O inimigo

Estamos ainda todos chocados e me parece ser apenas o começo. Ou melhor, parece não ter fim.

Entre a morte do cinegrafista da Band, Santiago Andrade, assassinado por pseudo-defensores de “um Brasil melhor”; as palavras afetadas de uma colega sobre o rapaz espancado e amarrado a um poste no Rio – porém, que dão apenas eco ao sentimento da sociedade, oprimida e cansada do descaso do Estado; a invasão, já nem tão invasão assim, do CT do Corinthians e tantos outros exemplos que ocupariam muito mais do seu scroll do que eu conseguiria escrever, fiquei pensando: quem é o inimigo?

Vem aí uma Copa do Mundo e o que deveria ser motivo de alegria, hoje, no mínimo divide a população. Não confiamos no sistema, nos orçamentos, nas prioridades, nos objetivos. Os autores do livro Soccernomics, Simon Kuper e Stefan Szymanski, já diziam em 2010 que o grande legado da Copa é a alegria e o orgulho do povo do País que a sedia. Depois dos manifestos – orquestrados? – na Copa das Confederações, do surgimento dos arruaceiros “Black Blocs”, socialistas de esquina cujo objetivo anárquico já está bem provado, o que podemos esperar para o Mundial? Mais mortes, mais arruaça? Será 2014 o ano certo para reclamar dos acordos de 2007? Perderemos o pouco que resta de bom na alegria de ser sede de uma Copa, com informações distorcidas, dentro de um cenário que tem corrupção em todos os lados – problema mais real do que o orçamento da Copa, menor que o da saúde e o da educação, que nunca chegam 100% aos seus objetivos?

E quando lemos que os “invasores” do CT do Corinthians podem ter sido autorizados a entrar, causando o que causaram, com a benção dos cartolas? Os mesmos que quando cobrados sobre esses vínculos, negam, mas não o renegam. Ou não se sabe que o uso da marca dos clubes, qualquer um deles, é parte grande da renda das Organizadas? Se o clube permite o uso, não combate, é conivente. E o é por que seus cartolas – todos, de todos os clubes –  sabem que esses grupos têm força. Elegem, tiram do poder; mantém um status quo arriscado de liderança, pela dor. Ou joga por amor, ou por terror, não é isso?

Vivemos em um Estado em que a imprensa é hostilizada e vive do shownalismo, num ciclo negativo que só puxa ainda mais desconfiança e hostilidade, não interessa a quem. É a lógica Tostines: publica-se o que se quer que leiam ou lê-se apenas o que é conviniente ler? Ainda que tantos, mesmo sem ler, usem a já condenada área dos comentários para dar opinião azeda sobre coisa alguma. O que vale é dizer.

E a polícia, mesmo os de bem, não têm a confiança do povo. Do contrário seria preciso explicar que polícia é sinômimo de bem? Vale pra todos essa lógica? Qual seu critério de separação? 

Política? Podre. Ninguém se salva, certo? Mas em Outubro as mesmas figurinhas carimbadas estarão lá, reeleitas, advinhem só por quem?

É intolerância para todos os lados. O humor perdeu para o politicamente correto (nem sempre tão correto), as diferenças não convivem mais, opiniões distintas não servem para reflexão e debate mas sim para confusão e combate.

Quem é o inimigo afinal, que parte de dentro de casa, ao não devolver o troco errado na padaria, ao puxar o sinal de TV a cabo pirata? Quem é que justifica opressão com opressão, que ensina a Lei de Gerson aos pequenos? 

Quem pode condenar aos que reagem como podem, sem instrução, cansados de tanto desmando, num País que, definitivamente, deu errado?

O inimigo, amigo, pode estar mais próximo do que nós imaginamos. Pode estar num espelho qualquer, a espera de mudanças, sem que você mesmo se mexa, cobre o que é correto de quem é de direito, mude suas escolhas e suas atitudes.

Rápidas e precisas

Dia longo e produtivo, mas só agora pude sentar pra atualizar o blog. Vamos então direto ao que interessa:

Atlético

1) Jadson

Tudo surgiu no Twitter e movimentou a comunidade rubro-negra: Jadson voltaria ao Atlético? Pois bem: noves fora o trâmite para trazê-lo, a sondagem houve e a resposta do jogador, há 7 anos na Ucrânia, foi positiva. Mas tem vários poréns. Vamos primeiro ao fato:

Mário Celso Petraglia é ex-presidente do Atlético e, ainda não oficialmente, candidato a voltar ao posto. Fez um convite público ao jogador para que volte a defender o Furacão no próximo ano. E recebeu como resposta um “gostaria de estar junto”. É notícia: um ex-diretor e candidato sonda um craque para vir, e este diz que pode topar.

Se é jogada eleitoreira ou se vai ser a grande contratação do Atlético em 2012, não me cabe julgar. Aliás, o blog (e os veículos no qual emito minha opinião/informação) não é apolítico, porque não sou acéfalo; mas é apartidário: aqui, o negócio é notícia. Cabe agora a você, leitor, refletir e a todos esperarmos e acompanharmos pra saber se foi blefe ou Petraglia está com o às na manga.

2) Festa dos 10 anos do título de 2001

A ser realizada no dia 8 de dezembro deste ano, com ou sem rebaixamento, a festa pode acabar esvaziada. Tudo porque muitos jogadores temem entrar no meio da disputa política do clube. A organização do evento faz questão de dizer que é uma festa atleticana, sem partidarismo. Ouvi de um jogador campeão brasileiro, o qual faço questão de preservar, duas coisas: que muitos pode cancelar a presença pela política; e que Petraglia teria procurado alguns para ter cargos na próxima gestão. Contrasenso? Veremos em seis dias.

Coritiba

Keirrison de volta ao Coxa em 2012? Pode ser. Tudo vai depender de uma conversa entre o empresário dele, Marcos Malaquias, e a diretoria do Coritiba. O que acontece é o seguinte: o jogador, que pertence ao Barcelona, teve uma lesão na perna direita em 2010 e não conseguiu mais recuperar-se a ponto de jogar o futebol que o destacou no próprio Coritiba. Rodou por clubes como Santos, Benfica e agora Cruzeiro, sem destaque. A idéia é trazê-lo a um ambiente familiar e beneficiar-se da estrutura médica do Coritiba. Conversando com um diretor do Coxa (sigilo de fonte), a postura foi clara: “Pode ser sim, mas o Coritiba não vai atrás dele. O Keirrison está num patamar de mercado europeu. Vamos deixar que nos procurem. Ele tem potencial.”

Outro que pode pintar no Alto da Glória ano que vem é o volante Júnior Urso, que está no Avaí e defendeu o Paraná neste ano. Urso confidenciou a amigos em Florianópolis que está certo com o Coxa, mas o clube nega a contratação até aqui.

Paraná

O Tricolor está tentando mobilizar os clubes do interior que estão na Série Prata do Estadual a reunirem-se em uma associação informal, para tentar vender patrocínio para o campeonato. Já recebeu sinal positivo de Grêmio Metropolitano, FC Cascavel (o do Beletti) e do Nacional, de Rolândia. A idéia é montar uma comissão que busque verba, ajudando os clubes a terem um motivo a mudar o campeonato de maio para fevereiro. Na terça-feira 6, os nove dirigentes do interior mais a diretoria paranista se reúnem na Sede Kennedy para discutir termos.

Chegou-se a comentar na cidade de que o Paraná estaria comprando o campeonato. Não procede. O que acontece é que o clube está fazendo as vezes da FPF, que deveria por si transformar seu produto em algo mais rentável. Como a preocupação paranista é maior do que a da federação, restou ao clube buscar alternativas, que passam pela mídia e empresários ligados ao Paraná.

Legalmente, a mudança na data de início do campeonato só é possível se houver unanimidade na decisão.

Particularmente, acredito que a FPF tem sim que defender todos os seus filiados. E o Paraná é um deles. Não se trata de mudar a data do campeonato para privilegiar o Tricolor e sim de uma busca para viabilizar a competição. Para se ter uma idéia, cada clube do interior absorve cerca de 15 a 20 mil reais de prejuízo por jogo, com raríssimas exceções (Londrina em 2011 foi uma delas), pois arcam com taxas de arbitragem, transporte, hospedagem, abertura e manutenção de estádios, etc. Caso o pool se forme e consiga convencer o mercado da validade da idéia, será um grande passo. Espera-se que a FPF, que já mudou rumos no caso Pinheirão, passe a ajudar os 10 clubes e não dificultar a tarefa de amenizar prejuízos na segundona local.

Do contrário, a diretoria paranista promete colocar um time de juniores na Série Prata e centrar esforços na Série B nacional.

Atletiba 348

Amanhã, ainda antes do jogo, prometo escrever algumas linhas sobre. Volte aqui, se puder!

Upgrade na estrutura

Há cerca de um mês, o Coritiba inaugurou novos alojamentos no Couto Pereira. Os antigos apartamentos disponíveis para os jogadores da base ganharam nova roupagem e um nome: Espaço Dirceu Kruger, em homenagem ao Flecha Loira, um dos grandes ídolos do Coxa.

O Jogo Aberto Paraná apresentou reportagem mostrando mais dessa estrutura. Confira no vídeo abaixo:

Destaque para Tobi, campeão brasileiro em 1985, que parece não envelhecer.

E para quem não se recorda, o gol no vídeo é de Indio.

Com o carimbo boquense de qualidade

O maior clube da Argentina escolheu o CT do Atlético para sua pré-temporada. Perto do encerramento, com quase 15 dias de presença do Boca Juniors em Curitiba, faço um mea-culpa: acho que a imprensa local não deu a dimensão exata do que representa ter o clube de maior torcida e que dominou a América no início dos anos 2000 em Curitiba.

O Boca, para os argentinos, é mais que um clube. Não é exatamente o que é o Barcelona para os catalães, mas se aproxima muito. É la mitad más uno, como se diz por lá; mais da metade dos argentinos é Boca. Não é Flamengo ou Corinthians aqui; a proporção é maior.

O bairro de La Boca não é só a casa do time. É o local da origem do tango, outro orgulho argentino. E do povo. O Boca é povo, é orgulho argentino. E já atravessou fronteiras.

Hoje, o Jogo Aberto Paraná exibiu reportagem com uma paranaense apaixonada pelo Boca, que realizou o sonho de conhecer astros como Riquelme e Schiavi. Nascida no Paraná e sem nunca ter visitado a Argentina, Edna é Boca Juniors.

Sua história de amor pelo Boca passa pela presença do ex-presidente da Fifa, João Havelange e, claro, Diego Maradona. Assista:

Também me confesso boquense. Estive na Argentina em várias ocasiões, mas foi na primeira, em que conheci La Bombonera, que fiquei fã do Boca. Nada comparado a paixão da Edna, mas uma admiração que me faz até ter satélite para ver o Argentinão na TyC Sports ou na Fox Sports ao longo do ano. Mas sou cara-de-pau: além do Boca, torço por Racing e Huracán no país vizinho. Coração de mãe.

Bastidores da passagem do Boca

Além do sucesso na noite curitibana, relatado aqui pelo Zé Beto, os craques do Boca se impressionaram com a estrutura do CT atleticano. O diário Olé chegou a preparar um material especial sobre a pré-temporada brasileira do Boca (aqui, cara) coisa que vimos pouco na imprensa nacional.

Boca treina no Caju: Riquelme se impressionou (foto: Guilherme Linhares)

Riquelme, tido por muitos como arrogante, foi simpático com funcionários e torcedores que chegavam até ele no CT. Para os boquenses do Brasil, em especial de Curitiba, ficará a lembrança, como conta Guilherme Linhares, estudante de Relações Internacionais e filho do narrador do SporTV, Linhares Jr:

“Muito bacana ver um clube argentino de perto, ainda mais sendo o maior deles. Uma oportunidade única, que talvez só um time como o Atletico pode oferecer devido sua estrutura. Sentir o clima de uma equipe como o Boca nao tem preço para mim que sou apaixonado por futebol. Ter a chance de ver o craque Roman Riquelme e pegar seu autografo e algo dificil de se explicar.”

Resta esperar como será o desempenho do Boca no Apertura/11 pós CT do Caju. E descobrir porque o CT do Atlético não emplaca com o próprio.

Abaixo, segue tradução do texto para o espanhol:

El club más grande de Argentina eligió el CT de Atlético a su pre-temporada. Cerca del final, con casi 15 días en la presencia de Boca Juniors en Curitiba, hago un mea culpa: Yo creo que la prensa local no le dio la dimensión exacta de lo que significa tener el mayor club de fans, que dominó América a principios de los de 2000 acá en Curitiba. Boca, para los argentinos, es más que un club. No es exactamente lo que los catalanes de Barcelona, ​​pero está muy cerca. Es La Mitad más Uno, como dicen por ahí, más de la mitad de la hnichada de Argentina. Flamengo y Corinthians no se acercan, la proporción es mayor. El barrio de La Boca no es sólo la casa del equipo. Es también el sitio de origen del tango, otro orgullo argentino. Y el pueblo. La Boca es el orgullo de la gente de Argentina. Que ha cruzado fronteras. Hoy, Jogo Aberto Paraná mostró una historia de amor con Boca, que hizo el sueño de Edna visitar las estrellas como Riquelme y Schiavi. Nacida en Paraná, sin nunca haber visitado Argentina, és hincha de Boca Juniors. Su historia de amor con Boca pasa a través de la presencia del ex presidente de la FIFA Joao Havelange y, por supuesto, Diego Maradona. (Video)
También me confieso Boca. Yo estuve en Argentina en varias ocasiones, pero primero contacto con La Bombonera, me quedo de Boca. Nada comparado con la pasión de Edna, pero que me hace tener el satélite y ver a Clausura/Apertura en TyC Sports o Fox Sports durante todo el año. Pero estoy cara a acciones, más allá de la boca, alentando a Racing y Huracán en Argentina. Corazón de Madre.
Backstage Pass Boca
Además del éxito de la noche en Curitiba, informó aquí por Ze Beto, las estrellas de Boca hizo impresionado con la estructura de la CT de Atlético. El diario Olé preparó un material especial de Boca en Brasil antes de la temporada; lo hemos visto poco en la prensa brasileña. Riquelme, considerado por muchos como arrogante, era amable con el personal y los aficionados que acudían a él en el CT. Hinchas de Brasil, Curitiba, en particular, como se recordará, según lo contado por Guilherme Linhares, un estudiante de Relaciones Internacionales y el hijo del narrador de SporTV , Linhares Jr: “Muy bonito para ver de cerca un club argentino, aunque la mayor de ellas. Una oportunidad única, tal vez sólo un equipo como el Atlético puede ofrecer debido a su estructura. Sienta la atmósfera de un equipo como Boca no tiene precio para mí que Soy un apasionado del fútbol. Tener la oportunidad de ver el as Román Riquelme y obtener su autógrafo y algo difícil de explicar.” Sólo podemos esperar el desempeño de Boca en Apertura/11 despues del CT. Y averiguar por qué CT de Atlético no ayuda a suyos propios.

Dez anos em dois

Foto: assessoria Coritiba
Vilson em pele de JK

Vilson Ribeiro de Andrade vai construindo seu espaço entre os maiores dirigentes do futebol paranaense. A entrevista dada hoje à Rádio Banda B traz muita coisa interessante, mas resolvi destacar uma, que trata da revolução iniciada no Coritiba a partir de dezembro de 2009.

Todos já sabem o roteiro: Coritiba quebrado, rebaixado, etc, etc, e, há menos de um mês, finalista da Copa do Brasil. Só por isso, ainda que o futebol seja pródigo em arrumar heróis dentro de campo mesmo com estrutura zero, Vilson já merecia espaço.

Mas foi no almoço de apresentação do hoje técnico Marcelo Oliveira, em novembro de 2010, que Vilson deu pinta que ia tentar ir além da montagem de um grande time. Prometeu, e parece estar no caminho de cumprir, um grande clube.

A entrevista acima citada traz dois raciocínios, a destacar:

“O Coritiba fez um trabalho e unificou todas as áreas. Então hoje fazemos um trabalho desde o dente de leite até a chegada ao profissional. Nossa ideia é ter no profissional sempre 30 ou 40% de atletas da base. (…)  Até 2007, o Brasil aproveitava apenas 4,8% dos meninos da base e o restante se perde. O clube que mais vende meninos é o Cruzeiro e em segundo o Atlético, na gestão do Atlético. O Atlético vive um bom momento financeiro devido ao dinheiro arrecadado desses meninos. O Coritiba nos últimos cinco anos não vendeu um menino sequer e estamos montando esta estrutura agora”

[sobre o novo CT] Estamos na fase final do negócio, é uma área de 18 alqueires. (…) um investimento de cerca de R$ 50 milhões. Já temos um investidor pra isso e eu ainda não tinha falado disso, porque ainda não assinamos a escritura, que está na fase final. (…) Se tudo der certo, em um ano estamos com o novo CT. Nós podemos colocar lá dez campos, um ginásio coberto, dependências para trazer 120 crianças do Qatar para treinarem aqui. Esse é um projeto em parceria com o governo do Qatar. (…)”

As duas declarações beiram o óbvio de tão geniais: com investimento na base e em estrutura, o Coxa poderá lucrar e se fortalecer. Nada simples, mas um caminho para um clube que não tem o apelo mercadológico de um São Paulo, Flamengo ou Corinthians, mas é obrigado a competir em igualdade com eles.

As opções de Vilson, ao lembrarmos da já histórica declaração do presidente atleticano Marcos Malucelli (“Estamos 10 anos a frente deles”) me remetem a Juscelino Kubistchek, que prometeu 50 anos em 5.