Começou a NFL, o futebol que é menos foot e nem tão ball

Sim, é futebol

por André Tesser*

A bola oval está voando de volta. Para os fãs do Futebol Americano, a liga profissional norte-americana, a NFL, retomou suas atividades na quinta-feira, dia 05/09/2013, com o jogo envolvendo o campeão do ano passado, Baltimore Ravens e um dos favoritos dessa temporada, o Denver Broncos – que venceu o jogo.

O campeonato da NFL é um dos que mais têm audiência no mundo. Sua final, conhecida como Super Bowl e que acontece sempre no primeiro domingo de fevereiro, é o evento esportivo isolado com maior telespectadores do planeta e tem o intervalo mais caro da televisão mundial. Na última temporada, por exemplo, “apenas” mais de 108 milhões de televisões estiveram ligadas no mundo para o Super Bowl.

O fenômeno explica-se, claro, pelo fanatismo norte-americano pelo esporte, mas também pelos adeptos da liga no mundo. Isso só é possível pelo nível técnico do campeonato, pelas emoções que o esporte proporciona, pela organização do torneio e pela tradição yankee de unir, com maestria, esporte e entretenimento.

A NFL é dividida em duas Conferências: NFC (National Footbal Conference) e AFC (American Footbal Conference). Os times de cada conferência estão espalhados por oito divisões (quatro divisões por conferência), que contam com quatro times cada, o que totaliza 32 times (chamados de “franquias”). Ao final de 16 jogos de cada time na temporada regular, classificam-se aos playoffs das conferências os campeões de cada divisão e mais dois times por índice técnico dentro de cada conferência. Depois, os times enfrentam-se em partida única, sempre na casa do time de melhor de campanha da temporada regular até sair o campeão.

Os dois vencedores das Conferências disputam a final da NFL, o Super Bowl, que acontece também em partida única, em estádio já pré-definido. Em fevereiro de 2014, o Met Life Stadium, em New Jersey, nos arredores de New York, sediará o evento.

Para essa temporada, os especialistas têm apontado alguns favoritos. Na AFC, o título deve ficar entre o Baltimore Ravens (que mantém um time forte, apesar de algumas perdas importantes), o Denver Broncos (que conta com uma dupla no ataque que deve fazer história na Liga: Peyton Manning e Wes Welker) e o sempre forte New England Patriots (que conta com um dos melhores quarterbacks da liga, Tom Brady, também conhecido como marido de Gisele Bündchen).

Na NFC, a disputa deve ser mais acirrada. O Atlanta Falcons (vice-campeão da conferência na temporada passada e reforçado), o Green Bay Packers (com um ótimo ataque comandado pelo excelente Aaron Rodgers e uma boa defesa, com o “lenhador” Clay Mathews), o San Francisco 49ers (que manteve a boa base da temporada passada, com destaque para a defesa com a dupla de linebackers Aldon Smith/Patrick Willys e com o quarterback Colin Kaepernick, que levou o time ao Super Bowl na temporada passada) e o Seattle Seahawks (do talentoso quarterback segundo-anista Russel Wilson e de um dos melhores running backs da liga, Marshall Lynch) lideram os postos de favoritos.

Mas, a Liga sempre reserva algumas surpresas. Se ela vier da AFC, deve ser o Cincinatti Bengals (que se reforçou bem), o Houston Texas (que fez uma bela temporada passada) ou o Indianapolis Colts (que deve crescer na segunda temporada de seu festejado quarterback Andrew Luck). Na NFC, as surpresas podem vir do New Orleans Saints (com a volta seu head coach Sean Payton, que ao lado de seu grande quarterback Drew Brees já levou o time da Lousiana ao título do Super Bowl), ou do sempre perigoso New York Giants (do quarterback duas vezes campeão do Super Bowl Eli Manning – irmão mais novo de Peyton, QB do Denver Broncos).

De qualquer forma, o campeonato promete ser, novamente, dos mais disputados. A temporada relativamente curta e o histórico de lesões na Liga sempre são fatores que colaboram com o imprevisível e é muito normal um time que não faz uma grande temporada regular ser o campeão.

Para quem quiser acompanhar o torneio pela televisão, a ESPN – que transmite o campeonato no Brasil, assim como o canal Esporte Interativo – deve transmitir cinco jogos por rodada: um na quinta-feira, dois na tarde do domingo, um na noite do domingo (o jogo mais festejado da rodada, o Sunday Night Football, que tem a abertura mais legal de qualquer evento esportivo) e um na noite da segunda-feira, o Monday Night Football. Além disso, sempre rolam transmissões especiais (no feriado norte-americano de Thanksgiving – ação de graças, por exemplo), e a ESPN transmitirá também, mais uma vez, todos os jogos dos playoffs, incluindo, claro, o Super Bowl.

Para quem tem conta no twitter, há sempre muita informação quando se segue o @theconcussion e o @oquarterback, além das contas dessa rede social dos narradores e comentaristas da própria ESPN no Brasil.

Se você ainda não é fã da bola oval, sugiro que vgaste um pedaço do domingo assistindo, ao menos, o Sunday Night Football, incluindo a sua abertura. Mas, depois, não me acuse de viciá-lo.

P.S.: obrigado ao amigo Napoleão pelo espaço e pela oportunidade de dividir um pouco nessas linhas, da minha adoração pela NFL.

*André Tesser é advogado, professor de Direito, fanático por Futebol Americano e amigo do blog