Que beleza de camisa! #16: Cienciano

Estudos científicos comprovam: você só olha essa foto pela camiseta

Sentiu falta do “Que beleza de camisa!” nos últimos dias? Pois bem: desculpando-me por um lapso de 15 dias na atualização do quadro, em função da demanda de trabalho e do feriado, retomo com força total e uma ajuda e tanto: @kellypedrita, apresentadora do Jogo Aberto Paraná, hoje honrando o manto do Cienciano, do Peru. É do peru, não é?

Que beleza de camisa! #16 Club Sportivo Cienciano

Quem é? Clube médio peruano, fundado em 08/07/1901.

Já ganhou o que? Campeão da Copa Sul-Americana 2003, da Recopa Sul-Americana em 2004; vencedor do Apertura* em 2005, bicampeão do Clausura* em 2001 e 2006.
*No Peru, ao contrário da Argentina, não são considerados campeões nacionais os vencedores do Apertura e do Clausura; estes são tratados como os campeões das Taças Guanabara e Rio, por exemplo, e fazem a decisão do Peruzão (lol) no final do ano. Nas três conquistas do Cienciano, o time acabou como vice-nacional. Mesmo assim, os títulos têm relevancia nacional.

Grande ídolo: O Cienciano teve poucas glórias em sua história, todas recentes. Mas o jogador que esteve presente na maioria delas é Carlos Lobatón, 31 anos. Jogando de meia ou de atacante, esteve nas conquistas do Apertura 2005 e das Copa e Recopa Sulamericanas. E sim, ele tem relação direta com Abel Lobatón, aquele do Atlético, como você descobrirá mais abaixo.

Apelidos: Los Cuzqueños (os de Cuzco, cidade peruana considerada patrimônio da humanidade), Los Rojos (vermelhos).

Como anda? Foi 13o. colocado no último Campeonato Peruano. Se vangloria de ser a equipe peruana mais bem classificada no ranking da IFFHS (Instituto de História e Estatística do Futebol, em tradução livre) à frente dos tradicionais Alianza Lima e Sporting Cristal. Mas nos últimos anos, esteve para cair de divisão: em 2010 escapou do rebaixamento apenas na última rodada, ao vencer o Alianza Atlético em casa, 2-1.

Curiosidades: O nome Cienciano tem origem no Colégio Nacional de Ciências e Artes de Cuzco, tendo sido fundado por estudantes e profissionais de ciências, direito e medicina. Apesar de nunca ter vencido um Campeonato Peruano (apenas Apertura e Clausura) é o único time do país a vencer uma competição internacional. E derrotou ninguém menos que o River Plate, da Argentina, na Sul-Americana, e o Boca Juniors, também da Argentina, na Recopa Sul-Americana.

O Cienciano e o futebol paranaense: Apesar de ter ter participado da Libertadores por seis vezes (2002 e 2005, com o Atlético, 2004 com o Coritiba e 2007 com o Paraná, entre outras) nos anos 2000, o Cienciano nunca cruzou os times de Curitiba. Mas a principal referência ao futebol do Estado vem através do irmão mais velho de Carlos Lobatón, ídolo do clube: é Abel Lobatón, que vestiu a camisa do Atlético em 2000.

Lobatón, um dos gringos que passaram pelo Furacão

Lobatón disputou a Copa JH de 2000 (o Brasileirão daquele ano) pelo Furacão – e não deixou saudades. Chegou com cartaz, mas demonstrou pouca intimidade com a pelota. Marcou apenas 4 gols em competições oficiais pelo rubro-negro, um deles contra o Coritiba, na Arena. Mas o jogo, que poderia o consagrar como ídolo atleticano, terminou 3-1 para o Coxa.

Atenção meninas: o blog oferece oportunidade não-remunerada de você posar para o quadro Que beleza de camisa! Se você tem interesse em ser modelo, como a Kelly Pedrita, é uma boa vitrine. Entre em contato pelos comentários deixando e-mail para retorno e participe do quadro semanal!