O atalho mais fácil para a Libertadores mudou

Começou nesta terça (30) a Copa Sulamericana 2013, daqui por diante, “o atalho mais fácil para a Libertadores”. Pelo menos é essa a expectativa de nove clubes brasileiros, com a mudança no regulamento que integrou os times da Libertadores à Copa do Brasil, tornando o antigo atalho mais espinhoso. Clubes da Série A, como Coritiba, Ponte Preta, Bahia e Vitória foram surpreendidos por Nacional do Amazonas (eliminou os dois primeiros), Luverdense-MT e Salgueiro-PE, equipes que estão nas Séries D e C do Brasileirão. Como prêmio de consolação, entraram na Sulamericana 2013 – bônus que atingiu até mesmo o Sport, hoje na Série B nacional.

Depois que a bola rolar nesta terça para Liga de Loja, do Equador, e Deportivo Lara, da Venezuela, a teoria poderá se tornar prática. Apesar da imensa maioria dos nomes da Sula assustarem menos os participantes do que equipes como o campeão da Libertadores Atlético-MG, do Mundial, Corinthians e o líder do Brasileirão, Cruzeiro, entre outros, não só de coadjuvantes é feita a competição dois da Conmebol. Na tabela abaixo, você pode ver os cruzamentos possívels até a decisão.

Equipes como o River Plate da Argentina (há também o River uruguaio nessa competição), os também argentinos Vélez e Lanús, a Universidade Católica do Chile, o Atlético Nacional da Colômbia, o Cerro Porteño do Paraguai e o Peñarol, do Uruguai, são tão postulantes ao título quanto os brasileiros. Outros ilustres desconhecidos, como o impagável El Tanque Sisley do Uruguai, o Deportivo Pasto da Colômbia ou o Inti Gás, da empresa peruana fornecedora de gás combustível, deixam a Sulamericana com a cara de uma grande competição entre bairros.

É grande a chance de um brasileiro estar na decisão, mas dependerá de Ponte ou Criciúma (quem avançar no duelo interno) fazer a primeira final nacional no torneio, que já teve dois brasileiros campeões: Inter, em 2008, e São Paulo, o atual detentor do título – que por isso entra diretamente nas oitavas de final. O Tricolor Paulista poderá encarar Bahia ou Portuguesa nas quartas. Baianos e paulistas têm na mesma chave o Atlético Nacional da Colômbia, campeão da Libertadores em 1989 e foi 12o no último campeonato colombiano – o Clausura 2013 acabou de começar.

O surpreendente clássico pernambucano na Sula pode definir um semifinalista contra outro brasileiro. Sport e Náutico se encontram no torneio sulamericano depois de o Timbu comemorar muito a vaga internacional no jogo do Brasileiro 2012 que definiu o rebaixamento rubro-negro. Quis o regulamento que os times se reencontrassem justamente na volta do Náutico à uma competição da Conmebol depois de 45 anos. Quem avançar, tem como mais tradicional possível adversário na chave o Barcelona de Guayaquil. Para que as quartas tenham duelos brasileiros, Coritiba ou Vitória devem superar equipes de menor expressão, naquela que pode ser considerada a chave mais fácil dos brasileiros na disputa. Coxa e Leão já se enfrentaram na Sulamericana. Em 2009, uma vitória por 2-0 pra cada lado, em casa, e o Vitória avançou nos pênaltis. Se o Coxa passar e encontrar o Barça equatoriano, reedita um confronto da Libertadores 86, quando foi 7o colocado.

Do outro lado, Ponte Preta ou Criciúma tem vida indigesta até uma eventual final. Quem passar, pode pegar o Colo-Colo nas quartas. O time chileno, campeão da Libertadores em 1991, foi 10o no Torneio “Transición”, que fez com que o calendário chileno se adequasse ao europeu. A nova competição começou no dia 27/07 – e o Colo-Colo perdeu na estreia, 0-4 para o Audax Italiano. Depois o caldo pode engrossar ainda mais, com possibilidades de confrontos com o também chileno Cobreloa, o tradicional uruguaio Peñarol ou o argentino Vélez Sarsfield.

Copa Sulamericana e Copa do Brasil, já há algum tempo, são tratadas apenas como um atalho para a Libertadores, o que é um equívoco. Vale sempre lembrar que vale taça continental e também duas vagas: uma para a Recopa Sulamericana, contra o Atlético-MG em 2014, e uma disputa intercontinental, a Copa Suruga, que opõe o vencedor da Sula ao da Liga Japonesa. E taça no museu é o que interessa, afinal.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Anúncios

Grêmio também pode encarar brasileiros nas oitavas da Libertadores

Grêmio pode repetir duelo com Fluminense nas oitavas

Desde que São Paulo x Atlético e Inter x São Paulo decidiram as Libertadores de 2005/06, a Conmebol vetou a possibilidade de que finais nacionais aconteçam, direcionando os cruzamentos nas semifinais – não veta, porém, que três clubes do mesmo país façam as semis, e aí os resultados podem determinar uma final nacional.

Em 2013, a confederação sul-americana ganhou uma mãozinha do destino: além do já definido Atlético-MG x São Paulo, o Grêmio tem tudo para pegar Fluminense ou Palmeiras nas oitavas, dependendo de uma combinação de resultados nesta quinta. Mais: conforme acontecer, o Brasil ainda pode ver três duelos, com o clássico paulista Palmeiras x Corinthians juntando-se ao duelo tricolor.

Leia também:

O que aprender com os gaúchos

Os 14 grandes do futebol brasileiro

Cara Fifa…

Para que Grêmio x Fluminense voltem a se encontrar, basta que ambos vençam seus jogos contra Huachipato (fora) e Caracas (casa), respectivamente, e o Palmeiras empate com gols com o Sporting Cristal no Peru, contando com uma vitória por um gol do Libertad no Paraguai sobre o argentino Tigre. Com isso, o Tricolor gaúcho seria o 10o colocado, e o carioca, o 7o. Na primeira fase, o Grêmio venceu no Rio (3-0) e empatou em casa (1-1).

No entanto, um gol pode mudar tudo: se o Palmeiras vencer o time peruano – já eliminado – e ficar em primeiro, contando com duas vitórias brasileiras no Grupo 8, o duelo será entre Grêmio e Palmeiras, reeditando as quartas de final da Libertadores de 1995, em dois jogos históricos. Em Porto Alegre, Grêmio 5-0; em São Paulo, Palmeiras 5-1. O Grêmio avançou e ficou com o título.

O empate, outro resultado que classifica o Grêmio, também evita um confronto brasileiro. Aí o adversário pode ser o Santa Fé, da Colômbia ou até mesmo o Olímpia, do Paraguai. Dependendo do que acontecer no grupo de Palmeiras e Libertad, até mesmo o Nacional do Uruguai pode pintar no caminho gremista. Zé Roberto, experiente, imaginou um jogo com marcação e próximo deste empate (clique para assistir).

O Fluminense só pega brasileiros se contar com a primeira combinação acima. Já o clássico paulista acontecerá numa combinação mais específica de resultados – e conjunta com o duelo Grêmio x Flu. Para que Palmeiras e Corinthians repítam os confrontos de 1999 e 2000 na Libertadores, é preciso que a primeira combinação citada no texto aconteça, mas que o empate palmeirense tem que ser obrigatoriamente em 0 a 0.

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!