Escudero e os porcos

Há poucos dias, recebemos o paranaense Gilson Kleina, técnico do Palmeiras, no Terra. Fora do ar, falávamos sobre a timidez e “frieza” dos curitibanos. Disse-me: “O curitibano não é frio. Só que se for à casa dele, bata na porta antes de entrar. Aí, você vai ser bem recebido”.

Escudero, zagueiro do Coritiba, não bateu à porta após o empate em 2-2 com o Atlético, na final do Paranaense 2013. O argentino, que falhou feio no segundo clássico do estadual, entrou nervoso na decisão. Agrediu sem bola o atacante Crislan, do time B atleticano, que pela política do clube, disputa o campeonato. A arbitragem não viu. Logo depois, perdeu a cabeça novamente e levou amarelo. Escudero queria mesmo era prejudicar o próprio time.

Não satisfeito, comprou uma briga que pode se alastrar pelas arquibancadas, tensas como sempre em Atletibas. De banho tomado, em casa, usou as redes sociais para agredir a instituição Atlético Paranaense:

Ao contrário do que assumiu o Palmeiras, no Paraná, “porco” é ofensa, Coitado do bichinho, criado para alimentar por puro preconceito, pois é um dos mais inteligentes no reino animal. Atleticanos xingam coxas-brancas de porco; coxas, como visto acima, fazem o mesmo.

Está errado, e quem defende também. Quando fica nas arquibancadas, é do jogo, mas não é legal. A intolerância é que motiva a violência. Escudero não representa o Coritiba. Não representa o futebol argentino.

Dirão alguns que é puritanismo barato; não é. Rafinha falou durante toda a semana do clássico, motivou, foi contundente sem ser deseducado. Rafinha é craque, é brincalhão. Provoca e faz bem ao jogo.

Escudero não. 

Quando um jogador assume essa postura, está sendo anti-profissional. Hoje Escudero é do Coritiba; amanhã, pode ser do Atlético. Ou do Palmeiras, o Porco, sem ser pejorativo como o zagueiro afirmou. 

Escudero criou um problema que ele e principalmente o Coritiba não precisavam. Deveria muito mais se preocupar em melhorar sua condição física e técnica. Ao misturar-se aos porcos, baixando o nível, o zagueiro mostrou que não merece a centenária camisa coxa, nem disputar um clássico como o Atletiba.

Leia também:

Seedorf faz bem ao futebol brasileiro

Sem refresco para Mourinho

Grandes “traíras”do futebol brasileiro

Siga Napoleão de Almeida no Twitter: @napoalmeida
Gostou do blog? Curta a FanPage no Facebook!

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s