Conheça JJ Morales, novo reforço do Paraná

Fazendo testes físicos no Ninho da Gralha, o argentino Juan José Morales deve assinar com o Paraná nas próximas horas. Aos 30 anos, Morales tem como destaque a passagem no Universidad Catolica do Chile, além de já ter vestido as camisas de Colón e Quilmes, da Argentina. Estava no Atlético Venezuela, pelo qual se machucou em outubro. Veja lances dele:

 

Deivid não é a solução para o Coritiba

Deivid: boa opção para o ataque, setor menos problemático do Coxa

A diretoria do Coritiba atendeu os anseios da torcida e trouxe um “matador” (e não era John Wayne, não presidente Vilson?): Deivid de Souza, 32 anos, o “Incrível Deivid”*, que estava no Flamengo.

Boa pedida, mas não é a solução para a má campanha do Coxa.

Primeiro, porque o ataque não é o principal problema do Coritiba. Aliás, sequer é problema: é o quarto melhor do Brasileirão 2012, com 32 gols (atrás de Atlético-MG, Fluminense e São Paulo e junto com o Botafogo). É verdade que nenhum dos atacantes alviverdes inspira confiança e a presença de um homem-gol pode ajudar nisso, mas não se pode cobrar produção ofensiva e sim defensiva.

Depois, porque o estilo de jogo do Coxa não gira em torno da presença de um atacante central. Basta ver a própria boa produção ofensiva. Quinze jogadores já balançaram as redes nesse campeonato. A bola gira no ataque do Coritiba, cuja principal arma é o toque rápido de bola, com Éverton Ribeiro, Rafinha e outros mais. Deivid chega com pinta de titular e pode obrigar uma mudança de esquema, o que pode ser ainda pior – o problema está no meio-campo, enfraquecido desde as saídas de Léo Gago e (principalmente) Leandro Donizete. Há quem defenda uma mudança para o 3-5-2, reforçando zaga e meio. Mas encaixar Deivid em um ou outro sistema é tarefa para Marcelo Oliveira (que deu ótima entrevista ao Blog do Menon, leia que vale).

Além disso, um detalhe não pode passar despercebido: Deivid foi liberado pelo Fla porque o clube fluminense acredita em… Adriano. Sim, o Imperador, cujos problemas médicos e extra-campo têm chamado mais a atenção do que os gols, ganhou espaço sem jogar a ponto de Deivid ser considerado dispensável – e o Mengão tá longe de ser um esquadrão em 2012.

Nessa temporada, Deivid marcou apenas seis gols em 22 jogos, nenhum no Brasileirão. O último deles foi contra o Americano, em 15/04, de pênalti, pelo Campeonato Carioca. Deivid chegou a marcar 5 gols seguidos nesse ano, entre Libertadores e Cariocão, mas depois de um gol perdido inacreditavelmente contra o Vasco, viveu uma seca que parou no gol contra o Americano e recomeçou em seguida. O gol perdido ganhou as redes sociais e, ao pesquisar por “gols de Deivid pelo Flamengo” em busca dos números, me deparei com 545 mil resultados sobre… o gol perdido. Que está abaixo:

Claro, é vida nova para ele no Coxa. Mas a contratação não aplaca o verdadeiro problema da equipe.

*Deivid foi nomeado em homenagem ao personagem da Marvel Hulk. A mãe de Deivid era fã do Gigante Esmeralda e foi na onda da TV, que modificou o nome original (e duradouro até hoje nos quadrinhos) de Bruce Banner para David Banner – sabe-se lá porque mudaram o nome do personagem. A história veio à tona ainda na época em que ele defendia o Santos e Deivid, artilheiro, chegou a ser apelidado de “O Incrível Deivid”. Relembre um trecho do seriado dos anos 80:

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 08/08/2012

A única entrevista de Petraglia

Na semana em que deve confirmar o 9º técnico em 18 meses (uma média impressionante de um treinador a cada 60 dias) o Atlético se vê em um beco sem saída na crise existencial que vive há pelo menos duas temporadas. Outrora estilingue, o “messias” Mário Celso Petraglia – que fez muito pelo clube em outros tempos – já não pode culpar o antecessor pelo fracasso em 2012. A atual direção repete os erros de Marcos Malucelli, com um agravante: não se explica à torcida. Petraglia não fala via imprensa e fechou-se também às redes sociais. Dá a impressão de que, munido pela obra na Arena, está distante do que o futebol atleticano faz: um fiasco total. Petraglia já trocou de técnico quando não devia, errou em contratações e segue apostando em uma diretoria de futebol ineficiente, sob a tutela de Dagoberto dos Santos. Ficar na Série B em 2013 parece ser o destino. O presidente atleticano, avesso a entrevistas desde que se elegeu (até então falava aos quatro cantos), só precisa dar uma única em Curitiba. Falou em Guarantiguetá, mas não fala em casa. E o que tem a dizer é simples: assumir que errou nas escolhas e ter humildade para recomeçar enquanto há tempo.

Diferentes, porém iguais

As coisas não estão simpáticas à Coritiba e Paraná.  Em séries diferentes, com exigências diferentes, vivem o mesmo problema: a falta de gols. O Coxa sofre pela expectativa exagerada, criada por ele mesmo quando chegou (e perdeu) pela segunda vez seguida à decisão da Copa do Brasil. E sem um atacante definidor, faz o óbvio: perde de quem é melhor, mesmo em casa (Botafogo, Fluminense) e vence quem é pior, mesmo fora (Náutico). Não cairá, mas não sairá disso. O atacante também é problema na Vila. Joga bem, mas não vence. Li uma boa comparação: é como a pretendente que te dispensa dizendo que “gosta de você, mas só como amigo.” Porém, se o Coxa tem mercado e potencial financeiro para arrumar a peça que falta, o Tricolor não. Está no limite do que pode fazer. Vai com o que tem. E convenhamos, pelo cenário que se desenhava em janeiro, está indo muito bem. Mas assim não subirá – evidentemente.

Cultura esportiva

Respiro a Olimpíada de Londres, acompanhando os mais diversos esportes. Já estive em transmissões de natação, boxe, vôlei de quadra e praia, basquete, judô e handebol. A euforia que toma conta da torcida, interessando-se pelo desempenho dos atletas no decorrer dos jogos, é proporcional à cobrança injusta quando os brasileiros fracassam. Não que não deva haver cobrança; deve, afinal, quem quer projeção está na mira. Mas não temos cultura esportiva no País. Gostamos é da vitória. Dizer isso significa que temos que entender que não somos uma potência esportiva, que os atletas não são infalíveis, mesmo quando favoritos. Favoritismo não é certeza de vitória. Nos quatro anos que antecedem os jogos, ignora-se nada que não seja futebol. Nos jogos, se quer múltiplos ouros. Não dá. O esporte é parte importante de um círculo virtuoso social: integra, ensina, afasta do crime e das drogas. Poderia ser uma saída para o crescimento. E então nascerá a cultura esportiva geral – possivelmente junto com mais vitórias.

Retratos

Aproveitei o feriado prolongado para visitar familiares no norte do Paraná. A predileção dos paranaenses nortistas pelo futebol de São Paulo não é mais nenhuma novidade e já foi abordada no Videocast #005.

Mas graças a alguns novos amigos e a TV a Cabo, não é mais impossível acompanhar os times da capital por lá. E assim sendo, consegui ver no sábado um pouco dos jogos do final de semana, com as derrotas de Atlético e Coritiba e a vitória do Paraná, no finzinho do jogo.

Entre um jogo e outro, apesar do assunto principal na região ser Corinthians x Santos, alguns se interessaram em saber como anda o futebol paranaense. Respondi que incorremos num erro, amparados sobre uma leitura errada do conceito de “isonomia”: a de que os três são iguais entre si e sempre que há uma análise, deve ser feita em conjunto. É um erro clássico, que mais atrapalha do que ajuda os clubes locais. Não são iguais, especialmente nesse momento. E cada qual deve ser lido e analisado como exclusivo.

O Coritiba, por exemplo. Começou mal o Brasileiro, mas dado o equilíbrio da competição, uma solitária vitória o mantém longe da famigerada zona de rebaixamento. Mas o Coxa, único representante paranaense na elite nacional, não deve ser comparado aos rivais sob qualquer prisma.

O peso de uma análise sobre o Coritiba deve ter somente o seu momento. E no jogo contra o Flamengo ficou claro que o problema está na ausência de um camisa 9 competente. O time do Flamengo é fraco. E ao repatriar Adriano e manter o reinado da balbúrdia em seu elenco, o time carioca deve sofrer nesse Brasileirão. No entanto, dominar o jogo durante boa parte do tempo não impediu o Coxa de perdê-lo. Ao contrário: à distância, o placar de 1-3 é incontestável.

A verdade é que dentro das expectativas, o Coritiba tem mesmo que se dedicar ao máximo aos dois jogos da Copa do Brasil que o separam da final. E então tentar o único título nacional que passa a ficar ao alcance dos times da terrinha. A longo prazo, será impossível competir com Corinthians, São Paulo, etc., dado o poderio financeiro desses clubes. Enquanto o Coxa pena para achar um 9 que cabe no bolso, o Corinthians dispensa Liédson. Disse aos colegas do interior que não se deve esperar mais que um 8o a 12o lugar desse time do Coritiba, mas que o São Paulo – time da preferência de alguns por lá – que bote as barbas de molho, porque em mata-mata, há a possibilidade.

Dentro do nosso costume “isonômico” de tratar o Trio, diferente entre si, da mesma maneira e com o mesmo espaço, o maior crime que se comete é com o Paraná Clube.

Equiparar o Tricolor – outrora até superior em campo e em patrimônio – à dupla é retardar a recuperação do clube. É exigir de quem não tem recursos o mesmo poder de fogo dos demais. Em Maringá, onde também estive, alguns assistiram aos jogos contra os Grêmios pela Série Prata. Ou ao menos disseram que assistiram, já que a própria cidade não sabe quem abraçar entre os dois clubes locais. Fato é que o Paraná, curiosamente o único a vencer no final de semana, não pode ser cobrado no nível dos outros clubes da capital. Tem menor aporte, menor poder financeiro. Briga para voltar à elite paranaense e se manter na Série B nacional. Será um ano a se comemorar se as coisas acabarem assim, com um resgate mais humilde. E isso deve ser passado ao torcedor. O Paraná hoje é menor que os rivais – o que não significa que o amor da torcida, buscando apoiar, participar e compreender, deva ser.

A decepção fica por conta do Atlético.

Mais do que o elenco fraco (foi vice-campeão em um campeonato de dois clubes, com derrotas e tropeços para equipes semiamadoras como o Roma de Apucarana), ou as invencionices do técnico, o problema atleticano é psicológico. O clube segue rachado. Maior orçamento da Série B, o Furacão passa longe de fazer jus ao apelido.

Em campo, um time que não tem laterais, tem apenas um zagueiro, um volante e um meia já em idade avançada, repatriou eternas promessas e fez apostas duvidosas em reforços. Um time barato, mas ineficaz. E acredito que seis meses depois da posse da nova gestão, já se possa fazer essa avaliação. E aqui entramos no real problema do Atlético, que tem recursos para buscar as soluções no gramado: a política. Criticar as escolhas da atual gestão não significa esconder o que foi mal feito no passado. Ao contrário: o passado, passou.

O Atlético hoje se escora nos erros de uma gestão infeliz em 2011 e na revolução de 1995, como se isso bastasse para que o time vencesse times de poder de fogo muito menor, como Boa Esporte e CRB. O passado vitorioso não garante um futuro vencedor, nem a canonização de quem o fez. A diretoria atual vive um estado de negação. Um distúrbio psicológico que impede os gestores de assumirem escolhas erradas e mudarem o rumo das coisas. Quem critica, é contra, é “talibã”, é adversário.

Pior do que a negação é a ausência total de compromisso com a transparência no encaminhamento do projeto de futebol do clube. A gestão de futebol jamais veio a público explicar como o Atlético retornará à elite nacional, critérios de contratação e dispensa, padrão de jogo e tudo mais; limitam-se a dizer o óbvio: o projeto é subir. Em uma das poucas aparições públicas, o diretor de futebol atleticano se mostrou indiferente às cobranças de alguns torcedores. Ao que parece, a cúpula rubro-negra vive em um mundo maravilhoso, onde em breve, mesmo sem reforços, esse time jogará como nunca e ascenderá à elite sem dificuldades. E quando isso acontecer, ai dos “detratores”. Nesse racha, nesse cenário, o Atlético está andando para trás.

Foi então que um dos colegas soltou um “que pena” e voltou a falar de Corinthians x Santos. Sequer pude condená-lo. Mas, como disse no videocast, ao menos o Coritiba terá uma chance, depois de amanhã, de tentar mudar um pouco essa história.

Enquete: Bill deveria voltar ao Coxa?

O atacante Bill esteve no Couto Pereira nesse final de semana, durante o jogo Coritiba 5-0 Roma. Muito se especulou da volta dele ao clube, uma vez que jogador em atividade visitar o ex-clube ou é sinal de acerto passado ou de acerto futuro. Vale lembrar que (salvo mudança de sentimentos) a namorada de Bill, a ex-musa do Atlético Mahara Oliveira, mora em Curitiba.

O jogador tem contrato com o Corinthians-SP, mas não vem sendo utilizado. Bill marcou 25 gols em 62 jogos com a camisa do Coxa, onde foi bicampeão paranaense e campeão da Série B 2010.

O presidente do Coxa, Vilson Ribeiro de Andrade, negou a possibilidade em entrevista à reporter Nadja Mauad, elogiando o jogador, mas descartando a volta.

Mesmo assim, o blog quer saber: você gostaria de ver Bill novamente no Coritiba?

"Mandou me chamar, é?" (foto: Portal Bem Paraná)

O 9 e os 3 (ou mais)

Manhã movimentada após mais uma rodada no Brasileiro, com mexidas nos elencos da dupla Atletiba.

Vamos rapidinho porque tem muito Jogo Aberto Paraná para editar ainda:

Coritiba

Marcel deve assinar daqui a pouco seu retorno ao Alto da Glória. O jogador é esperado para exames até 12h. Marcel tem uma luxação no ombro, em tratamento e, se estiver apto, retorna ao clube que o lançou.

A diretoria reluta em confirmar a informação, mas em Santos o retorno do camisa 9 é dado como certo. Até 12h30, na Band, confirmaremos.

Update:

Entre Coritiba e Marcel, tudo certo. O jogador já é do Coxa.

Mas agora resta saber se ele poderá atuar após 15 dias a contar de hoje ou só na próxima temporada. Explico:

O contrato de Marcel foi rescindido antes do fechamento da janela de transferências internacionais, o que permite que ele ainda possa se encaixar em algum clube brasileiro – no caso, o Coxa. Resta saber se a CBF vai acatar o pedido do departamento jurídico do Coritiba e legalizar a participação dele no BID, o que só deve acontecer em 2 ou 3 dias.

Fisicamente, Marcel está recuperado da lesão no ombro. Mas está fora de forma e houve um pedido para que ele tenha ao menos 10 dias antes de uma possível estréia.

Ou seja: Marcel é do Coxa, mas o torcedor só poderá vê-lo em campo em 15 dias ou mais, caso o departamento jurídico não seja atendido no pedido. “Tem chance, é 50%/50%. Pode ter contratempo sim”, me disse Ernesto Pedroso, diretor alviverde.

Atlético

“Não haverá dispensas; vamos poupar alguns jogadores”, me disse há pouco Alfredo Ibiapina, que já está em Curitiba. Ele atribuiu a palavra “dispensas” a cabeça quente do staff atleticano após a goleada em Porto Alegre, mas entende que os jogadores tem potencial para tirar o clube dessa vexatória situação, como mostraram com Renato Gaúcho.

No entanto deve haver afastamentos. “Vamos poupar alguns jogadores”, me confirmou. Entre os nomes, Fransérgio, Robston e Paulinho. Mas outros podem fazer parte dessa lista.

Sobre reforços, o clube “continua procurando”, embora o atacante de área em que as fichas estão depositadas é Nieto, que estará a disposição ainda essa semana – ou contra o Palmeiras, ou contra o Flamengo.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!