Em patrocínio inusitado, Organizada devolve ao clube o que ela mesma tira

A camisa do Paraná, patrocinada pela "Fúria Independente": mão invertida

O inusitado patrocínio da torcida organizada “Fúria Independente” ao Paraná Clube é caso para ser estudado à fundo e deixar todos, especialmente o torcedor comum, de olhos bem abertos.

Não vou entrar nos méritos da possível ingerência da TO no clube pois, além de suposição, é também óbvio que ela já aconteceria mesmo sem o patrocínio. Torcidas Organizadas tem poder de milícia, vigiam a vida de jogadores e dirigentes (imprensa também), normamente de maneira pouco cordial. Duas derrotas e se pede a cabeça de todo mundo. Ou quase: existe quem se proteja pagando um soldo às mesmas. Vale para todas. Seguindo essa lógica, é melhor então que as cobranças acompanhem um repasse financeiro ao clube, no melhor estilo “paguei, cobrei”, já que fariam de qualquer maneira – o histórico não me desmente.

O que chama a atenção é a relação comercial entre uma empresa com CNPJ e tudo mais – no caso, a “Fúria” e um clube de futebol que tem no anunciante um concorrente direto.

Sob a justificativa de que “apoiam incondicionalmente” e “estão juntos em todos os momentos”, as Organizadas se sentem um pouco donas de seus clubes. Assim, se apoderam das marcas dos mesmos, usando isso como fonte de renda. Explicando melhor: para qualquer torcedor, é mais barato comprar uma camisa ou um agasalho da torcida organizada do que investir nos (caros) materiais oficiais do clube do coração. Uma camisa da “Fúria” custa R$ 80 (R$ 70 para sócios da torcida em dia – outra concorrência interna, tratada a seguir) enquanto a camisa oficial sai por R$ 129,90. São 49,90 de diferença, podendo chegar a R$ 59,90.

Para um torcedor menos abastado, a simbologia é a mesma. Perante os amigos, ele marca sua paixão pelo clube e ainda ganha o “bônus” de se dizer pertencente à uma facção – o que no futebol significa respeito. O símbolo do Paraná Clube – e de tantos outros – está presente na camisa que, curiosamente, é sempre desvinculada pelas diretorias das TOs em episódios de violência. Além das camisas, as organizadas vendem outros artigos, como copos, bonés, etc. Tudo, claro, sem repasse de royalties.

O desconto para o sócio da torcida é outra concorrência desleal, que vampiriza o clube. O Paraná Clube hoje tem cerca de 4 mil sócios do futebol (há também sócios do clube social); a “Fúria” tem 15 mil cadastrados, com 500 em dia. Não obtive informações de quantos são sócios de ambos, mas, para ser sócio da torcida, são três planos: Ouro, a R$ 1000, Prata, a R$ 500, e Bronze, a R$ 100. Uma vez pago o valor, a manutenção custa R$ 10/mês. Já o Paraná Clube cobra R$ 80 reais a mensalidade para torcedores que queiram ficar no mesmo local da TO no estádio – a Curva Norte. Para contribuir com ambos, é necessário desembolsar uma média de R$ 170 por mês no melhor plano. Ou quase 1/3 do salário mínino, custo para poucos. Em número de sócios, cerca de 15% de perda associativa para a TO. Aqui, cabe uma ressalva: a “Fúria” garante que repassa 50% do valor de sua associação para o próprio clube. Não há confirmação se há relação direta com cessão de ingressos. Os benefícios são descontos em produtos e viagens e participação em festas – outra fonte de arrecadação.

Ao pagar R$ 50 mil para o clube, por dois jogos (Sport e Guaratinguetá), a “Fúria” passa o recibo de ser colaborativa mas, na verdade, apenas está devolvendo ao Paraná o que ela mesmo tira. É uma mão invertida. Ela está pagando agora o benefício de usar a marca do clube por tanto tempo. Não sem antes aproveitar para ela mesma se divulgar.

Após as entrevistas do técnico Dado Cavalcanti e do presidente em exercício Paulo Cesar Silva, de que o clube está sem dinheiro e precisa de toda a ajuda possível para se manter, é difícil condenar a ação da TO. No entanto, é preciso refletir o quanto a própria (e todas as outras) colaboram para que os clubes arrecadem menos e estejam em situação financeira precária.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Na Alemanha, rádio compra direitos exclusivos de transmissão de jogos

No Brasil, a discussão ainda engatinha. O Atlético já tentou forçá-la duas vezes, de maneiras diferentes e sempre sozinho, o que resultou em insucesso e críticas (o que penso sobre o tema está aqui). Mas, enquanto isso, na Alemanha, já é realidade: as rádios têm de pagar para transmitir jogos. Nessa semana, a DFL (Federação Alemã de Futebol, em tradução livre) confirmou um acordo de cinco temporadas com a Rádio ARD. A notícia, claro, mexeu com o futebol alemão.

A ARD é uma rádio pública com 10 emissoras espalhadas por toda a Alemanha. O grupo também tem emissoras de TV. As rádios operam em sistema digital e também pela internet. A compra dos direitos aconteceu em leilão aberto e deram a ARD três dos quatro pacotes de direitos oferecidos na cobertura das primeira e segunda divisões da Bundesliga, a Supercopa da Alemanha e o playoff do rebaixamento. A ARD será a única rádio a poder transmitir os jogos na íntegra e ainda terá alguns privilégios em entrevistas com os jogadores – não exclusividade. O leilão, no entanto, deixou os mesmos direitos abertos para a Internet nas mãos da Sport1.

Segundo o site da Revista Kicker, “o pacote ‘Audio Broadcast’ inclui os direitos de distribuição nacionais de áudio para FM e o pacote ‘Netcast Audio’ tem os direitos de distribuição de áudio para web e móvel. Ambos os pacotes dão direito a relatar todos os jogos.” As emissoras, no entanto, não tem direito exclusivo à cobertura jornalística, permitindo-se que os concorrentes façam coberturas curtas de áudio, incluindo entrevistas, tais qual o boletim do jogo em curso – como está, em que tempo, etc., no formato notícia ou, em interpretação livre, como os plantões do rádio brasileiro.

Leia também:

– Drubscky disse o que todos sabiam

– Exclusivo: por dentro do CT do Caju

– 15 minutos com Rafael Cammarota

Os valores não foram divulgados. O contrato se inicia na temporada 2013/14 e vai até a de 2016/17. Na imprensa europeia, especula-se um valor de 7 milhões de Euros por temporada. Aqui, mais um detalhe: na Alemanha, as cotas são divididas entre os clubes com base no desempenho esportivo da temporada anterior.

  • Jornalismo x Entretenimento

O modelo alemão tenta conciliar a difusão do espetáculo (entretenimento) sem desrespeitar o acesso à informação (jornalismo). Dá privilégios ao comprador dos direitos em entrevistas exclusivas, mas não proíbe as emissoras que façam as mesmas nem que compareçam às coletivas de imprensa. O que, aliás, é mais divulgação para o torneio. Principalmente: parte da confederação, que responde por todos os clubes. Para coroar, ainda há a divisão de cotas com critério desportivo. Um avanço.

No Brasil a TV Bandeirantes, com Luciano do Valle à frente, foi a primeira a, adquirir direitos exclusivos da transmissão do Campeonato Paulista, no começo dos anos 80, dando início ao negócio que conhecemos hoje. Record, SBT, CNT e principalmente a Rede Globo já transmitiram futebol ao vivo em algum momento. A Globo é a atual detentora dos direitos do Brasileirão, Libertadores, Copa do Brasil e de muitos Estaduais em TV aberta. No rádio, o único modelo de exclusividade conhecido é com as Copas do Mundo. Rádios do Brasil já se acostumaram a pagar à Fifa para poder transmitir as partidas. Quem não tem os direitos, não pode sequer fazer o off-tube.

No Paraná, o Atlético tentou, individualmente, vender os direitos de transmissão dos seus jogos em 2008. Não conseguiu, tendo a ideia barrada pela justiça. É um raciocínio lógico: ainda que uma rádio compre os direitos do clube, o jogo conta com duas equipes. Logo, a outra também precisa vender os direitos. Em 2013, o clube partiu para outra tentativa: proibiu seus funcionários de darem entrevistas para rádios, sites e TVs que não sejam do clube. Inicialmente apenas na internet, a Rádio CAP fez uma parceria com a 95.7 FM de Curitiba, que é a única para quem os jogadores tem orientação de falar. O modelo da parceria não foi explicado publicamente. A rádio não transmite outros jogos, se anuncia como “Rádio CAP 957” e não tem veiculado anúncios – que são a base de sustentação de toda emissora. Estima-se que uma equipe esportiva enxuta e que faça viagens para acompanhar os clubes necessite de uma renda mínima de R$ 30 mil por mês, entre despesas e salários.

O conflito se dá não pelo formato ou pela compra de direitos e sim pelo comportamento de quem cobre o futebol. Será preciso acompanhar na Alemanha como o jornalismo atuará a partir da novidade. No Brasil, costuma-se confundir o direito à informação com publicidade e também há um constrangimento em se tecer críticas e informações inerentes ao jogo e ao meio pelo simples fato de se ter direitos ou parcerias estabelecidas. A relação perigosa pode ser evitado de uma maneira simples: exercitando-se o caráter. Mas isso não se ensina em curso nenhum.