Não efetivem Ricardo Drubscky

Quatro vitórias consecutivas, jogando um bom futebol no Derby Paranaense e contra o então líder Criciúma. O primeiro turno acabou bem para o Atlético, colado no G4 e de volta a Curitiba, para jogar no Eco-Estádio para 9.999 torcedores. Quem te viu, quem te vê.

O Atlético esteve desacreditado nessa Série B. Tudo em função da demora da direção em reconhecer que o time vice-campeão estadual era limitado. Da primeira rodada (4-1 no Joinville) até a vitória por 2-1 sobre o Paraná, só dois jogadores, Manoel e Deivid, se mantiveram titulares. Jogando pra 3 a 4 mil pessoas em Paranaguá, num gramado ruim e depois de trocar Carrasco por Drubscky e logo em seguida (uma cilada) por Jorginho, pra então voltar à Drubscky, o Furacão assinava um contrato de mais um ano com a Segundona.

Pois jogadores chegaram, o clube conseguiu um jeito de voltar a jogar em casa e finalmente vai dando pinta como o favorito que era para o acesso. Por isso, lanço a campanha: Petraglia, não efetive Ricardo Drubscky no cargo.

O Rubro-Negro só cresceu na B fazendo tudo ao contrário. Qualquer cartilha de gestão esportiva pegaria fogo ao ver as decisões do departamento de futebol atleticano em 2012. E foi depois do “foi-num-foi-acabou-ficando” de Drubscky, junto com a chegada de vários reforços no meio da competição, que o time começou a jogar.

Drubscky ainda não convenceu a todos (nem a mim) e talvez nunca o fará. Tem um jeito humilde, simples, fala mansa. Foi aliás a humildade que o manteve no clube. Disse, há poucos dias, que sabia que o mercado dele não é tão vasto e preferiu ficar no clube. Pediu uma chance de mostrar seu trabalho. Está ganhando. E está bem.

O time começou a ter jogadas. Trabalha bem a passagem dos laterais a partir do avanço dos meias (em especial Elias), ganhou um centroavante de área, tem Deivid como um cão de guarda da defesa e estabilizou as presenças de Cléberson e Manoel, que voltou a jogar bem. Drubscky é low profile, mas não é covarde. Mexe no time buscando posse de bola e vitória. A soma de fatores dá a ele – e ao Atlético – a chance que parecia perdida, de subir ainda esse ano.

Por isso, num ano de contradições e reviravoltas, nada mais justo do que pedir: não efetivem Drubscky. Deixem-o como interino até segunda ordem. Pra que mexer no que está quieto?

 

Opine!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s