Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 12/12/2012

Salve(m-se d)o Corinthians

Enquanto você lê esse texto, o Corinthians provavelmente se tornou finalista do Mundial de Clubes da Fifa. Com todos os méritos, com todas as justiças, como diria aquele apresentador. Se o imponderável não entrou em campo com a camisa do Al-Ahly, o Timão chega a decisão do Mundo numa partida que pode significar o início de uma doce rotina corintiana, amarga para a imensa maioria de clubes do Brasil. Nesta semana o clube paulista apresentou renovação de contrato com a fornecedora de material esportivo: R$ 30 milhões anuais, a maior do Brasil. O Corinthians faz por onde. Vende mais. Tem ainda o maior patrocínio de camisa de uma única empresa e é o clube que mais recebe cotas da TV. Por cima (o clube ainda tem receita de sócios e outros patrocínios) só as três fontes de renda citadas dão ao Alvinegro paulista R$ 184 milhões. Quem não é Corinthians, que se prepare: será quase impossível parar o Timão.

Pontos corridos ou mata-mata?
Velha discussão. Desportivamente, é justo que a definição do campeão nacional saia de um torneio de regularidade. Melhor para quem tem fôlego (leia-se dinheiro). Claro, o Al-Ahly pode ter pregado uma peça e eliminado o Corinthians e aí você pensando: “viu só?” Pois se aconteceu, foi em um mata-mata. A Copa do Brasil já atende esse anseio e equipes de pequeno porte (Santo André, Paulista, Juventude) já ergueram o caneco. Mas a discussão não reside nisso e sim em outro tema: a distribuição de renda.

Brasil, um país de todos?
Ver a tabela do Brasileirão é praticamente o mesmo que olhar a tabela de distribuição de cotas. Só o Palmeiras não está entre os 12 primeiros, substituído pelo Náutico (o Coxa é o 13º). Os 11 demais são os que mais recebem, com alguma distinção entre si. Botafogo e Atlético-MG, com menor porte que o restante, vão no embalo dos vizinhos. Atlético e Coritiba abrem o grupo dos relegados, que ainda têm Sport e Bahia, quatro clubes que poderiam muito bem ocupar a faixa dos alvinegros de Minas e Rio. Responsabilidade de quem assina os contratos, caminhando para um Brasileirão cada vez menos competitivo. Recentemente o Coxa comemorou o aumento de valor no contrato de R$ 30 para R$ 54 milhões. Entretanto, o aumento também atingirá os demais. O Flamengo, par do Corinthians como os que mais recebem, saltará mais 40 milhões na conta – quase o total do Coxa, só de acréscimo. Tenho narrado jogos do Campeonato Alemão, um dos melhores do Mundo, como o Inglês e o Espanhol. Alemanha e Inglaterra distribuem as cotas de três maneiras: potencial de audiência, classificação do ano anterior e um percentual fixo igual para todos. São as ligas mais fortes do Mundo e em pontos corridos. No blog napoalmeida.com, continuo o exercício. Apareça.

Anúncios

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 08/02/2012

Atletiba 349 no Eco-Estádio e com torcida única?

Só a Polícia pode impedir a realização do clássico 349 no Eco-Estádio, caso entenda não haver segurança. Com a recusa do Coritiba em emprestar o Couto Pereira, o que está respaldado pela justiça, o Atlético irá mandar seus jogos no Janguito Malucelli. E a FPF não tem como arbitrar sobre o tema. “Não posso obrigar a jogar em outro lugar. O Atlético indicou lá e se a polícia liberar vai ser lá”, disse Amilton Stival, vice-presidente da Federação, que ainda confirmou que pode, em contrapartida, solicitar que o jogo tenha torcida única. A 15 dias do primeiro clássico do ano, a decisão deve passar por uma avaliação do que acontecerá hoje à tarde no jogo entre Atlético e Toledo. Mas é a PMPR, junto com a Rodoviária, quem realmente tem poder de veto sobre a realização do clássico no estádio que tem capacidade para 3.976 torcedores. 

E as conseqüências?

Assim sendo, evidentemente a PMPR e a PRF garantiriam a segurança dos torcedores, que passam a ter outras questões. A primeira: o jogo de volta, no Couto Pereira, também teria torcida única? Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do Coritiba, já sinalizou que caso essa decisão seja tomada, irá requerer o mesmo para o segundo turno – quando 37.182 pessoas poderão ver o jogo. Um número dez vezes maior. Além do diminuto número de sócios atleticanos que poderão fazer valer seu direito ao acesso no primeiro jogo, há a preocupação com a circulação no entorno do estádio e também na chegada dos times. Realmente desaconselhável. Solução? Difícil. Outra opção seria Paranaguá e aí há o risco de confronto de torcidas na estada. Vale lembrar que o Atletiba 349 acontece dia 22/02, quarta de cinzas.

All Blacks

A camisa III do Coritiba, lançada ontem, será o segundo uniforme do clube por um bom tempo. A idéia é apostar na proposta monocromática para fixar no mercado. A camisa estreará no jogo de hoje à noite, contra o Londrina. Tudo aconteceu rapidamente: o Tubarão avisou o Coxa que jogará com uniforme claro, predominante branco, e o Coritiba apressou-se em organizar um lançamento. A camisa, criada em conjunto pela Nike e pela Netshoes (que também patrocina o Atlético) remete ao tempo em que o Alviverde era chamado de Alvinegro, pelo conjunto “camisa-branca-com-detalhes-verdes-e-calções negros. Foi depois dos anos 70 que o Coxa passou a ser conhecido como alviverde”, relembra o historiador Heriberto Ivan Machado.

Comunidade latina

Com a oficialização de Martín Liguera no Atlético, o Furacão passa a ter quatro estrangeiros no elenco (Nieto, Guerrón e Morro García completam a lista). Se o elenco pode ter quantos estrangeiros o clube entender, vale uma ressalva: a CBF só permite que até três assinem a súmula de um mesmo jogo.