Qual o segredo do futebol de Minas?

GALOXCRUZEIRO2

Uma Libertadores, um Brasileirão (em breve talvez dois) e uma final de Copa do Brasil no período de dois anos e o Brasil inteiro se pergunta: qual o segredo do futebol mineiro, atual dono dos melhores resultados no País?

Atlético-MG e Cruzeiro não são exatamente modelos de sucesso administrativo. De acordo com o balanço de 2013, último publicado, ambos somam 638 milhões em dívidas – 438 do Galo com 200 da Raposa. O Alvinegro é o quarto time mais endividado do País, enquanto que os Celestes ocupam a 11a colocação no ranking negativo. A dívida cruzeirense é facilmente administrável quando olhamos as receitas de 2013, quando o clube arrecadou 188 milhões, entre patrocínios, prêmios, vendas de jogadores, televisão e bilheteria, entre outros. Já os atleticanos de Minas Gerais não têm a mesma tranquilidade que o rival. As receitas em 2013 foram de 228 milhões, praticamente metade do que foi gasto. Ainda assim, com uma desproporção entre receitas e despesas, com patrocínios menores que os de Rio e São Paulo, como os mineiros dominam pelo segundo ano seguido o futebol nacional?

A resposta é: investimento no futebol em si.

Se a gestão administrativa deixa a desejar no balanço financeiro, Cruzeiro e Atlético-MG seguem o rumo daquilo que se propõem desde que foram criados. Ao invés de superávit, títulos. Uma receita adotada pelo primeiro Real Madrid Galático de Florentino Perez, com Zidane, Ronaldo e Beckham, em menor proporção. Então decadente, o Madrid optou por gastar mais e fazer a roda girar em outro sentido. Com craques e títulos, aumentou sua arrecadação e voltou a ser referência no cenário mundial. Não sem antes vender um patrimônio gigante, a antiga Ciudad Deportiva, o CT que rendeu 480 milhões de Euros à equipe espanhola.

Em Minas não é muito diferente quanto ao patrimônio. Cruzeiro e Atlético-MG não precisaram gastar um centavo sequer para modernizar os dois principais estádios de Belo Horizonte. O Mineirão e o Independência ganharam cara nova com parcerias público-privadas, como a Minas Arena. Diferente de adversários como Corinthians, Inter e Atlético Paranaense, os mineiros não têm dívidas recentes com infraestrutura. Enquanto o trio citado tem que dividir suas receitas com as obras, Galo e Raposa tiveram que buscar apenas melhores acordos com os arrendatários das arenas – o América Mineiro é o gestor do Independência, que pertence à Prefeitura de BH. Antes, porém, a dupla mineira já havia construído seus CTs, Cidade do Galo e Toca da Raposa, ambos considerados dois dos 4 mais bem estruturados do País. O Cruzeiro se dá ao luxo de ter um CT apenas para a base, a Toca I, com os profissionais treinando na moderna Toca II.

O salto foi dado após o susto que a dupla sofreu em 2011. Atlético-MG e Cruzeiro acabaram nas 15a e 16a posições respectivamente, as duas logo acima da zona de rebaixamento. O jogo que livrou a Raposa do rebaixamento foi justamente o clássico mineiro, previsto então para a última rodada. Com uma acachapante goleada dor 6 a 1, o Cruzeiro se livrou da queda junto com o Galo, que havia escapado um pouco antes. A partida, porém, foi colocada sob suspeita por muita gente em Minas Gerais, chegando até a ser formulada uma denúncia no Ministério Público Mineiro, arquivada posteriormente. Ambos tinham o mesmo fundo gestor, o Banco BMG, contando com 12 jogadores nas duas equipes. A recuperação atleticana, que ocorreu antes, foi caracterizada por uma defesa intransponível no segundo turno, que acabou sofrendo a maior goleada do campeonato naquele jogo. Após o final do ano o BMG se retirou do mercado de investimento direto no futebol e a CBF acabou com os clássicos na última rodada do Brasileirão.

Longe da Série B, Galo e Raposa investiram pesado nos elencos. O Atlético-MG saltou de R$ 30 para R$ 180 milhões de investimento em futebol de 2012 para 2013. A vinda de Ronaldinho foi o principal deles. O craque ex-Barcelona deixou o Flamengo em baixa e rendeu para o clube a histórica Libertadores de 2013, após o vice-campeonato brasileiro em 2012. A imprudência foi recompensada pela taça e pelo pequeno aumento da dívida, de apenas 6% entre as temporadas. Alexandre Kalil, presidente do Galo, é um dos principais artífices dos clubes em prol de um programa de refinanciamento – talvez anistia – das dívidas dos clubes junto ao governo. O clube sofreu para receber os R$ 37 milhões da venda de Bernard para o Shahktar Donetsk da Ucrãnia. Só o fez quando deixou R$ 25 milhões nos cofres da União e diminuiu a dívida. O elenco do Galo perdeu Ronaldinho, mas manteve ídolos como o goleiro Victor e o atacante Diego Tardelli.

O Cruzeiro começou a recuperação mais timidamente que o rival, mas para 2014, após o título do Brasileirão, abriu de vez os cofres. A montagem do elenco que pode ser coroado com o bicampeonato brasileiro e a Copa do Brasil começou com 70 milhões em 2012 para 160 milhões nesta temporada, chegando a mais de 80% das receitas do clube. Os Celestes foram buscar gente como o zagueiro Manoel e os meias Marlone e Marquinhos, revelações de Atlético-PR, Vasco e Vitória. Se dão ao luxo de manter Julio Baptista e Dagoberto no banco, jogadores que seriam titulares na maioria dos demais clubes da Série A. E, principalmente, acreditaram no trabalho do técnico Marcelo Oliveira, já há duas temporadas completas à frente da Raposa.

O BMG segue estampando as camisas da dupla, mas os R$ 12 milhões por ano pagos a cada um são menos que a metade dos R$ 31 milhões que o Corinthians recebe da Caixa e menos ainda que os R$ 60 milhões investidos pela Unimed na parceria com o Fluminense. Mesmo com a receita inferior, mas dedicando quase todo o fluxo ao futebol e contando com escolhas acertadas e um pouco de sorte – afinal o futebol é um jogo e São Victor está aí para confirmar aos atleticanos a tese – Galo e Cruzeiro vão dominando o cenário nacional na contramão da austeridade financeira pregada pelos especialistas. Se o poço tem fundo ainda não se sabe, mas o torcedor e o museu dos clubes não estão reclamando da constante chegada de taças à Belo Horizonte.

5 mitos sobre o mata-mata que você precisa saber

Cruzeiro e Atlético Mineiro já fizeram um mata-mata em 2014, no Estadual
Cruzeiro e Atlético Mineiro já fizeram um mata-mata em 2014, no Estadual

As semifinais da Copa do Brasil começam nessa quarta (29) e a certeza de grandes jogos entre Cruzeiro x Santos e Atlético-MG x Flamengo vai resultar, pela milésima vez, no enfadonho debate sobre Mata-Mata vs. Pontos Corridos no Brasileirão. Muita gente ignora o fato de que os dois modelos estão em vigor no Brasil atualmente, o que atende bem a pluralidade de interesses. No acalorado debate vão surgir muitos argumentos, cinco dos quais são falaciosos. O blog trata disso logo abaixo:

Mito 1 – “O torcedor prefere o mata-mata”

Bem, isso é desmentido logo pelos números. O que o torcedor gosta mesmo é de jogo bom. Nos últimos três anos a média de público da Copa do Brasil, mata-mata na essência,  é bem inferior à do Brasileirão, que aliás tem o dobro e mais um pouco de jogos disputados – logo, precisa de mais público médio por mais tempo. Em 2013, mesmo com a maior torcida do Brasil na decisão, a média de público nos 158 jogos da Copa do Brasil foi de míseros 2623 torcedores por jogo, enquanto que o Brasileirão, com 380 jogos, teve média de 14951. O mesmo aconteceu nos anos anteriores. Em 2012 tivemos média de 8588 para a Copa e 12970 para o Brasileirão; em 2011 o placar foi de 14664 a 8289 para o Brasileirão.

A final de 2013, entre Flamengo e Atlético Paranaense, arrastou 57.991 torcedores ao Maracanã, um público inferior ao de Santos x Flamengo em Brasília, no Brasileirão, para 63501 pessoas verem a despedida de Neymar. A decisão rubro-negra entraria na lista como o 5o maior público do ano entre times da elite, atrás de quatro jogos no Brasileirão de pontos corridos. A ausência de torcedores também é vista na Copa. Se o pior público do Brasileirão foi de 1182 para Portuguesa x Fluminense, apenas 164 pessoas viram Veranópolis-RS x Santo André no mata-mata.

Mito 2 – “Falta emoção nos Pontos Corridos”

Mais uma falácia propagada em época de grandes jogos. Evidentemente que partidas épicas como Atlético-MG 4-1 Corinthians ficam na memória do torcedor. Mas isso também acontece nos pontos corridos. Novamente, o que conta são os grandes jogos.

Quem se esquece da acirrada disputa entre Santos e Atlético em 2004, quando o Furacão perdeu o título apenas na última rodada, após ver o Peixe recuperar uma desvantagem nos jogos finais? É possível dizer que o duelo entre Corinthians x Inter em 2005, rodada após rodada com a remarcação dos jogos, culminando na partida do Pacaembu, foi menos emocionante que um belo mata-mata? E a inacreditável arrancada do Fluminense em 2009, se livrando do rebaixamento após ter 99,9% de possibilidades de queda? Duvido que os mineiros, em especial os cruzeirenses, se esqueçam da rodada final de 2011, com a goleada da Raposa sobre o Galo, que livrou o time celeste da queda justamente contra o maior rival. Tem emoção maior?

Mito 3 – “Os pequenos têm vez no mata-mata”

Mais uma distorção. Na verdade os pequenos não têm vez nem no mata-mata, nem nos pontos corridos, já há muito tempo. E isso ocorre por conta de distribuição desigual de cotas de TV, o que permite à uma elite montar times melhores que o resto. Elite esta fragmentada entre si, com graves distorções até mesmo entre os grandes.

Já são sete anos desde que o modesto Figueirense surpreendeu o Brasil e perdeu a decisão contra o Fluminense. De lá para cá todas as finais tiveram campeões brasileiros e clubes atuando na Série A, caso do Vitória – que se está em defasagem em relação aos clubes do grande centro, recebe mais que outros de seu porte. Nos últimos 10 anos foram 9 campeões da Copa do Brasil oriundos de Rio ou São Paulo, onde se concentram os maiores investimentos de publicidade no futebol. Números idênticos aos do Brasileirão. Apenas Cruzeiro (2013) no Brasileirão e Sport (2008) na Copa do Brasil conseguiram quebrar esse domínio.

Mito 4 – “Os clássicos ganham destaque”

Se você gosta de clássicos, seu campeonato preferido é o Brasileirão. Entre os 380 jogos da Série A deste ano, tivemos Grenal, Atletiba, Ba-Vi e Cruzeiro x Galo em dobro. Em São Paulo, com quatro clubes, são 12 clássicos; no Rio, sem o Vasco, são 6. Isso sem contar os clássicos interestaduais, como Flamengo x Atlético-MG ou Bahia x Sport. No mata-mata eles estão sujeitos à contingencia da tabela. Na Copa do Brasil dependem do sorteio e no antigo modelo do Brasileirão dependem do cruzamento.

Mito 5 – “Todo jogo é decisivo”

Sim, no mata-mata todo jogo tem caráter eliminatório. Mas nos pontos corridos não se pode bobear. Que o digam São Paulo e Inter. Os são-paulinos lamentam, por exemplo, o empate com o Coritiba na 3a rodada e a derrota para a Chapecoense na 11a, ambos em casa. Os colorados ainda choram as derrotas para o Cruzeiro (7a rodada) e Figueirense (19a) no Beira-Rio. Jogos tão decisivos quanto qualquer mata=mata. Se faltou a cultura de lotar o estádio, empurrar o time, ou quem sabe os jogadores mais ligados no jogo, não foi por conta do formato e sim da cultura atual.

Os 5 maiores jogos entre Atlético e Flamengo

Atlético Paranaense e Flamengo começam nessa semana a decidir a Copa do Brasil 2013. Os rubro-negros farão a terceira disputa eliminatória entre si na história. Nas duas anteriores, deu Flamengo, que tem vantagem nos confrontos diretos no geral, incluindo amistosos: 20 vitórias cariocas, com 10 empates e 18 triunfos atleticanos. O Furacão, porém, tem vantagem no saldo de gols: 59 a 57.

Nunca houve uma rivalidade grande entre as equipes, ao contrário do que acontece com o Fla e o xará Mineiro do Furacão, ou mesmo entre Atlético e Fluminense. Mesmo assim, os dois times já protagonizaram jogos memoráveis, quase sempre com vitórias dos times da casa. O blog relembra os cinco mais importantes da história – excetuando, claro, a decisão que virá pela frente:

#5 – Atlético 5-3 Flamengo (Brasileiro 2008)

Alan Bahia dá a paradinha e Bruno - aquele - cai: Atlético livre da queda

O Atlético estava ameaçado pelo rebaixamento, com 42, fora da ZR, perseguido pelo Figueirense, que tinha 41. O Flamengo, por sua vez, tentava uma vaga na Libertadores: 5o colocado com 64 pontos, com Cruzeiro (64) e Palmeiras (65) a sua frente. Na Arena, o Furacão abriu 2 a 0 no Fla, com gols de Toró (contra), Rafael Moura. Marcelinho Paraíba descontou para o Mengo, deixando o ambiente tenso na Baixada. Ainda no primeiro tempo, Julio Cesar faria 3 a 1, mas Marcelinho estava inspirado. Ele diminuiria para 3 a 2, mantendo o Atlético ameaçado de queda. Zé Antônio faria o 4o do Furacão, mas o alívio só viria mesmo aos 41 do 2o tempo, quando, de pênalti, Alan Bahia fez o 5o. Ainda daria tempo de outro gol de Marcelinho pra fechar o placar.

#4 – Atlético 0-1 Flamengo (Sul-Americana 2011)

Ronaldinho decide e acaba com um tabu que durava 37 anos

Historicamente, o Flamengo tem más lembranças de Curitiba, não só com o Atlético, mas também com Paraná e Coritiba. Além disso, um incômodo tabu durava 37 anos até aquele confronto eliminatório na Copa Sul-Americana de 2011. Depois de ter vencido por 1 a 0 no Rio, o Fla foi à Curitiba pegar um Atlético desorganizado e que havia dado a chave do clube para Renato Gaúcho, técnico que chegara para tentar salvar o Furacão do rebaixamento. Renato optou por mandar um time de reservas à campo. O 0 a 0 encaminhava a classificação carioca até o finalzinho do jogo, quando Ronaldinho aproveitou uma oportunidade em bola cruzada na área. Vitória do Mengo e fim do jejum na antiga Arena da Baixada.

#3 – Atlético 2-1 Flamengo (Brasileiro 2004)

Julio Cesar cochila e puxa Washington: pênalti e vitória do Atlético

O Atlético estava impossível aquele ano, dividindo a liderança com o Santos de Robinho. O Furacão tinha um timaço, com Jadson, Fernandinho, Dênis Marques e Washington. O Flamengo não ficava muito atrás, com o ainda goleiro da Seleção, Julio Cesar, Júnior Baiano e Zinho em campo. Júnior Baiano fez 1 a 0 e o Fla ia quebrando a sequência invicta atleticana, que chegaria a 18 jogos. Mas então apareceu o Coração Valente. Aos 43, ele recebeu na área e girou pra empatar. O resultado não era bom, mas os atleticanos já se conformavam com o empate. Então, numa bola despretensiosa, Julio Cesar falhou e Washington roubou-a do goleiro, que puxou o atacante, Pênalti e gol da vitória, mais um do artilheiro daquele ano, com 34 gols.

#2 – Flamengo 2-1 Atlético (Brasileiro 2009)

Adriano Imperador voltou ao Fla em partida contra o Furacão

Corria a quarta rodada do Brasileirão 2009 e o Flamengo recebia de volta um de seus mais polêmicos ídolos: Adriano Imperador. Naquele ano, alegando problemas pessoais, Adriano não quis voltar para a Inter de Milão e ameaçou até abandonar a carreira. Depois de uma longa novela, o atacante confirmou sua volta ao clube que o revelou. Quis o destino que o jogo de reestreia fosse contra o Atlético. Em um Maracanã lotado, levou 15 minutos para que Fla abrisse o placar com um gol contra de Antônio Carlos, hoje no são Paulo. O Maracanã explodiu, mas ainda faltava algo. Adriano, então, faria o segundo. A anunciada goleada não veio. O Furacão endureceu o jogo e quase arrancou um empate. Mas deu mesmo Flamengo, com  Rafael Moura descontando no placar. O Fla, com Adriano, chegaria ao seu sexto título nacional, incluindo a Copa União de 1987.

#1 – Atlético 2-0 Flamengo (Brasileiro 1983)

Rubro-negros lotaram o Couto Pereira, no maior público da história do estádio

Zico, Adílio, Nunes, Raul, Junior e uma verdadeira máquina do lado da Gávea; Washington, Assis, Nivaldo, Capitão e Roberto Costa, no surpreendente time da Baixada. Atlético e Flamengo fizeram uma das semifinais no Brasileirão de 1983. No primeiro jogo, no Maracanã, o Atlético não contou com Assis e acabou engolido, levando 3 a 0. O Fla já se considerava na final do Brasileirão, mas não imaginava o que o aguardava em Curitiba. Com o Couto Pereira – do rival Coritiba – completamente lotado, o Furacão, com 32 do 1o tempo, praticamente reverteria a vantagem, com dois gols de Washington. Só não conseguiu por que Raul Plassmann, que foi revelado no Atlético, impediu o terceiro gol com grandes defesas. Uma, em especial, em um chute a queima roupa de Capitão. O Fla resistiu à pressão de 67.391 pessoas e chegou à decisão, na qual venceria o Santos e seria tri-campeão nacional.

Por que o [coloque o nome do seu time aqui] vai ganhar a Copa do Brasil

Quem vai levar a Copa do Brasil 2013? O blog apresenta as razões pelas quais você deve confiar que será o seu time – ou se preocupar, se for torcedor rival. Comente abaixo!

O Flamengo vai ser o campeão da Copa do Brasil 2013 porque é time de chegada, cresce na reta final – que o diga o Botafogo – embalado pela torcida que tem os dois melhores públicos da competição. Venceu a Copa em duas ocasiões (1990 e 2006), derrotando o adversário da semi na primeira final. Vive um novo momento com Jayme de Almeida, que conhece bem o elenco, sendo um técnico “prata da casa”. E tem Hernane, o Brocador, artilheiro da competição com 6 gols em grande fase.

Pra chegar até aqui: 10jgs – 8v – 1e – 1d – 19gp – 6gc

1-0 Remo-PA (F)

3-0 Remo-PA (C)

2-1 Campinense-PB (F)

2-1 Campinense-PB (C)

2-0 ASA-AL (F)

2-1 ASA-AL (C)

1-2 Cruzeiro-MG (F)

1-0 Cruzeiro-MG (C)

1-1 Botafogo-RJ (N)

4-0 Botafogo-RJ (N)

 

No Brasileirão 2013 contra o Goiás em casa: jogo será realizado no dia 09/11, entre as duas partidas da Copa.

Na história da Copa contra o Goiás: 1 vitória e 1 empate

No Brasileirão 2013 contra o provável finalista:

2-2 Atlético (F)

2-4 Atlético (C)

0-1 Grêmio (C)

x Grêmio em 17/11 (F)

 

Na Copa contra o provável finalista:

Atlético: nunca enfrentou

Grêmio: 4v – 5e – 3d

O Goiás será o campeão da Copa do Brasil 2013 porque é o time que mais cresceu no Brasileirão, tendo vencido suas últimas 5 partidas na competição. Tem estutura e quer ganhar seu primeiro título nacional de primeira linha – tem duas Séries B, a última ano passado. Tem Walter, um dos melhores jogadores do País na temporada. É um dos seis times que ainda não trocou de técnico na Série A E já eliminou duas equipes cariocas na Copa, Fluminense e Vasco.

Pra chegar até aqui: 9jgs – 6v – 1e – 2d – 17gp – 9gc

3-1 Oratório-AP (F)

3-2 Santo André-SP (F)

1-0 Santo André-SP (C)

3-0 ABC-RN (C)

1-1 ABC-RN (F)

0-1 Fluminense-RJ (F)

2-0 Fluminense-RJ (C)

2-1 Vasco-RJ (C)

2-3 Vasco-RJ (F)

No Brasileirão contra o Flamengo em casa: 1-1 na 14a rodada.

No Serra Dourada contra o Flamengo em jogos oficiais: 5v – 10e – 4d

No Brasileirão 2013 contra o provável finalista:

0-2 Atlético (F)

3-0 Atlético (C)

2-0 Grêmio (C)

x Grêmio em 01/12 (F)

Na Copa contra o provável finalista:

Atlético: nunca enfrentou

Grêmio: nunca enfrentou

O Atlético vencerá a Copa do Brasil 2013 porque é o clube que mais se preparou para isso, tendo poupado o elenco principal do desgastante Estadual. Mesmo sem a Arena, joga no alçapão da Vila Capanema, estádio que permite a pressão da fanática torcida rubro-negra. Tem Ederson, o artilheiro do Brasileirão e o técnico Vagner Mancini, um dos treinadores* na disputa que já venceu a Copa do Brasil, em 2005, pelo Paulista de Jundiaí. Demonstra muita regularidade ao estar há 14 rodadas no G4 da Série A. E tem a oportunidade de ver o ídolo Paulo Baier levantar um título de expressão para o Furacão, antes de se aposentar.

Pra chegar até aqui: 9jgs – 5v – 3e – 1d – 15gp – 5gc

1-0 Brasil-RS (F)

2-0 Brasil-RS (C)

6-2 América-RN (F)

0-0 Paysandu-PA (F)

2-1 Paysandu-PA (C)

0-1 Palmeiras-SP (F)

3-0 Palmeiras-SP (C)

1-1 Inter-RS (F)

0-0 Inter-RS (C)

No Brasileirão contra o Grêmio em casa: 1-1 na 6a rodada

Como mandante contra o Grêmio (1959-2013): 7v – 10e – 6d

No Brasileirão 2013 contra o provável finalista:

2-2 Flamengo (C)

4-2 Flamengo (F)

2-0 Goiás (C)

0-3 Goiás (F)

 

Na Copa contra o provável finalista:

Flamengo: nunca enfrentou

Goiás: nunca enfrentou

O Grêmio vai ganhar a Copa do Brasil 2013 porque é o maior bicho-papão deste torneio: 4 títulos em 7 finais, com outras 3 semis. Conta no banco com Renato Portaluppi (Gaúcho, pra quem não é do RS), maior ídolo da sua história. Quer coroar o ano de estreia na Arena Grêmio com um título nacional e voltar à Libertadores para compensar a decepção com o time milionário de Luxemburgo neste ano. Se precisar de pênaltis, tem Dida, o paredão que classificou a equipe contra o Corinthians.

Pra chegar até aqui*: 4jgs – 1v – 2e – 1d – 2gp – 1gc

0-1 Santos-SP (F)

2-0 Santos-SP (C)

0-0 Corinthians-SP (F)

0-0 Corinthians-SP (C) – Pênaltis: 3-2

*entrou na fase de 8as de final por ter disputado a Libertadores

No Brasileirão contra o Atlético em casa: 1-0 na 25a rodada

Na Copa contra o Atlético: 1 vitória e 1 empate

No Brasileirão 2013 contra o provável finalista:

1-0 Flamengo (F)

x Flamengo em 17/11 (C)

0-2 Goiás (F)

x Goiás em 01/12 (C)

 

Na Copa contra o provável finalista:

Flamengo: eliminou-o em 89, 93 e 95 na semi, venceu-o na final de 97

Goiás: nunca enfrentou

*Renato ganhou a Copa pelo Fluminense em 2007, alerta e corrige um leitor.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Equívoco da CBF beneficia Corinthians, Grêmio e Vasco na Copa do Brasil

Kléber, pendurado, e Barcos: exceção para os times da Libertadores

A valorização da Copa do Brasil com a volta das equipes que disputam a Libertadores foi uma ideia interessante da CBF. Porém, um equívoco na montagem do regulamento beneficiou os times que entram apenas na etapa de oitavas de final. Com a suspensão de jogadores prevista para cada terceiro cartão tomado na competição, Corinthians e Grêmio, da Libertadores, e Vasco, beneficiado pela presença obrigatória do São Paulo na Copa Sul-Americana levam vantagem sobre os demais adversários.

Com apenas dois jogos disputados, a única exceção do trio é Kléber. O “Gladiador” é o único dos 12 atletas do trio a estar pendurado. Nos outros cinco times, jogadores decisivos como D’Alessandro (Inter), Everton (Atlético), Walter (Goiás) e Lodeiro (Botafogo) podem desfalcar seus times na reta final, o que já acontecerá com Elias (Flamengo) e Bolívar (Botafogo) no primeiro jogo desta fase.

A solução seria zerar os cartões dos clubes a partir das oitavas, exceção feita aos que entrarem na fase suspensos. Por ora, para os times beneficiados, é aproveitar a oportunidade; para os demais, cuidado dobrado com faltas e reclamações.

Confira a lista dos advertidos:

Corinthians: Nenhum pendurado. Pato, Romarinho e Fábio Santos.

Grêmio: Kléber pendurado. Barcos, Matheus Biteco, Souza e Maxi Rodrigues amarelados.

Vasco: Um amarelo para Fagner, Santiago, Filipe Souto e Cris.

Atlético: Pendurados: Jonas, Pedro Botelho, Everton e João Paulo; mais 12 (Zezinho já cumpriu) levaram cartões.

Inter: D’Ale e Fabrício péndurados. Outros 11 (incluindo Damião) com cartão.

Goiás: Walter, Cícero, Hugo e Amaral com dois cartões. Mais 9 com cartão.

Botafogo: Lodeiro, Doria, Edilson, Gabriel pendurados e mais 11, incluindo Jefferson; Marcelo Mattos já cumpriu uma e Bolívar está suspenso contra o Fla.

Flamengo: Elias está suspenso, Renato estaria pendurado e mais 9 levaram cartão.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Atlético recria a Hungria de Puskás

Puskas parece o Walter, mas era melhor fisicamente que a imensa maioria

O ano era 1952. A Hungria já tinha alguma tradição, vice-campeã do Mundo em 1938 ao perder para a Itália. O futebol era recanto de bôemios, marginalizado pela sociedade, embora curiosamente já arrastasse multidões para os estádios. Começando pelo Honved e chegando até a seleção, os húngaros fizeram algo que até então ninguém havia pensado: se prepararam fisicamente. O jogadores tornaram-se atletas. A Hungria ganhou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Helsink, na Finlândia e em 52 jogos internacionais até 1956, perdeu apenas um. Justamente a final da Copa de 1954, para a Alemanha, a quem na primeira fase havia enfiado 8-3. Coisas do futebol.

O ano é 2013. Em decisão polêmica, mezzo técnica, mezzo política, o Atlético retira o time principal do Estadual e leva para uma pré-temporada na Espanha. Vence um torneio curto, contra times do Leste Europeu, enquanto o time Sub-23 apanha no Paranaense. Volta e fica no aguardo, vendo a reação do Sub-23, que, dada a estrutura do clube, a precariedade dos adversários e três ou quatro talentos, chega a decisão contra o forte Coritiba de Alex. O clube perde, mas o projeto estava 50% pronto, como constatado aqui. Os outros 50% dependiam do sucesso do elenco profissional, que patinava em amistosos contra reservas de Cruzeiro, Figueirense, Goiás e Atlético-GO.

A pré-temporada durou seis longos meses. O Brasileiro começa e, sem ritmo, o Atlético entrega pontos para Fluminense e Vitória, mesmo jogando melhor, e cede empates para Flamengo e Cruzeiro, depois de abrir 2-0. Questionado, o técnico Ricardo Drubscky é substituído por Vagner Mancini, mais experiente e mais próximo dos jogadores. Depois da Copa das Confederações, o Atlético sai da 19a posição para o 4o lugar. Derruba uma invencibilidade histórica do xará mineiro no Horto, bate no líder Botafogo, impõe 3-0 ao Palmeiras, líder isolado na Série B. Tudo com um time mediano, cujo talento máximo é Paulo Baier, 38 anos. Qual o segredo?

As pernas.

Não são apenas um ou dois lances que demonstram isso nos jogos do Atlético. Especialmente no 2o tempo dos jogos, o Furacão passa a sobrar em campo. Jogadores rápidos, como Léo, Manoel e Marcelo, se tornam ainda mais rápidos que os demais; o zagueiro do Atlético nunca chega atrasado nas bolas. Não leva cartões nem permite muitos lances de perigo. Os atacantes chegam quase na frente dos adversários. Um clube com orçamento menor que outros 12 clubes na Série A vai cumprindo seu objetivo. Ainda tem chão, tanto na Copa quanto no Brasileirão. Falar em título pode ser utopia para alguns, mas, com um campeonato tão aberto, mesmo com elenco modesto, o Furacão se permite sonhar. Ao menos com uma vaga na Libertadores.

Dos titulares – 12, se incluído Ederson, o reserva de luxo artilheiro do Brasileirão – apenas o volante Bruno Silva e o atacante Dellatorre não estiveram na pré-temporada. Zezinho é o único que disputou o Estadual. Destaques como Douglas Coutinho, Deivid e outros ainda desfalcam o elenco. E ainda há os misteriosos Maranhão, meia que veio do México, e Frán Mérida, formado no Barcelona, que não deu as caras nesse time de 2013.

Enquanto todos jogavam os Estaduais, o Atlético inventou seu calendário. Aguentou a festa do rival Coritiba tetracampeão e agora parece estar colhendo os frutos. O Corinthians, campeão do Mundo, teve de antecipar as férias e já fez 28 jogos a mais que o Furacão; o líder Cruzeiro, 15 a mais; o Botafogo, 20 a mais. O que menos jogou na Série A foi o Vasco, 12 partidas a mais que o Atlético, e isso porque foi eliminado precocemente do Cariocão.

Todas as equipes vão perder jogadores por lesão e cartões; todas vão sentir as pernas em algum momento. São Paulo e Santos chegarão ao absurdo de fazer quatro partidas em menos de 10 dias, para cumprir a tabela em função de viagens ao exterior – outro desgaste. O Atlético estará nessa, mas com menos desgaste.

Para confirmar a vitória da ideia, o Furacão precisa ser ao menos semifinalista da Copa do Brasil e beliscar uma vaga na Libertadores. Se não conseguir, já deixará uma pulga na orelha de todos os clubes. Se conseguir isso ou mais – um título, por que não? – poderá mudar a cara do futebol brasileiro.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

O Papa do futebol no País do Futebol

"Venho... do bairro de Boedo... Um bairro de bandas de rua e carnaval..."

Jorge Mario Bergoglio poderia ser apenas mais um entre os tantos fanáticos do San Lorenzo, tradicional equipe da Argentina, 14 vezes campeã nacional. Poderia se juntar a massa azulgrana aos domingos para vibrar e sofrer com seu time nos jogos do campeonato. Mas domingo é dia de Missa e Jorge Bergoglio não é um torcedor comum. É também o Papa Francisco, maior líder da Igreja Católica, ainda a igreja com mais adeptos no Mundo, cerca de 1,1 bilhão de pessoas. Por isso Jorge, hoje residente no Vaticano, não pôde ver de perto a luta do Ciclón pelo título da temporada, que acabou nas mãos do Newells Old Boys, com o San Lorenzo acabando em quarto lugar, contrariando a fé do Pontífice:

Pois nessa semana o Papa do Futebol visita o País do Futebol. O Brasil ainda é predominantemente católico, o que faz com que a mobilização em cima da visita do Papa seja grande. Segundo o censo do IBGE 2010, 64,6% dos brasileiros são católicos, seguidos de 22,2% de evangélicos, 8% sem religião e 2% de espíritas, com os 3,2% restantes se dividindo entre diversas religiões. Francisco chega ao Brasil em um momento de fé para a torcida do Atlético Mineiro. Derrotado por 2-0 em Assunção na primeira partida da Libertadores, o Galo precisa de um “milagre” para ficar com a taça, só conseguido uma vez em decisões, em 1989, quando o Atlético Nacional devolveu o mesmo placar contra o mesmo Olimpia e depois venceu nos pênaltis. Se o Papa vai entrar nessa ou não, não se sabe. Mas, anteriormente, ele já deu força ao time mineiro – leia aqui.

Em 1980, na primeira visita do antecessor João Paulo II ao Brasil, a torcida do Fluminense colocou o então Papa dentro do futebol. Na decisão do estadual contra o Vasco, os tricolores entoaram um canto que ecoa até hoje: “A benção, João de Deus” (veja abaixo). A fé colou e o Flu ficou com o título nos pênaltis. A visita ainda acirra a rivalidade no Paraná. Detentor do maior público da história no estádio do Coritiba, o Atlético vê o Coxa contestar a informação usando o Papa. Para o Coxa, a visita de João Paulo II é o recorde oficial do estádio e não os 67.391 torcedores que acompanharam a vitória por 2-0 do Furacão sobre o Fla, na semifinal do Brasileiro em 1983.

Futebol e religião se misturam a todo momento. E não só no Brasil. Em Roma, o Papa costuma receber jogadores e torcedores em busca de um apoio espiritual para suas missões. A última bola dividida foi na decisão da Copa da Itália, transmitida pelo Terra no primeiro semestre. Romanistas e laziales procuraram Francisco pedindo benção. Ele atendeu às duas equipes, mas a taça ficou com a Lazio de Hernanes – conhecido também, vejam só, como “o Profeta”.

A agenda do Papa será apertada no Brasil. Chega nesta segunda e fica até domingo, sempre com eventos. Talvez consiga ver pela TV um ou outro jogo, em semana de Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão. Em Aparecida do Norte-SP, na quarta, terá a oportunidade de ver a enorme coleção de camisas de futebol que estão no santuário, levadas por fiéis que querem ajuda para seus clubes, de torcedores a jogadores.

Faixas e camisas no Santuário de Aparecida

Do Brasil, Francisco voltará à Roma. Não irá ao bairro de Boedo, onde poderia acompanhar, na semana que vem, a estreia do San Lorenzo contra o Olimpo pelo Torneo Inicial 2013 e quem sabe se juntar aos hinchas na arquibancada.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!