Os 5 maiores jogos entre Atlético e Flamengo

Atlético Paranaense e Flamengo começam nessa semana a decidir a Copa do Brasil 2013. Os rubro-negros farão a terceira disputa eliminatória entre si na história. Nas duas anteriores, deu Flamengo, que tem vantagem nos confrontos diretos no geral, incluindo amistosos: 20 vitórias cariocas, com 10 empates e 18 triunfos atleticanos. O Furacão, porém, tem vantagem no saldo de gols: 59 a 57.

Nunca houve uma rivalidade grande entre as equipes, ao contrário do que acontece com o Fla e o xará Mineiro do Furacão, ou mesmo entre Atlético e Fluminense. Mesmo assim, os dois times já protagonizaram jogos memoráveis, quase sempre com vitórias dos times da casa. O blog relembra os cinco mais importantes da história – excetuando, claro, a decisão que virá pela frente:

#5 – Atlético 5-3 Flamengo (Brasileiro 2008)

Alan Bahia dá a paradinha e Bruno - aquele - cai: Atlético livre da queda

O Atlético estava ameaçado pelo rebaixamento, com 42, fora da ZR, perseguido pelo Figueirense, que tinha 41. O Flamengo, por sua vez, tentava uma vaga na Libertadores: 5o colocado com 64 pontos, com Cruzeiro (64) e Palmeiras (65) a sua frente. Na Arena, o Furacão abriu 2 a 0 no Fla, com gols de Toró (contra), Rafael Moura. Marcelinho Paraíba descontou para o Mengo, deixando o ambiente tenso na Baixada. Ainda no primeiro tempo, Julio Cesar faria 3 a 1, mas Marcelinho estava inspirado. Ele diminuiria para 3 a 2, mantendo o Atlético ameaçado de queda. Zé Antônio faria o 4o do Furacão, mas o alívio só viria mesmo aos 41 do 2o tempo, quando, de pênalti, Alan Bahia fez o 5o. Ainda daria tempo de outro gol de Marcelinho pra fechar o placar.

#4 – Atlético 0-1 Flamengo (Sul-Americana 2011)

Ronaldinho decide e acaba com um tabu que durava 37 anos

Historicamente, o Flamengo tem más lembranças de Curitiba, não só com o Atlético, mas também com Paraná e Coritiba. Além disso, um incômodo tabu durava 37 anos até aquele confronto eliminatório na Copa Sul-Americana de 2011. Depois de ter vencido por 1 a 0 no Rio, o Fla foi à Curitiba pegar um Atlético desorganizado e que havia dado a chave do clube para Renato Gaúcho, técnico que chegara para tentar salvar o Furacão do rebaixamento. Renato optou por mandar um time de reservas à campo. O 0 a 0 encaminhava a classificação carioca até o finalzinho do jogo, quando Ronaldinho aproveitou uma oportunidade em bola cruzada na área. Vitória do Mengo e fim do jejum na antiga Arena da Baixada.

#3 – Atlético 2-1 Flamengo (Brasileiro 2004)

Julio Cesar cochila e puxa Washington: pênalti e vitória do Atlético

O Atlético estava impossível aquele ano, dividindo a liderança com o Santos de Robinho. O Furacão tinha um timaço, com Jadson, Fernandinho, Dênis Marques e Washington. O Flamengo não ficava muito atrás, com o ainda goleiro da Seleção, Julio Cesar, Júnior Baiano e Zinho em campo. Júnior Baiano fez 1 a 0 e o Fla ia quebrando a sequência invicta atleticana, que chegaria a 18 jogos. Mas então apareceu o Coração Valente. Aos 43, ele recebeu na área e girou pra empatar. O resultado não era bom, mas os atleticanos já se conformavam com o empate. Então, numa bola despretensiosa, Julio Cesar falhou e Washington roubou-a do goleiro, que puxou o atacante, Pênalti e gol da vitória, mais um do artilheiro daquele ano, com 34 gols.

#2 – Flamengo 2-1 Atlético (Brasileiro 2009)

Adriano Imperador voltou ao Fla em partida contra o Furacão

Corria a quarta rodada do Brasileirão 2009 e o Flamengo recebia de volta um de seus mais polêmicos ídolos: Adriano Imperador. Naquele ano, alegando problemas pessoais, Adriano não quis voltar para a Inter de Milão e ameaçou até abandonar a carreira. Depois de uma longa novela, o atacante confirmou sua volta ao clube que o revelou. Quis o destino que o jogo de reestreia fosse contra o Atlético. Em um Maracanã lotado, levou 15 minutos para que Fla abrisse o placar com um gol contra de Antônio Carlos, hoje no são Paulo. O Maracanã explodiu, mas ainda faltava algo. Adriano, então, faria o segundo. A anunciada goleada não veio. O Furacão endureceu o jogo e quase arrancou um empate. Mas deu mesmo Flamengo, com  Rafael Moura descontando no placar. O Fla, com Adriano, chegaria ao seu sexto título nacional, incluindo a Copa União de 1987.

#1 – Atlético 2-0 Flamengo (Brasileiro 1983)

Rubro-negros lotaram o Couto Pereira, no maior público da história do estádio

Zico, Adílio, Nunes, Raul, Junior e uma verdadeira máquina do lado da Gávea; Washington, Assis, Nivaldo, Capitão e Roberto Costa, no surpreendente time da Baixada. Atlético e Flamengo fizeram uma das semifinais no Brasileirão de 1983. No primeiro jogo, no Maracanã, o Atlético não contou com Assis e acabou engolido, levando 3 a 0. O Fla já se considerava na final do Brasileirão, mas não imaginava o que o aguardava em Curitiba. Com o Couto Pereira – do rival Coritiba – completamente lotado, o Furacão, com 32 do 1o tempo, praticamente reverteria a vantagem, com dois gols de Washington. Só não conseguiu por que Raul Plassmann, que foi revelado no Atlético, impediu o terceiro gol com grandes defesas. Uma, em especial, em um chute a queima roupa de Capitão. O Fla resistiu à pressão de 67.391 pessoas e chegou à decisão, na qual venceria o Santos e seria tri-campeão nacional.

Anúncios

Londrina x Coritiba: rivalidade e boas histórias desde 1959

Eu era pequeno ainda quando entendi a rivalidade que existe entre Londrina e Curitiba no Paraná. Em uma época de férias, nos já distantes anos 80, estava na terra do Café quando me perguntaram de onde eu vinha, na companhia de uma prima do meu pai. “Da capital”, disse, curitibaninho da gema – mas com 8 anos de criação no norte do Paraná. “De São Paulo?”, me questionaram de novo.

O episódio faz tempo e nunca diminuiu o carinho que sempre tive por Londrina e região – afinal, se nasci em Curitiba, tenho pais “pés-vermelhos”. Mas reforçou um sentimento de paranismo que será exaltado como há tempos não se vê nesse domingo, quando a Capital do Café receberá a última rodada do 1o turno do Paranaense, vestida de decisão para coxas e alvicelestes. Não vai ser a primeira entre os clubes, que desde o ano passado têm, ao menos do lado do Tubarão, ainda mais exacerbada a rivalidade.

Coxa, de Carazai, Ivo e Miltinho, venceu a primeira final contra o LEC em 1959

A primeira aconteceu em 1959. O Coritiba venceu a Série Sul e o Londrina, então de Futebol e Regatas, venceu a Série Norte. Foram dois jogos entre as duas equipes – e deu Coxa duas vezes: 3-0 em Curitiba e 2-1 em Londrina. O Coxa seria bicampeão em 1960; o troco alviceleste viria dois anos depois.

O Londrina de 1962, com Gauchinho em campo, vencedor da segunda decisão entre os clubes

Novamente Londrina e Coritiba se encontraram numa final, desta vez em 1962. Era o segundo dos 4 anos em que os clubes do interior levariam a melhor sobre os da capital (Comercial de Cornélio em 61 e Grêmio Maringá em 63-64). Gauchinho, maior artilheiro do LEC com 217 gols, comandou o time em duas vitórias por 4-2, em Londrina e Curitiba. Era a primeira taça do Tubarão.

  • Folclore

Em 1972, o Coxa vivia o segundo ano de sua maior série vitoriosa (hexacampeão) enquanto o Tubarão andava mal das pernas. Nos 4 confrontos diretos, o LEC apenas conseguiu um empate, 1-1, em casa. O Coxa aplicou dois 4-0 e um 3-1. O jornalista J. Mateus, em seu livro “Londrina Esporte Clube 4o anos”, conta que o Tubarão chamou um pai-de-santo para resolver o problema do clube, após uma das derrotas.

“Tem um espírito, de alguém que foi ligado ao clube que está complicando tudo”, disse o pai-de-santo. “É uma dívida que não foi paga. Tem que mandar ele pra outro endereço”.

A diretoria do Londrina marcou a sessão espírita. O então supervisor Murilo Zamboni acompanhou os trabalhos desde às oito da noite até a 1 da manhã.

“Pronto”, disse o pai-de-santo, “agora é só escolher pra quem mandar”. Zamboni sugeriu: “Mande pro Coritiba, que está ganhando tudo!”. O pai-de-santo concordou e começou o despacho rumo ao Alto da Glória.

O Coritiba seria campeão com 31 vitórias em 44 jogos. O Londrina, ao menos, acabaria em quarto lugar.
(adaptação do texto da página 59)

  • Retomada

Londrina e Coritiba retomaram a rivalidade no ano passado. No último grande momento do Tubarão, quem estava mal era o Coxa. Eram o início dos anos 90, o Coritiba amargava um rebaixamento não-concretizado (caiu, mas não jogou) para a Série C nacional em 1990 enquanto o Londrina chegaria ao 3o título estadual em 1992 e ainda seria vice em 93 e 94. Quem reinava era o Paraná.  De 1995 pra cá, o Coxa se reencontrou, mesmo com altos e baixos; foi a vez de o Londrina cair vertiginosamente. Em 1999, quase subiu para a Série A, eliminado pelo Gama-DF; depois, sumiu. Caiu de divisão no Brasileiro até perder a vaga fixa e passou até pela segundona paranaense.

Os encontros de 2012 foram polêmicos. Em Londrina, um empate em 1-1 e muita reclamação em cima de um lance de pênalti a favor do Tubarão não dado em Arthur, hoje no Coxa, pelo árbitro Leandro Hermes – o atacante derrubado, porém, estaria impedido. Em Curitiba, um gol olímpico (leia-se falha de Vanderlei) mal-anulado que rendeu até discussão nos diretórios acadêmicos de física (vídeo da TV Transamérica):

Na história, são 125 jogos: 59 vitórias do Coritiba, 35 do Londrina e 31 empates (incluindo os jogos antes da mudança no nome do Londrina).

Novo “Alex Mineiro”, Orlei rouba a cena na decisão da Suburbana

Ídolo atleticano, decisivo na reta final em 2001, vê colega de time Orlei aparecer com gols decisivos na Suburbana

por Ana Claudia Cichon*

Gols decisivos contra o Iguaçu parecem ser a especialidade de Orlei. Na partida de volta da segunda fase do amador, o meia foi o responsável pelo tento de empate da equipe do Bairro Alto, que garantiu um ponto importante para a classificação às semifinais.

No jogo deste sábado, o careca – eventualmente confundido com os outros cabeças raspadas do elenco, Rogério Correa e Flamarion – mais uma vez deixou a sua marca contra o alvinegro de Santa Felicidade.

Orlei, carequinha que encarnou Alex Mineiro nos últimos jogos do Bairro Alto (Fotos e vídeo: Ana Cichon)

Mas o ano não foi de tantas alegrias assim para o meio-campista. No início do ano foi contratado pelo Grecal, clube profissional de Campo Largo, para disputa da segunda divisão do Campeonato Paranaense. Após algumas partidas, a falta de pagamento o desanimou e decidiu voltar para o amador (em 2008 teve uma passagem pelo Trieste). Chegou ao Bairro Alto, mas também não ficou muito tempo.

“Algumas coisas não estavam me agradando, então eu preferi sair. Voltei no início de novembro, quando o Bananinha assumiu o comando, e agora estou feliz com o trabalho”.

Aos 26 anos, Orlei ainda sonha em voltar ao profissional. O atleta já teve passagens pelo Coritiba, Operário, J. Malucelli e pelo Grecal e espera que o bom desempenho na final da Suburbana ajude a servir de vitrine para o retorno.

  • O jogo

Até o tempo colaborou para um bom espetáculo na primeira partida da final da Suburbana. No jogo deste sábado (24), no estádio Pedro de Almeida, as últimas gotas de chuva pararam de cair minutos antes das duas equipes entrarem no gramado. E assim que o juiz assoprou o apito, a emoção tomou conta do jogo. O público – menor do que o esperado, mas ainda assim expressivo, se lembrarmos que, além do tempo instável, havia o derby entre Atlético x Paraná, valendo o acesso do rubro-negro à série A do Brasileirão – pode ver um jogo digno de final.

Nenhuma das duas equipes teve grandes chances até os 20 minutos, quando Douglas acertou um bonito chute de fora da área, parando na defesa de Roberson. Marcando bem e dando pouco espaço para o time visitante, o Bairro Alto dominava a partida, e nas jogadas aéreas tentava chegar ao gol adversário. Primeiro Edmílson cabeceou, e a bola passou a direita do gol. Flamarion também tentou, e o goleiro Vilson espalmou para escanteio. Na cobrança, Massai colocou a bola na cabeça de Rogério Correa, que completou para o fundo das redes. Bairro Alto 1-0 Iguaçu, aos 29 minutos do primeiro tempo, que ainda teve uma boa chance para cada lado, com Laércio e Zé Nunes.

Na volta do intervalo o jogo ficou muito mais aberto, com o Iguaçu pressionando e o Bairro Alto investindo nos contra-ataques. Parando nas boas defesas de Roberson, o time de Santa Felicidade não conseguiu chegar ao empate, e aos 34 minutos viu Orlei acertar belo chute e ampliar o placar.

Desta vez não deu para o goleiro Roberson

A pressão só aumentou e, aos 38, Laércio venceu o arqueiro Roberson e fez um golaço. Os minutos finais foram de muita tensão, mas o placar ficou assim: Bairro Alto 2-1 Iguaçu.

No próximo sábado (01) o jogo é no estádio Egídio Pietrobelli, às 16h. O Bairro Alto joga por um empate para conquistar o bi campeonato. Em caso de vitória do Iguaçu, por qualquer marcador, teremos uma terceira partida para definir o vencedor da Suburbana 2012.

Bairro Alto: Roberson, George, Rogério Correa, Luciano, Flamarion, Caio (Juninho), Zé Nunes, Orlei, Massai, Marcelo Tamandaré e Edmílson. Técnico: Bananinha

Iguaçu: Vilson, João Madureira, Flávio, Lucino (Merci), Luisinho Netto, Emerson, Douglas, Nilvano (Jé), Hideo, Laércio e Guilherme (Marlon). Técnico: Juninho

Suburbana: coxa-branca é destaque em time atleticano

Bairro Alto, refúgio dos campeões brasileiros Nem, Rogério Correa e Alex Mineiro, tem no ex-coxa Massai o ponto de armação das jogadas

por Ana Claudia Cichon*

Único jogador que permaneceu no elenco do Bairro Alto após o título da Suburbana no ano passado, Massai ainda está se adaptando ao ritmo do futebol amador. O currículo, no entanto, já está recheado: bi-campeonato da Taça Paraná (2011 e 2012), pelo Inter de Campo Largo, e o caneco do Campeonato Amador da Capital, ano passado. E nesse sábado (17), comemorou a classificação para mais uma final, inclusive marcando um gol.

Responsável pela armação das jogadas, o meio campo também é referência nas bolas paradas, deixando sua marca em diversos jogos. Aos 28 anos, Massai teve longa passagem pelo Coritiba (2002 a 2007), e acredita que esta experiência faz a diferença dentro de campo. “O amador é muito diferente do profissional, mas hoje é uma competição muito forte, de alto nível. Ter jogado com vários atletas no futebol profissional facilita, e é bom para podermos transmitir tranquilidade aos mais jovens”, garante.

A opção pelo amador, no entanto, veio de uma necessidade familiar. “Depois que sai do Coritiba fui para alguns clubes menores, do interior, e não tinha condições de levar minha família junto. Com a distância, meu filho acabou desenvolvendo diabetes emocional. Não tinha como ficar longe dele”.

O sonho do futebol profissional ficou de lado, mas ele não se arrepende da opção. “Hoje estou perto da minha esposa e do meu filho, além de estar feliz no Bairro Alto, ainda mais agora, disputando mais um título”, finaliza.

O jogo

Precisando da vitória para levar a partida para a prorrogação, a equipe do Combate Barreirinha começou atacando, mas sem levar grande perigo à meta do goleiro Roberson. O primeiro grande lance do jogo veio pelo lado do Bairro Alto. George fez boa jogada pela direita, chutou em cima do goleiro e no rebote cabeceou para fora. O jogo continuou equilibrado até que aos 34 minutos Guilherme derrubou Flamarion dentro da área e o juiz marcou pênalti. George foi para a cobrança e abriu o marcador para o time da casa. O Combate até tentou a reação e chegou ao gol de empate quatro minutos depois, mas foi marcado impedimento no lance.

Na segunda etapa o Combate foi para o tudo ou nada e mais uma vez, assim no jogo de ida, brilhou a estrela do arqueiro do Bairro Alto. Logo aos sete minutos Alex Pinhais teve a chance do empate, mas o chute parou nas mãos de Roberson. A equipe visitante continuou forçando o jogo, mas aos 26 Massai ampliou o placar após batida de falta pela direita.

Bairro Alto conquistou a vaga em mais uma decisão na Suburbana (Foto: Ana Claudia Cichon)

Atrás no placar, o Combate tentou arranjar forças, mas sofreu com as expulsões de Guilherme e Willians. Alex Pinhais ainda tentou descontar, mas mais uma vez parou na defesa de Roberson. Com o resultado, o Bairro Alto garantiu vaga na disputa da grande final da Suburbana e enfrenta o Iguaçu, que venceu o Santa Quitéria nos pênaltis (4-3), depois de perder por 1-0 no tempo normal.

A primeira partida da decisão será no próximo sábado (24), no estádio Pedro de Almeida. O jogo da volta acontece no dia 1º de dezembro, no estádio Egídio Pietrobelli.

Bairro Alto (de preto): Roberson, George (Tiago), Rogério Correa, Luciano, Flamarion, Juninho, Orlei, Massai, Zé Nunes, João Paulo e Edmílson (Fábio). Técnico: Bananinha

Combate Barreirinha (de branco): Ricardo, Buiú (Douglas), Elízio, Guilherme, Anderson, Rubão (Marcelinho), Geraldinho, Bruno, Nenê (Marcinho), Alex Pinhais e Willians. Técnico: Beto

  • Resultados da rodada

Bairro Alto 2-0 Combate Barreirinha
Santa Quitéria 1-1 Iguaçu (nos pênaltis 3-4)

*Ana Claudia Cichon é jornalista e colabora com o blog escrevendo sobre a Suburbana.

Mini-Guia da Copa do Brasil 2012: Decisão

A imagem: um ano depois do massacre, alviverdes se encontram na final

Chegou o dia! Pelo segundo ano consecutivo, fazendo história, o Coritiba está na decisão da Copa do Brasil. Desta vez o adversário é o Palmeiras.

Como em todas as fases anteriores, o blog apresenta um mini-guia dos adversários paranaenses. Saibamos então o que espera o Coxa nos dois jogos da final:

A campanha do Palmeiras

O time paulista chega à decisão invicto e, caso campeão da Copa do Brasil, poderá reivindicar também o título paranaense: foi algoz de Paraná e Atlético nas fases anteriores. Foram 7 vitórias e 2 empates em 9 jogos, tendo levado 5 gols e marcado 20.

Para chegar à decisão contra o Coxa, o Verdão passou por Coruripe-AL (1-0 e 3-0), Horizonte-CE (3-1), Paraná (2-1 e 4-0), Atlético (2-2 e 2-0) e Grêmio (2-0 e 1-1). A campanha é linear: em casa, 3 vitórias e 1 empate; fora, 4 vitórias e 1 empate.

No comparativo: o Coxa fez 10 jogos (1 a mais) com 6 vitórias, 2 empates e 2 derrotas, marcou 16 e levou 4. Logo, o Coxa pega um time com ataque mais efetivo, mas tem defesa menos vazada.

Na história

O Coxa fará a sua segunda decisão de Copa do Brasil na história (a primeira foi ano passado, acabou perdendo o título para o Vasco) enquanto o Palmeiras chega pela terceira vez a uma final. Para os supersticiosos, vale a pena ler esse texto.

Em 1996, perdeu a decisão para o Cruzeiro  (1-1 e 0-2) e ficou com o vice; deu o troco dois anos depois, contra o mesmo Cruzeiro, ao vencer por 2-0, depois de perder o jogo de ida por 0-1. O gol do título saiu aos 44 do 2o tempo, com o ex-atleticano Oséas:

Em confrontos diretos, vantagem palmeirense. São 11 vitórias coritibanas contra 16 paulistas e 10 empates. Pela Copa do Brasil, 4 encontros. Em 1997, o Palmeiras eliminou o Coritiba ao vencer por 1-0 no Couto e 4-2 em SP; no ano passado, o Coxa despachou o Porco, com requintes de crueldade. O massacre por 6-0 entrou para a história:

No jogo de volta, virtualmente eliminado, o Palmeiras, que havia perdido o recorde nacional de vitórias para o próprio Coritiba, acabou encerrando uma sequencia de 24 vitórias que entrou para o Guinness Book como a principal série de triunfos no futebol mundial. A vitória foi por 2-0:

Do time que foi goleado pelo Coritiba, o Palmeiras tem poucos jogadores que estarão em campo nessas finais. João Vitor, Marcos Assunção e Márcio Araújo seguem no time, enquanto o técnico ainda é Luiz Felipe Scolari. Dois jogadores que defenderam o time paulista naquele ano estão agora no Alviverde paranaense: Lincoln e Chico.

As armas

O Coxa leva vantagem no entrosamento, mas deve abrir o olho com três jogadores do Palmeiras.

Valdívia é o meia armador. Habilidoso e rápido, cria boas situações para os atacantes e também costuma chegar para o arremate. É genioso – logo, facilmente irritável – e, como quase todo latino (é chileno), joga com muita aplicação.

Mazinho é o atacante que cai pelos lados. Habilidoso, conduz a bola em velocidade e arremata com perigo. Ganhou o apelido de “Messi Black” pelos mais fanáticos palmeirenses. A comparação é válida até a página 2. Mas isso não diminui o perigo.

Marcos Assunção é o líder do time. Volante que sai pro jogo, ajuda na armação de jogadas e é perigosíssimo nas bolas paradas. Por isso é melhor evitar faltas próximas à área.

O Palmeiras perdeu outro bom jogador para as finais, o atacante Barcos, que acordou com apendicite nesta quinta. O desfalque de última hora pode fazer o time mudar a forma de jogar, com dois atacantes de velocidade, se optar por Maikon Leite (ex-Atlético) ou simplesmente mudar a peça, usando Betinho (aquele mesmo, do Coritiba 2010) no ataque.

Ainda vale lembrar a história de Felipão com o lateral-direito Arce. Foi em 1996, pelo Grêmio, antes da final contra a Portuguesa.

O fator casa

Tenho defendido que o Coxa tem uma leve vantagem nessas finais, sobre o Palmeiras. E parte disso é o fator Couto Pereira. Na primeira partida, o Coxa encara um estádio em formato arena, com proximidade da torcida, mas que não tem identificação com o adversário.

Torcedor é vibrante em qualquer campo na hora da decisão. Mas conhecer as dimensões do gramado, estar ambientado aos funcionários, aos vestiários, conhecer os atalhos, é uma senhora vantagem. Além da mística de jogar realmente em casa.

O trunfo do Coxa é o Couto Pereira. Em Barueri, o Coxa encara um bom time e alguma pressão; em Curitiba, o Palmeiras estará num alçapão hostil em que o dono conhece cada centímetro do gramado.

Faz diferença.

Um feito para a história

Emerson: jogada aérea, com gramado encharcado, seria mortal. E foi. (foto: AI)

Aguerrido, pragmático, preciso. Seja qual o adjetivo escolhido para qualificar o Coritiba que eliminou o São Paulo e está pela segunda vez seguida na decisão da Copa do Brasil. O Coxa foi melhor que o São Paulo nos dois jogos e, convenhamos, nem passou tanto sufoco assim, muito embora Vanderlei tenha feito duas boas defesas. Não houve um único destaque: todos em campo jogaram demais. Até mesmo o criticado Roberto. Se há algum mérito individual – nenhum que se sobresaia ao coletivo – é para o técnico Marcelo Oliveira, que foi ousado na escalação e não arredou pé durante os 90′.

Agora, a decisão. Seja contra Palmeiras ou Grêmio – dois papões da Copa do Brasil – o Coritiba chega em pé de igualdade. Deve pegar o Verdão paulista (a se confirmar hoje) o que pode ser melhor por um fato significativo: o Palmeiras não tem casa. Enquanto o Couto Pereira tem a impressionante marca de 11 vitórias seguidas (incluindo 2011) pela Copa do Brasil a favor do dono da casa.

Campeão ou não, o Coxa justifica cada palavra escrita neste texto (clique para ler). Agora é impossível prever. Mas é possível colocar o Coritiba 2011/12 entre um seleto rol, com uma curiosa tendência, a ser observada abaixo.

O Coritiba se junta à Grêmio, Corinthians (este, por duas vezes) e Flamengo como únicas equipes a chegar a duas finais de Copa do Brasil consecutivas. E a história aponta que o torcedor coxa-branca pode sonhar como nunca antes com o título.

Os times que conquistaram esse feito antes levantaram o caneco na segunda decisão – exceção ao Flamengo, que perdeu as duas.

Em 1993, o Grêmio perdeu a taça para o Cruzeiro; em 94, papou o Ceará. Os gaúchos ainda conseguiram a proeza de chegar novamente em 95, mas perderam para o Corinthians.

Em 2001, o Corinthians levou o troco na final, perdendo para o Grêmio. Mas voltou no ano seguinte e foi campeão, sobre o Brasiliense. Nova dobradinha corintiana em 2008/09: derrota para o Sport, vitória sobre o Internacional.

Só o Flamengo, vice do Cruzeiro em 2003 e do Santo André em 2004, não aprendeu a lição de um ano para outro.

Restará ao Coritiba mostrar, à Palmeiras ou Grêmio, que também tirou lições de 2011. E levantar mais um título nacional, o primeiro da Copa do Brasil para o Paraná, o primeiro de grande importância desde 1985.

Prorrogação

Tcheco não parou nesta quarta. Bem conversado, vai até  dezembro – ou a Libertadores, porque não?

Loucura

Os coxas são mesmo uns loucos, ao menos para Mário Celso Petraglia.

Arremate

Por corporativismo barato e em desrespeito à constituição brasileira, fui impelido (com “l” mesmo) de trabalhar na partida entre Coritiba x São Paulo por uma associação de classe que se pretende reguladora de profissão. O tempo e a justiça mostrarão a verdade. Em tese, o torcedor não tem nada com isso. Mas paga por encontrar um mercado viciado – e reclama, muitas vezes generalizando os profissionais de imprensa. Há males que vem para bem e tomara que seja o caso, o início de uma nova mentalidade na imprensa.

Em tempo: agradecimento à vários colegas e ao Coritiba Foot Ball Club pelo suporte no caso.

Abrindo o Jogo – Coluna de 20/06/2012 no Jornal Metro Curitiba

Chove, chuva!

A previsão do tempo para hoje é chuva, da manhã até a noite. Para as 21h, de acordo com o site Climatempo, mais água. Quando a bola rolar para o segundo jogo entre Coritiba e São Paulo (0-1 na ida) pela Copa do Brasil, o campo, mesmo com boa drenagem, estará encharcado. E apesar da necessidade do Coxa ser fazer um ou mais gols e de preferência não sofrer nenhum, a chuva é uma aliada. O São Paulo tem um time mais técnico e leve que o Alviverde, com Casemiro e Jadson trocando passes em velocidade, Lucas conduzindo a bola na diagonal e Luís Fabiano, perigoso e rápido, mas de média estatura. Já o Coxa tem como principal jogada no ano a bola alta. Foi assim no Paranaense, com Emerson e Pereira fazendo gols em cruzamentos invariavelmente saídos dos pés de Tcheco. Por isso com concluo: o São Paulo vem da Terra da Garoa, mas São Pedro é coxa-branca.

Despedida?

Ganhando, o Coritiba chega pela segunda vez seguida à final da Copa do Brasil; perdendo, dá adeus não só à competição, mas também ao maior ídolo do atual elenco, o meia Tcheco. Formado no Paraná, destacou-se no Malutrom antes de aportar no Alto da Glória. Pelo Coxa, três títulos paranaenses e um da Série B. Também ajudou o clube a se classificar para a Copa Libertadores de 2004, última participação alviverde. Aos 36 anos, Tcheco até teria bola para continuar mais um tempo. Ouviu pedidos de todos os lados: da torcida, de segmentos da imprensa e até do rival Paulo Baier para que siga jogando ao menos até dezembro. Não quer. Vai ser gerente de futebol auxiliando Felipe Ximenes. Só a vitória adia a aposentadoria de Tcheco. Imagine o quanto vale o jogo de hoje para o humano dentro da camisa do Coritiba.

Ambição

Ricardo Drubscky já é realidade no Atlético, mas passou despercebida uma declaração do ex-técnico Juan Ramón Carrasco que denota o grau de dificuldade que o substituto terá – e que se acentuou após uma estréia ruim no 0-0 com o Goiás em Paranaguá. Disse Carrasco: “Não nos foi exigido conquista, o importante é subir”, sobre os planos da diretoria rubro-negra para a temporada. Aprendi cedo na vida que é importante ao menos mirar nas estrelas, pois mesmo errando às vezes, chegaremos mais perto do topo. Não querer ser campeão é jogar contra a história do Atlético. Taça é taça. E para ganhar, é preciso reforçar um elenco que patinou num Estadual fraco. Sem contratar, nem Drubscky, nem Carrasco, nem mesmo Pep Guardiola darão o acesso ao Furacão.

Convite

Tenho apostado na convergência de mídias na internet, com vídeos e áudios, entrevistas especiais, informações e comentários no blog bemparana.com.br/napoalmeida. Convido você a visitar e comentar, ajudando nesse novo projeto.