“Se errei, foi em não expulsar Bill”, diz árbitro da Copa do BR 2011

Sálvio observa lance: para ele, se houve erro, foi outro (Imagem: VascoNet)

Nove de junho de 2011. O torcedor do Coritiba não esquece a data da vitória com sabor de derrota sobre o Vasco, 3-2. Faltou um golzinho para o Coxa, campeão brasileiro em 1985, comemorar seu segundo título nacional – oportunidade desperdiçada também no ano seguinte, contra o Palmeiras. O gol poderia sair em um pênalti reclamado pela torcida coxa-branca, sofrido por Leonardo no segundo tempo, mas que Sálvio Spinola Fagundes Filho não entendeu assim.

Dois anos depois, recebemos Sávio Spíniola, hoje ex-árbitro e consultor de arbitragem da Conmebol, para a transmissão de Chelsea x Benfica, decisão da Liga Europa. Simpático e bem humorado, Sálvio bateu um papo comigo antes do jogo. E, claro, perguntei sobre o suposto pênalti em Leonardo naquela decisão. Ele foi taxativo: “Se errei aquele dia, foi em não expulsar o Bill.”

Leia também:

A crise do Bahia ainda não atingiu o ápice

Portugal contra Béla Guttmann

O Santa merece o Brasil

Napoleão de Almeida: Sálvio, a metade verde de Curitiba não gosta muito de você por conta da final da Copa do Brasil 2011, reclama um pênalti em cima do Leonardo. Você lembra do lance?

Sálvio Spinola: Claro. Lembro como se fosse hoje. Eu uso aquele lance nas palestras que eu dou sobre arbitragem. Não foi nada. Aquilo é um lance normal de jogo, disputa de bola (veja o lance aqui, aos 2`04). Futebol é esporte de contato, se fosse fora da área, eu mandaria seguir, como mandei vários outros lances durante o mesmo jogo, e ninguém falaria nada. Se eu errei aquele dia, foi em não expulsar o Bill.

NA: Pra você, então, não foi nada, não é que você não tenha visto o lance?

SS: Eu vi claramente, não foi nada. Vi e revi várias vezes depois. Eu até encontrei o Marcelo [Oliveira, então técnico do Coritiba, hoje no Cruzeiro] no aeroporto um tempo depois, conversamos bastante sobre isso. Não tinha como dar aquele pênalti.

Imagem frisada do lance entre Dedé e Leonardo (reprodução)

NA: Você não acha que, muitas vezes por conta da arbitragem, os times perdem grandes oportunidades? Falo em dinheiro, em se jogar uma Libertadores?

SS: O árbitro não pode entrar pensando nisso. Eu, por exemplo, já apitei sobre pressão muito maior. Dá pra dizer que eu tirei o Equador da Copa do Mundo em 2010. Dei um pênalti aos 45 do segundo tempo para o Uruguai porque foi pênalti. O jogo no Equador, onde a Seleção deles não perdia, estava invicta. O empate bastava. Mas, talvez por excesso de confiança, no minuto final o menino derrubou o Recoba e foi pênalti, apitei sem dúvidas. Se for pensar nisso, eu “tirei” um país de uma Copa, mas fiz o certo. Depois eu quase apanhei, teve repórter que veio me agredir, e você sabe porque?

NA: Por que?

SS: Porque era ele que iria pra Copa. É tudo negócio. Não é que ele fosse completamente patriota ou coisa assim. Pode até ser. Mas ali, mais do que isso, era um país inteiro, rádios, jogadores, tudo isso, que deixaram de ir para a Copa porque eu dei um pênalti. Quer mais pressão que isso? Dei o pênalti porque foi, é mais fácil para eles jogarem na conta da arbitragem do que assumir o erro.

O lance citado por Spinola, entre Bill e Fernando (reprodução)

NA: Você é a favor da profissionalização dos árbitros?

SS: Sem dúvida. Essa é uma briga minha. Tem que profissionalizar.

NA: E quem paga a conta?

SS: O futebol, oras. O futebol tem recursos. Você sabia que na UEFA 8% da arrecadação vai direto para os árbitros? Se você quer qualidade total tem que investir. Os clubes, as federações, elas têm recursos, mas não aplicam. O árbitro, pra errar menos, precisa de dedicação exclusiva. Você falou no suposto prejuízo do Coritiba – e eu ressalto que não errei. Mas e o que o Coritiba faz pela arbitragem? Não só o Coritiba, mas todos os clubes? Nada. O negócio todo é profissional e o árbitro não.

NA: Camisa pesa?

SS: Não vou dizer que não, mas isso não é tão relevante assim. É o que eu disse: tem pressão de todo lado. O exemplo do Equador é perfeito: cumpri a regra, dentro do estádio deles, do país deles. Foi pênalti.

NA: Com tanta pressão, ser árbitro vale a pena?

SS: Vale. Sou muito feliz com o que faço e o que fiz na minha carreira. Tenho orgulho dela, fui um bom árbitro na minha avaliação.

Em tempo: Sálvio Spinola comentou a partida entre Chelsea x Benfica, 2-1 para os ingleses. Nos poucos lances duvidosos do jogo, acertou, confirmando sua opinião antes do replay. Depois, partiu para o Pacaembu observar Corinthians 1-1 Boca Jrs., pela Libertadores, com arbitragem contestada de Carlos Amarilla.

Veja o lance com Bill, citado por Spinola, aos 7`03:

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida

Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Os gols mais bonitos de 2011

Neymar venceu a eleição para o gol mais bonito de 2011, coisa que eu concordo. Ele superou Rooney e Messi na eleição da Fifa. Os gols você vê abaixo:

E no âmbito local?

O Jogo Aberto Paraná elegeu internamente os gols mais bonitos de 2011 e separou num Top 10 pra você conferir abaixo:

E você, concorda com as listas? Comente abaixo!

2011 – A odisséia paranaense

O Jogo Aberto Paraná exibiu ontem e hoje as retrospectivas da temporada 2011 para os clubes do Sul do Estado e um resumo dos principais acontecimentos no futebol paranaense em geral.

Acompanhe, relembre alegrias e tristezas e comente!

Atlético

Coritiba

Paraná

Política/Copa/Operário e Interior

Frases de 2011

O ano está acabando e o blog se propõe, entre um camarão e outro 🙂 a relembrar as principais frases de 2011 no futebol paranaense.

“O Atlético está 10 anos à frente do Coritiba”

Marcos Malucelli, ex-presidente do rubro-negro, que ajudou a “encurtar” a distância presidindo o clube na queda para a Série B, em Janeiro.

“Sei que o nosso torcedor esperava uma contratação como essa. Outras virão”

Paulo César Silva, então diretor de futebol do Paraná Clube, ao trazer Kerlon e ensaiar uma “parceria” com a Inter de Milão; o “Foquinha” esteve mais para baleia e o Tricolor caiu no Estadual. Em Janeiro.

“A emoção, torcedor, é porque eu respeito o Paraná!”

Willians Lima, repórter da Rádio Banda B, que não aguentou a emoção e foi às lágrimas ao ler a escalação do Paraná Clube no jogo contra o Operário, um dos últimos antes do rebaixamento no Estadual. O time era mesmo de chorar. Em Abril.

“Vamos trazer a Seleção esse ano, de preferência contra a Holanda, para comemorar o centenário da imigração holandesa no Brasil”

Hélio Cury, presidente da FPF, prometendo os craques brazucas em terras araucarianas, em Abril.

“Eu vi que o momento do Mano [Menezes] não era bom, muita pressão, e deixamos para uma próxima”

Hélio Cury, presidente da FPF, explicando porque o jogo aconteceu em Goiânia. Em Dezembro.

Nós não jogámos nada. O Coritiba fez uma partida fantástica e goleou quando quis

Luiz Felipe Scolari, técnico do Palmeiras, aturdido após o histórico 6-0 do Couto Pereira, onde não tem sorte desde 1991, quando deixou o Coxa na carona do time do Juventude. Em Maio.

“Vai melhorar”

Adilson Batista, ex-técnico do Atlético (um dos 6), comentando início ruim no Brasileiro. O time só venceu na nona rodada (2-1 no Botafogo) e não melhorou o suficiente para não cair. Em (vários dias de) Maio.

“De forma alguma me arrependo dessa decisão, que foi tomada de forma consciente”

Marcelo Oliveira, técnico do Coritiba, justificando a mudança e a entrada de Marcos Paulo no time justamente na decisão da Copa do Brasil contra o Vasco, que ficou com a taça. O volante foi emprestado ao Avaí dias depois. Em Junho.

“Meus netinhos olham para mim e dizem: ‘vovô, eu não aguento mais perder para o Coritiba!'”

Mário Celso Petraglia, após a perda do Estadual e início desastroso no Brasileiro, no dia em que oficializou sua candidatura a presidência do Atlético, tirando uma casquinha do desafeto Marcos Malucelli, em Julho.

“Demos um susto grande no guri, falamos com os pais, ameaçamos processá-lo, mas não iremos fazer. Se fosse verdade seria a notícia do ano, mas não é”

Vilson Ribeiro de Andrade, então vice-presidente do Coritiba, negando acerto com a Nike, revelado por um garoto no Orkut. Ainda bem que não processou: o blog confirmou a informação em Agosto e a Nike já fala como fornecedora do Coxa. Em Julho.

“Vamos erguer a Arena Fifa para a Copa das Confederações”

Mário Celso Petraglia, então apenas gestor da SPE/Arena, prometendo que a cidade e o estádio estariam no evento-teste do Mundial 2014, em Outubro.

“A região Sul foi totalmente desprezada. Por isso a expectativa é de que a cidade não tenha um papel de coadjuvante, mas de ator principal. Seria triste ficar só com as partidas da primeira fase, mas tenho certeza de que isso não vai acontecer”

Luiz de Carvalho, gestor municipal da Copa, dias depois de Petraglia e pouco depois de saber que Curitiba ficou de fora. Ainda teria mais: Curitiba só receberá jogos da primeira fase da Copa 2014. Em Outubro.

“O Paraná Clube está amargamente rebaixado para a Segundona. É um momento triste na história”

Benedito Barboza, presidente do Conselho Deliberativo do Paraná Clube, logo após absolvição do Rio Branco no caso Adriano de Oliveira Santos. Só então o time passou a articular a antecipação da Série Prata. Em Novembro.

“Eu garanto que o Atlético não vai cair”

Marcos Malucelli, então presidente do Atlético, nas vésperas da partida contra o América-MG, perdida por 1-2. A vitória salvaria o Furacão. Em Novembro.

“Estaremos praticamente em casa, pois o jogo é em Curitiba”

Marcelo Oliveira, técnico do Coxa, diminuindo a pressão na Arena, no clássico com o Atlético que podia valer Libertadores ao Coxa; deu Furacão, 1-0. Em Novembro.

“Essa queda eu tiro do meu currículo”

Antônio Lopes, ex-técnico do Atlético, justificando o rebaixamento pelo pouco tempo de trabalho, apesar de ser quem mais treinou o time em 2011 – 18 jogos. E esquecendo que assumiu o Corinthians em 2005 em situação parecida, quando foi campeão. Vai tirar o título também? Em Dezembro.

“Não sei como cocaína foi parar no meu corpo”

Santíago “El Morro” García, atacante do Atlético, negando o doping por cocaína – que, aliás, não foi comprovado pela Fifa, já que o laboratório uruguaio não era oficial. Em Dezembro.

“Sim, nós vimos que o time era ruim, mas quem montou foram os técnicos, que pediam jogadores”

Marcos Malucelli, agora ex-presidente do Atlético, esquecendo de como exercer hierarquia num clube de futebol, em dezembro.

“É. É uma barra que eu estou enfrentando. Mas eu sou guerreiro”

Vilson Ribeiro de Andrade, já presidente aclamado do Coritiba, falando em público – e às lágrimas – sobre sua batalha contra o câncer. Em Dezembro.

“O Coritiba é um time golfinho, que vive subindo e descendo”

Mário Celso Petraglia, em campanha eleitoral, cutucando o rival com o apelido dado pelos atleticanos ao Coxa, após as quedas de 2005 e 2009. Em Dezembro.

“Eu quero agradecer ao Mário Celso. O golfinho é um animal amável e inteligente, que vive em águas limpas e cristalinas”

Vilson Ribeiro de Andrade, devolvendo a provocação na semana em que denúncias contra Petraglia, sobre propinas em negociações nos anos 2000, ganharam o noticiário. Em Dezembro, mostrando que 2012 será um ano ainda mais cheio de boas frases.