Coritiba: conheça o Memorial do Coxa

O Jogo Aberto Paraná exibiu ontem um especial sobre o Memorial do Coxa, o antigo espaço 100 anos. Confira:

Hélio Cury: “Se houver consenso, a FPF não impedirá”

O presidente da FPF, Hélio Cury, pela primeira vez em público demonstrou ser favorável a idéia de se antecipar a Série Prata, desde que haja consenso entre os clubes.

Cury manteve a idéia de que é necessária unanimidade mas, confrontado com a informação de que uma maioria votante poderia forçar a mudança, amparados na base jurídica de que um time entrar em campo em menos de 66h depois de uma partida anterior, disse que a FPF não tem interesse em atrapalhar a competição, tampouco em lucrar com a mesma.

Acompanhe a entrevista dada ao Jogo Aberto Paraná:

A situação política do Atlético

Situação ou oposição? Existe como separar os lados na eleição atleticana?

Sim e não. Ontem, em um hotel de Curitiba, a chapa “Paixão pelo Furacão” oficializou candidatura a presidência do rubro-negro, para os conselhos deliberativo e gestor. Os nomes: Enio Fornea e Diogo Fadel Bráz. Fadel é atual vice-presidente do clube; entrou no cargo para ocupar a vaga deixada por Fornea, que deixou a diretoria no meio de 2011. Logo na abertura da entrevista, a chapa se colocou como opositora a situação, um paradoxo; aos poucos, assumiram outra postura e explicaram as diferenças.

Em entrevista exibida no Jogo Aberto Paraná – e colocada em tamanho maior aqui no blog – ambos comentam a relação com a atual gestão e o atual presidente, Marcos Malucelli. Além disso, Fadel falou sobre a profissionalização do futebol do clube e Fornea, sobre a Arena para a Copa e a relação com o outro candidato, Mário Celso Petraglia. Confira:

Com base nas entrevistas, tento responder a pergunta inicial do texto:

Sim, a chapa de Fornea e Fadel é situação. Não há como negar: Fadel É vice-presidente do clube e concorre a presidência; Fornea estava nessa chapa.

Mas, há oposição? Ao se analisar esse panorama político, é necessário lembrar que esse grupo está no poder com o apoio e campanha de… Mário Celso Petraglia. Todos, em algum momento, se encontraram na gestão do clube. Hoje, Petraglia se coloca como opositor, rompimento mais antigo que o de Fornea – que, de fato, não rompeu com Malucelli, como as imagens mostram. Me lembra o poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade: “João, que amava Maria, que amava José…” todos, de alguma forma, interligados.

E Malucelli nessa? O atual presidente tem rejeição de parte dos sócios, muito pela campanha neste ano. Pode ficar marcado como o presidente que derrubou o Atlético para a Série B. A ele, no entanto, é atribuído o saneamento financeiro atleticano. Também  é de Malucelli boa parte da culpa dos atrasos nas obras na Arena para a Copa, da qual sempre se mostrou contrário a ver participação atleticana. E se o time escapar da Série B, qual será o peso dele nas eleições?

Não existem santos ou anjos nessa disputa. Petraglia é centralizador. Tanto que ainda, apesar de já ter se declarado candidato há bem mais tempo que Fornea, não divulgou a composição exata da chapa CAP Gigante; Fornea e Fadel podem carregar consigo parte dos fracassos da atual gestão, mas se propõem a descentralizar comando.

É só o começo da disputa. E no meio de tudo, é bom não esquecer, tem um time tentando três vitórias para fugir da degola.

Mobilização atleticana

A água bateu no queixo. Para o jogo de domingo, na Arena, contra o Ceará, não tem desculpa: é vencer ou vencer.

O Atlético tem brincado com a sorte em 2011. Mesmo com uma campanha abaixo da crítica, consegue se manter vivo graças a incompetência dos adversários. Nem adianta fazer contas. Paulo Baier já disse: “É o último suspiro.”

Ontem, no CT do Caju, os jogadores convocaram mais que a torcida: convocaram a comunidade a salvar o Furacão. Nem se trata de transferência de responsabilidade. Depois de tanto errar, o que eles querem mesmo é um pouco de sossego e adquirir confiança para tentar sair do lodo.

Num ótimo trabalho de edição de Carol Mafra, o Jogo Aberto Paraná exibiu o vídeo abaixo. Sem números, sem interferência ou lembranças (verdadeiras) da fase do Atlético: apenas o apelo dos jogadores e do técnico por ajuda. Confira:

O Jogo Aberto Paraná vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, na Band Curitiba, Canal 2, para Curitiba, Paranaguá e litoral e Ponta Grossa e Campos Gerais.

Coritiba 102 anos – Especial Jogo Aberto Paraná

A festa do centenário veio dois anos depois. Essa é a impressão que fiquei após passar a tarde com o vice-presidente do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade, na véspera do aniversário de 102 anos do clube.

Véspera também do anúncio que ele fez em primeira mão na Band*, de que o Guiness Book reconheceu o Coxa como clube que mais venceu jogos consecutivos no Mundo; e, mais importante, do lançamento do novo CT, um dos inúmeros projetos da gestão de Vilson Andrade, que fez carreira de sucesso como CEO do HSBC na América Latina. Agora, empresta esses conhecimentos ao Coritiba.

Na entrevista a seguir, você acompanha mais de meia hora de papo sobre todos os temas que interessam a torcida coxa-branca, desde o novo CT, os projetos para a saída para o Pinheirão e a vinda da Nike como fornecedora (pra bom entendedor, a entrevista ajuda a perceber o que pode acontecer nos dois casos) e o futuro alviverde. Com Vilson como possível presidente.

Acompanhe e participe nos comentários!


*O Jogo Aberto Paraná vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, na BandCuritiba.

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

 

Desconstruindo o mito

O ano é o já distante 2007. O Paraná de Caio Júnior tinha surpreendido grandes clubes (e principalmente orçamentos) e abocanhou uma vaga na pré-Libertadores. Caio foi embora, chegou Zetti e, com ele, algumas novas caras. Entre elas, Dinélson.

O Paraná, pode-se dizer, fez uma boa Libertadores. Passou pelo Cobreloa-CHI na fase inicial, encarou Flamengo, Real Potosí-BOL e Unión Maracaibo-VEN na fase de grupos e parou no Libertad-PAR nas oitavas. Fez mais que o Coritiba em duas participações. No Estadual, quebrou um tabu nas semifinais contra o Atlético, 3-1 na Arena, e avançou a decisão. Nela, derrota surpreendente para o AC Paranavaí e um vice-campeonato amargo, que era apenas indício do Brasileirão ruim, que resultaria na Série B.

Mas a imagem que ficou foi a de um time que superou o desempenho de um rival na Libertadores e quebrou um tabu em cima de outro, muito pela habilidade de um meia habilidoso: Dinélson. Um mito foi criado em cima de um promissor jogador e uma torcida carente, hoje ainda mais, após 4 anos de desilusão.

O tempo andou. E nesses quatro anos, Dinélson viveu às voltas com problemas físicos. Uma lesão no joelho esquerdo fez com que o meia atuasse apenas 736 minutos* e tendo marcado 3 gols, mesmo rodando por Corinthians, Coritiba e Avaí, além do próprio Paraná, no período, como mostra o quadro abaixo:

*Números apurados pelo Blog Torcedor Paranista, de Luís Hansen

Ao voltar para o Paraná, Dinélson reencontra o clube com a torcida precisando do mito. E isso pode ser prejudicial a ambos.

O Tricolor demonstrou perda de fôlego na Série B nas últimas rodadas e pior: perdeu Wellington, maestro da equipe nos bons momentos, pelo resto da competição. A chegada de um meia com o perfil de Dinélson – e ainda mais por ser ele – enche a torcida de esperanças. Mas não se pode pedir isso dele.

Dinélson também procura o mito, o sonho que teve lá atrás, ainda no Corinthians. É talentoso, mas sofreu demais com as lesões e, a exemplo do que o Paraná viveu com Kerlon, pode não dar resultados. E a fantasia irá se desfazer no primeiro passe errado.

É hora de desconstruir o mito. Esqueça 2007, os bons momentos; é hora de o paranista entender que esse é um novo Dinélson, em um novo momento. Ele pode ser útil ao clube na briga pelo acesso, mas é assim que deve ser tratado: como um jogador útil, não o Messias que reconduzirá o Paraná a elite nacional. Se torcida, clube e ele próprio entenderem isso, pode ser que em dezembro a volta por cima surja para ambos.

No vídeo abaixo, você confere a primeira entrevista de Dinélson no retorno ao Paraná, exibida no Jogo Aberto Paraná da Band, de segunda a sexta, 12h30:

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!

Polêmicas do Atletiba 347

Fechando a série de posts sobre o Atletiba 347, repriso aqui lances e comentários feitos no Jogo Aberto Paraná da Band Curitiba, que vai ao ar de segunda a sexta, 12h30, para Curitiba, RMC, Paranaguá e litoral e Ponta Grossa e Campos Gerais.

São lances que separei a pedidos de muita gente que nos dá a alegria da companhia. É polêmica, então não espero concordância e sim disponibilizo os momentos para uma análise mais aprofundada para mim e para vocês.

1) Bill cuspiu em Fabrício?

As imagens acima são da TV Bandeirantes e são as únicas a que tive acesso. Por elas, é impossível ter uma conclusão, ainda que utilizemos o recurso zoom.

No entanto, fiquei com alguns indícios de que Bill NÃO cuspiu em Fabrício. Pelas imagens, percebe-se que ambos seguem se estranhando após o lance, mas, se cuspido fosse, difícilmente Fabrício não reagiria: cuspe na cara é uma desonra enorme para quem leva e maior ainda para quem executa. Um telespectador/leitor já perguntou se não questionamos ambos sobre isso: não. Nem Bill, nem Fabrício, estiveram na coletiva do Atletiba. Amanhã, com as coletivas da semana, pode ser que isso tenha sido feito. Eu não estive em nenhum treino. Mas falo mais se souber mais.

Em tempo: outros perguntaram se foi pênalti de Fabrício em Bill no mesmo lance. Pra mim, não: Bill perde a passada e se joga. Lance normal.

Update: O repórter Osmar Antônio, da Rádio Banda B, afirmou que, ao perguntar para o zagueiro Fabrício se Bill teria cuspido nele, a resposta foi sim. Repito o que afirmei no Jogo Aberto Paraná nessa terça: as imagens da Band não mostram o cuspe. Se outro canal tem, seria de bom tom jornalístico oferecer. Ainda: acredito que agora cabe ao jogador e ao clube irem atrás do que acham correto. Por fim, uso o update e não uma edição porque quero manter o teor original do texto, sem compromisso com o erro.

2) Houve inversão na falta que originou o lance do Atlético?

Não. Mas se Héber Roberto Lopes marcasse falta e amarelasse o meia Branquinho, do Atlético, também estaria correto.

O lance é claro: Willian faz a falta por baixo no mesmo momento em que Branquinho reage por cima, esticando o braço no rosto do atleta do Coxa. Foi falta de Willian; foi falta de Branquinho. A questão é o tempo.

Héber entendeu que Willian “bateu” antes e apitou. O resto vocês já sabem.

3) Foi pênalti no lance com Jéci e Madson?

Não. Enquanto a Fifa (ou no caso a International Board) determinar que o que vale é a intenção no eventual toque da mão na bola, nenhum lance assim pode ser considerado pênalti. Diferentemente do basquete, quando a bola tocada no pé é falta não importando a razão, o futebol permite esse tipo de lance. E Jéci só não tocaria a bola se não tivesse um braço.

Além do mais, observando a movimentação dos jogadores, percebe-se que Jéci faz o possível para não reter a bola com o braço e Madson, na disputa dela, em nenhum momento pede o toque.

4) Edson Bastos falhou no gol do Atlético?

Não. Na minha opinião, e a imagem acima mostra, houve mérito na proteção de bola feita por Cléber Santana em cima de Lucas Mendes, impedindo o corte. Não só isso: o posicionamento da defesa do Coritiba permitiu que a bola, batida na direção do gol e com força, quicasse logo a frente de Bastos. Esse tema gerou debate acirrado no programa, já que a opinião do ex-goleiro e comentarista do Jogo Aberto Paraná, Gerson Dall’Stella, é contrária. Para ele, Bastos falhou – deveria ter se antecipado ao quique.

Na verdade, o futebol é feito de erros. O gol invariavelmente nasce de algum erro. Foi assim com o gol do Coritiba, quando, mal posicionada, a defesa do Atlético permitiu o cabeceio de Emerson. E do jogo.

O que se discute na verdade não é se Edson falhou ou não e sim se ele deve se manter no time titular. Bastos ainda paga pelo erro da Copa do Brasil e qualquer suspeita já é o suficiente para que a paciência com ele se acabe. Eu acho que, em termos práticos, não há nada demais em dar uma oportunidade para Vanderlei, outro grande goleiro.

Mas o que tem se tentado fazer com Bastos é cruel. Como disse Renan Ceschin hoje no programa, se ele não pode ser titular com tudo o que já fez pelo Coxa e passa a ser questionado em lances difíceis como esse, então, não deve ficar. E aí já é demais, não concordam?

O blog está concorrendo ao Top Blog 2011! Clique aqui e vote na categoria Esportes!