E o Coxa com isso?

O Atletiba 353 terminou 2-1 para o Coritiba, mantendo um tabu de 5 anos no Couto Pereira e colocando o Coxa na rota de colisão do Londrina (por essa a FPF não esperava), cujo encontro será justamente na última rodada do primeiro turno. Enquanto o Atlético discute se o Estadual vale ou não, se o time Sub-23 é bom ou não, o Coxa terá um adversário difícil no primeiro duelo na busca pelo tetra.

Não vou falar do jogo que não vi, mas não vou me prender só ao resultado. A verdade é que o Coritiba se deixou levar um pouco pelas opções atleticanas, pro bem e pro mal. Explico: tanto faz o time que entraria em campo pelo rival; era Atletiba, valia a liderança do campeonato. Por isso, nem a frustração da (exagerada) expectativa por goleada é correta, nem deve-se deixar de entender o que faltou para tanto. Afinal, vem aí um Brasileirão e, salvo se o controle de jogo da equipe estiver extremamente afiado, a queda de desempenho nas segundas etapas dos jogos deve ser melhor avaliada.

Não foi o primeiro jogo em que o Coxa reduz a marcha no segundo tempo – e afirmo isso pelos relatos das rádios que ouvi, me permitindo ser corrigido pelo amigo leitor. O Paratiba foi outra prova. Contra o Toledo, no entanto, o time foi avassalador na primeira etapa e caiu de ritmo no segundo tempo, permitindo-se até tomar um gol – o que também aconteceu no clássico. É controle total de jogo ou descompasso? Por ora, vamos entender que seja o primeiro. Afinal, também deve se pensar se uma goleada no clássico seria realmente benéfica ao Coritiba. Em 2011, contra o Palmeiras, não foi; depois, pra que despertar um rival em desleixo no Estadual?

Sendo mais crítico, vamos assumir que seja. O teste contra um Atlético desfigurado, três pontos acima da zona de rebaixamento e com saldo negativo, foi abaixo da média. Em dois minutos, aproveitando-se da inexperiência do rival, o time abriu 2-0. Depois, Deivid se envolveu em confusão e foi expulso novamente (já havia sido contra o Toledo). Acabou tomando o gol muito mais pelo brio dos meninos atleticanos do que por uma real ameaça, pelos relatos. Mesmo assim, com 10 contra 10, o jogo foi mais equilibrado. Agora, enfrentará um ataque forte e um time mais maduro, com torcida grande contra. O Londrina de Germano e Celsinho, com o Café lotado, não é de se matar com a unha.

O Coritiba de Marquinhos Santos tem sido pragamático. Há uma expectativa de se ver mais do que tem sido apresentado, mas enquanto o time estiver vencendo, não há muito espaço para questionamentos. Mas e se o fio virar? Impressionar é necessário ou não? Se os resultados faltarem a reflexão sobre o nível técnico para o Brasileiro vai aparecer. E aí o Coritiba pode se deixar levar novamente pelas decisões que os rivais tomaram para o Estadual.

Abrindo o Jogo – Coluna de 01/08/2012 no Jornal Metro Curitiba

De novo, chance de crescer

Imerso na transmissão da Olimpíada Londres 2012, confesso que tenho visto pouco do Brasileirão A e B. A internet ajuda, mas o difícil mesmo é ver que as perspectivas paranaenses já começam a ser reduzidas nas duas divisões (na B ainda mais preocupante, pois há estagnação em inferioridade) com 1/3 já disputado em ambas. No entanto, ontem teve início a Copa Sul-Americana para o Coritiba. A coluna foi fechada antes do resultado. Mas dá pra falar da oportunidade de internacionalizar a marca.

“Mind the gap”

Essa é mensagem do metrô de Londres a cada parada. Significa que você deve ver o espaço entre o trem e a plataforma na hora de desembarcar. Ver o espaço, “mind the gap” que a Sul-Americana proporciona, é necessário. No Brasileiro, o Coxa não deve recuperar terreno pela Libertadores. Vencer um torneio internacional e se classificar em uma competição sem gigantes latinos e que deve ser dominada por brasileiros é um belo “gap” a ser visto. Começou antes mesmo de ontem, com estratégia pela vaga. Ano após ano, os clubes desperdiçam essa competição em nome do Brasileiro. E no eterno looping local, lamenta-se mais tarde e comemora-se ao final do a vaga que é desperdiçada no ano seguinte. Em 2011, o Atlético, dando a chave do clube para Renato Gaúcho, jogou fora; acabou caindo no nacional. Já o Vasco, campeão da Copa do Brasil e disputando o título brasileiro, foi às semifinais. Dá pra correr em paralelo, com planejamento para um Brasileiro razoável, salvando o ano do Coritiba.

Bezona

Acho cruel o comparativo entre Paraná e Atlético – mas para o Tricolor. Tem 1/5 do valor pago pela TV, não tem a estrutura, o glamour e a atenção midiática do Furacão. E ainda assim faz uma campanha melhor na Série B que o rival. Não se pode cravar que irá terminar assim, mas vendo os resultados e ouvindo as análises de atuação, fica a clara impressão que o acerto nas escolhas na Vila foi maior que na Baixada. O Paraná tem mais ambiente, joga melhor, sonha mais. O Atlético decepciona e ninguém entende exatamente por que. De fato, o rubro-negro não começou o campeonato com expectativa maior apenas que a do Paraná, mas também que a dos outros 19 competidores. É, ao lado do Guarani, o campeão Série A na competição. Tem uma das maiores torcidas do País e, principalmente, a maior verba. Difícil dizer se foi apenas um sapo enterrado há pelo menos duas temporadas na Baixada ou se as feridas políticas seguem atrapalhando o caminho atleticano.

De volta à Londres

Emanuel, melhor do Mundo no Vôlei de Praia, atleticano; Giba, melhor na quadra, paranista. Wanderlei Silva, não olímpico, mas campeão mundial no UFC, coxa. Confesso que não entendo porque SPFC e Corinthians, por exemplo, aproveitam seus ídolos identificados pra promoção e os paranaenses não. Timidez?

Criticado, Marcelo Oliveira é o melhor técnico do Brasil

Criticado aqui, reconhecido na Holanda

Marcelo Oliveira vive um dos momentos mais difíceis desde que chegou ao Coritiba, comparado mesmo somente à sua chegada, no início de 2011, para substituir o admirado Ney Franco. Oliveira, mesmo sem perder em Campeonatos Paranaenses desde o ano passado (e o Coxa há 45 jogos) e tendo ganho um título estadual e chegado a decisão da Copa do Brasil 2011, nunca foi unanimidade. Bastou o Coritiba perder rendimento e a pressão sobre ele tornou-se enorme. Mas, em contrapartida, o IFCstat, grupo de estudos e análises holandês, coloca Marcelo Oliveira como o melhor técnico do Brasil no momento e o 14o do Mundo.

Clique para ler o ranking completo

Marcelo está a frente de Muricy Ramalho, campeão da Libertadores pelo Santos, do badalado Wanderley Luxemburgo e do campeão brasileiro Tite, do Corinthians. Está a frente de grandes nomes, como Marcelo Bielsa, do Athletic Bilbao, e de ex-craques como Didier Deschamps (campeão mundial com a França em 98) técnico do Olympique Marseille. Pep Guardiola (Barcelona), José Mourinho (Real Madrid) e Alex Ferguson (Manchester United) encabeçam a lista.

A base do estudo são as últimas 52 semanas de trabalho e os resultados entre elas. O fato de o Coritiba ser um time de porte médio no Brasil e ter o desempenho que teve em 2011 (período ainda em vigor na soma de pontos) o fazem somar mais na proporção do que se dirigisse um clube maior potencial em outros países, casos dos campeões mundiais Liverpool e Borussia Dortmund. O estudo leva em conta o tamanho do desafio do técnico. Marcelo Oliveira soma 8100 pontos. Arsene Wenger, do Arsenal, está em 9o. com 8601.

Fato é que se o desempenho do Coxa não agrada a torcida, a continuidade do trabalho premia Marcelo Oliveira com esse status individual. Toda e qualquer análise sobre o desempenho dele no comando alviverde tem que passar pela reformulação do elenco.

Mas é importante dizer que é atribuição do treinador fazer o time jogar, seja qual elenco ele tiver nas mãos. Quando Ney Franco era treinador do Atlético, em 2008, eu o entrevistei logo após a venda de Ferreira e Clayton, quando o Furacão estabelecia o recorde (já quebrado pelo Coritiba de Marcelo Oliveira) de vitórias seguidas em campeonatos paranaenses. Ney, sem lamentar o “desmanche”, me disse: “Sou técnico. Tenho que treinar quem está aí para fazer o melhor.” O time até seguiu jogando bem, mas acabou vice-campeão.

Curiosidade: Juan Ramón Carrasco, técnico do Atlético, aparece na 307a. posição. Ricardinho, do Paraná, ainda não disputou nenhum jogo oficial e não está no ranking.