Assista futsal ao vivo: assine a LNFTV e veja o melhor do futsal com desconto!

A Liga Nacional de Futsal já começou! É o melhor futsal do mundo movimentando as quadras do Brasil. E a NSports exibe as partidas pra você curtir em qualquer lugar do Planeta!

Pelo site https://tv.ligafutsal.com.br/ ou baixando o app da NSports você pode acompanhar seu time na disputa pelo troféu da temporada.

E o que não falta é time bom: Corinthians, JEC Joinville, Cascavel Futsal, Magnus, ACBF Carlos Barbosa, Blumenau, Pato Futsal, Minas Tênis Clube, Jaraguá Futsal, Assoeva, Atlântico de Erechim, Foz Cataratas, Joaçaba, Marechal Futsal, Praia Clube, Santo André, São José dos Campos, Taubaté, Tubarão e Umuarama correm atrás do título.

Você pode assistir a todos os jogos com 10% de desconto usando o cupom de desconto NAPOALMEIDA10!

Assine com desconto e parcelando clicando aqui e não perca nenhum lance da melhor liga de futsal do Mundo!

Cover da Semana #2 – Atlético Paranaense-PGY

Era pra ser semanal. Mas aí faltou tempo e vida de blogueiro não é fácil. Então, quase um mês depois, novo “ensaio” com o Cover da Semana, sempre trazendo um clube e seu xará e uma sonzeira (ou não) no fim. Quem já teve banda sabe como é difícil reunir o povo pra tocar, então, desculpem a nossa falha e segue o baile! (Quanto trocadilho!)

Cover da semana #2:  Club Atlético Paranaense, de Encarnación, Paraguay

Atlético Paranaense Paraguaio: destaque na Libertadores de Futsal

Cover de quem? O Atlético Paranaense do Paraguay é uma homenagem ao Atlético que surgiu na primeira campanha de Libertadores do clube brasileiro. Foi fundado em 2000 do clube de Encarnación, 3a maior cidade paraguaia, sem fronteira com o Brasil. De acordo com Guilherme Wojciechowsky, âncora da CBN Foz e exímio conhecedor da região da fronteira, o nome Atlético Paranaense também é uma alusão a um clube de atletas fundado próximo às margens do Rio Paraná. No entanto, não é preciso ser muito esperto para ver que as cores, a camisa e principalmente o escudinho são cópias do Atlético Paranaense original. Pouco se acha sobre o Atlético paraguaio na Internet: não há site oficial e todas as referências são do jornal ABC Color, de Assunção, capital do Paraguay, da época do torneio de futsal que projetou o clube. “A internet no Paraguay ainda anda de carroça”, conta Wojciechowsky.

Qual versão é melhor? Campeão Brasileiro da Série A em 2001, o Atlético original tem ainda outros 2 títulos nacionais e 22 estaduais. Por pouco não acrescentou à galeria o título da Copa Libertadores de 2005, quando decidiu contra o São Paulo; o cover não tem nenhuma conquista, mas repetiu no ano passado o feito do original: jogando em casa, ficou com o vice-campeonato da Copa Libertadores de Futsal. Decidiu a competição com o brasileiro Carlos Barbosa-RS. Ambos perderam o jogo final por 4-1. Como curiosidade, o Atlético Paranaense do Paraguay eliminou um paranaense na competição: o Umuarama Futsal. Além disso, na primeira fase da Libertadores, enfrentou o Nacional-URU (venceu por 4-2), assim como o Atlético o fez em 2000, quando disputou pela primeira vez a Libertadores de futebol de campo:

Como foram compostos? O Atlético Paranaense nasceu da fusão de dois tradicionais clubes curitibanos: o América (vermelho e branco) e o Internacional (preto e branco). Ambos se juntaram em 1924 para tentar acabar com a hegemonia do Britânia, então maior campeão estadual, sob a tutela de Arcésio Guimarães. Deu certo: em 1925, o Atlético levantou a primeira taça. Já sobre o Atlético do Paraguay existem poucos registros. Mas a grande campanha na Libertadores de Futsal veio após o auxílio da cidade de Encarnación, que recebeu o evento, e trouxe seis jogadores que defenderam a Seleção Paraguaia de futsal.

A capa do álbum:

O Original e o Cover - em baixa resolução

E na guitarra?

Vamos admitir que chegar a vice da Libertadores não é pouca coisa. A torcida do Atlético, apesar da sensação de perda, até se orgulha da conquista; que dirá o Atlético paraguaio, que repetiu o feito e perdeu nada menos para o Carlos Barbosa, clube que venceu 4 vezes a competição? Então, é justo que seja um cover de respeito. E lá vamos aos anos 60, mais precisamente 1967, quando o The Doors lançou album com o nome da banda e a faixa “Take It as It Comes”. Nos idos dos 90’s, recebeu justa homenagem de outra grande banda, The Ramones. Confira as duas versões abaixo.

Eis a versão original:

E esse é o cover:

Vamos ver se o próximo ensaio sai mais rápido, moçada…

Cover da semana #1 – Coritiba-SE

Estreando hoje quadro novo aqui no blog: é o cover da semana. Falarei de um clube cujo nome seja inspirado em outro, contando uma rápida história de ambos. E também, de acordo com o sucesso do cover, um parelelo entre uma música e sua versão cover. Comente e sugira novas equipes e músicas logo abaixo!

Cover da semana #1:  Coritiba Foot Ball Clube, de Itabaiana, Sergipe

Coritiba-SE: homenagem ao Coxa começou no futsal

Cover de quem? O Coritiba-SE é uma homenagem ao paranaense Coritiba Foot Ball Club. Fundado em 1972, o Coxa sergipano foi criado no futsal, migrou para o futebol de campo, mas não obteve o sucesso do xará; hoje está reativado no futsal de Sergipe.

Qual versão é melhor? O Coritiba original, fundado em 1909, tem 35 títulos estaduais e 4 nacionais, sendo um deles o da primeira divisão brasileira em 1985; o cover mandou e desmandou no futsal do Sergipe nos anos 90, com um heptacampeonato entre 93-99 e o título da Copa Nordeste de Futsal de 92; quando migrou para o gramado, conseguiu apenas um título, a segunda divisão estadual de 1999.

Como foram compostos? O Coritiba original foi fundado em 1909 em Curitiba por um grupo de desportistas alemães, em especial Fritz Essenfelder, que foi quem trouxe pela primeira vez uma bola para o Estado do Paraná; o cover surgiu em 1972, fundado por Wilson Gia da Cunha, que residiu em Curitiba e ficou admirado com a equipe dos anos 70 do Coxa, que venceria o Torneio do Povo e um hexacampeonato estadual naquela época.

A capa do álbum:

O original, o cover em 1ra versão e o escudo da fusão com o Itabaiana

E na guitarra?

Uma boa comparação são as versões de “Goin’ Blind”, do KISS, banda que ao exemplo do Coxa, teve anos dourados entre 70’s e 80’s, e do Dinosaur Jr, grupo que apareceu na onda do Grunge nos 90’s.

A versão original ganhou uma ótima releitura no álbum MTV Unplugged, de 1999. A versão original é do disco Hotter than Hell, de 1974 – dois anos depois da fundação do Coxa sergipano.

Eis a versão original:

E esse é o cover. Convenhamos, bem ruinzinho:

Semana que vem vamos apresentar o Atlético Paranaense do… Paraguai! Já na fila estão o Londrina-RS, o Roma, o Corinthians-PR e alguns outros mais. Enquanto isso, comente o quadro abaixo e faça sugestões de times e músicas também!

Feita para Brasil e Argentina. Especialmente Argentina.

Messi: a Copa América é pra ele; avisem o Neymar.

Rebaixamento do River Plate; crise financeira e política; dezoito anos sem ganhar título importante; o melhor jogador do Mundo tentando ser ídolo em casa. É… a Copa América 2011 foi feita para a Argentina. E para o Brasil ser o coadjuvante dela.

Dê uma olhada na tabela aqui. Note que, prevendo alguma dificuldade, os cruzamentos colocam até mesmo os segundos colocados dos Grupos A e B em chave distintas dos primeiros. Se Brasil ou Argentina tropeçarem no caminho, ainda assim, só se verão na decisão – salvo se um deles se classificar muito mal, como segundo ou terceiro melhor terceiro colocado no geral.

Eles querem a decisão conosco, no Monumental de Nuñez, casa cheia, brilho de Messi e título argentino. Do lado de cá, três grandes esperanças: Neymar, que realmente começa a trilhar a estrada de Pelé; Ganso, um craque acima da média (porque não um novo Zico?); e Lucas, outro cracasso, que poderia nos remeter a Rivellino. Não é um time qualquer, se Mano Menezes acertar a máquina.

E nós, paranaenses, temos ainda dois orgulhos: Adriano e Jadson. Eu vi os dois começarem na dupla Atletiba e viverem grandes momentos por aqui. Um é esse aqui de baixo: a primeira convocação de Adriano, ainda no Coxa. A reportagem é e um dos homens mais bonitos que eu conheço:

Adriano demorou, mas chegou ao Barcelona. É orgulho coxa-branca, craque curitibano que pra quem não sabe, começou no futsal do Paraná Clube – mas um da escolinha tricolor.

O outro é um dos gênios que vi de perto, no melhor Atlético de todos os tempos (pra mim, obviamente) que, para tristeza dos rubro-negros, não foi campeão. Mas provou que grandes times (como a Seleção 82) não vivem só de títulos. Jadson foi genial com a 10 atleticana e é idolatrado também no Shakthar Donetsk. Os lances a seguir explicam o porquê:

Imagino a saudade atleticana ao ver o vídeo acima. Enfim. Hoje ambos estarão lado a lado, pela amarelinha.Hoje não: domingo, contra a Venezuela -começando no banco, diga-se.

Muitos ainda me lembrarão que Alexandre Pato também é paranaense. Mas a única referência dele no nosso futebol é a foto abaixo, ainda criança. Para nosso azar, que só vimos ele brilhar a distância, no Inter-RS.