Mais Chads Smiths; menos, Chad Smith

Chad sabe o que é torcer, pois vibra com o Lakers

Chad Smith, baterista do Red Hot Chili Peppers. Você pode nunca ter ouvido falar dele ou, como eu, considerá-lo um dos maiores músicos do Planeta (os fãs de Chili Peppers que não conhecem precisam ouvir também o trabalho dele com o Chickenfoot). Pouco importa dentro deste tema que vamos tratar: o que ele fez com a camisa do Flamengo. Não viu? Veja:

 [video_terratv id=”496440″ width=”512″ height=”288″] 

Chad foi crucificado, com alguma razão, pelo episódio acima. Pediu desculpas, tentou se redimir. Bem, precisava e não precisava ao mesmo tempo. Explico: pisou na bola, mas vivemos numa era em que o humor e a flauta deram lugar à intolerância.

Há algum tempo, estive na Venezuela, de férias. Fanático por esportes, fui a um jogo de baseball, o esporte número 1 daquele país. Sabe essa sensação que você tem pelo seu time, de amor incondicional, indo ao jogo com camisa e adereços, chorando nas derrotas e explodindo de alegria nas vitórias, levando seu filho totalmente vestido como um mascote? Pois é, eles também. A mesma paixão que você tem pelo futebol, o venezuelano tem pelo baseball. E os Chili Peppers, pelo basquete, como a gente vê acima.

Logo, Chad sabe o que é torcer. Sabe que não gostaria que ninguém limpasse a bunda com a camisa do Lakers. Certo?

Certo.

Mas Chad foi tratado com repulsa e agressividade nesse canal maravilhoso chamado “rede social”. Destilaram toda a coleção de palavrões americanos e brasileiros em cima do baterista, que, afinal, é um cara legal pra caramba. Chad não precisa limpar nada com camisa alguma, mas, em BH, ele era torcedor do Atlético Mineiro – ao menos se declarou assim, no vídeo acima.

E todos sabem que o torcedor do Galo tem o Flamengo na mais alta conta de rivalidade. É o segundo lugar, após o Cruzeiro, na lista de desafetos dos atleticanos mineiros. Oras!, Chad era um deles em BH. Por que não levar na flauta? Por que o policiamento excessivo, condenando-o e convidando todos a esvaziarem o show do RHCP no Rio – coisa que desacredito – após a provocação?

Vivemos uma era de intolerância e desrespeito. Não vá longe: leia os comentários do blog. Muitas vezes, agressões gratuitas, sem a menor base, apenas pelo prazer (?) de xingar alguém ou algo. Esquecemos quase sempre que futebol, assim como basquete ou baseball, são apenas esportes.

Quer uma revanche legal com Chad? Azucrine ele quando o Lakers perder. Especialmente para o Clippers ou os Celtics.

Chad foi além do bom gosto, concordo, mas precisamos de mais gente divertida como ele do que essa xaropisse do politicamente correto e da agressividade gratuita no mundo do esporte.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 03/10/2012

Alex e o Coritiba

Alex rompeu com o Fenerbahçe da Turquia nessa semana. Por coincidência, às vésperas do aniversário de 103 anos do Coritiba, no próximo dia 12. É o que basta para um alvoroço da volta do meia ao clube. Bem, em primeiro lugar, até pode sair acerto já, mas é preciso deixar claro que Alex não joga no Brasil em 2012. As inscrições estão encerradas e o único time brasileiro que ele poderia defender nessa temporada seria o Corinthians, em uma improvável negociação para o Mundial. Para 2013, o Coxa disputa o meia com Palmeiras e Cruzeiro. Coxa-branca declarado, Alex foi ídolo do clube sem justificar isso em campo. Ficou pouco tempo. É bem-quisto por nunca deixou de se assumir coxa, mesmo com outras camisas, sem fazer média. Noves fora o risco da Série B (tão vivo para o Palmeiras quanto para o Coritiba) e a Libertadores, não existe outro caminho para Alex que não seja o Alto da Glória. Que o diga Ronaldinho.

Intolerância

Neymar entra em campo cercado de crianças gremistas no Olímpico. Por aqui, Lucas é cuspido e uma fã de 13 anos, infiltrada na torcida do Coritiba, é acossada junto com o pai, enquanto ganhava uma camisa do jogador. Em São Paulo, um turista escocês é constrangido e retirado da área VIP (aquela dos bem nascidos) por estar desavisadamente com a camisa verde e branca do Celtic em meio a corintianos. Quando foi que desaprendeu-se educação no Paraná e em São Paulo? Não há justificativa que aplaque os péssimos exemplos de intolerância nos dois estados. Os gaúchos, por sua vez, mostram que sabem levar o futebol como ele é: um esporte. A flauta de que colorado não tem azulejo, “tem vermelejo”, não passa pro campo da hostilidade. É folclore inteligente. Ainda dá tempo de aprender.

Longe de casa

O número mágico do acesso pode chegar a 69; historicamente é 64. O Atlético deve perseguir algo em torno disso para voltar ao seu lugar na elite nacional. Começa no sábado, contra o América-MG, mas passará por importante decisão em São Caetano do Sul, no dia 03/11, contra o time da casa. Será um dos três jogos contra concorrentes diretos longe de Curitiba (Vitória e Criciúma são os demais) e o mais decisivo deles, justamente no palco da maior glória rubro-negra. Daqui até lá, no entanto, o Furacão não tem mais direito a erro. Como observado semana passada, será um trabalho com a cabeça, porque os pés que aí estão não podem ganhar companhias mais qualificadas.

Um ano

Passa voando. Essa coluna marca um ano de nosso convívio semanal aqui no Metro. Um jornal que pegou a cidade de jeito, ganhou pela qualidade e objetividade. Só tenho a agradecer a confiança da casa, o respaldo pela liberdade e, principalmente, o carinho e a sua participação, leitor, opinando, criticando, pautando e debatendo. Que continuemos assim.

Pelo fim da intolerância

Quem é o verdadeiro amante de futebol hoje no Brasil? Quem é o torcedor que vai apoiar seu time e ver os astros – ou, para os menos favorecidos em seus elencos, vibrar pela camisa que ama?

Nesse final de semana, em dois episódios, descobrimos quem NÃO SÃO torcedores; num show de demonstração de força, intolerância, intransigência e imbecilidade, vimos o verde da esperança ser manchado por meia dúzia de patrulheiros que se acham donos dos estádios e pensam que controlam a maneira com a qual cada um deve torcer.

Na foto que abre o post, o mau exemplo em São Paulo; no vídeo abaixo, da TV Band, o ocorrido de ontem no Couto Pereira, quando uma menina de 13 anos e seu pai foram acossados após pegarem a camisa do meia sampaulino Lucas.

Sob o signo da defesa da honra, truculentos resolveram impor suas doutrinas e expulsar gente fragilizada do seu território – que, confesso, pensava ser dos clubes e das pessoas de bem.

Sim, concordo que não é muito prudente ir a um jogo do Corinthians de verde e branco; concordo também que é irresponsabilidade de um pai levar a filha adolescente no meio de uma torcida adversária (descobriu-se depois que a menina é torcedora do São Paulo) em um jogo fora de casa. Mas nada, absolutamente nada, justifica agressão e truculência.

Vejamos os fatos. Um escocês, turista, queria ver o futebol brasileiro de perto. Foi ao Pacaembu desavisadamente de verde e branco em um dia de jogo do Corinthians. Encontrou um povo intolerante às cores, como se elas fossem culpadas por qualquer frustração pessoal. De fato, a raiva cega não permite a alguns sequer ver cores: julgam a bel prazer o que é diferente do que conhecem como mal e atacam.

Pergunto: não seria melhor avisar o turista de que o verde é a cor do rival do Corinthians? Um abraço, uma troca de camisas dando a ele um presente com a camisa do time da casa e teríamos, quem sabe, uma nova amizade, um novo simpatizante do Timão.  Mas tivemos um episódio em que um cidadão estrangeiro, que pagou ingresso nas sociais para ver um jogo, foi abruptamente retirado de seu lazer. Levará para a Escócia a recomendação de que ninguém vá à Copa no Brasil – especialmente na Arena do Corinthians.

No Couto Pereira uma adolescente ganhava uma camisa de um ídolo da Seleção quando, nas palavras de Rodrigo Salvador, coxa-branca e testemunha do momento, “veio o primeiro tapa na cabeça do pai. A menina gritava e chorava, desesperada, não tinham por onde sair. Alguém meteu a mão na cara do pai e tirou os óculos da cara dele.

Um terrorismo injustificável, cujas imagens estão ali, incontestes. Um péssimo exemplo de intolerância, de falta de convivência. Já disseram por aí “no Couto quem manda é o Coxa!” ou “ela não tinha nada que estar lá”, etc. Justificar uma agressão (que não é apenas socos e pontapés, pode ser cusparadas e ofensas) a uma menina de 13 anos é a consolidação de um caminho sem volta para o fim do futebol.

Que o pai foi irresponsável, não se discute. Ele, como alguém mais velho, conhece a vida e os campos de futebol. Deveria saber que as pessoas de bem foram vencidas nessa guerra faz tempo.

Mas qual o mal de uma menina, ou um torcedor qualquer, pegar uma camisa de um atleta? Um souvenir, uma lembrança que em nada diminuiria a paixão de qualquer torcedor pelo seu time de coração, ainda que ela fosse coxa-branca – o que, sinceramente, pouco importa. O futebol não é uma guerra. Futebol é lazer, entretenimento. Deve ser tratado como tal. Imagina-se que os valentões das imagens acima não tenham irmãs ou amigas/os de outros times. O Coxa tem que mandar no Couto sim, mas em campo.

E, deixando bem claro, foi com o Coritiba, mas lamentavelmente sei que seria assim na maioria dos outros campos. Já vi exemplos parecidos na Arena, como se a cor verde fosse criminosa. Pinte-se a grama, então.

O Coritiba precisa se posicionar oficialmente e repudiar essa ação em sua praça. Combater a intolerância que quase quebrou o clube em 2009. A Polícia, impávida no caso, deve identificar e vigiar os valentões.

Mas acima de tudo isso, todos nós devemos por a mão na cabeça e pensar: o que queremos do futebol e da sociedade? Quando deixamos de ser apaixonados pelos nossos clubes para sermos vigilantes do comportamento alheio, intolerantes à diferença que antes movia brincadeiras e bom convívio?

Chega. Pelo fim da intolerância.

  • Carnaval

Para o Coxa ainda vale o alerta: ficar quieto é dar milho pra bode. Se as atitudes foram reprováveis e a indignação justificável, o clube que abra o olho com a movimentação de bastidores para que o Coritiba saia do Couto Pereira por uns jogos.

O Palmeiras, concorrente direto ao rebaixamento, perdeu quatro mandos de campo por arremesso de objetos no gramado.

Paboentemeipabá.

 

Camisa 2 do Coritiba vaza na internet; clube não confirma, mas não nega

Algumas imagens da camisa número 2 do Coritiba vazaram na internet. Tudo é parte de uma estratégia da Nike para divulgar a camisa nova, cercada de expectativa, após o mal-fadado lançamento do uniforme 3, todo preto, que não agradou a torcida. Essa segue o tradicional modelo 2, a “jogadeira”, marcada pelo título brasileiro de 1985. As imagens chegaram até o blog que, é claro, “caiu” na armadilha do viral – não sem antes conferir a veracidade. A camisa acima não foi confirmada pela diretoria do clube como a oficial entre as imagens que circulam na web. Há um contrato que impede a confirmação oficial. Mas o mistério não passa do final de semana, quando ela estará em campo contra o Santos. Uma fonte confidenciou ao blog que o modelo acima é “o mais próximo” da real. Você gostou?

Update:

Acima, imagem que recebi de um leitor do blog, com a camisa nova já a venda, com um modelo muito próximo ao divulgado aqui, exceção já observada para a gola, que segue o padrão dos outros dois uniformes feitos pela Nike.

Que beleza de camisa! #20: Arapongas

"Adoro passarinhos!"

A semana é do #Atletiba348, mas nunca é demais ver mulher e camisa de futebol bonitas, certo? Por isso o Que beleza de camisa! mantém a tradição do atraso (sim, já se passaram mais de 15 dias desde o último) e, com a desculpa de que falta tempo para a pesquisa, vai pertinho, até Arapongas, contar a história do Arapongão, cuja indumentária* é trajada por ninguém menos que a estonteante @kellypedrita. “Adoro passarinhos, de todos os tipos! Arapongas são lindas”, diz a musa do Jogo Aberto Paraná. Que moral, hein?

*Agradecimento super-especial a Fabiano Ferreira Rocha, que me presenteou com a camisa!

Que beleza de camisa! #20 Arapongas Esporte Clube

Quem é? Clube do interior do Paraná, fundado em 06/06/1974.

Já ganhou o que? Nada.

Grande ídolo: Com uma história curta, retomada a partir de 2007 e com ápice em 2010, é difícil apontar um grande ídolo para o Arapongas EC; mas alguns nomes se destacam. O primeiro é o do atacante Diogo, que marcou os dois gols que garantiram a volta do time para a elite do futebol paranaense, em 2010, no 2-0 sobre o São José. Outro grande candidato é o meia Wellington, hoje no Paraná Clube, que entrou para a história do clube ao marcar o gol de abertura do placar da vitória do Arapongas sobre o Atlético, na Arena, na reestréia na elite:

Apelidos: Arapongão.

Como anda? Terminou em 5o. lugar o Paranaense 2011, depois de 20 anos sem disputar o campeonato na elite. Para a temporada 2012, já acertou a contratação do técnico Darío Pereyra, zagueiro que defendeu com brilho o São Paulo nos anos 80.

Curiosidades: O Arapongas foi o último time paranaense a arrancar pontos do Coritiba no Campeonato Paranaense. E foi no finalzinho do jogo. O Coxa vencia por 1-0 jogando no Estádio dos Pássaros, mas no último lance da partida o zagueiro Luciano deixou tudo igual:

Depois dessa partida, o Coritiba engatou a série de 24 vitórias que lhe rendeu menção como “clube com mais vitórias em sequência no Mundo” no Guinness Book. Já o Arapongas conseguiu a melhor classificação da sua história no futebol do Estado.

O Arapongas e o futebol paranaense: O grande rival do Arapongas é, hoje, o Roma Apucarana, da cidade vizinha. Quando jogam, caracteriza-se um dos clássicos com nome mais inusitado do Brasil: o Arapuca. Além do ano passado, o Arapongas participou do Paranaense em 1990, terminando em 22o. lugar (Atlético campeão) e em 91, quando foi 13o. colocado (Paraná campeão).

Atenção meninas: o blog oferece oportunidade não-remunerada de você posar para o quadro Que beleza de camisa! Se você tem interesse em ser modelo, como a Kelly Pedrita, é uma boa vitrine. Entre em contato pelos comentários deixando e-mail para retorno e participe do quadro semanal!

Que beleza de camisa! #18: Universitário

"Vasco? Vou de Universitário!"

A colaboradora @kellypedrita (se você é menina e quer colaborar também, leia a nota no pé do texto), apresentadora do Jogo Aberto Paraná, não quer nem saber do Vasco amanhã, pela Copa Sulamericana 2011; o negócio dela é do Peru: o Universitário, adversário do time brasileiro na competição. Ela já até vestiu a bela camiseta de Los Merengues para o Que beleza de camisa! dessa semana!!

Que beleza de camisa! #18 Club Universitario de Deportes

Quem é? Grande clube peruano, fundado em 07/08/1924.

Já ganhou o que? 25x Campeão Peruano.

Grande ídolo: Teodoro “Lolo” Fernández defendeu o Universitário por 23 anos, conquistando seis títulos nacionais no período. Também foi por sete vezes artilheiro do campeonato nacional do Peru, além de ter sido o principal destaque da Seleção Peruana na conquista da Copa América de 1939 (o primeiro dos dois títulos que tem o Peru no torneio. O outro foi em 1975). E apesar do destaque internacional e de vários convites, se recusou a defender outra equipe que não o Universitário.

Apelidos: La U, Los Merengues, Los Cremas.

Como anda? Está nas quartas de final da Copa Sulamericana e enfrenta o Vasco, em casa, nessa quarta-feira, no jogo de ida. Se passar, pode cruzar com dois clubes “acadêmicos” na semi e na final: o Universidad de Chile e a LDU (Liga Deportiva Universitária) do Equador, respectivamente. Mas tem chão. Foi campeão nacional pela 25a vez em 2009; ano passado, foi 4o colocado e, nessa temporada, é apenas o nono colocado, faltando quatro jogos para o fim do torneio.

Edu Esídio

Curiosidades: Um dos grandes ídolos do Universitário é o atacante brasileiro Edu Esídio, ex-Botafogo-SP, que marcou 32 gols no Peruzão/2004 e se tornou o maior artilheiro da história do torneio, em uma única edição. Mas essa não é a principal conquista dele: Esídio é portador do vírus HIV desde 1998 e venceu o preconceito para continuar atuando no futebol local até encerrar a carreira, em 2004.

O principal rival do Universitário é o Alianza Lima, no Superclasico Peruano; se tem mais conquistas que o rival (25 x 22) perde nos confrontos diretos. Em 334 jogos, 112 vitórias de La U contra 123 do Alianza. O Universitário não vence o Alianza desde 2003.

É o clube peruano melhor rankeado na Conmebol: 28o. lugar, com 118,71 pontos.

O Universitário e o futebol paranaense: O Universitário jamais enfrentou qualquer equipe do Trio de Ferro. A única relação do clube com o futebol local é uma apagada passagem do atacante Abel Lobatón, ex-Atlético, por La U, em 2001.

Atenção meninas: o blog oferece oportunidade não-remunerada de você posar para o quadro Que beleza de camisa! Se você tem interesse em ser modelo, como a Kelly Pedrita, é uma boa vitrine. Entre em contato pelos comentários deixando e-mail para retorno e participe do quadro semanal!

Que beleza de camisa! #10: Barcelona

Essa bate um bolão!

Começou ontem, com uma semana de atraso por conta de uma greve, o Campeonato Espanhol. E o atual campeão, FC Barcelona, estreou surrando o forte Villarreal por 5-0. Só me restou pedir a @kellypedrita que vestisse a camisa do maior clube do Mundo na atualidade… ficou bom?

Que beleza de camisa!

#10 Futbol Club Barcelona

Quem é? Um dos grandes do futebol mundial, fundado em 29 de novembro de 1899.

Já ganhou o que? 1x Campeão Mundial (2009), 4x Campeão da Liga dos Campeões (1992, 06, 09 e 11) e 21x Campeão Espanhol, entre outros.

Grande ídolo: Muitos grandes nomes do futebol mundial passaram pelo Barcelona: os brasileiros Evaristo, Rivaldo, Romário, Ronaldo e Ronaldinho; os argentinos Maradona e Messi; o português Luis Figo. Mas nenhum nome é mais importante para o Barça que o do holandês Johann Crujiff. Foi com o principal artífice da Laranja Mecânica vice-campeã das Copas de 74 e 78, com quem o Barcelona voltou a vencer o Campeonato Espanhol após 14 anos, período em que o futebol da Espanha foi dominado pelo Real Madrid – boa parte durante o Governo Franco. Na mesma época, o Barcelona se tornou “més que un club” (mais que um clube), um símbolo do povo da Catalunha. Crujiff simbolizou essa mudança e mais tarde, como técnico, criou a escola barcelonista de futebol total. O que vemos hoje, com Guardiola e Messi, surgiu com conceitos de Crujiff, como retrata entrevista da Revista ESPN.

São lances como esse, de Rivaldo, em 2001:

Apelidos: Blaugrana, Barça (positivos), Culés (pejorativo).

Como anda? É o atual da Liga dos Campeões e tricampeão espanhol; disputará, contra o Santos e mais 5 clubes o Mundial deste ano. É considerado o melhor time do Mundo.

Curiosidades: É considerado um símbolo de orgulho regionalista da Catalunha, região espanhola que nunca aceitou o reino da Espanha como país. Atua não só no futebol, mas também no basquete, handebol e até hóquei. Além do período franquista, o Barça teve problemas com o governo espanhol já em 1925, quando torcedores vaiaram a execução do hino espanhol. Na ocasião, o ditador Primo de Rivera fechou o clube por seis meses, até que o fundador, o suíço Hans Joan Gamper, foi obrigado a renunciar. Gamper, aliás, escolheu as cores do Barça com base no pequeno Basel, da Suíça. Não a toa, a maior rivalidade do Barcelona não é com o vizinho de cidade Espanyol e sim com o Real Madrid. Na história*, são 215 jogos, com 84 vitórias do Barça, 45 empates e 86 triunfos madrilenhos.

O Barcelona e o futebol paranaense: Ainda não tivemos o privilégio de ver um clube paranaense enfrentar o FC Barcelona. Mas no elenco titular atual do Barça está um curitibano: o lateral-esquerdo Adriano, formado no Coritiba. E um dos gols mais importantes da história do clube foi marcado por outro paranaense, Juliano Belletti, na decisão da Champions League de 2006:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Nike perto de fechar acordo com o Coritiba para 2012

Nike fez proposta e compete com Penalty e Lotto pelo Coritiba (imagem meramente ilustrativa)

O assunto é tratado com sigilo absoluto no Coritiba, mas a multinacional de equipamentos esportivos Nike está muito próxima de fechar contrato para fornecer material esportivo para o Alviverde.

O contrato atual do Coxa com a Lotto vence em dezembro e o clube já recebeu uma proposta da Nike para trocar de fornecedora. O valor seria de US$ 1 milhão e mais 26 mil peças a disposição do clube. Os números são cotados acima do que o Coxa recebe hoje da Lotto – estes, não divulgados. O valor agrada a diretoria, que pleiteia ainda outros acordos junto a marca.

A Penalty também está interessada em fornecer material esportivo ao Coritiba mas, pelo que apurei, é a possibilidade mais remota. Já a Lotto, atual fornecedora, quer permanecer e para tanto terá que investir pesado. A Fillon, que detém a marca Lotto no Brasil, já trabalhou com a Diadora no Coritiba e pode até mudar para Kappa em 2012 – se cobrir a proposta da Nike.

Oficialmente, o Coxa nega a possibilidade. As negociações vão até o final de Outubro e só então o clube deve anunciar a nova parceria.

P.S.: A imagem acima é meramente ilustrativa, sem nenhuma relação oficial. É uma criação do blog Camiseta dos Sonhos. Vale a conferida!

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!