Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 05/12/2012

O acerto atleticano
O acordo com a norte-americana AEG é certeza de lucratividade para o Atlético com a Arena. O pagamento de 12% das receitas em patrocínios do estádio e camisa e no naming rigths, mais 9% das cadeiras premium, além dos US$ 40 até a inauguração do estádio, é um acordo muito acima do que conseguiu o Palmeiras, por exemplo. Parceiro da WTorre – que buscou na mesma AEG um terceiro apoio para rentabilizar a Arena Palestra – o time paulista terá apenas 5% de toda a arrecadação do estádio por 5 anos, 10% após esse prazo e assim proporcionalmente até 30 anos, quando passa a ter finalmente 100% da arrecadação. Incomparável.

O erro atleticano
Os números acima não foram contestados pelo clube, que entretanto não consentiu com a divulgação dos mesmos. Uma bobagem. O clube não pode andar na contramão do que ele mesmo decidiu, ao realizar a coletiva de imprensa em SP (que teve repercussão nacional) demonstrando o interesse em engrandecer a ação chamando veículos de circulação em todo o Brasil. As informações vazaram de dentro do próprio Atlético. No Brasil, clubes de futebol são entidades sem fins lucrativos (podem sem controlados por empresas com esse fim) e de interesse público, o que justifica a pauta que, aliás, em nada denigre o acordo feito; ao contrário, como visto acima.

Estádios e benefícios
Estive ontem com Aldo Rebelo, ministro do esporte. Ele foi explícito: “Todos os estádios das Séries A e B estão na portaria que assinei sobre a Copa, dando os mesmos benefícios para os que estão em obras, para que o futebol brasileiro se modernize e dê conforto.” Recado claro para Coritiba (já está?) e Paraná correrem com projetos.

Vestibular e cotas
Conversei com gente de dentro do Coritiba sobre a remodelação do time para 2013. Algumas peças vão mudar, outras, mesmo não tão aprovadas assim, ficarão. Hoje, no futebol, muitas vezes para manter o craque é preciso ficar com o bagre, para agradar os empresários. Quase uma cota para pernas de pau.

Novo desmanche
O futebol paulista já começou a tirar as boas peças do Paraná. A coluna cantou antes, mais um recomeço, talvez atrás até de Londrina e Cianorte. Tenha paciência, torcedor.

Paulo Baier
Fica no Atlético para 2013. Justa escolha e mais que homenagem, há que se lembrar o quão útil foi ao clube na Série B. Pode ser o comandante do time S23 do Paranaense.

Looping eterno

Vila, quem fica?

Não sou hipócrita: se eu tivesse R$ 100 no bolso (jornalista ganha mal, amigo) não apostaria no acesso do Paraná à elite esse ano ainda, embora o goleiro Zé Carlos faz o papel dele em afirmar que ainda dá.

Mas 2012 está aí e em meio a perspectivas de mudanças políticas, com uma suposta chapa de oposição com José Carlos de Miranda à frente, é preciso pensar no futebol paranista. Não importa (nesse caso) se o time disputará a Série Prata do Estadual, caso o STJD modifique a nova decisão do tribunal local ou se o Tricolor ficará na elite; o exemplo de 2011 mostra que, se não há dinheiro o suficiente para disputar o título com Atlético e Coritiba, não se pode nem pensar em repetir o fiasco deste ano. E o importante é a manutenção de uma base.

E aí amigo paranista, a coisa já não é boa – embora haja tempo de ser arrumada.

Por sugestão do leitor Rodrigo Marquevi, resolvi ver a duração dos contratos dos jogadores de destaque do Paraná. E apenas três já estão garantidos até o Estadual/12: os meias Cambará e Douglas Packer e o atacante Giancarlo. E ainda assim, só até o meio do ano.

Nomes como Zé Carlos, Dinélson, Brinner, Amarildo e Serginho, entre outros, estão com contratos até dezembro apenas. Uns por empréstimo, outros por opção. Mas, mesmo sem ser unanimidade entre a torcida, já formariam uma base.

Há poucos dias eu jantei com um experiente gestor de futebol brasileiro, que já me falava dos planos para 2012. De como um clube deve pensar não no calendário ou no jogador X apenas, mas sim no contexto de formação de elenco, de estrutura profissional da equipe e renovação natural em posições. Ouvindo, parece simples; executando, vê-se que não é tanto.

Mas há que se começar. Ou o Tricolor iniciará 2012 como iniciou 2011, 2010, 2009… num looping eterno.

Clique aqui e confira o BID paranista.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!