 milhões, embora governo e prefeitura não anunciaram ainda como farão para desapropriar terrenos para o entorno da Arena, por exemplo.

Pela falta de tempo, a resposta ficou só para o blog: o Atlético abrirá uma empresa com 99,9% para si e 0,01% em nome de um sócio, por exigência do modelo de empréstimo financeiro. Essa empresa já tem, apalavrada, uma linha de crédito de R$ 60 milhões oriundos do FDE, Fundo de Desenvolvimento do Estado do Paraná, que será paga em 15 anos. Petráglia ainda pleiteia uma carência de 3 anos, a partir de 2014, para começar a pagar.

Ele vislumbra uma arrecadação anual de R$ 100 milhões para o Atlético no pós-Copa; na entrevista, falou do futuro do futebol brasileiro, da política da CBF, de cotas de TV, dos rivais e de uma possível parceira com o Coritiba em ações extra-campo, em especial se ele se eleger e o mesmo acontecer com Vilson Ribeiro de Andrade, por quem manifestou “imensa admiração”. E ainda prometeu fazer uma administração “voltada exclusivamente para o futebol”:

Petraglia esmiuçou, em 78 minutos de gravação, todos os planos que tem para o clube. Projetou não só o Atlético, mas o futebol do Estado e do País no pós-Copa.

O programa vai ao ar nesse domingo, 18, em horários um pouco ingratos: 7h30 da manhã e 0h30 da madrugada, já invadindo a segunda 19. Mas vale a pena acordar cedo e acompanhar, se você se interessa pelo futebol local.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!