Os 14 grandes: CBF insere Coritiba e Atlético entre clubes “do eixo” em novo ranking

O novo ranking da CBF, a ser divulgado em janeiro de 2013, traz boas notícias para coxas-brancas e atleticanos. Levando em consideração o desempenho dos clubes de todas as séries do Brasileirão e também na Copa do Brasil, Coritiba e Atlético se inserem entre os chamados “12 grandes” do Brasil, os clubes de SP, RJ, MG e RS. A ideia da CBF é dinamizar o ranking deixando-o mais atualizado, contabilizando somente as últimas 5 temporadas.

A notícia foi divulgada pela ESPN – clique para ler e ver o ranking completo.

Segundo a matéria, Fluminense e Corinthians disputam a ponta do ranking. O Flu foi campeão brasileiro em 2010 e está prestes a ser novamente; o Corinthians venceu em 2011 e nesta temporada deu mais importância à Libertadores. A ESPN divulgou a lista dos clubes já com a aplicação dos novos critérios, explicados na tabela abaixo:

As 20 primeiras equipes do ranking seriam as seguintes:

O Coritiba, bi-vice-campeão da Copa do Brasil, bi-campeão da Série B e 8o no Brasileirão de 2011 estaria pouco abaixo do Cruzeiro, na 11a posição, subindo duas posições. O Atlético, quinto colocado no Brasileirão 2010 e com duas quartas-de-final da Copa do Brasil no período (2007-2012) ficaria acima do Botafogo-RJ e atrás do Atlético-MG, na 13a posição, seis acima da que ocupa no ranking anterior. Bahia e Sport, também clubes de grande torcida e campeões brasileiros, aparecem em 17o e 20o lugar respectivamente.

  • Demais paranaenses

Boa para a dupla Atletiba, a mudança derruba o Paraná no ranking e eleva Corinthians-PR/J. Malucelli. O Tricolor, fora da Série A desde 2007, quando disputou a Libertadores, perdeu 4 posições. Operário, Iraty, Cianorte, Arapongas, ACP e Roma também aparecem no ranking. O  Londrina, campeão da Série B em 1980 e 34o no ranking anterior, aparece em 136o lugar na nova contagem, pois está fora das séries do Brasileirão desde 2005, quando foi 14o na Série C e não se manteve em competições nacionais.

Veja o ranking só com os clubes paranaenses:

11o – Coritiba – 12924 pontos
13o – Atlético – 10953 pontos
27o – Paraná – 5904 pontos
77o – Corinthians-PR/J. Malucelli – 770 pontos
85o – Cianorte – 585 pontos
95o – Operário – 408 pontos
122o – Iraty – 262 pontos
125o – Arapongas – 255 pontos
136o – Londrina – 203 pontos 
172o – ACP – 100 pontos
191o – Roma – 25 pontos

A barreira final

Peço licença aos amigos acostumados a ler mais sobre futebol aqui no blog para falar de outro esporte: o poker, que nos últimos dias venceu mais uma etapa contra o preconceito.

Já não é notícia nova dizer que poker é esporte. Mas a vitória do paulista André Akkari em uma das etapas do Mundial de poker (WSOP) nos EUA ganhou dimensões até então não experimentadas para quem acompanha e segue a modalidade. Depois de ganhar espaço em quase todos os grandes veículos de comunicação, o poker finalmente chegou a Rede Globo, maior empresa do ramo no País, em um noticiário esportivo. Foi durante a realização do BPT (Brasil Poker Tour), um dos campeonatos brasileiros de poker (o outro é o BSOP, Brazilian Series Of Poker), no qual a emissora aproveitou para explicar o jogo e propalar a vitória de Akkari. Veja a reportagem, exibida apenas no Globo Esporte de SP, nesse link.

Curitiba, para quem não sabe, é celeiro de grandes talentos do poker nacional. O primeiro brasileiro campeão mundial é curitibano, Alexandre Gomes. Daqui já saíram dois campeões nacionais em etapas distintas, João Paraná e Helson Kupczak. Já tivemos o curitibano Gustavo Flessak como nono colocado no maior torneio das Américas, o LAPT (uma espécie de Libertadores do Poker). E no 1o. BPT, finalizado no último final de semana, o também curitibano Luiz Pheres beliscou um 3o. lugar, perdendo nos detalhes a mão decisiva para o dinamarquês Rolf Andersen, que acabou sendo o campeão da etapa. O resultado foi destaque no Jogo Aberto Paraná:

Neste mês, pela primeira vez o WSOP foi transmitido quase em tempo real pela ESPN no Brasil. Havia um delay (atraso) de 30 minutos na emissão das imagens em relação ao tempo de jogo, em virtude da segurança estratégica da partida. A ESPN havia parado de transmitir os eventos após a Black Friday, por recomendação da direção mundial do grupo, mas retomou em alto estilo. No BPT, a transmissão das partidas foi feita em tempo real, pela internet, pelo site TV Poker Pró.

Depois de ter espaço na Band, na ESPN e na Revista ESPN (aqui, reportagem com o americano oito vezes campeão mundial, Phil Ivey), o fato do poker chegar ao maior grupo de comunicação em uma reportagem positiva é o carimbo que o esporte precisava para afastar o preconceito de vez. Mas não é a barreira final.

Essa só será superada quando o jornalismo segmentado tratar não só das vitórias, mas também dos problemas do esporte. Como o bloqueio do site Full Tilt Poker em virtude de denuncias de corrupção fiscal nos EUA, ainda sem ter a versão dos fatos do braço brasileiro do site, parceiro da confederação nacional, posta a público.