15 minutos com Rafael Cammarota

Voltei aos anos 80 nesta quinta. Direto de São Paulo para uma infância em Curitiba, num papo com uma lenda do futebol paranaense, um dos ídolos de todo garoto que gostava de futebol naquela década: Rafael Cammarota. Campeão no Atlético, campeão no Coritiba, Rafael tinha – e ainda tem – aquele bigode texano e cabelos compridos.

Conseguiu o feito de ser ídolo nos maiores rivais do Paraná – quase ganhou o Brasileirão pelos dois. Melhor para o Coxa, que teve nele, em 1985, um paredão intransponível. Rafael Cammarota é paulista de nascimento, mas se diz curitibano. Nesta quinta, o recebi no Terra para ser comentarista em Steaua Bucareste 1-0 Chelsea, pela Liga Europa. Foram 90 minutos de bola rolando, com o atual técnico – ainda sem clube – comentando. Mas antes, batemos um papo de 15 minutos sobre os anos 80 no futebol paranaense.

O jeitão é o mesmo dos tempos de jogador. Fala, conta histórias. A primeira delas, ainda na redação foi afirmar categoricamente: na histórica semifinal do Brasileirão de 1985, no Mineirão, aos 33 do 2o tempo, um chute muito contestado pelo lado do Atlético-MG , não entrou. “De jeito nenhum! Tirei na linha, tenho foto e tudo mais. Isso é choro dos mineiros!” O título de 1985 é a grande recordação dos tempos de jogador. “Era um grupo legal. O professor Ênio [Andrade, técnico campeão] conhecia muito de futebol.” O arrojo nas saídas do gol é a razão para o sucesso, contou: “Eu era meio maluco, me jogava mesmo na bola. Se goleiro é viado ou louco, eu sou pirado.”

O título brasileiro veio em 1985, mas podia ter vindo dois anos antes, no rival Atlético. Na semifinal contra o Flamengo, derrota no Rio por 0-3 e vitória em Curitiba por 2-0, construída no primeiro tempo. “Falam muita besteira desse jogo. Dizem que o Hélio Alves (então supervisor do Atlético) vendeu, mandou a gente se entregar. Que nada! A gente não fez o terceiro porque não conseguiu. Pô, do outro lado tinha Zico, Nunes, Adílio…”, conta.

Rafael fala pouco com os amigos daquele tempo. Heraldo, que o acompanhou na troca do Furacão pelo Coxa, é um deles. Ele se lamenta por Washington, que também brilhou no Fluminense, de quem era mais próximo. “Depois do jogo do Flamengo, o “seo” Hélio me ligou, já de madrugada. ‘Rafa, vem comigo, o Washington acertou o Gol’. Eu: como assim? O bicho tinha metido o carro numa loja no centro da cidade. Era o dia em que ele foi vendido para o Fluminense.” Triste, contou que soube que o ex-companheiro de equipe estava numa cadeira de rodas:  “Foi f., ele pegou essa doença [Esclerose Lateral Amiotrófica, ELA, uma doença degenerativa].”

A dupla Atletiba se mistura com a história de Rafael. Em 1985, era um dos melhores goleiros do Brasil. Foi convocado para a Seleção de Telê Santana, que iria para a Copa do México em 1986. Telê, como se sabe, era um dos técnicos mais disciplinadores do Brasil.

O Atletiba das faixas: fim da Seleção para Rafael (arquivo pessoal)

Campeão Brasileiro, o Coritiba resolveu fazer um amistoso comemorativo com o Campeão Paranaense. O rival Atlético. O jogo não terminou, após uma grande confusão. “Puta burrice, nunca vi fazer amistoso com inimigo. Dancei naquela, perdi a Seleção”, conta.

Rafael ainda rodou por Ponte Preta (vice paulista em 77), Grêmio Maringá (“O terceiro grande do Paraná”, diz), Corinthians, Fortaleza e Sport Recife (vice-campeão da 1a Copa do Brasil, em 1989), entre outros. Ao comentar Steaua x Chelsea, lembrou que excursionou com a Ponte à Romênia. “Eles tem umas namoradas bonitas por lá, viu?”, brinca, lembrando que, por falar italiano, ajudou a traduzir alguma coisa do que se falava por lá.

Pelo Sport, uma passagem marcante em 1989, não só para os pernambucanos. Vice-campeão da Copa do Brasil, defendeu o Leão também no Brasileiro. Acabou enfrentando o Coritiba no que viria ser um dos mais tristes episódios da história do clube: um torcedor invadiu o campo para agredi-lo. O Coxa perdeu um mando de campo, tendo que jogar em Juiz de Fora contra o Santos. Conseguiu uma liminar e não foi; levou WO e foi rebaixado para a Segunda Divisão. “Tem gente que diz que é culpa minha, tá louco! Eu fiz esse time ser campeão brasileiro. Foi tudo armação”, conta em detalhes: “O Jacob (Mehl, ex-presidente do Coxa) não gostava de mim porque eu ajudei muito o Evangelino. Com ele, assinava até contrato em branco. O Jacob não gostava. Quando cheguei no Couto pro jogo, o [Odivonsir] Frega, que era supervisor, me avisou: ‘Cuidado que querem aprontar pra você’. O jogo começou, o babaca invadiu o campo, me deu uma facada. Tomei dois pontos. Quem perdeu foram os clubes: o Sport tomou a virada e o Coxa deu naquilo.”

Depois, voltou ao interior de São Paulo. Foi buscado pelo técnico Zé Duarte para reforçar o Atlético, que viria a ser campeão estadual em 1990. “O Zé não confiava no Toinho (então goleiro) e o Marolla já não tava muito bem. Eu disse que não queria voltar, pois era difícil jogar, mas ele me convenceu.” Louco por carros, Rafael tinha um Opala preto. Num dos treinos na Baixada, apareceu entre os titulares. Chegou no carro, após o treinamento, e encontrou o Opalão cheio de velas de Macumba. “Foi o Toinho, aquele viado. Eu cheguei e disse pra ele: pode fazer a vontade. Quanto mais você fizer, mais eu vou pegar tudo.”

Encerrou a carreira na Ferroviária-SP, em 1995. Chegou a treinar alguns clubes, mas nunca conseguiu uma chance. “Eu queria treinar um time na minha terra, sou tão curitibano quanto você. Podia ser até o Jotinha, mas o Caxias [Alceu Mentta, ex-zagueiro, hoje comentarista] fica de onda, não me dá uma força com o Joel [Malucelli, presidente de honra do J. Malucelli]”, brinca. Curitibano que é, mesmo que por adoção, Rafael sabe que não será fácil vencer na terrinha. Por enquanto, valem as boas histórias que ele conta.

2 comentários sobre “15 minutos com Rafael Cammarota

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s