Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 08/08/2012

A única entrevista de Petraglia

Na semana em que deve confirmar o 9º técnico em 18 meses (uma média impressionante de um treinador a cada 60 dias) o Atlético se vê em um beco sem saída na crise existencial que vive há pelo menos duas temporadas. Outrora estilingue, o “messias” Mário Celso Petraglia – que fez muito pelo clube em outros tempos – já não pode culpar o antecessor pelo fracasso em 2012. A atual direção repete os erros de Marcos Malucelli, com um agravante: não se explica à torcida. Petraglia não fala via imprensa e fechou-se também às redes sociais. Dá a impressão de que, munido pela obra na Arena, está distante do que o futebol atleticano faz: um fiasco total. Petraglia já trocou de técnico quando não devia, errou em contratações e segue apostando em uma diretoria de futebol ineficiente, sob a tutela de Dagoberto dos Santos. Ficar na Série B em 2013 parece ser o destino. O presidente atleticano, avesso a entrevistas desde que se elegeu (até então falava aos quatro cantos), só precisa dar uma única em Curitiba. Falou em Guarantiguetá, mas não fala em casa. E o que tem a dizer é simples: assumir que errou nas escolhas e ter humildade para recomeçar enquanto há tempo.

Diferentes, porém iguais

As coisas não estão simpáticas à Coritiba e Paraná.  Em séries diferentes, com exigências diferentes, vivem o mesmo problema: a falta de gols. O Coxa sofre pela expectativa exagerada, criada por ele mesmo quando chegou (e perdeu) pela segunda vez seguida à decisão da Copa do Brasil. E sem um atacante definidor, faz o óbvio: perde de quem é melhor, mesmo em casa (Botafogo, Fluminense) e vence quem é pior, mesmo fora (Náutico). Não cairá, mas não sairá disso. O atacante também é problema na Vila. Joga bem, mas não vence. Li uma boa comparação: é como a pretendente que te dispensa dizendo que “gosta de você, mas só como amigo.” Porém, se o Coxa tem mercado e potencial financeiro para arrumar a peça que falta, o Tricolor não. Está no limite do que pode fazer. Vai com o que tem. E convenhamos, pelo cenário que se desenhava em janeiro, está indo muito bem. Mas assim não subirá – evidentemente.

Cultura esportiva

Respiro a Olimpíada de Londres, acompanhando os mais diversos esportes. Já estive em transmissões de natação, boxe, vôlei de quadra e praia, basquete, judô e handebol. A euforia que toma conta da torcida, interessando-se pelo desempenho dos atletas no decorrer dos jogos, é proporcional à cobrança injusta quando os brasileiros fracassam. Não que não deva haver cobrança; deve, afinal, quem quer projeção está na mira. Mas não temos cultura esportiva no País. Gostamos é da vitória. Dizer isso significa que temos que entender que não somos uma potência esportiva, que os atletas não são infalíveis, mesmo quando favoritos. Favoritismo não é certeza de vitória. Nos quatro anos que antecedem os jogos, ignora-se nada que não seja futebol. Nos jogos, se quer múltiplos ouros. Não dá. O esporte é parte importante de um círculo virtuoso social: integra, ensina, afasta do crime e das drogas. Poderia ser uma saída para o crescimento. E então nascerá a cultura esportiva geral – possivelmente junto com mais vitórias.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 25/07/2012

Visão de longo prazo

Começa hoje o futebol olímpico, competição que abre Londres 2012 mesmo antes da cerimônia de abertura de sexta-feira. Até 12 de agosto, o Brasil vai ampliar o guarda-roupa esportivo: chuteiras ganham companhia de raquetes, toucas, luvas e redes, na atenção dos torcedores. A cada quatro anos é assim; entre eles, infelizmente, o esporte olímpico (por vezes chamado de amador) não consegue o mesmo espaço do futebol – salvo exceções. A obscuridade de outras modalidades é por falta de apoio ou interesse? Ovo ou galinha? Não importa: em quatro anos, somos nós, brasileiros, que receberemos os Jogos Olímpicos. Seja ovo ou galinha, é hora de planejar o aumento da produção.

Paraná 2016, Curitiba 2016

Engana-se quem pensa que apenas o Rio de Janeiro será sede e terá lucro e desenvolvimento com os jogos. Curitiba também pode. Mas para isso, tem que querer e começar já (de fato, está atrasada). Anotem, políticos. Dois anos depois de receber a Copa 2014 – megaevento ainda ligeiramente desprezado na capital, sabe-se lá porque – a cidade pode ser parte da Olimpíada 2016. Nesse ano, Londres receberá 203 delegações, com 10500 atletas. Terá quase 1 milhão de pessoas a mais na população durante os jogos. Mesmo a capital britânica não suporta o volume de delegações que precisam de infraestrutura de treinamentos. Não a toa dividirá com outras cidades. O futebol, por exemplo, terá sedes em seis cidades – até mesmo Glasgow, na Escócia. A renovação do Tarumã (ou um novo ginásio), a Arena da Copa e os demais estádios, os CTs dos clubes, a Sociedade Hípica, os clubes sociais e suas quadras, piscinas e tatames, o velódromo do Jardim Botânico – se reformado. Locais que, se planejados com quatro anos de antecedência, podem abrigar uma ou mais delegações em Curitiba, que está 1h30 distante do Rio, de avião. Obras que deixarão um legado esportivo para a cidade – se os dirigentes tiverem cabeça, interesse e planejamento para fazê-lo.

Pensar grande

Edgar Hubner, curitibano, é o coordenador do COB no Crystal Palace, o “CT” brasileiro em Londres. Apresentei um evento voltado ao segmento hoteleiro e alimentício de Curitiba no qual ele foi o principal palestrante. Fez o alerta, deu a dica: pensar grande, se estruturar e se oferecer para que países se hospedem na capital em 2016. Gente que vai precisar de ambientação no Brasil e pode encontrar local familiar em Curitiba, como canadenses, alemães, etc. Geração de renda e infraestrutura. Bom para todos.

As chances em 2012

Em campo (ou quadras, etc), a promessa é de que o Brasil faça sua melhor olimpíada, antes do próximo ciclo olímpico, que será em casa – o que costuma ser reflexo de muitas medalhas. Futebol feminino e masculino, vôlei, de quadra e praia nos dois gêneros, basquete masculino, judô, boxe, vela e natação devem trazer medalhas. Reais possibilidades de termos entre 6 e 10 ouros – um recorde.

P.S.: Estarei na transmissão de Honduras x Marrocos, quinta 26/07, 7h45 da manhã, pelo futebol masculino, grupo D, no portal Terra. Imagem em HD, disponível para computadores, tablets e celulares. Veja mais abaixo.