Seleção do Taiti: recordes, família e a primeira grande competição

Nesta segunda (17), Belo Horizonte, a casa da mãe de todas as zebras, recebe o inusitado Taiti x Nigéria pela Copa das Confederações. Será a primeira experiência do Taiti em uma grande competição mundial. Campeão da Oceania em 2012, o Taiti fará contra a Nigéria seu primeiro jogo oficial na história contra uma equipe de outro conitnente. Futebol semi-amador, estrutura quase zero, um país que tem o surf como esporte número 1, fiasco a vista. Será?

O Taiti não é tão “inocente” quanto se possa imaginar – pelo menos é o que aponta o retrospecto da OFC, a confederação continental da Oceania. Claro, a Nigéria está furos acima – já venceu até torneio olímpico – e o futebol da Oceania não prima exatamente pela grande qualidade de seus clubes e jogadores. Mas o Taiti tem um histórico que merece melhor atenção. A começar por uma das maiores goleadas da história do futebol: 30 a 0 sobre as Ilhas Cook, em 02 de setembro de 1971.

Leia também:

Contagem regressiva para o legado

O que o Mundo está falando da Copa das Confederações

O monstro de René

Três vezes vice-campeã continental (1973, 80 e 96), a Seleção do Taiti se aproveitou da ausência da Austrália – que agora joga pelo setor asiático da Fifa – para ser o primeiro campeão continental oceânico que não Nova Zelândia ou Austrália. Na campanha, goleadas por 10 a 1 em Samoa e 4 a 1 em Vanatu. O título veio na decisão contra a Nova Caledônia, que já havia perdido pelo Taiti por 4 a 3 na fase de grupos, novamente derrotada por 1-0 na decisão. Alegria e vaga inédita na Copa das Confederações, muito graças a uma família: os Tehau.

O histórico elenco que disputará a Copa das Confederações (Foto: Fifa)

Lorenzo e Alvin são gêmeos, irmãos de Jonathan e primos de Teaonui. Juntos, marcaram 15 dos 20 gols do Taiti na conquista. Na Liga Taitiana de Futebol eles defendem times diferentes. “Estou feliz em jogarmos juntos. Levou muito tempo até estarmos no mesmo time”, disse Lorenzo em entrevista ao site da Fifa. Lorezno e Alvin defendem o Tefana, Jonathan é do Tamarii e Teaonui joga no Venus. Os quatro dividem suas preferências como ídolos: Zidane e Messi ocupam o imaginário do quarteto de um país que tem a França como pátria referência. Todo taitiano é considerado um cidadão francês.

O Taiti vem ao Brasil em 2013 fazendo história, mas não repetirá em 2014. A seleção foi eliminada em 3o lugar no grupo da OFC, vencido pela Nova Zelândia, que aguardará o 5o colocado da Conmebol para a disputa de uma vaga para a Copa. Apenas um jogador atua fora do País. É Marama Vahirua, do Panthrakikos da Grécia. É considerado o único profissional do elenco – todos os demais dividem-se entre suas equipes e um segundo emprego. Vahirua já deu o recado: 2013 é a Copa para o Taiti, que “não quer ser ridículo” na competição. Com potências como Espanha, Nigéria e Uruguai, não será tarefa fácil.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Anúncios

O que o Mundo está falando da Copa das Confederações

O evento-teste da Fifa vai começar e o Brasil vive uma onda de protestos sociais, na expectativa de uma repercussão internacional, já que todos os olhos do planeta estão voltados ao País. No entanto, não é o que se vê nas manchetes deste sábado, pré-estreia da Copa das Confederações, nos principais jornais esportivos do Mundo. Nenhuma nota ou preocupação em destaque – ao menos antes da competição começar.

Argentina

Nossos vizinhos estão fora da Copa das Confederações, mas não deixam de opinar. “Toda sorte para o Brasil” é a manchete do Olé, que brinca com o tabu de que nunca uma seleção que venceu a Copa das Confederações ficou também com o caneco do Mundial no ano seguinte. Bem, há sempre uma primeira vez.

Uruguai

Os uruguaios ainda não estão 100% voltados a Copa das Confederações. A grande preocupação do Ovación Digital está na busca por uma vaga no Mundial: com sete pontos, a Celeste garante ao menos a vaga na repescagem. Olhos em 2014.

Espanha

O Marca, principal jornal esportivo espanhol, segue a linha de se preocupar mais com o Real Madrid que com a seleção local. Tanto é que a principal manchete é com o uruguaio Luis Suárez dizendo que “valerá o mesmo” se marcar ou não no encontro entre Celeste e Fúria.

Itália

Na Gazzeta Dello Sport, a preocupação é com Mário Balotelli, que com uma contratura, pode ficar de fora da estreia contra o México.

México

Chicharito Hernandes, do Manchester United, é o destaque do Central Deportiva, caderno de esportes do El Universal, que fala da preocupação da Itália com o artilheiro.

Japão

No Japão, o destaque do Daily Sports Online é a declaração de Neymar sobre os principais jogadores japoneses, Honda e Kagawa.

Nigéria

Nada de repercussão sobre a quase-desistência da Nigéria na Copa das Confederações: página virada, a expectativa do The Guardian Nigéria é para o duelo com o Taiti: “Sonhos do Tahiti contra as Super-Águias”.

Taiti

No Le Dépéche, a manchete é: “Todas as atenções para o Taiti”. Pelo menos é essa a impressão que eles têm da primeira grande competição do país, que se rotula como “peixe-pequeno”.

Alemanha

Um dos principais países do mundo do futebol, a Alemanha dá pouco destaque para a Copa das Confederações (a quem chama de ‘mini-copa’), mas questiona: “Porque o Taiti e não nós?”, discutindo a ausência da seleção local nesta competição – e os motivos disso.

Inglaterra

Um dos mais ácidos jornais do mundo, o The Sun da Inglaterra, passa longe dos problemas sociais brasileiros ao falar da Copa. A manchete faz um apanhado do que há de melhor e, para desgosto de Carlinhos Brown, agradece a ausência de Vuvuzelas e afins no “carnaval do futebol”.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Felipão tem razão em não levar Ronaldinho

"Ronaldo, tu presta atenção que o caminho é esse..."

Não dá pra chamar de clamor popular – vide a votação entre os internautas do Terra na capa do site – mas boa parte da torcida brasileira e quase toda a crítica queria Ronaldinho na Seleção na Copa das Confederações. Me incluo entre os que davam isso como certo. Mas, passadas algumas horas da convocação, e ainda na repercussão da mesma, pondero: Felipão tem razão.

Ronaldinho encantou a torcida brasileira nos últimos jogos do Atlético-MG, em especial nos jogos no Independência contra São Paulo e Cruzeiro. Pelo Galo, vem sendo destaque desde o ano passado. Carentes de craques como estamos, os lampejos do gaúcho pelo time mineiro nos fazem lembrar do Dentuço do Barcelona ou então dos inúmeros craques da Seleção ao longo de sua vitoriosa história. Convenhamos, há muito que a Seleção não encanta, não empolga. E, de quebra, o gênio do futebol mundial atualmente veste azul e branco e fala espanhol.

Leia também:

Seedorf e a semente

Zico e Romário selam a paz entre risos e Pelé

Sem refresco para Mourinho

Mas na Seleção, Ronaldinho não rende. E não rende por duas razões, não sei qual a mais relevante. Primeiro, o esquema. O Galo joga por e para Ronaldinho. Sim, a movimentação de Bernard (viu como Felipão tem visto os jogos do Atlético-MG?) e Tardelli, o posicionamento de Jô e principalmente as roubadas de bola de Pierre e Leandro Donizete (alô, Felipão!) ajudam muito. Aliás, são elas que proporcionam que Ronaldinho não volte e não se desgaste tanto correndo. Felipão poderia ter levado meia jogada pronta direto das Alterosas. Mas não quis. A Seleção já tem seu craque do momento, Neymar, e nenhum esquema tem feito o menino do Peixe jogar como pode. Será que o técnico quer trabalhar em função de outro?

Em segundo lugar, Ronaldinho tem apenas 33 anos, mas já ganhou tudo o que tinha que ganhar. Inclusive, e principalmente, dinheiro. Ronaldinho já foi o melhor do Mundo, já foi campeão da Copa com gol importante, já brilhou em vários clubes. A Copa 2014, que poderia ter nele e em Kaká os líderes da Seleção, já não encanta mais. No Atlético-MG, a relação é diferente e ele mesmo já assumiu isso publicamente. O apoio da torcida do Galo a Dona Miguelina, mãe do R10, ganhou o jogador. Ronaldinho é humano, oras. Pode até não tem ambições profissionais, ao menos na Seleção, mas o apreço e sinergia com o Galo entraram pra valer na cabeça dele. E, motivado, ele tem feito a diferença. Faria na Seleção? O histórico recente mostra que não.

Assim, Felipão está certo. Leva quem quer comer grama, caso do amigo de Ronaldinho, Bernard. Aposta em Julio Cesar no gol, injustiçado por uma falha em 2010 como se aquele lance definisse sua carreira; aposta em Luiz Gustavo, que quer ser titular do Bayern de Munique, futuro melhor time do Mundo; em Jadson e Hulk, vitimas de preconceito de pseudo-intelectuais da bola, por circularem por mercados diferentes que Rio e São Paulo em boa parte da carreira (o meia do São Paulo tem que provar a cada dia que merece a 10 tricolor, mesmo depois de carregar Atlético e Shakhtar nas costas quando defendeu esses clubes). É a linha de trabalho dele, a família que tanto dizem.

Mas Felipão não fechou as portas em definitivo para Ronaldinho. Em entrevista exclusiva na TV Globo, disse que seguirá de olho em Ronaldinho e alguns mais. Esse “olho” inclui essa vontade que o meia tem mostrado no Galo mais do que supostos desvios extra-campo que ele possa ter. Um deles talvez tenha sido dizer que o Galo estava brincando na derrota para o São Paulo na primeira fase da Libertadores. Felipão não quer brincadeiras. Será ele o cobrado no caso de um novo Maracanazzo na história do Brasil.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

2011 – A odisséia paranaense

O Jogo Aberto Paraná exibiu ontem e hoje as retrospectivas da temporada 2011 para os clubes do Sul do Estado e um resumo dos principais acontecimentos no futebol paranaense em geral.

Acompanhe, relembre alegrias e tristezas e comente!

Atlético

Coritiba

Paraná

Política/Copa/Operário e Interior

Uma dolorosa lição

Por fora, bela viola...

A Fifa anunciou as sedes da Copa das Confederações 2013 e o número de jogos que cada uma das 12 cidades-sede da Copa 2014 receberá no Mundial.

E Curitiba saiu derrotada do processo.

A cidade, que no discurso dos políticos esteve sempre cotada para estar na Copa das Confederações, não ficou nem na suplência, casos de Recife e Salvador. Optando por Brasília (abertura), Belo Horizonte, Fortaleza e Rio de Janeiro (final), a Fifa deu um recado claro à Curitiba (e ao Sul do País, que nem Porto Alegre emplacou).

Ou melhor, deu dois recados. O outro foi a equiparação de Curitiba a cidades como Manaus, Cuiabá e Natal, todas insípidas no histórico futebolístico. Das três, conheço duas: Manaus e Natal. A segunda é bem planejada e com belas praias, turística. Tem seus problemas, como todas, mas não fica tão atrás de Curitiba em infraestrutura; já Manaus é um caos. Estive por lá para transmitir Holanda-AM 1-2 Coritiba, pela Copa do Brasil 2009. Tudo, do estádio a urbanização, precisa ser refeito.

E essas cidades só receberão quatro jogos do Mundial:

Curitiba não estará na segunda fase do Mundial

Concordemos que a Copa das Confederações estava nos planos somente dos mais entusiasmados. Mas receber apenas quatro jogos no Mundial é um acinte para quem se diz moderno e preparado, como é o caso do povo curitibano. De fato, a cidade em si não deve nada a muitas outras que ficaram mais bem posicionadas no Mundial. É melhor urbanizada que BH e Porto Alegre e mais populosa que a última; tem mais força desportiva que Brasília, cujo principal time disputa a Série C. O mesmo vale para Fortaleza, embora o cenário do futebol tenha crescido por lá recentemente.

O que atrapalhou Curitiba foi o crônico problema do autofagismo. Criou-se um fantasma na cidade: “a Copa é do Atlético”. Errado.

A Copa é da cidade. É para ela e seus hotéis, restaurantes e praças que o turista virá; é para Curitiba que serão feitas mudanças urbanísticas, desde o aeroporto até o já anunciado futuro metrô (lusitanamente programado para depois da Copa). O estádio é um meio, não o fim. E sim: o Atlético, único a apresentar um projeto coeso na época da candidatura (ou você compraria um carro usado de Onaireves Moura?), vai ser beneficiado com as obras.

Assim como a construção da Vila Capanema, com participação da prefeitura no passado – tanto que segue o litígio pela rodoferroviária – como o Pinheirão, com terreno da prefeitura, que pode até se tornar uma nova praça esportiva no futuro. Mas, curitibanamente, é melhor ver o vizinho mal do que todos progredirem. Chega-se ao absurdo de se propagar campanha para que Florianópolis pegasse a sede daqui. Tsc.

Não se defende aqui, de maneira nenhuma, desvio de verbas ou má gestão de recursos públicos. Para isso é que existe o TC, a procuradoria e, por que não, a imprensa, nem sempre simpática a olhos clubistas, mas cumpridora do seu papel, doa a quem doer.

A questão é política. Curitiba deixará, por não ser coesa na idéia, de aproveitar as benesses que terão outras cidades. O legado poderia ser maior. E tenho certeza que a lição não ficará para o futuro. Infelizmente, é da cultura do curitibano menosprezar o local e minar o crescimento do vizinho.

A derrota é de todos. Mas é claro que é ainda maior para os homens públicos que conduziram mal o processo.

Limão e limonada

Ruim como está, pior sem. Decepção a parte, é hora do povo da cidade acordar para o futuro. Curitiba jamais deixará de ser a quinta comarca paulista se não caminhar para um só lado. Ao invés de comemorar o fato de que a cidade só receberá quatro jogos por alguma razão pessoal, que tal pensar em como melhorar o ambiente, como cobrar os responsáveis?

A Copa vem de qualquer jeito. Um plano de negócios visando turistas, a reclamação junto aos responsáveis por transparência no uso dos recursos públicos, a realização de obras que visam a Copa mas devem ir além, sem exclusão social, tudo isso é papel da população.

Somos ótimos em protestar contra o Dunga quando a Seleção perde (e contra jornalistas quando achamos que o que ele escreve não nos agrada) mas péssimos em cobrar de nossas autoridades, funcionários públicos colocados lá com nosso voto, trocam os pés pelas mãos.