Suburbana: Goiano, paranaense e paranista

Agora na Suburbana, Goiano não deixou de mostrar a velha raça que o deixou nos corações tricolores. Mas não teve sucesso contra o Iguaçu

por Ana Claudia Cichon*

Por 13 anos, vermelho, branco e azul foram as cores que Goiano vestiu diariamente. Emerson Bueno dos Santos, nascido em Bom Jardim(GO) – e por isso o apelido – começou a carreira no Paraná em 1996, ainda no juvenil e jogou pelo clube tricolor até 2009, deixando saudades na memória dos torcedores paranistas.

Aos 33 anos, o volante teve passagens pelo Santa Cruz e pelo Rio Branco, e este ano resolveu vestir outra camisa tricolor. Trocou o azul do pelo verde, o profissional pelo amador e de quebra ainda ganhou a braçadeira de capitão do Trieste, equipe de Santa Felicidade onze vezes campeã da Suburbana.

“Cheguei com o campeonato em andamento, mas fui bem recebido por todos. O Trieste é um clube bem estruturado e o futebol amador de Curitiba é um dos melhores do Brasil, muito forte. A experiência está sendo muito boa”.

Um dos mais experientes do grupo, Goiano tenta passar seus ensinamentos para os garotos que estão começando. “É preciso se dedicar e provar a todo jogo, todo treino. A regularidade é muito importante, assim como a parte tática”, explica.

A faixa para Goiano, sempre vista na Vila Capanema (Imagem: Blog Torcedor Paranista)

 

Goiano espera poder jogar ainda mais um ano no futebol profissional, mas garante que se não receber propostas, ou depois de encerrar as atividades futebolísticas, volta pro amador, com a expectativa de fazer um bom trabalho. É esperar – e torcer – para ver!

  • O jogo

Com a vaga para as semifinais garantida, o Iguaçu recebeu o Trieste neste sábado (03), no estádio Egídio Pietrobelli em ritmo de treino e poupando seus principais jogadores. A equipe triestina, por outro lado, entrou em campo dependendo não só de uma vitória, mas torcendo por um tropeço do Bairro Alto no confronto contra o Novo Mundo.

O primeiro tempo foi fraco. Muitos erros de passes e poucas chances claras para os dois times. Mas no finalzinho Laércio sofreu falta dentro da área. Pênalti. Nilvano cobrou e abriu o placar para o time da casa.

A sequência da cobrança de Nilvano: fim da linha para o Trieste (Fotos: Ana Cichon)

Na segunda etapa o técnico Rossano foi para o tudo ou nada, mas não deu para a equipe tricolor, que depois de três vices-campeonatos fica de fora das semifinais da competição.

Iguaçu: Leandro, Franco, Mérci, Emerson, João Vitor, Clé, Piter (Samuca), Fábio (Ricardinho), Nilvano (João Madureira), Laércio e Jé. Técnico: Juninho

Trieste: André, Alan, Dalton, Dudu (Melk (Pilo)), Raul, Adam, Goiano, Aroldo, Malzone, Flávio e Juninho (Edvaldo). Técnico: Rossano.

  • Resultados da rodada:

Iguaçu 1-0 Trieste
Bairro Alto 5- 3 Novo Mundo
Santa Quitéria 1-2 Combate Barreirinha

*Ana Claudia Cichon é jornalista e troca facilmente uma novela por um jogo da Suburbana, sem deixar de ser feminina

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s