O time dos candidatos em Curitiba

De cima para baixo, em sentido horário: Gustavo Fruet no Couto Pereira, Ratinho Jr com a camisa dos Fanáticos, Luciano Ducci recebendo a camisa do Paraná e Rafael Greca, vestindo verde: diferentes times e maneiras de torcer.

Qual o time dos candidatos à prefeitura de Curitiba?

O blog responde a curiosidade e também alerta: é apenas curiosidade. Nessas eleições não defina seu voto pela preferência futebolística do seu candidato, seja para prefeito, seja para vereador.

Muitos eleitores embarcam nas velhas promessas de apoiar o esporte enquanto candidatos cativam o eleitorado por vestirem cores similares. Política e futebol (e religião também) se discutem e se misturam, mas nunca a escolha de um time ou religião deve ser a base de um voto. Lembre-se que você poderá pagar caro e por pelo menos 4 anos por uma escolha errada.

Dito isto, vamos as respostas:

Luciano Ducci: É paranista e corintiano. Sempre se manifestou como torcedor tricolor, mas recentemente, quando da decisão da Libertadores, admitiu preferência pelo Corinthians publicamente, via Twitter. Como boa parte dos curitibanos da velha guarda, torce para dois times – fruto da época em que o futebol local era insipiente. Se é Paraná por ter origem no Colorado ou Pinheiros, não declarou.

Rafael Greca: Raramente se manifesta acerca de futebol, mas é coxa-branca declarado. Recentemente, em um debate, pediu o voto dos atleticanos, “mesmo sendo coxa”; antes, quando Ministro do Esporte, se disse isento: “Sou Coritiba, mas aqui sou Ministro, não tenho time.”

Ratinho Júnior: Divide-se entre o Atlético e o Palmeiras, time do pai, Ratinho. O deputado sempre declarou preferência pelo Furacão no Paraná, mas com origem no norte do Paraná, que tem influência forte dos paulistas, torce também para o Verdão. Como curiosidade, na foto que ilustra o post, está acompanhado do também deputado Stephanes Jr., coxa-branca declarado – ali, vestindo a camisa atleticana.

Gustavo Fruet: De todos, é o que parece mais ligado ao futebol. É coxa-branca, assim como o pai, o ex-prefeito Maurício Fruet, já falecido. Fruet cresceu em Curitiba e por várias vezes já se manifestou na torcida pelo Coritiba.

Bruno Meirinho: Não gosta de futebol, como todo comunista convicto.

Carlos Moraes: É atleticano. Embora não tenha declarado isso no Candibook da Gazeta do Povo, demonstrou preferência pelo Rubro-Negro em um debate na ÓTV.

Alzimara Barcellar: Declarou não torcer para ninguém.

Avanílson Araújo: Mineiro de Governador Valadares, é cruzeirense.

 

Alerta Vermelho

Dezenove jogos já são mais que suficiente para avaliar uma equipe. Portanto, apesar de oscilar bons e maus momentos, dá pra dizer: o alerta vermelho está ligado no Coritiba.

O Coritiba me engana à toda hora. Foi campeão estadual com méritos, apesar dos questionamentos na tumultuada arbitragem local. Fez o que devia na hora certa, afinal. Chegou a uma decisão de Copa do Brasil pela segunda vez seguida, e contra um adversário em que era favorito, perdeu. Mas conseguiu um feito histórico e, pra quem atribui isso à tabela, lembro que São Paulo, Botafogo e Vitória tiveram a mesma oportunidade. No Brasileiro, faz bons jogos (Náutico, Vasco e Cruzeiro) e jogos horríveis (Botafogo, Sport e Figueirense); desperdiçou nova Sul-Americana, mesmo jogando bem, se entregando ao Grêmio no minuto final. Não nos permite avaliar se é bom ou ruim. Apenas de que é irregular demais.

Mas o alerta tem base numérica. Essa é a classificação final do primeiro turno em 2011:

O primeiro time fora da ZR era o Bahia, com 20; o primeiro a cair, era o Atlético, com 18. Dos três da ZR em 2011, só o Atlético-MG escapou. O Coxa, em 2012, tem 19 pontos:

Está com uma folga maior (3 pontos) do que o Bahia tinha o ano passado – e tem até o próprio Bahia entre a ZR – mas tem uma pontuação preocupante após 19 rodadas. E pior do que isso: tem abaixo de si um gigante do futebol brasileiro, o Palmeiras e um time que está jogando bem, apesar da fase, o Atlético-GO. Além disso, perdeu para o Sport em casa e jogará no Recife; e perdeu também para o Figueirense. Também em casa, perdeu pontos para o Palmeiras.

Preocupa a instabilidade no Coxa. Enquanto a análise geral, em especial da torcida, é por um atacante, o problema na verdade é outro: a defesa. O ataque alviverde é o segundo melhor do Brasileirão, ao lado do Fluminense (31 gols) atrás só do Atlético-MG, 33. A defesa é a pior entre os 20 clubes: 37 gols sofridos.

Ou seja: há produção ofensiva, mas atrás, uma peneira. E com Emerson fora, o time perdeu o melhor jogador do setor. Só que culpar Pereira, Lucas Mendes ou Escudero é ser simplista: o problema mesmo está no meio.

Sem Leandro Donizete, o Coxa perdeu pegada. Era um perdigueiro em campo. Sem Léo Gago, perdeu qualidade na saída de bola. E a reposição não foi a altura. Donizete está no líder Galo, Gago no 3o colocado Grêmio, as duas melhores defesas da competição.

O Brasileirão é cruel. Não tem jogo fácil e a cada ano que passa, a tabela de classificação parece mais uma lista do “holerite” dos clubes, com os 12 que melhor recebem tendo entre si apenas o “inconveniente” Náutico. O trauma recente dos rebaixamentos (2005/09) está guardado no armário, no fundo de uma gaveta, apagado pelo tri-paranaense e as duas finais da Copa do Brasil.  O orgulho de ser o único paranaense na elite não pode ser confundido com suficiência técnica: o Coxa precisa acertar a defesa e saber que o ano, especialmente depois da queda na Sul-Americana, é brigar pra não cair. O alerta está ligado.

Conteúdo extra Jogo Aberto PR: Mário Celso Petráglia

Conforme prometido no programa Jogo Aberto Paraná de hoje, vai abaixo conteúdo extra da coletiva dada em 28/06/2011 pelo ex-presidente do Atlético, Mário Celso Petráglia, na qual ele anunciou sua candidatura ao comando rubro-negro nas próximas eleições do clube.

Petráglia fala sobre Copa 2014, conclusão da Arena, gestão Marcos Malucelli e o futebol atleticano. Além do sarcasmo de sempre nas declarações, os trechos mostram o dirigente com uma postura incisiva em temas polêmicos.

Vale a pena conferir e opinar mais abaixo. E votar na enquete ainda mais abaixo.

O Jogo Aberto Paraná é exibido de segunda a sexta pela Band Curitiba, às 12h30.

Em tempo: faço minhas as palavras do colega Léo Mendes Jr., que trata também do tema no blog dele, Bola no Corpo. Assim como ele, “não apoio candidato algum e não farei campanha para esse ou aquele. Felizmente, tenho amigos e bons contatos dos dois lados da política rubro-negra. Como também sou atendido com cordialidade e respeito pelo Petraglia ou pelo Malucelli sempre que ligo para um dos dois em busca de informação. E é exatamente isso que vocês sempre verão por aqui: informação e opinião”. O mesmo que lá no blog dele e no Jogo Aberto Paraná. (Obrigado Léo, por me poupar tempo com esse mini-editorial).