Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 19/12/2012

Vem aí uma Liga Brasileira de futebol?

Conversei com o ex-presidente do Corinthians Paulista, Andrés Sanchez, por ocasião da conquista do bicampeonato mundial. Sanchez, homem que pegou o Timão na Série B, contou que há um projeto de 20 anos para que o Corinthians domine o Mundo e possa competir em pé de igualdade no mercado internacional com Manchester United e Barcelona. É possível. O Mundial de 2012 foi apenas um passo para isso. Ele, que militava recentemente na CBF, quer mais – e não só para o seu clube. Quer uma revolução no futebol brasileiro. Já diz ter o apoio de clubes importantes, como Internacional, São Paulo e Atlético Mineiro. E busca mentalidades parecidas para romper com a CBF e fazer uma Liga Nacional de Futebol, segundo ele, mais profissional, mais voltada aos interesses dos clubes. Sanchez já mostrou força. Mas brigar com a CBF é sempre indigesto. No Paraná, a dupla Atletiba parece ter os requisitos, mas…

Antíteses

…nunca está em sintonia. No começo do ano, neste mesmo espaço, escrevi que, ao conhecer o perfil empreendedor dos dois presidentes de Atlético e Coritiba, podíamos esperar uma era de ouro para o futebol local. Já não estou tão certo. Nunca vemos uma união de esforços em nenhum sentido quando atleticanos e coxas estão envolvidos. Parece proposital: se um está de um lado, o outro corre imediatamente para o outro, pouco importando o que é melhor, o que é correto. O que importa mesmo é ser a antítese do rival. Penso que se houver uma proposta para uma Liga Nacional, que contemple os clubes com melhor distribuição de renda e um calendário mais equilibrado, se um aderir, o outro caminhará para a oposição. Beira o ridículo. Sei que existem diferenças marcantes nos comportamentos pessoais dos comandantes, mas enquanto os caranguejos se puxam para baixo, a panela ferve. Em poucos dias, teremos mais uma divulgação de pesquisa de torcidas no Paraná. Não se surpreenda com o aumento do domínio corintiano no Estado.

Aniversário feliz

Há quem atribua a primeira revolução no futebol paranaense, consolidada quinta força nacional (é pouco, mas a frente de Bahia e Pernambuco, por exemplo), à Mário Celso Petraglia. É uma meia-verdade. Quando ele pegou o Atlético em 1995, construindo tudo o que se sabe, já havia uma revolução em andamento, que se completa 23 anos hoje. Foi o surgimento do Paraná Clube 1989, da fusão de Colorado e Pinheiros, que acabou deixando pra escanteio a dupla Atletiba, até Petraglia no Atlético e o triunvirato Mauad-Malucelli-Prosdócimo assumir o Coxa. Hoje, o Paraná não estaria como protagonista na revolução antevista acima para o Brasil. Mas no geral, teve um 2012 melhor que anos anteriores, podendo até comemorar em paz a data. Paz essa que é preciso se buscar nos bastidores e nas arquibancadas, para que os clubes locais voltem a crescer.

A coluna para por duas semanas, desejando um Feliz Natal e 2013 para todos, se o Mundo continuar existindo depois de sexta!

P.S.: O Blog continua a mil, mesmo no recesso.