Arbitragem ruim: vai acontecer com seu time também

O pênalti da discórdia: vai acontecer com todo mundo

O Coritiba foi prejudicado por um pênalti mal marcado à favor do Corinthians, o que transformou um empate que manteria o Coxa no G4 numa derrota que pôs o Timão lá. Isso é um fato: o árbitro marcou um pênalti que é tão unânime não ter existido que até nos faz pensar se não foi mesmo. E não foi.

Então, é o Corinthians, no Pacaembu. E as teorias da conspiração começam. Não foi a primeira vez que o Coritiba foi prejudicado por um erro de arbitragem e não será a última. Não foi a primeira vez que o Corinthians foi beneficiado e, acreditem, não será a última. Proposital?

Como jornalista e apaixonado pelo esporte, enquanto não se tiver provas, não tenho como acreditar que seja proposital. Que na verdade trata-se de acaso e incompetência.

Senão, vejamos: na última quarta-feira, em Curitiba, o Coxa arrancou um empate suado com a Portuguesa depois dos 45 do segundo tempo, com um gol de Bill, em posição de impedimento. O jogo não foi num domingo à tarde, com transmissão para boa parte do Brasil, como o duelo entre corintianos e coxas-brancas. As reclamações da Lusa passaram batidas. A Lusa não é a única a ser prejudicada, como o Coxa também não é. 

Segundo o site Placar Real, que monitora reclamações dos clubes e simula uma classificação sem os supostos erros, os times mais prejudicados no Brasileirão até aqui são Atlético Paranaense, Vasco, Grêmio, Portuguesa e, acreditem, Corinthians – isso, antes das avaliações da 15a rodada. Entre os beneficiados, o destaque é o Inter, com três pontos contabilizados, seguido de Goiás, Cruzeiro e Criciúma.

O problema não está no pênalti inexistente marcado para o Corinthians. Está na qualidade da arbitragem, não só no Brasil, mas em todo o planeta. Arbitragem que pode ser covarde, conivente, incompetente e, principalmente, humana – portanto, falível. Mesmo com dois auxiliares novos extras na linha de fundo. Neste sábado, transmiti pelo Terra a vitória do Bayern sobre o Eintracht em Frankfurt. O time da casa teve um gol mal-anulado e acabou derrotado. Há que se dizer: não se viu em campo as reclamações acintosas que se vê no Brasil. Questão cultural. 

As teorias da conspiração vão manter os bares e mesas-redondas com assunto até a próxima rodada. Até o próximo erro grave. São muito fruto de uma cultura brasileira que dá muito espaço para os clubes de Rio e São Paulo e pouco olha para fora. O Coritiba – que poderia ser o Atlético, o Bahia, o Sport e até mesmo os mineiros e gaúchos – se sente desprestigiado em relação ao Corinthians. Está menos na mídia, gera menos polêmica, tanto pro bem, quanto pro mal.

O Corinthians, por sua vez, ficou estigmatizado pelo escândalo de 2005, no qual não teve nenhuma relação. As falcatruas por apostas ilegais envolvendo o então árbitro Edilson Pereira de Carvalho fizeram o campeonato ter jogos anulados. O Timão se beneficiou nas novas oportunidades enquanto o Inter perdeu a vantagem que havia construído antes. No confronto direto, erro grave a favor dos paulistas, no pênalti em Tinga, não marcado e que ainda gerou a expulsão do gaúcho. O Corinthians acabou campeão. Levou a taça e a imagem, mas, convenhamos: foi proposital? O próprio arbitro Márcio Rezende de Freitas já assumiu que errou no lance.

Se há conspiração, por que o gol de Aloísio, que aliviaria a situação do São Paulo, foi anulado contra a Portuguesa? Como o Palmeiras foi parar na Série B? Como o Atlético Mineiro chegou ao título da Libertadores, com direito a um pênalti corretamente marcado para o Tijuana, no meio do caminho, sendo que o Corinthians acabou eliminado com erros de arbitragem contra o Boca? A Conmebol afinal não desejava que um brasileiro fosse campeão mais uma vez, certo?

O problema é que o futebol é caro demais e profissional demais para permanecer com arbitragem amadora e sem auxílio de equipamentos eletrônicos. As decisões, que hoje custaram a um clube com o orçamento do Coritiba, bem menor que o do Corinthians, uma vaga no G4, estão na mão de apenas uma pessoa. Sem auxílio e com segundos para fazê-la.

Em Flamengo x São Paulo também houve pênalti mal marcado. Jadson perdeu. E aí entramos em outro assunto: se por um lado a Fifa deveria rever para ontem o auxílio eletrônico, os clubes também não devem se encostar no papel sedutor de vitima.

Um estudo publicado no livro Soccernomics (um Freaknomics da bola) aponta que os jogos com pênaltis marcados (correta ou incorretamente) acabam com vitória do favorito em 49% das vezes, enquanto os jogos sem nenhum tipo de pênalti marcado resulta em vitória do favorito em 46% das vezes. Os números foram extraídos de 1520 partidas na Premier League inglesa (que também tem times grandes e pequenos). Apenas 3% de diferença, estatisticamente desprezível. E isso porque pênalti (mal) marcado não é sinônimo de gol. Jadson que o diga.

Se os clubes se encostarem nos erros, se os torcedores se encostarem nas teorias conspiratórias e se a imprensa não identificar a causa real de tantos erros de arbitragem ao longo da história, o ciclo não terá fim. Bom para conversas de boteco, mas péssimo para o futuro do futebol num todo. Ninguém gosta de um jogo previsível e com cartas marcadas. E pode ter certeza: vai acontecer com o seu time também.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Atletiba #350: personagens e projeções

Personagem 1: Marcelo Oliveira

Retranqueiro, conservador, covarde. Guarde qualquer qualificação pejorativa que você tenha do técnico do Coritiba para uma próxima vez. Marcelo Oliveira acertou em cheio no clássico 350 e conquistou a vaga na decisão. Se o fez porque o Atlético teve um homem a menos (assunto tratado logo abaixo), não importa: o Coritiba que entrou em campo mandado por Oliveira conduziu a partida ao longo do 90″, a ponto de não passar um susto sequer.

Tomou dois gols, um em bola parada, outro em falha de marcação, mas sempre esteve a frente do placar. Abafou a reação de um valente Atlético sem dar muitas chances: mal cedeu o empate e já voltou a fazer 3-2. E acertou em cheio em todas as decisões: matou (e irritou) Guerrón com a entrada de Lucas Mendes, deu velocidade ao time com a opção por Éverton Ribeiro no início, sem Lincoln, e quando colocou o experiente meia, foi premiado com um gol (passe de Lucas Mendes). Pra fechar, ainda viu o xodó pessoal Renan Oliveira fechar o placar.

O Atletiba 350 foi de Marcelo Oliveira, não tenho dúvidas.

Personagem 2: Guerrón

Guerrón é daqueles personagens que o futebol produz e que ajudam a construir ricas histórias. Ele consegue ser herói e vilão, consegue dividir a torcida atleticana e deixar sempre um quê de dúvida sobre seu comportamento imprevisível. Ontem, Guerrón pisou na bola e ajudou a afundar o Atlético no 350. A expulsão depois de uma clara agressão ao zagueiro Lucas Mendes, quando o Furacão estava no campo de ataque, deixou o time com um a menos. A imagem abaixo não deixa dúvidas: Guerrón chutou Mendes.

No lance corrido (estará mais abaixo) percebe-se que Guerrón e Lucas Mendes vem se empurrando ao longo da disputa. Aí o equatoriano perde a cabeça e chuta o zagueiro alviverde. Com um a menos, o Atlético até foi brioso e buscou dois empates, mas também permitiu espaços que possibilitaram ao Coritiba matar o jogo.

Guerrón é o bandido do 350.

Personagens 3: Trio de arbitragem

Das reclamações sobre o trio de arbitragem – em especial feitas pela torcida atleticana – uma procede com absoluta certeza: Lincoln estava impedido no lance do segundo gol do Coxa:

A imagem acima não deixa dúvidas e está no melhor ângulo, paralelo a linha da grande área. Recebi outra imagem, em ângulo inverso, que dá a impressão de que a perna de Manoel daria condições a Lincoln; mas ela está na transversal, supondo uma diagonal, o que não permite que se enxergue bem a linha de impedimento. Nota-se na imagem acima que o auxiliar está ligeiramente encoberto por outros dois jogadores, que também estão na jogada.

A reclamação em cima do lance do primeiro gol do Coritiba, de que Anderson Aquino estaria impedido no lançamento, vai ficar para as eternas discussões de boteco sobre o Atletiba 350. Olhando em várias imagens, de várias emissoras, é impossível afirmar categoricamente que Aquino estava impedido no lançamento. Nenhuma imagem mostra a linha entre ataque e defesa no momento do passe. Como a distância é muito grande entre a origem e o fim da jogada, não há como matar a dúvida.

E aqui faço uma defesa a todos os colegas de imprensa, que devem ter recebido N e-mails sobre “porque não mostraram o lance?” e etc., assunto recorrente pela manhã no Twitter: sem teoria da conspiração, estou certo que nenhuma emissora tem o lance esclarecedor. Aquino está muito à frente? Está. Mas ele pode ter partido de antes do meio campo, quando não há impedimento, bem como Manoel pode ter parado no lance e pedido impedimento. Nessa, vai ser difícil chegar a alguma conclusão.

O vídeo abaixo tem os lances da partida sem caracteres visuais e com todos os gols. Vale para ilustração.

Projeção:

Serão dois grandes jogos na decisão do Paranaense 2012. A derrota do Atlético no 350 não terá peso extra na decisão, a não ser o conhecido: o fato do Coritiba jogar a finalíssima no Couto Pereira o que, como se viu ontem (e nos últimos 4 anos) tem sido diferencial nos clássicos.

As equipes partem com tudo zerado. Não há favorito para o título antes do primeiro jogo. Que, aliás, creio que pode decidir o campeonato. Desta vez o Coxa pode ir como franco-atirador, já que poderá ter a revanche em seu abrigo; já o Atlético tem que procurar fazer o placar sob seu mando e jogar a responsabilidade pro lado oposto.

Não há vantagem no saldo de gols: se um time vencer por 5-0 e perder por 0-1, pênaltis; não há vantagem também no empate. Há uma ligeira vantagem para o Atlético no primeiro jogo, por jogar em seu mando (possivelmente na Vila Capanema) e ver o Coxa encarar uma viagem até Belém na quinta-feira anterior. Vantagem essa que volta ao Coritiba no domingo seguinte, pois aí é o Furacão que vai até Minas Gerais fazer a sua rodada de volta pela Copa do Brasil.

Pela quantidade de críticas que a arbitragem paranaense sofreu ao longo desse campeonato, acho que é uma boa idéia fazer as finais com árbitros de fora. Nenhum árbitro local tem condições de apitar os dois jogos sem estar pressionado. Não se trata de suspeita, mas sim de uma necessidade latente: a arbitragem paranaense está num nível terrível. Heber Roberto Lopes, o melhor, já está mais que desgastado em Atletibas; Evandro Rogério Romam é hoje mais secretário de Estado que juiz de futebol; e os demais não inspiram confiança.

Mas isso é assunto pra um post futuro, analisando prós e contras dessa medida.

Bad Beat*

Rink, entre o poker e o Atlético: retrato de escolhas erradas

Paulo Rink protagonizou um episódio marcante na dura caminhada que o Atlético faz rumo à Série B 2012. Foi logo após a derrota para o Avaí, 0-3, que matou a reação que o Furacão ensaiava ao vencer o Inter. Rink cobrou comprometimento do elenco rubro-negro, nominando (por indução do entrevistador) jogadores como Marcinho, Cléber Santana e principalmente Paulo Baier:

“Eu nunca tinha pensado que o Atlético ia cair. Mas o jogo de hoje fiquei com medo. Não foi só a derrota (…) tô envergonhado, foi um dos piores desempenhos que eu vi esse ano, não só na parte tática, mas também na vontade. Hoje não corremos, não ganhamos divididas. Tem que conversar com eles para ver o que aconteceu. Hoje nós perdemos na vontade dentro de campo, ninguém quis jogar”.

O disparo contra o grupo de jogadores foi feito nos microfones da Rádio Transamérica. Rink não está errado. Nem foi o principal culpado pela derrota em Florianópolis. Rink é só mais um personagem na epopéia de erros atleticanos em 2011. Ele, gerente de futebol do clube, dividiu seu tempo nas vésperas de um jogo que pode ter significado o rebaixamento atleticano entre a gerência de futebol e o poker, no Brazil Poker Tour, o brasileiro da PokerStars.

Incompatível com a função. Inadimissível para um gestor profissional. No caso atleticano, mais um episódio tragicômico.

Eu gosto de poker. Jogo, estudo, sou entusiasta. Até já joguei ao lado de Paulo Rink. Não há mal nisso, como não há quando Wanderley Luxemburgo joga, apesar do barulho feito quando o hábito do polêmico técnico do Flamengo veio à tona. Bobagem e preconceito.

Mas eu não jogo enquanto produzo o Jogo Aberto Paraná. Nem um gerente de futebol deveria dividir suas atenções com o principal torneio de poker do País, cuja inscrição custa mais de R$ 2 mil. Muito menos na tarde em que o gerente é a pessoa que melhor pode passar confiança aos atletas para o jogo decisivo, ou quando o gerente foi um ídolo com a camisa do clube. E talvez por isso esteja sendo poupado.

Rink é, na verdade, o terceiro gestor de futebol do clube – quarto, se contarmos que o presidente Marcos Malucelli assumiu a função. Dos donos desse cargo, o Atlético apresentou (só em 2011) seis treinadores, três preparadores físicos, mais de 40 jogadores em campo. O episódio protagonizado por ele demonstra o profissionalismo da gestão do futebol do clube. E aqui, não se julga intenção ou caráter; apenas o óbvio: amadoristicamente, o Atlético caminha a passos largos para a Série B.

Uma bad beat das mais difíceis do torcedor engolir. Mas poker – ou gestão – não é sorte; é habilidade.

*Bad Beat: termo que define a aparição de uma carta desfavorável a um dos jogadores contra muitas possibilidades. Um exemplo: quando de todas as cartas do baralho, só uma ajuda o jogador – e justamente ela aparece, contra as probabilidades.

Update: Rink desligou-se (ou foi desligado) da gerência de futebol durante a tarde desta terça-feira. Não se surpreenda se ele voltar ao clube na mesma função ou no departamento de futebol em 2012, com Mário Celso Petráglia.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Polêmicas do Atletiba 347

Fechando a série de posts sobre o Atletiba 347, repriso aqui lances e comentários feitos no Jogo Aberto Paraná da Band Curitiba, que vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, para Curitiba, RMC, Paranaguá e litoral e Ponta Grossa e Campos Gerais.

São lances que separei a pedidos de muita gente que nos dá a alegria da companhia. É polêmica, então não espero concordância e sim disponibilizo os momentos para uma análise mais aprofundada para mim e para vocês.

1) Bill cuspiu em Fabrício?

As imagens acima são da TV Bandeirantes e são as únicas a que tive acesso. Por elas, é impossível ter uma conclusão, ainda que utilizemos o recurso zoom.

No entanto, fiquei com alguns indícios de que Bill NÃO cuspiu em Fabrício. Pelas imagens, percebe-se que ambos seguem se estranhando após o lance, mas, se cuspido fosse, difícilmente Fabrício não reagiria: cuspe na cara é uma desonra enorme para quem leva e maior ainda para quem executa. Um telespectador/leitor já perguntou se não questionamos ambos sobre isso: não. Nem Bill, nem Fabrício, estiveram na coletiva do Atletiba. Amanhã, com as coletivas da semana, pode ser que isso tenha sido feito. Eu não estive em nenhum treino. Mas falo mais se souber mais.

Em tempo: outros perguntaram se foi pênalti de Fabrício em Bill no mesmo lance. Pra mim, não: Bill perde a passada e se joga. Lance normal.

Update: O repórter Osmar Antônio, da Rádio Banda B, afirmou que, ao perguntar para o zagueiro Fabrício se Bill teria cuspido nele, a resposta foi sim. Repito o que afirmei no Jogo Aberto Paraná nessa terça: as imagens da Band não mostram o cuspe. Se outro canal tem, seria de bom tom jornalístico oferecer. Ainda: acredito que agora cabe ao jogador e ao clube irem atrás do que acham correto. Por fim, uso o update e não uma edição porque quero manter o teor original do texto, sem compromisso com o erro.

2) Houve inversão na falta que originou o lance do Atlético?

Não. Mas se Héber Roberto Lopes marcasse falta e amarelasse o meia Branquinho, do Atlético, também estaria correto.

O lance é claro: Willian faz a falta por baixo no mesmo momento em que Branquinho reage por cima, esticando o braço no rosto do atleta do Coxa. Foi falta de Willian; foi falta de Branquinho. A questão é o tempo.

Héber entendeu que Willian “bateu” antes e apitou. O resto vocês já sabem.

3) Foi pênalti no lance com Jéci e Madson?

Não. Enquanto a Fifa (ou no caso a International Board) determinar que o que vale é a intenção no eventual toque da mão na bola, nenhum lance assim pode ser considerado pênalti. Diferentemente do basquete, quando a bola tocada no pé é falta não importando a razão, o futebol permite esse tipo de lance. E Jéci só não tocaria a bola se não tivesse um braço.

Além do mais, observando a movimentação dos jogadores, percebe-se que Jéci faz o possível para não reter a bola com o braço e Madson, na disputa dela, em nenhum momento pede o toque.

4) Edson Bastos falhou no gol do Atlético?

Não. Na minha opinião, e a imagem acima mostra, houve mérito na proteção de bola feita por Cléber Santana em cima de Lucas Mendes, impedindo o corte. Não só isso: o posicionamento da defesa do Coritiba permitiu que a bola, batida na direção do gol e com força, quicasse logo a frente de Bastos. Esse tema gerou debate acirrado no programa, já que a opinião do ex-goleiro e comentarista do Jogo Aberto Paraná, Gerson Dall’Stella, é contrária. Para ele, Bastos falhou – deveria ter se antecipado ao quique.

Na verdade, o futebol é feito de erros. O gol invariavelmente nasce de algum erro. Foi assim com o gol do Coritiba, quando, mal posicionada, a defesa do Atlético permitiu o cabeceio de Emerson. E do jogo.

O que se discute na verdade não é se Edson falhou ou não e sim se ele deve se manter no time titular. Bastos ainda paga pelo erro da Copa do Brasil e qualquer suspeita já é o suficiente para que a paciência com ele se acabe. Eu acho que, em termos práticos, não há nada demais em dar uma oportunidade para Vanderlei, outro grande goleiro.

Mas o que tem se tentado fazer com Bastos é cruel. Como disse Renan Ceschin hoje no programa, se ele não pode ser titular com tudo o que já fez pelo Coxa e passa a ser questionado em lances difíceis como esse, então, não deve ficar. E aí já é demais, não concordam?

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!