O dia em que fui Ronaldo

Você já deve ter lido/ouvido/falado que no Brasil todo garoto sonha em ser jogador de futebol, certo? No meu caso, não foi diferente. Um atacante esforçado, que já completou boas peladas. Mas logo reconheceu que o negócio era mesmo estudar. Ser jogador de futebol, senhores, parece fácil, mas não é. Muitos são. Nós, crueis, só vemos os craques. Só vemos os Ronaldos. E não é fácil ser Ronaldo. Pois bem, nesta terça, eu fui, por um dia.

Esqueça as cartas; use a cabeça

O Poker já foi reconhecido como esporte da mente e já se provou ser muito mais um jogo de estratégia que de sorte. Eu diria que é um xadrez com baralho e fichas. Qualquer um, munido de 52 cartas e até mesmo um punhado de feijões, pode jogar. E se eu nunca pisarei como jogador (como narrador, já tive essa honra) num Maracanã lotado, com Ronaldo ou outros craques ao lado e contra, no feltro, isso é possível.

Leia também:

Romário ataca CBF e FPF-SP

Neymar, o monstro de René

Barcelona é campeão… estadual

Visitando a minha querida Curitiba, entre um almoço de família e um papo com os velhos amigos, fui convidado a jogar um torneio na Liga Curitibana, um dos melhores clubes de poker do Brasil. Torneio bom, interessante, com inscrição a R$ 100 e prêmio beirando os 5 mil reais pra quem superar a maratona de dois dias de disputa. Ronaldo não estava lá, mas o campeão brasileiro João Paraná sim. E outras feras da cidade. Pra quem não sabe, Curitiba é celeiro do Poker tanto quanto do MMA. No octógono, Vanderlei Silva, Anderson Silva, Maurício Shogun e outros; no feltro, Alexandre Gomes – o primeiro brasileiro campeão mundial -, Alex Gelisnki, Gustav Langner e tantos outros.

O poker coloca você, um mero interessado, frente a frente com verdadeiras cobras. Salvo quem tem vínculo familiar, qual a chance de se jogar um campeonato com os craques de outros esportes? Você subiria no octógono com Anderson Silva? O poker é mais seguro e, como se diz no meio, “você só precisa ter uma ficha e uma cadeira para jogar.”

Confesso que sou mais que um iniciante. Já li alguns livros e fiz até alguma graça, sendo 5o colocado no BSOP Curitiba Last Chance, há uns 2 anos. Nada que dê para largar o jornalismo (como se eu conseguisse…) mas serve pra ter no curriculo. E durante um bom tempo, achei que iria faturar mais essa. Estava bem, concentrado, jogando firme. Construí um stack (o volume de fichas acumuladas) de 48 mil a partir das 12 mil que comecei. Juro que me vi na final. Ronaldo deve ter passado por isso em 1998.

De boné e óculos escuros: estilo tem, só falta jogo (Foto: Felipe Costa)

Muricy Ramalho costuma dizer que “a bola pune”. O baralho, amigo, não é muito diferente. Poker é acima de tudo habilidade – quase todas as fichas que ganhei até então foram sem showdown, ou seja, sem necessidade de apresentar as cartas. Estava orgulhoso até. Confiante. Talvez em excesso. Cometi um erro de avaliação e, em um segundo, metade das fichas foram embora. Paciência, um dos segredos é não reclamar. Pouco depois, já meio recuperado, encontro um adversário em melhor situação – desta vez ele teve um pouquinho de sorte, mas dava pra ter evitado um choque maior. Por fim, já no final do dia classificatório, tive que arriscar tudo com um par de seis e, azar meu, achei um adversário com par de damas. O baralho não ajudou e de novo me vi como Ronaldo em 98.

Mas de Ronaldo – e do poker – dá pra se tirar algumas lições. A primeira é não desistir nunca. Sempre há outra mão, outro dia, outro começo. A segunda é deixar as coisas menos na mão da sorte e trabalhar dobrado. E a terceira é se divertir. Afinal, acima de tudo, é esse o espírito.

 [terratv id=”467774″ domain=”terratv.terra.com.br” width=”425″ height=”344″] 

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 25/07/2012

Visão de longo prazo

Começa hoje o futebol olímpico, competição que abre Londres 2012 mesmo antes da cerimônia de abertura de sexta-feira. Até 12 de agosto, o Brasil vai ampliar o guarda-roupa esportivo: chuteiras ganham companhia de raquetes, toucas, luvas e redes, na atenção dos torcedores. A cada quatro anos é assim; entre eles, infelizmente, o esporte olímpico (por vezes chamado de amador) não consegue o mesmo espaço do futebol – salvo exceções. A obscuridade de outras modalidades é por falta de apoio ou interesse? Ovo ou galinha? Não importa: em quatro anos, somos nós, brasileiros, que receberemos os Jogos Olímpicos. Seja ovo ou galinha, é hora de planejar o aumento da produção.

Paraná 2016, Curitiba 2016

Engana-se quem pensa que apenas o Rio de Janeiro será sede e terá lucro e desenvolvimento com os jogos. Curitiba também pode. Mas para isso, tem que querer e começar já (de fato, está atrasada). Anotem, políticos. Dois anos depois de receber a Copa 2014 – megaevento ainda ligeiramente desprezado na capital, sabe-se lá porque – a cidade pode ser parte da Olimpíada 2016. Nesse ano, Londres receberá 203 delegações, com 10500 atletas. Terá quase 1 milhão de pessoas a mais na população durante os jogos. Mesmo a capital britânica não suporta o volume de delegações que precisam de infraestrutura de treinamentos. Não a toa dividirá com outras cidades. O futebol, por exemplo, terá sedes em seis cidades – até mesmo Glasgow, na Escócia. A renovação do Tarumã (ou um novo ginásio), a Arena da Copa e os demais estádios, os CTs dos clubes, a Sociedade Hípica, os clubes sociais e suas quadras, piscinas e tatames, o velódromo do Jardim Botânico – se reformado. Locais que, se planejados com quatro anos de antecedência, podem abrigar uma ou mais delegações em Curitiba, que está 1h30 distante do Rio, de avião. Obras que deixarão um legado esportivo para a cidade – se os dirigentes tiverem cabeça, interesse e planejamento para fazê-lo.

Pensar grande

Edgar Hubner, curitibano, é o coordenador do COB no Crystal Palace, o “CT” brasileiro em Londres. Apresentei um evento voltado ao segmento hoteleiro e alimentício de Curitiba no qual ele foi o principal palestrante. Fez o alerta, deu a dica: pensar grande, se estruturar e se oferecer para que países se hospedem na capital em 2016. Gente que vai precisar de ambientação no Brasil e pode encontrar local familiar em Curitiba, como canadenses, alemães, etc. Geração de renda e infraestrutura. Bom para todos.

As chances em 2012

Em campo (ou quadras, etc), a promessa é de que o Brasil faça sua melhor olimpíada, antes do próximo ciclo olímpico, que será em casa – o que costuma ser reflexo de muitas medalhas. Futebol feminino e masculino, vôlei, de quadra e praia nos dois gêneros, basquete masculino, judô, boxe, vela e natação devem trazer medalhas. Reais possibilidades de termos entre 6 e 10 ouros – um recorde.

P.S.: Estarei na transmissão de Honduras x Marrocos, quinta 26/07, 7h45 da manhã, pelo futebol masculino, grupo D, no portal Terra. Imagem em HD, disponível para computadores, tablets e celulares. Veja mais abaixo.