Cinco clubes para ficar de olho nos próximos campeonatos

O Brasil viverá um novo momento no futebol após a Copa do Mundo. As novas arenas prometem dar ao torcedor mais conforto e segurança, enquanto que os clubes poderão arrecadar mais, seja com bilheteria, sócios, espetáculos ou mesmo o “naming rights”. Você certamente já ouviu/leu muito sobre como o futebol brasileiro poderá mudar. Como Corinthians, Atlético e Inter lucrarão com seus estádios próprios, como o Mineirão e o novo Independência mudarão a vida de Galo e Cruzeiro, ou o Maracanã para o trio carioca que tem contrato com a administradora – a exceção é o Vasco; o que pode mudar para Bahia, Vitória e Náutico, já tradicionais no Nordeste, ou mesmo para ABC e América-RN.

Mas outros clubes também estão se mexendo, nem sempre com o impulso da Copa. Clubes menores que estão buscando seu lugar ao sol neste novo momento do futebol nacional. 

O blog escolheu cinco deles para fazer uma aposta. São clubes que em breve vão ocupar o noticiário nacional com alguma campanha de sucesso, uma boa revelação e até, por que não, algum título de expressão.

#5 – Joinville

Arena Joinville, um dos trunfos do JEC

O JEC é um dos mais tradicionais times de Santa Catarina, estado que vem mostrando grande evolução no cenário brasileiro da bola. Compõe o grupo dos quatro grandes locais, que em 2014 foi furado pela Chapecoense. Ao lado de Criciúma, Avaí e Figueirense, o Joinville é um dos grandes campeões locais. Finalista do Catarinense 2014 ao lado do Figueira, o JEC vem há muito construindo um futuro promissor. Apoiado pela prefeitura local, dona da Arena Joinville (segunda a ser construída nesse formato no Brasil, depois da Arena da Baixada), o Joinville conta com um quadro associativo de 10 mil pessoas, fiéis pagantes que têm levado o Tricolor a boas campanhas. O clube recentemente inaugurou uma nova área em seu CT, modernizando os campos de treinamento. Foi sexto colocado nas últimas duas séries B, batendo o acesso na trave. Atualmente o Joinville tem bebido muito da água do futebol paranaense, com as campanhas recentes tendo como destaque jogadores emprestados da dupla Atletiba – Joinville fica a 132 km de Curitiba. Como em todos os clubes que têm apoio estatal, a política pode ser um entrave. Mas é bem possível que em breve você veja o JEC com algum destaque nacional.

#4 – Metropolitano-SC

Promoção local exalta o Metropolitano, em referência ao Galo

Fundado em 2002 já no perfil-clube empresa, o Metropolitano de Blumenau é outro barriga-verde que promete estourar em breve. O clube já desbancou Avaí e Chapecoense para entrar no quadrangular do Estadual 2014. O segredo foi fazer o simples: salários em dia e aposta em jovens. A base é, aliás, a verdadeira aposta do Metropolitano, que conseguiu se inserir na Lei de Incentivo ao Esporte para buscar dinheiro em patrocinadores através de renúncia fiscal. O Metrô irá disputar a Série D deste ano. 

#3 – Londrina

Alojamentos do CT do Londrina: parceira que vai consolidando-se

Junte a organização de um grupo empresarial (nem sempre bem visto no futebol) com a camisa tradicional de um clube em uma grande cidade do interior do Brasil e pronto: você chegará ao atual Londrina. Campeão Brasileiro da Série B em 1980, terceiro colocado no Brasileirão de 77 e três vezes campeão paranaense – busca o quarto título na decisão em 2014 – o LEC já pode dizer que voltou aos trilhos. O grupo SM Sports, do empresário Sérgio Malucelli (amigo de Wanderley Luxemburgo e irmão do ex-presidente do Atlético, Marcos Malucelli), abraçou o Londrina em 2011, depois de anos tocando o futebol do Iraty, outro clube paranaense. Pegou o Tubarão na segunda divisão local e conquistou o acesso. Nos anos seguintes, um quinto e um terceiro lugares no Estadual – o último, quando fez mais pontuação no geral que Coritiba e Atlético, os finalistas campeões dos turnos. Em 2013 quase garantiu o acesso à Série C do Brasileiro, perdendo para o Juventude por 1 a 3 em Caxias, após ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0, tendo sofrido o gol da eliminação no último minuto. Na primeira partida da decisão do Paranaense 2014, levou quase 28 mil pessoas ao Estádio do Café. A torcida do LEC é mesmo muito participativa, sendo inclusive mais presente que a do Paraná Clube, historicamente a terceira força do Estado, na “Timemania”. Com uma mescla de revelações e jogadores ganhando uma segunda oportunidade na vida (como Celsinho, ex-Portuguesa), o Tubarão é uma aposta segura para o futuro.

#2 – Red Bull-SP

Futuro e passado: Red Bull tem o que o Bugre perdeu

Mais um clube-empresa que promete. Quando a Série A2 do Paulista começou, todos imaginavam que um clube de Campinas iria subir de divisão. O que poucos diziam é que este não seria o tradicional Guarani, mas sim o Red Bull Brasil, clube gerido pela empresa que toca outros quatro times pelo mundo, além da equipe de Fórmula 1 e de eventos mil na área de esportes. Fundado em 2008, o Red Bull conquistou rapidamente o acesso da segunda divisão paulista (B, 4a na escala) até a Série A2, a verdadeira segunda divisão de SP. Estacionou na competição, falhando na hora H para o acesso, especialmente em 2013. Mas finalmente conseguiu subir na atual temporada, sendo que ainda pode ser campeã, na disputa por pontos com o Capivariano. Além do apoio da multinacional de bebidas, os segredos do Red Bull são (vejam só!) salários em dia e aposta na base. O clube mantém as categorias S-20, S-17 e S-15 como parte fundamental do projeto. Ainda não tem torcida própria forte e vem usando o Brinco de Ouro como estádio. O Red Bull ainda pretende ter uma maior integração com seus pares de Nova Iorque, Salzburg, Leipzig e Gana, clubes que fazem parte de um projeto mundial da empresa. Por ora, o RBNY e o RB Salzburg conseguiram maior destaque, com boas campanhas na MLS, no Austríaco e na Liga Europa. Será que o filho brasileiro é o próximo na lista?

#1 – Cuiabá

Arena Pantanal pode ser o impulso que o Cuiabá precisa

Bicampeão matogrossense e presente na Série C do Brasileiro para 2014, o Cuiabá é mais um clube-empresa que pode aparecer bem no cenário nacional em breve. Fundado em 2001 a partir das escolinhas de futebol do atacante Gaúcho, ex-Flamengo, o clube que carrega o nome da capital do Mato Grosso aguarda a inauguração da Arena Pantanal para vôos mais altos. Em seus 13 anos de existência, 5 títulos estaduais e o acesso da Série D para a C. Em 2013 ficou a apenas três pontos do grupo que brigaria pelo acesso para a Série B. O sucesso talvez fosse prematuro ao Cuiabá, que pretende ocupar o lugar do tradicional Mixto no coração dos cuiabanos. Mesmo com tudo isso, vale dizer, coube ao Mixto a honra de inaugurar a Arena. Mas e o futuro, reserva o que a ambos? Pelo que mostrou recentemente, não será surpresa ver o Cuiabá em uma das duas divisões de elite do Brasil brevemente.

Os acessos do Atlético

Se derrotar o Criciúma nesse sábado e São Caetano ou Vitória não vencerem, o Atlético conseguirá pela terceira vez na história um acesso da Série B para a A.

O Furacão disputou a segundona em cinco oportunidades, mas até 1988 o Campeonato Brasileiro era feito à base de convites conforme o desempenho nos campeonatos estaduais. Por isso não há como mensurar a participação em 1980 e em 1982, temporada esta em que disputou jogos na “B” e na “A”. Depois do rompimento do Clube dos 13 com a CBF e a divisão entre Brasileirão e Copa União em 1987, os clubes conversaram e, viradas de mesa a parte, o campeonato nacional passou a ter um sistema de acesso e descenso.

Em 1990, depois de ter sido rebaixado em 1989 pela única vez em campo (até 2011), o Atlético chegou à decisão da Série B contra o Sport Recife. O time campeão estadual tinha Marolla, Odemílson, Valdir e Dirceu, entre outros. Kita (foto acima), destaque em 1986 pela Inter de Limeira campeã paulista, chegou para reforçar o elenco que superou o Operário de Ponta Grossa, a Catuense e o Criciúma na fase semifinal.

A vaga na elite veio coincidentemente com uma vitória sobre o Tigre, 1-0, no Pinheirão, na penúltima rodada.Na decisão, dois empates com o Sport: 1-1 em Curitiba, com uma falha de Toinho no gol pernambucano e 0-0 no Recife. O vice-campeonato à época foi lamentado pelo atleticanos, que viam o Coritiba ser o único campeão brasileiro no Paraná até então.

Diário de Pernambuco destaca o título do Sport sobre o Atlético em 1990

O Atlético seguiria na elite brasileira até 1993, quando a CBF, numa manobra para salvar o Grêmio, então na segunda divisão, “subiu” 12 equipes da segunda para a primeira divisão. Atlético e Goiás, salvos pela classificação na A em 1992, e Paraná e Vitória, campeão e vice na B-92, foram jogados para um grupo secundário dentro da elite, com 16 clubes, dos quais 8 seriam rebaixados. O Grêmio, claro, mesmo sem critério técnico, foi colocado no grupo dos blindados. O Atlético-MG, lanterna no geral em 93, também, evitando a queda. O Paraná se salvou, o Coritiba não, tampouco o Furacão.

Por isso, o Atlético disputou a Segundona em 94, quando caiu na semifinal para o Juventude, e em 1995.

O time campeão de 1995, com Paulo Rink, Oséas, Ricardo Pinto e outros, comandado por Pepe, subiu fora de casa

Naquela temporada o Atlético tinha um jejum de 5 anos sem título estadual e estava em situação financeira delicada. A velha Baixada tinha se tornado a “Baixada do Farinhaque”, com uma reforma que tirou o Furacão do Pinheirão. E, numa páscoa inesquecível para o futebol paranaense, o Coritiba de Brandão fez 5-1 no Atlético e gerou uma revolução no Rubro-Negro. O time iniciou a Série B mal, perdendo em Goiatuba por 2-0 para o time local. Mas foi se encontrando até ficar com o título, após vencer o Central de Caruaru por 4-1 na Baixada e contar com um tropeço do Coxa, que ficaria como campeão se vencesse em Mogi-Mirim (1-1). Ambos subiram. O acesso atleticano também foi em Mogi-Mirim, com uma vitória por 1-0, na primeira rodada do returno do quadrangular final.

Retratos atleticanos

Reta final de Série B e o Atlético entra no G4. Fora de campo, política e gestão em ebulição. O Furacão entra na semana como sempre foi sua história: polêmica fora, superação dentro do gramado.

Leia um resumo do momento atleticano em imagens:

A alegria

Um ano difícil, jogando todas as partidas sem a força do estádio, com o orgulho ferido pela queda em 2011 e um início ruim. Entrar no G4 foi o que bastou para muitos atleticanos irem ao Aeroporto Afonso Pena receber a equipe que bateu o Vitória por 2-0 (veja os gols e as imagens da chegada do time clicando na imagem).

O Atlético, no final de outubro, finalmente vai dando pinta de que vai justificar o favoritismo inicial e retornar à Série A em 2013. Os três próximos jogos são decisivos: Guarani (C), Guaratinguetá (C) e o adversário direto São Caetano (F), que antes do confronto direto pega Ipatinga (C) e Vitória (F). A primeira alegria do ano tirou o atleticano da letargia, num movimento que já foi rotineiro na Baixada. Mas que está longe de definir algo.

O entrosamento

O Atlético está jogando bem e engatou uma grande sequência na hora certa. A quarta vitória consecutiva veio sobre um dos melhores times da competição e fora de casa, com um jogador a menos. A maturidade atleticana após a expulsão de Pedro Botelho impressionou. O Vitória não ameaçou o gol de Weverton uma vez sequer.

É covardia comparar o elenco atual, reforçado de peças-chave como o próprio goleiro, Elias, João Paulo, Pedro Botelho, Maranhão e Marcão, o sorridente da foto (retirada do site oficial do clube), com o que Juan Ramón Carrasco tinha em mãos. Mas há méritos também na condução de Ricardo Drubscky na forma do time jogar. Drubscky passou pela humilhação de ser contratado, relegado à uma sub-função e retornar para apagar incêndio com uma frieza alemã e uma postura britânica. Trabalhou em silêncio, foi humilde e até agora não foi oficialmente efetivado pelo clube (precisa ser?).

Faltando sete jogos, o Atlético pela primeira vez no ano tem cara de time de futebol. Qualquer menino de 7 anos escala o rubro-negro. Méritos de Drubscky, que recuperou Cléberson e Marcelo. Até Marcão, questionado ao chegar, já tem 9 gols na segundona.

O negócio

Os jornais estampam: a direção do Atlético optou por cadeiras mais caras na montagem da Arena para a Copa de 2014. Desta vez vem a tona o fato de que não um, mas dois orçamentos apresentados seriam mais econômicos aos cofres do clube do que os optados pela gestão da CAP S/A (clique para ler).

O Blog do JJ, João José Werzbtizki, publicitário e jornalista, traz um comentário interessante sobre a procedência das cadeiras da Kango, assinado pelo próprio em cima da matéria de Leonardo Mendes Jr., da Gazeta do Povo, cujo link está acima. O comentário é o seguinte, entre aspas:

Onde fica a fábrica da Kango? Num pequeno barracão na Cidade Industrial de Curitiba que, pelas dimensões, não tem condições de produção em quantidades como as exigidas para a Copa. Endereço? Rua Eduardo Sprada, 6400 – Cidade Industrial – Curitiba – fone: 41 3241-1816, para quem quiser ir visitar.

No site da Kango, ontem, havia fotos de estádios europeus e sul-africanos, com cadeiras de uma empresa européia, com a marca associada da Kango. Hoje, estas fotos não estão mais no site, que mostra 7 modelos de cadeiras, além de armários, destacando que estará instalando cadeiras no Itaquerão (20), no Urbano Caldeira, do Santos (210) e instalou no Estádio  Independência (25 mil cadeiras), em Minas. Algumas das fotos dos estádios do exterior, que sumiram do site, estão na página da Kango no Facebook, porém sem identificação dos estádios e do parceiro europeu. Há um texto que diz o seguinte:

“Diretamente dos estádios europeus, a Kango Brasil traz ao mercado sul americano a BERLIN, uma cadeira robusta e de alta tecnologia. A cadeira BERLIN, com patente requerida na Europa e no Brasil, possui medidas que garantem o conforto do espectador, além de ser aconchegante e compacta. Destaque para sua resistência a danos causados pela ação do tempo, raios ultravioleta e ao vandalismo.

Ela é, também, dotada de excelente ergonomia, reforçada pelo design com bordas arredondadas em todo o encosto. O assento conta com o sistema de rebatimento por gravidade, que amplia o espaço entre as fileiras. É uma cadeira que pode ser utilizada em ambientes externos e internos, sendo uma excelente opção para estádios brasileiros que sediarão a Copa do Mundo de 2014.”

Sobre as cadeiras instaladas no estádio do Santos, diz a Kango no Face:

ASSENTOS DO MODELO BERLIN SÃO INSTALADOS NA VILA BELMIRO PELA KANGO BRASIL

Nesta sexta-feira dia 05/10, a Kango Brasil instalou duzentos e dez assentos do modelo Berlin no estádio Urbano Caldeira, mais conhecido como Vila Belmiro. A cadeira BERLIN, possui medidas que garantem o conforto do espectador, além de ser aconchegante e compacta. Destaque para sua resistência a danos causados pela ação do tempo, raios ultravioleta e ao vandalismo. O modelo foi instalado na área de camarotes do estádio.

E mais, em foto antiga do Mineirão:

KANGO SPORT

“O conforto prolongado e a durabilidade da KANGO SPORT a qualificam como uma das referências em cadeira esportiva no Brasil. A ergonomia exclusiva permite uma acomodação agradável por um longo período e, somada ao design moderno e aos recursos tecnológicos de última geração, configuram os atributos que atendem a todas as determinações da FIFA e do Estatuto do Torcedor”.

“A KANGO SPORT é fabricada com polipropileno injetado, a partir de uma fórmula especial que torna o produto resistente ao vandalismo e à ação do tempo. As cadeiras obedecem às normas técnicas vigentes, não precisam de manutenção e trazem segurança e bem-estar aos espectadores. Conheça nossos produtos: http://www.kango.com.br“.

O que significa que as cadeiras da Kango, mui provavelmente, são importadas.

Essa é a imagem da fábrica da Kango em Curitiba:

Nunca é demais lembrar que os documentos sobre as escolhas de Petraglia para a Arena partiram do ex-braço direito dele, Cid Campêlo Filho, que não quis falar sobre outras definições, como a cobertura do estádio.

O apoio

Até segunda ordem – que pode ser a definição do TCE-PR de que o Potencial Construtivo é dinheiro público ou não – o problema é do Atlético e de seus sócios, que vêem a verba do clube ser usada conforme as decisões de Petraglia, que deu privilégios ao filho na questão das cadeiras.

E Petraglia demonstrou força junto ao conselho, que assinou uma carta repudiando as acusações de Cid Campêlo Filho e aprovou as decisões do presidente. É mais ou menos assim: se sua mulher quer comprar determinada roupa em uma boutique mais cara do que outra, problema de vocês: o dinheiro é do casal. E o conselho não viu problemas (ao contrário, como demonstra a carta) na escolha.

No entanto, com algumas definições do TCE-PR e o interesse crescente no assunto, o tema será de interesse público e algumas escolhas serão ainda mais questionadas. Por ora, vale – e muito – a caneta de Petraglia e dos pares de diretoria.

O renagado

Santiago “El Morro” Garcia voltou a jogar futebol. Depois da tumultuada saída do Atlético, o uruguaio estreou pelo Kasimpasa, da Turquia. Foi a contratação mais cara da história do clube (US$ 5 milhões), marcou dois gols em 15 jogos e, em um dos negócios mais inusitados do futebol mundial, foi devolvido por Mário Celso Petraglia ao Nacional, do Uruguai, que o emprestou ao clube turco. Falem o que quiser de Petraglia, menos que ele não sabe fazer negócios.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 03/10/2012

Alex e o Coritiba

Alex rompeu com o Fenerbahçe da Turquia nessa semana. Por coincidência, às vésperas do aniversário de 103 anos do Coritiba, no próximo dia 12. É o que basta para um alvoroço da volta do meia ao clube. Bem, em primeiro lugar, até pode sair acerto já, mas é preciso deixar claro que Alex não joga no Brasil em 2012. As inscrições estão encerradas e o único time brasileiro que ele poderia defender nessa temporada seria o Corinthians, em uma improvável negociação para o Mundial. Para 2013, o Coxa disputa o meia com Palmeiras e Cruzeiro. Coxa-branca declarado, Alex foi ídolo do clube sem justificar isso em campo. Ficou pouco tempo. É bem-quisto por nunca deixou de se assumir coxa, mesmo com outras camisas, sem fazer média. Noves fora o risco da Série B (tão vivo para o Palmeiras quanto para o Coritiba) e a Libertadores, não existe outro caminho para Alex que não seja o Alto da Glória. Que o diga Ronaldinho.

Intolerância

Neymar entra em campo cercado de crianças gremistas no Olímpico. Por aqui, Lucas é cuspido e uma fã de 13 anos, infiltrada na torcida do Coritiba, é acossada junto com o pai, enquanto ganhava uma camisa do jogador. Em São Paulo, um turista escocês é constrangido e retirado da área VIP (aquela dos bem nascidos) por estar desavisadamente com a camisa verde e branca do Celtic em meio a corintianos. Quando foi que desaprendeu-se educação no Paraná e em São Paulo? Não há justificativa que aplaque os péssimos exemplos de intolerância nos dois estados. Os gaúchos, por sua vez, mostram que sabem levar o futebol como ele é: um esporte. A flauta de que colorado não tem azulejo, “tem vermelejo”, não passa pro campo da hostilidade. É folclore inteligente. Ainda dá tempo de aprender.

Longe de casa

O número mágico do acesso pode chegar a 69; historicamente é 64. O Atlético deve perseguir algo em torno disso para voltar ao seu lugar na elite nacional. Começa no sábado, contra o América-MG, mas passará por importante decisão em São Caetano do Sul, no dia 03/11, contra o time da casa. Será um dos três jogos contra concorrentes diretos longe de Curitiba (Vitória e Criciúma são os demais) e o mais decisivo deles, justamente no palco da maior glória rubro-negra. Daqui até lá, no entanto, o Furacão não tem mais direito a erro. Como observado semana passada, será um trabalho com a cabeça, porque os pés que aí estão não podem ganhar companhias mais qualificadas.

Um ano

Passa voando. Essa coluna marca um ano de nosso convívio semanal aqui no Metro. Um jornal que pegou a cidade de jeito, ganhou pela qualidade e objetividade. Só tenho a agradecer a confiança da casa, o respaldo pela liberdade e, principalmente, o carinho e a sua participação, leitor, opinando, criticando, pautando e debatendo. Que continuemos assim.

Sobe ou não sobe?

Foto: Geraldo Bubniak

Paulo Baier está pensativo na foto. Não é pra menos. O Atlético, nas 11 rodadas que restam, terá que se apegar a calculadora.

Não, a situação não é desesperadora – ainda. É “apenas” preocupante e é também fruto de escolhas anteriores. Que não voltam mais e nem respondem a pregunta chave do post: sobe ou não sobe?

Primeiro, é preciso assumir que o Vitória já tem uma vaga. Foi o melhor time da Série B ao longo da competição e, mesmo perdendo um pouco do pique nesse momento, tem tanta gordura que não fica fora da Série A. Restam, portanto, três vagas.

Três? Talvez duas. O Criciúma está bem na pontuação e dificilmente repita 2007, quando justamente na reta final patinou a ponto de sair da liderança para fora do G4.

Duas? Deixemos por uma. O Goiás tem jogado bem e já está a 7 rodadas no G4. Abriu frente de 5 pontos do 5o colocado, Joinville, e também não deve voltar a demonstrar queda. Oficialmente já se coloca como candidato ao título.

A média de pontos histórica pro acesso é de 64; sete para o Vitória, nove para o Criciúma, 12 para o Goiás, com 33 a serem disputados. Talvez a média suba um pouco, 65, 66. Mas é difícil imaginar esses três times não fazendo essa pontuação.

Para o matemático Tristão Garcia, do site Infobola, 10 times estão na briga:

Clique na imagem para ver outros números no site

Atrás na tabela, o Atlético aparece a frente do Joinville nas chances calculadas pelo matemático. Isso porque a fórmula usada cruza os resultados dentro e fora de casa, com uma média projetada de pontuação. Estima-se, portanto, que o Furacão faça mais pontos que o JEC, mas menos que o São Caetano.

Cada jogo é um jogo, futebol é uma caixinha de surpresas, blablabla e outros Bragantinos podem aparecer no caminho não só do Atlético, mas de São Caetano e Joinville. Depois do Fluminense 2009, é impossível até mesmo desprezar os Américas. Mas a briga deve mesmo se restringir a paulistas, catarinenses e paranaenses.

Tenho visto mais jogos do Joinville por conta da programação da TV. O JEC tem um bom time, que joga em cima do adversário em casa (com uma média ótima de 10 mil pessoas por jogo) e marca forte fora. Perder Tiago Real não fez diferença significativa. Lima, o artilheiro do time, é um atacante que qualquer equipe gostaria de ter.

Vi pouco o São Caetano. Pela oscilação em parte do campeonato, achei que iria cair na tabela. Não o fez. Contra o Paraná perdeu em um jogo equilibrado. O Tricolor fez a diferença em casa. Leão mantém o estilo de montar equipes que ocupam espaços no campo de defesa, jogando compactadamente. O São Caetano não tem torcida e até imaginava-se não ter dinheiro, especialmente em um ano político. Mas está indo bem.

O Atlético oscila demais. Faz belas partidas (Barueri, CRB e, mesmo com a derrota, contra o Goiás) e outras péssimas, como a com o Bragantino. É o preço a se pagar por um trabalho recente e um time jovem. A demora da diretoria a trazer reforços custa caro na tabela. Depois das chegadas de dois laterais, um volante, dois meias e um atacante (6 jogadores) o time andou. O Atlético também demorou pra achar uma casa. E isso faz tanta diferença que é o trunfo do Joinville. E é a barreira a ser quebrada para o acesso.

O Furacão tem melhor aproveitamento dentro que fora de casa. Melhor inclusive que o São Caetano, mas inferior ao do Joinville – que, por sua vez, vai muito mal fora de casa, pior que o time paranaense. Só que a tabela prevê jogos chave para o Atlético na casa dos adversários.

A próxima rodada (28a), por exemplo, prevê jogo duro para o Atlético, contra o América-MG, enquanto o JEC pega o Barueri fora e o São Caetano recebe o Guaratinguetá. Um erro contra o Coelho e a tendência é que os rivais abram vantagem.

Na rodada seguinte, o Joinville recebe o Azulão e o Atlético vai ao Frasqueirão pegar o ABC. De novo, tem que vencer a qualquer preço, pois qualquer resultado em SC é ruim. Se o JEC vence e mantém a frente que tem, não pode ser alcançado mais em confronto direto; se dá Sanca, o confronto direto existe, mas no Anacleto Campanella – de boas lembranças para o atleticano, mas em outros tempos.

Jogar fora de casa é mesmo o calo atleticano. Vitória, São Caetano e Criciúma (os dois últimos garantidamente confrontos diretos) serão em território adverso. Jogos daqueles “vencer ou vencer”. A Série B 2012 está com erro quase zero – e dos três citados, em casa, o Atlético só venceu o Tigre.

O São Caetano também tem jogos duros fora de casa. Vitória e Criciúma, por coincidência. O Goiás visitará o ABC. Aos atleticanos, a torcida pelos que estão em cima já é válida. É melhor que disparem. O Joinville tem o clássico com o Criciúma fora, mas pega o Vitória em casa. E na última rodada, o Goiás no Serra Dourada – enquanto o Atlético tem um Derby e o Azulão joga em Campinas, com o Guarani.

Em síntese, o Rubro-Negro só sobe se melhorar fora de casa e vencer o confronto direto com o São Caetano, procurando ao menos não perder para Vitória e Criciúma. Para isso, precisa melhorar o comportamento em relação ao que aconteceu em Bragança Paulista.

  • E se não subir?

A diretoria atleticana evita falar em fracasso em 2012. No começo do ano, até se culpava mais a gestão passada pela má fase, mas hoje essa não cola mais. Não que não havia fundamento; havia. Mas houve tempo o suficiente para mudar o quadro. Se não subir, a culpa é da diretoria. Se subir, oras, o mérito também será. Dessa responsabilidade ninguém escapa – só as escolhas é que deveriam ter sido feitas antes.

Enfim, não será o fim do mundo para o clube, mas será muito ruim. A construção do estádio projeta ao Atlético um futuro muito bom com ou sem Série A em 2013. Vai se machucar o orgulho novamente, mas é do futebol.

O comparativo que eu faço é com aquele aluno que reprovou a 5a série. É um atraso de vida. Ficou pra trás dos coleguinhas, passou de novo por tudo que já deveria ter sido superado, levou bronca dos pais e ouviu sarro dos amigos. Mas não morreu por isso. Nem deixará poder de ter um bom emprego no futuro e tocar a vida. Vai se arrumar, mas com atraso. O que já é ruim e se agrava no caso de se relembrar que é o clube com maior arrecadação na bezona. É tipo filho de rico reprovando –  só não pode ser mimado o suficiente pra achar que as coisas vão vir na mão.

Não efetivem Ricardo Drubscky

Quatro vitórias consecutivas, jogando um bom futebol no Derby Paranaense e contra o então líder Criciúma. O primeiro turno acabou bem para o Atlético, colado no G4 e de volta a Curitiba, para jogar no Eco-Estádio para 9.999 torcedores. Quem te viu, quem te vê.

O Atlético esteve desacreditado nessa Série B. Tudo em função da demora da direção em reconhecer que o time vice-campeão estadual era limitado. Da primeira rodada (4-1 no Joinville) até a vitória por 2-1 sobre o Paraná, só dois jogadores, Manoel e Deivid, se mantiveram titulares. Jogando pra 3 a 4 mil pessoas em Paranaguá, num gramado ruim e depois de trocar Carrasco por Drubscky e logo em seguida (uma cilada) por Jorginho, pra então voltar à Drubscky, o Furacão assinava um contrato de mais um ano com a Segundona.

Pois jogadores chegaram, o clube conseguiu um jeito de voltar a jogar em casa e finalmente vai dando pinta como o favorito que era para o acesso. Por isso, lanço a campanha: Petraglia, não efetive Ricardo Drubscky no cargo.

O Rubro-Negro só cresceu na B fazendo tudo ao contrário. Qualquer cartilha de gestão esportiva pegaria fogo ao ver as decisões do departamento de futebol atleticano em 2012. E foi depois do “foi-num-foi-acabou-ficando” de Drubscky, junto com a chegada de vários reforços no meio da competição, que o time começou a jogar.

Drubscky ainda não convenceu a todos (nem a mim) e talvez nunca o fará. Tem um jeito humilde, simples, fala mansa. Foi aliás a humildade que o manteve no clube. Disse, há poucos dias, que sabia que o mercado dele não é tão vasto e preferiu ficar no clube. Pediu uma chance de mostrar seu trabalho. Está ganhando. E está bem.

O time começou a ter jogadas. Trabalha bem a passagem dos laterais a partir do avanço dos meias (em especial Elias), ganhou um centroavante de área, tem Deivid como um cão de guarda da defesa e estabilizou as presenças de Cléberson e Manoel, que voltou a jogar bem. Drubscky é low profile, mas não é covarde. Mexe no time buscando posse de bola e vitória. A soma de fatores dá a ele – e ao Atlético – a chance que parecia perdida, de subir ainda esse ano.

Por isso, num ano de contradições e reviravoltas, nada mais justo do que pedir: não efetivem Drubscky. Deixem-o como interino até segunda ordem. Pra que mexer no que está quieto?

 

A expectativa é a pior inimiga do Paraná Clube

O “meme” acima circula no Facebook e somado ao resultado do Derby do final de semana, me fez expor uma reflexão que, embora pareça dolorosa aos tricolores, é na verdade a chave para a retomada de um Paraná Clube forte e vitorioso:

Não há grau de comparação entre o Paraná e os outros dois clubes da cidade, Atlético e Coritiba. 

Nós, da imprensa, somos em parte culpados da percepção que se tem de que o Paraná tem as mesmas obrigações dos rivais de outrora. Não tem: falta ao Paraná muito no comparativo com a dupla, especialmente dinheiro. O Paraná é cobrado como se recebesse o mesmo que Atletiba, como se tivesse o potencial midiático da Velha Firma* da cidade, como se tivesse a mesma estrutura dos outros dois. É vendida ao torcedor a ideia de que o Paraná de hoje é tão competitivo quanto os outros dois e, por mais doloroso que isso possa soar, não é.

Um rápido resgate histórico mostra alguns porquês. Escolhas erradas, como a venda do terreno do antigo Britânia ao invés da exploração imobiliária da região, a famigerada parceria que trocou direitos de jogadores por alimentação e uma sequencia de administrações nocivas minaram o que era a proposta inicial do Paraná: um clube com estrutura sólida (Pinheiros) e uma torcida participativa (Colorado). Basta ver quanto Thiago Neves, um dos melhores jogadores em atividade no futebol brasileiro, rendeu ao Paraná. Nem o orgulho de dizer que ele é do clube ficou.

A revolução de 1995, que guindou o Atlético ao patamar de um dos maiores clubes do Brasil, com a conquista do título nacional de 2001, iniciou-se na verdade em 1989. Foi a fusão entre Pinheiros e Colorado que acordou a dupla Atletiba. Isso depois de 5 anos de domínio absoluto tricolor. O Coritiba, destaque nacional no fim dos 70, meados dos 80, ressurgiu na mesma época e voltou a frequentar a Série A, mais recentemente chegando a duas decisões de Copa do Brasil. A Velha Firma paranaense ficou à sombra do Paraná antes de se mobilizar. E o que fazia o Paraná se sobrepor aos dois era organização e dinheiro, que foram embora.

O Paraná hoje tem menos estrutura, menos torcida, menos capacidade de arrecadação, menos dinheiro (é chato repetir, mas é isso: dinheiro) que os outros dois. Como o futebol ainda reserva mágica, pode ganhar e surpreender em campo. Mas a lógica é que não. Isso explica as 8 derrotas consecutivas para o Atlético e outras 5 partidas sem vencer o Coxa desde 2010. Isso explica porque o clube começa bem a Série B há três temporadas, mas não consegue se sustentar o suficiente para ficar no G4 ao final das 38 rodadas.

Exigir do Paraná além do que ele pode oferecer é matar o clube a cada dia. E isso não é sinônimo de afastar o torcedor de campo, pelo contrário: esse tem papel fundamental no momento de reconstrução paranista. Há que se admitir que o potencial hoje é menor do que o de antes. Que fazer uma campanha honrosa, sonhando com pés no chão, é o melhor. Que o acesso no Estadual, obrigação, já veio. E por isso demitir técnico (o que nem foi cogitado) ou mudar todo um elenco, invadir campo, inverter faixas, só vai prejudicar.

Afinal de contas, não importa o resultado, o sujeito muda até de sexo, mas não muda de time. E clubes argentinos e ingleses lidam bem com suas expectativas temporada após temporada. Até o supercampeão Liverpool atualmente só briga pra tentar chegar à Champions League; sem dinheiro, título é pra United, City, Chelsea e Arsenal, mais afortunados.

A expectativa derrota o Paraná temporada após temporada. Ela parte de todos os setores do futebol paranaense, alguns mais hipócritas que os outros. Para que o clube possa realmente voltar a ser competitivo, é preciso repensá-lo e reinventá-lo.

*A Velha Firma, The Old Firm: clássico escocês entre Celtic x Rangers, que mexe com todo o país através do futebol e fanatismo religioso. Veja mais aqui.

Abrindo o Jogo – Coluna no Jornal Metro Curitiba de 15/08/2012


A (única) entrevista de Petraglia

 

Na quarta passada a coluna sugeriu que o presidente do Atlético, Mário Celso Petraglia, viesse a público falar sobre a decepcionante campanha do clube na Série B. Ele o fez, na sexta (10). Apesar de dedicar boa parte do tempo à velha história de que o clube “está em meio a um projeto que começou em 1995”, enumerando as obras passadas e próximas, o dirigente disse duas coisas relevantes para o momento do futebol. A primeira, de que errou em algumas avaliações na montagem do departamento de futebol. A segunda, de que, mesmo sem ainda ter um técnico definido (deve ficar mesmo com Drubscky), mudou a tempo de tentar o acesso. É fato que muitos jogadores chegaram e a direção mudou, comprovando a postura que está no discurso. Fato também que se perdeu um semestre – novamente. No geral, a entrevista mostrou um Petraglia mais sereno e deixou a promessa de que esses encontros, importantes para o torcedor entender a cabeça do dirigente, irão acontecer outras vezes.

 

Direitos e deveres

 

Mudo a chave para abordar outro tema palpitante: a postura do CREF (Conselho Regional de Educação Física) sobre o fato de Ricardinho, ex-jogador sem o diploma de Ed. Física, estar exercendo a profissão de técnico no Paraná. Ouvi e li muita bobagem sobre o tema, quase todas sob o signo do clubismo. Não é o caso. Ricardinho vem se mostrando competente na função, é talentoso e viveu o futebol. Mas em um país que ignora e menospreza a educação, não podemos tratar como apenas “revanchismo” a exigência do CREF. Ser um profissional de educação física e coordenar um grupo de atletas é uma função que exige conhecimento em fisiologia, biomecânica, pedagogia e psicologia, entre tantos outros além da tática. Seria incoerente defender o diploma para jornalistas e atenuar o pedido do CREF. O Brasil precisa amadurecer, valorizar a educação e o conhecimento. Ricardinho, diga-se, está cursando faculdade de Educação Física e sabe disso. Busca o conhecimento e deve ser exemplo: tem o direito de trabalhar (está amparado pela CBF) e o dever de aprender o melhor. O CREF-PR está certo, ainda que esteja sozinho no pedido. Se outros centros não fazem, estão errados. E Ricardinho , assim como todos os técnicos, sairá fortalecido desta, podem escrever.

 

Desempenho Coxa

 

O Coritiba tem sim um projeto, digno de elogios, já rasgados diversas vezes nessa coluna. Mas precisa repensar algumas rotas. Há tempos não perdia tantos pontos no Couto como nesse Brasileirão. A rotina perde/empata em casa e perde fora só tem um resultado conhecido: a queda. O Coxa precisa mudar sua estratégia antes que a água chegue ao pescoço. Perdeu pontos para Palmeiras e Sport em casa, clubes logo abaixo na classificação. Terá que buscar fora. E, previsível, tem perdido dos mais fortes e vencido apenas alguns dos mais fracos. E o grupo não é de todo ruim, como mostrou em um torneio de tiro curto, a Copa do Brasil. A estabilidade no clube é admirável, mas não pode ser confundida com apatia. Futebol às vezes exige um chacoalhão, para que quem fique relembre a razão pela qual está vestindo aquela camisa.

 

Dez razões para o fracasso do Atlético na Série B 2012

Títulos proféticos são um chamariz para a condenação de qualquer jornalista. É querer adivinhar o futuro, o que no futebol pode ser muito cruel. No entanto, dezembro é o mês do “dez mais”: os craques do ano, os gols mais bonitos, as razões do sucesso e, claro, as do fracasso.

Passado o ano, é mais fácil avaliar. Nem sempre é mais aproveitável – afinal, a obra já está pronta.

É por isso, com base em 6 meses de atividade profissional no futebol brasileiro, que me coloco na mira da torcida ao antecipar 10 razões para o fracasso atleticano na briga do acesso pela Série A em 2013 – em tempo ainda de serem evitados. Se não forem, prometo: repito a postagem ao final da Série B, com direito a contestações postadas.

1) Home sweet home

Jogar em casa, um luxo em 2012 (foto: Geraldo Bubniak)

Qualquer time tem como principal arma o fator campo. O Atlético sempre se vangloriou do “Caldeirão”, o alçapão em que a Arena se tornou nos momentos decisivos.

Em 2012, por conta da obra para 2014, o Atlético perdeu essa força. Não foi uma ou duas vezes em que os próprios jogadores reclamaram ter de jogar em um campo diferente, sem identificação. O Atlético já transitou por Germano Kruger, Eco-Estádio, Vila Capanema e agora milita no Caranguejão, em Paranaguá.

Não conhecer (no sentido de saber bem quais são) as dimensões do gramado, vestiário, ter ao lado a presença da torcida, saber que aquele é o seu local de trabalho. Somadas, as razões são muitas para a inibição de um bom desempenho, treinando o que treinar. Jogar contra o Atlético hoje não assusta mais que o normal: é uma partida de futebol profissional em um campo homologado. Falta o fator casa.

E, diga-se, a discussão é longa e não vale nesse post, tamanha novela. Mas, olhando pelo prisma atleticano, algo deveria ter sido pensado antes.

2) Ambição – tem que querer

"Yo?"

“Nunca nos pediram a conquista (sobre Copa do Brasil e Série B). A prioridade é o acesso”, disse Juan Ramón Carrasco em sua despedida do Atlético.

Querer ganhar o título é o passo número um para chegar lá. É a história do cara que reclama que nunca ganhou na mega-sena – mas não joga. A falta de ambição nas cobranças sobre Juan Carrasco e a conquista da Série B são sintomáticas.

Ao dizer o que disse, o ex-treinador atleticano deixou claro que o bicampeonato da Segundona não é prioridade no Furacão.  Aceitável, na última rodada; nunca na primeira. Pego o Coritiba como exemplo.

Campeão nacional em 1985, nos anos 2000, rebaixado e campeão em 2007, amargou uma nova queda em 2009. Acompanhei cada passo daquela conquista. A título de galhofa, no início da competição, atleticanos zombavam coxas sobre o “bicampeonato”. Certa feita, assunto corrente na cidade, conversei com o então vice-presidente Vilson Ribeiro sobre o tema. “O Coritiba entra em qualquer campeonato para ser campeão. Não queríamos estar na Série B, mas já que estamos, vamos atrás do título.”

O grau de exigência mínimo deve ser esse para qualquer clube que se pretende grande. Foi assim com Palmeiras, Atlético-MG, Corinthians, Vasco e com o já citado Coritiba. Mas, pela declaração de JR Carrasco e principalmente pelos investimentos feitos pela diretoria atleticana, não parece ser o mesmo no Rubro-Negro.

3) Liderança e bons exemplos

A história de David Trézéguet no River Plate pode ser um exemplo para qualquer clube grande em baixa. Todos que se encaixam nessa categoria têm ídolos, exemplos, gente que pode simbolizar uma retomada. Alguém que, em campo, seja o símbolo de algo que é uma verdadeira guerra – afinal, presume-se que o verdadeiro habitat desse padrão de clube não seja uma divisão inferior.

Ao Atlético, falta isso.

Paulo Baier, o ídolo de um Atlético carente (tem brio e caráter, mas vivencia uma era sem conquistas) se apresenta para o papel, mas carrega consigo o peso do parênteses anterior e também da idade. O time não tem uma liderança em campo – convenhamos, não é de hoje.

Um Trézéguet que mostre “Eu jogo aqui porque é grande”, não importa a divisão. Algo como Ney Franco fez pelo Coritiba 2010 ou Fernando Prass no Vasco 2009 ou mesmo Chicão, líder do elenco do Corinthians 2008. Um símbolo, enfim.

4) Tranquilidade & ambiente

Sitting, waiting, wishing (Foto: Allan Costa Pinto, PRON)

Muitos podem não enxergar, mas o que acontece com Morro Garcia é nocivo ao Atlético. Contratação mais cara da história do clube, Morro não pode jogar por ordem da diretoria, que não aceita a negociação feita pela gestão anterior.

Ao mesmo tempo, outro jogador qualificado, Joffre Guerrón, também está na geladeira. No clube, pelo que apurei, alega-se que o atleta não quer ficar; o mesmo já deu demonstrações disso, mas está aí à disposição. Além disso, a pressão da queda (o elenco quase não foi reformulado), o peso sobre os da base e a insistente improvisação em vários setores, tanto Carrasco quanto com Drubscky, deixam todos em alerta.

O que importa, na verdade, é algo que qualquer um pode transportar para o seu ambiente de trabalho. Você chega para um dia de trabalho, um colega está impedido de exercer a profissão, outro está em espera, outros estão em funções diversas as que estão acostumados ou deveriam exercer.

Aí tem cobrança, pressão, pouca ou nenhuma badalação – não se esqueça que pecado ou não, vaidade é um combustível. Bingo!, está criado um ambiente pesado.

5) Prioridades

Liguera, Fernandão, Weverton, Renan Teixeira, Zezinho e Gabriel Marques. Ainda pode se considerar nessa lista Rafael Schimitz e o lateral Adriano.

Esses foram os reforços de um Atlético rebaixado para a tentativa do acesso. Zezinho demonstrou potencial, Liguera (machucado um bom tempo), Fernandão e Weverton carecem de melhor avaliação. Marques é dedicado. Nenhum convincente.

Juan Ramón Carrasco uma aposta; Ricardo Drubscky, outra. Mal avaliada, pois defende como teórico que um treinador deve estar sempre à beira do campo, mas foi contratado com seis jogos de suspensão.

O departamento de futebol ainda parece muito teórico. Mas já se passaram seis meses. Claro que a cúpula que mantém o sistema é visada (ler abaixo), mas a responsabilidade é funcional.

6) Estabilidade política

Você, atleticano que lê esse texto (coxas e paranistas se divertindo não contam), responda mentalmente, sem pestanejar: é malucellista ou petraglista?

Desculpe, pensei que você fosse atleticano.

Fato é que o Atlético dividiu-se em setores políticos. Em 2011, o fracasso era sinônimo de alegria para muitos; em 2012, a resposta vem à galope. Resultado? Um clube desunido, fragmentado. Na riqueza (porque quem viu o Atlético 80’s sabe) o clube vive sua pior fase. Tipo divisão de herança de rico.

Enquanto isso, o navio vai rumo ao iceberg.

7) (Falta de) Mobilização

Letargia. Nenhuma palavra resume melhor a torcida atleticana. O Atlético não mobiliza mais ninguém. O golpe foi forte. É verdade que os tópicos acima só deixam a coisa ainda pior. Mas, enfim, qual é o papel do torcedor?

Oras!, torcedor, torce. Na 1a ou na 10a divisão. Sendo assim, tá na cara que falta ânimo aos atleticanos, que nem cobrar mais cobram. Basicamente observam os eventos, quase que impávidos. Não, não é intenção do colunista promover a desordem. Até porque, cá entre nós, mobilizar-se é um problema do Atlético e dos seus.

Mas o estado de “ah, é assim mesmo” tomou conta. Ovo ou galinha?

8) Sucesso alheio (ou inveja)

Não se pode negar que a má fase do Atlético é concordante com a boa fase do Coritiba. E não falo da final da Copa do Brasil de 2012, mas sim das duas, do tricampeonato e da diferença na condução do futebol que um clube abriu de outro.

Desde a declaração do ex-presidente Marcos Malucelli de que o “Coritiba está 10 anos atrás do Atlético”, a “distância” diminui a cada dia. Para o contínuo da contabilidade, não importa o melhor CT, o melhor estádio; o time do colega está surrando o dele. Quem paga a aposta – e o mico –  é ele (e isso, amigos, é o que move o futebol. Rivalidade sadia e bom humor). Mas não é mole pra quem tá por baixo.

Então, se a derrota para o Boa já é ruim, imagine se o Coxa vencer o São Paulo e…, ops. Entendeu, né?

Assim sendo, o que o Atlético tem que fazer não é evitar essa pressão, porque é impossível.

É conviver com ela e fazer o seu melhor.

Oras, não foi o que o Coxa, campeão paranaense em 2003/05, fez enquanto o Atlético brilhava? Então volte ao tópico “Ambição.”

9) Qualidade

Pé de jabuticaba dá jabuticaba. Ponto.

Você pode passar sementes de maracujá na árvore, usar o melhor adubo, conversar, abraçar, regar todos os dias. Fazer simpatias, pular num pé só, vestir-se de maracujá.

Pé de jabuticaba não dará maracujá.

Um elenco que demonstrou falhas desde janeiro, perdendo pontos para o rebaixado Roma, não vai conseguir o acesso. Insistir nisso é incompetência, cegueira ou má intenção.

10) Investimento

Em 2011, Mário Celso Petraglia divulgou a lista de salários do então elenco atleticano. Condenável abrir o sigilo de cada atleta, ainda que cada salário ali pudesse ser um acinte. R$ 50 mil para jogar mau futebol, quando tem cientista que não ganha isso para pesquisar a cura do câncer… enfim. É a regra do mercado.

De todo modo, MCP não pode esquecer algo: em 2012, comanda o clube de maior orçamento da Série B. Dos 12 clubes acima do Atlético na classificação nesse momento (23/06/12), quantos tem folha de pagamento maior que o rubro-negro?

Não se deve violar a intimidade financeira dos jogadores, mas acho que a resposta pode ser constrangedora.

Looping eterno

Vila, quem fica?

Não sou hipócrita: se eu tivesse R$ 100 no bolso (jornalista ganha mal, amigo) não apostaria no acesso do Paraná à elite esse ano ainda, embora o goleiro Zé Carlos faz o papel dele em afirmar que ainda dá.

Mas 2012 está aí e em meio a perspectivas de mudanças políticas, com uma suposta chapa de oposição com José Carlos de Miranda à frente, é preciso pensar no futebol paranista. Não importa (nesse caso) se o time disputará a Série Prata do Estadual, caso o STJD modifique a nova decisão do tribunal local ou se o Tricolor ficará na elite; o exemplo de 2011 mostra que, se não há dinheiro o suficiente para disputar o título com Atlético e Coritiba, não se pode nem pensar em repetir o fiasco deste ano. E o importante é a manutenção de uma base.

E aí amigo paranista, a coisa já não é boa – embora haja tempo de ser arrumada.

Por sugestão do leitor Rodrigo Marquevi, resolvi ver a duração dos contratos dos jogadores de destaque do Paraná. E apenas três já estão garantidos até o Estadual/12: os meias Cambará e Douglas Packer e o atacante Giancarlo. E ainda assim, só até o meio do ano.

Nomes como Zé Carlos, Dinélson, Brinner, Amarildo e Serginho, entre outros, estão com contratos até dezembro apenas. Uns por empréstimo, outros por opção. Mas, mesmo sem ser unanimidade entre a torcida, já formariam uma base.

Há poucos dias eu jantei com um experiente gestor de futebol brasileiro, que já me falava dos planos para 2012. De como um clube deve pensar não no calendário ou no jogador X apenas, mas sim no contexto de formação de elenco, de estrutura profissional da equipe e renovação natural em posições. Ouvindo, parece simples; executando, vê-se que não é tanto.

Mas há que se começar. Ou o Tricolor iniciará 2012 como iniciou 2011, 2010, 2009… num looping eterno.

Clique aqui e confira o BID paranista.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!