Jovem, Inglaterra estreia pensando na Copa 2022

Sterling, 19 anos, a cara da nova Inglaterra

Com 10 de seus 23 convocados com 23 anos ou menos, os “Three Lions” estreiam na Copa do Mundo Brasil 2014 contra uma Itália experiente, no grupo mais difícil do Mundial (completado com Uruguai e Costa Rica) e sem muitas expectativas em relação ao título, ao menos neste ano. Talentos como os meias Sterling e Wilshere e o atacante Welbeck chegarão à Arena Amazônia buscando uma identidade, na Copa que deve marcar a despedida de outra geração de quem se esperava muito, com Rooney, Lampard e Gerrard.

Menos pretensiosa que em outras Copas, a Inglaterra abertamente fala em adquirir experiência e ir o mais longe que puder. Com uma das três ligas de clubes mais badaladas do Planeta (junto com Alemanha e Espanha), os ingleses não conseguem, desde 1966, traduzir esse poder em título mundial. Por isso a cautela foi adotada no Brasil, reconhecidamente por eles o grande favorito. Já no Catar 2022, a ideia é outra.

Por isso, a principal revista esportiva dos ingleses, a Four Four Two, traçou um plano com 22 metas para 2022. Entre elas, buscar uma nova liderança para a equipe, não tentar copiar o estilo espanhol de jogo, aprimorar as bolas paradas (e olha que de chuveirinho ninguém entende mais que eles…), calar os críticos (receita de Felipão), sonhar realmente com a taça e, finalmente, não pensar hoje apenas em 2022.

Para 2014, são duas as grandes discussões inglesas. Primeiro, a humidade de Manaus para a estreia. Todos consideram um desafio. “Mas podemos lidar com isso”, afirmou Welbeck, cujo sonho é disputar a final no Maracanã, contra o Brasil, e com direito a cobrar pênalti: “Espero que possamos vencer no tempo normal (risos), mas se tiver pênalti, eu bato sim.”

Outro tema é Luis Suarez. O atacante uruguaio do Liverpool, uma das maiores torcidas inglesas, quase levou o time da terra dos Beatles ao título da temporada, perdido para o Manchester City nos detalhes. Todos conhecem o poder de Luisito – que será poupado na estreia Charrúa contra a Costa Rica para estar melhor contra Inglaterra e Itália – e isso faz com que o alerta esteja ligado. Principalmente para Sterling, o garoto de apenas 19 anos que costuma servir Suarez nos Reds. “Não me preocupa [enfrentá-lo]. Me excita”, afirmou a Four Four Two. Gerrard, o líder da atual seleção inglesa, vê em Sterling o principal jogador do grupo. Um Neymar à base de fish and chips? Veremos em até 8 anos.

Ingleses já rejeitaram a Copa

A volta ao Brasil, 64 anos mais tarde, marca o reencontro do país que inventou o futebol com o local em que, pela primeira vez, eles entenderam que a Fifa realmente tinha força e dominava o cenário do esporte no Planeta. Até 1950 a Inglaterra se recusou a participar das Copas, entendendo politicamente que, como inventores do futebol, deveriam serem eles os organizadores do principal evento no Mundo. A barreira foi rompida no Brasil, após o final da II Guerra Mundial e com o fim do recesso que impediu a realização de dois mundiais, em 1942 e 1946. 

Ingleses se rendem à Copa da Fifa

O painel acima está exibido no National Football Museum, o museu do futebol britânico, em Manchester. “A Inglaterra se junta a festa”, conta o cartaz, que relembra o Maracanazzo e aquela que é considerada a mãe de todas as zebras: a vitória dos EUA sobre os ingleses por 1-0, no Estádio Independência em Belo Horizonte, no choque entre colônia e colonizador, com os inventores do futebol caindo para um time de um país em que o esporte era incipiente e que só passou a se desenvolver após 1994.  

Leia também:

Na internet, cambistas vendem ingressos a mais de R$ 100 mil 

Shakira, bem-vinda a Curitiba!

Responsável pelas figurinhas da Copa explica erros em não-convocados

Perto da Copa, Messi ganha estátua na Argentina

Em Dublin, vai ter Copa e vai ter copo

Cruyff dispara: não será uma grande Copa

O Fantasma de 1950 também assombra o Uruguai